UNIVERSAL MUSIC ADQUIRE QUASE METADE DA PARTICIPAÇÃO DE GRANDE GRAVADORA INDEPENDENTE BRITÂNICA

Universal Music adquiriu 49% da participação minoritária da gravadora britânca independente Pias Group.

Nesta quarta-feira, 30, a Universal Music anunciou a aquisição de quase metade da participação minoritária, da gravadora independente americana Pias Group.

De acordo com o Music Business Worldwide, o anúncio informou que a participação da Universal Music será de 49% na PIAS, e o controle majoritário da empresa continuará com seus fundadores Kenny Gates e Michel (foto). Além disso, a UMG não terá assentos no conselho da empresa.

Sir Lucian Grainge, presidente e CEO do Universal Music Group, disse que no passado havia grande competição entre gravadoras indie e majors, mas nos tempos atuais, o ecossistema da música precisa reconhecer as empresas que estão comprometidas com o desenvolvimento sustentável de carreiras artísticas, prezando qualidade ao invés de quantidade:

“Embora grande parte do passado tenha sido focada em ‘majors versus indies’, está claro que hoje, a divisão importante em nossa indústria é sobre aqueles comprometidos com o desenvolvimento do artista versus aqueles comprometidos com a quantidade em detrimento da qualidade”, disse o CEO.

Grainge reconheceu ainda a importância do trabalho da Pias para o mercado musical: “Compartilhamos a paixão de Kenny e Michel por desenvolver artistas e movimentar a cultura, e reconhecemos que um ecossistema musical saudável precisa de empresas como [PIAS], que estão comprometidas em amplificar as melhores vozes da música independente”, concluiu.

Vale notar que a Universal Music estava impedida por 10 anos de fazer qualquer investimento em ativos na Europa ou assinar com artistas, por conta da aquisição da EMI. O investimento de hoje marca o término da restrição.

 

Foto: reprodução

Leia na origem

CEO da Universal Music diz que “100.000 novas faixas por dia” em plataformas de streaming é um caso “pouco sustentável”

“O resultado é uma experiência confusa para todos nós consumidores”, disse o CEO sobre o alto volume de músicas adicionadas todos os dias em plataformas de streaming.

Sir Lucian Grainge, o CEO e presidente da Universal Music, considerada a maior gravadora do mundo, disse que “quando 100.000 faixas por dia estão sendo adicionadas nas plataformas de streaming, o resultado é uma experiência confusa para todos nós consumidores”.

Grainge fez uma série de declarações sobre o mercado musical nesta semana, durante uma reunião para mostrar os resultados da empresa no último trimestre, e disse que o grande volume de músicas, não é sinônimo de qualidade, e esta situação é pouco sustentável financeiramente para todos, artistas e fãs.

[Os consumidores] são “cada vez mais guiados para conteúdo de baixa qualidade por um algoritmo”, e “não achamos que isso seja sustentável para as plataformas, nem para os fãs de música”, acrescentou.

“Temos dados amplos que mostram exatamente porque os consumidores se inscrevem nesses serviços, e são em grande parte, para ouvir ótimas músicas”.

A Universal Music registrou receita de €2,664 bilhões (US$2,68 bilhões) no último trimestre, em todas as suas divisões. Um aumento de 13,3% ao ano, impulsionado principalmente, pelo crescimento nos seguimentos de música gravada e edição.

Foto: Guetty Images

 

Leia na origem

DIARIMENTE 100.000 MÚSICAS SÃO ADICIONADAS NOS SERVIÇOS DE STREAMING

[Streaming] A notícia foi dada pelos CEOs das maiores gravadoras do mundo durante uma conferência de mercado da música em Cingapura.

Todos os dias 100.000 músicas são adicionadas nos serviços de streaming. É o que os CEOs das maiores gravadoras do mundo, Sir Lucian Grainge (Universal Music Group) e Steve Cooper (Warner Music) disseram.

Conforme o Music Business Worldwide,  no dia 27 de setembro, os CEOs afirmaram durante a conferência Music Matters em Cingapura, que 100.000 faixas estão sendo “adicionadas às plataformas de música todos os dias”. Mas isso não quer dizer que mais músicas estão chegando aos ouvidos dos fãs desses artistas.

Para Grainge, presidente e CEO da maior gravadora do mundo, a Universal Music, esse vasto volume de música, além do conteúdo das redes sociais, está tornando cada vez mais difícil para os artistas alcançar um público substancial online, e claro, a gravadora tem um papel fundamental neste momento, pela sua capacidade de comercializar, promover e desenvolver artistas.

Cooper, CEO da Warner Music, considerada a terceira maior gravadora do mundo, disse na conferência que a Warner já está se preparando para as oportunidades que também surgirão, com o avanço de novas tecnologias e a chegada da Web 3.0, para ajudar artistas a chegarem mais perto de seus fãs:

“A maioria dos criadores não tem o capital, níveis de habilidade [ou] experiência para fazer tudo isso ter sucesso. A Warner está olhando para a Web3 como uma tremenda oportunidade, para afirmar ainda mais seu papel em ajudar os artistas a serem notados”, disse Cooper.

Vale notar que a notícia do volume de músicas nos serviços de streaming chegou logo após a Apple Music confirmar que atualmente, sua plataforma conta com um catálogo de 100 milhões de faixas no mundo todo.

“Todos os dias, mais de 20.000 cantores e compositores estão entregando novas músicas para a Apple Music – músicas que tornam nosso catálogo ainda melhor do que no dia anterior.”, disse a chefe editorial global da Apple, Rachel Newman.

 

 

 

Leia na origem

UNIVERSAL MUSIC VENCE PROCESSO APÓS MARCA DE BEBIDAS USAR MÚSICAS DO TIKTOK SEM LICENÇAS

Tribunal condenou marca por usar músicas do TikTok em seus vídeos publicitários, mas não o conteúdo gerado por seus influenciadores digitais.

Recentemente, a Universal Music ganhou na justiça americana um processo envolvendo direitos autorais contra uma marca de bebida energética, que usou músicas do TikTok em suas campanhas publicitárias na plataforma, sem as devidas licenças.

Conforme o Completemusicupdate.com, a marca de bebidas Bang incluiu músicas controladas pela gravadora em seus vídeos publicitários no TikTok, sem ter solicitado as devidas licenças à editora.

Foto: Marca de bebidas energéticas Bang – Divulgação

No processo, o principal argumento da marca foi de que o TikTok já fornece o uso das músicas, e possui uma licença para todos os seus membros. No entanto, sabemos que não é bem assim que funciona a política da plataforma para uso de músicas, uma vez que o uso é liberado apenas para conteúdos não comerciais, e este foi o entendimento do Juiz William P Dimitrouleas:

“A violação de direitos autorais é uma ofensa de responsabilidade objetiva, o que significa que o proprietário dos direitos autorais não precisa provar qualquer conhecimento ou intenção por parte do réu para estabelecer responsabilidade por violação de direitos autorais”, citou o juiz no julgamento.

Apesar da Bang e sua controladora Vital Pharmaceuticals terem sido condenadas por violação de Direitos Autorais, o caso ganhou uma complexidade após o juiz decidir em não condenar os influenciadores contratados pela marca para criarem conteúdos no TikTok.

O portal explicou que nos EUA, a indústria da música argumentaria que neste caso, assim que um criador digital recebe pagamento, ou outros incentivos de uma marca para criar conteúdo, eles também não são isentos de licenças musicais. E as marcas que os contratam podem ser responsabilizadas. Em termos legais, de acordo com a lei americana, isso seria chamado de “infração contributiva”.

A Universal argumentou que a Bang foi responsável por infração contributiva, porque “a empresa possui uma equipe de mídia social que audita os vídeos de seus influenciadores, incluindo a música que toca nos vídeos antes de serem publicados em suas redes sociais”.

Mas a Bang rebateu que “não tem participação na produção de vídeos de influenciadores de terceiros” e “não seleciona ou tem qualquer controle sobre a seleção de músicas incluídas nos vídeos dos influenciadores no TikTok”.

Sendo assim, o juiz decidiu que a marca tinha controle suficiente sobre o conteúdo dos influenciadores que contratou, mas a Universal não conseguiu provar se, de fato, a empresa de bebidas conseguiu um retorno financeiro sobre os vídeos usados pelos influenciadores com o conteúdo musical, e por isso não a condenou neste quesito.

Vale notar, que a mesma marca está sendo processada também por outras gravadoras, como a Sony Music, pelo mesmo tipo de violação de direitos. Portanto, podemos esperar muito mais discussões a cerca da responsabilidade das marcas, principalmente, quanto ao uso de música por influenciadores contratados por elas.

 

Foto: Divulgação Universal Music

Leia na origem

USAMPLE: UNIVERSAL LANÇA PLATAFORMA DE SAMPLES COM + DE 6000 MÚSICAS RARAS

No Usample, artistas e editoras podem encontrar músicas raras e disponíveis para serem sampleadas. Catálogo do serviço inclui músicas dos anos 1960 e 1970.

A Universal Music lançou um serviço com um catálogo de 6.000 músicas para facilitar o uso de samples. De acordo com o portal Musicbusinessworlwide.com, a plataforma chamada ‘Usample’ possui canções que foram criadas para trilhas de TV e cinema, e raridades que datam do início dos anos 1960 e 1970.

O Usample também possui uma tecnologia de Inteligência Artificial capaz de isolar ou até mesmo remover partes, como vocais ou bateria. A plataforma tem uma função que busca uma trilha sonora semelhante a uma em que um usuário possa ter em mente e esteja procurando usar em seu trabalho.

“Usando a tecnologia de IA, o ‘Similarity Search’ ouve sua faixa de referência, analisa seus recursos de áudio e identifica faixas no catálogo da [Usample] que soam semelhantes”, informou o Usample.

Mas nem tudo é perfeito, já que a ferramenta só pode ser usada por artistas, compositores e editoras ligadas à Universal Music. Algo bem diferente do que é praticado por outras plataformas semelhantes e que já estão no mercado, onde qualquer criador pode licenciar sons de suas bibliotecas de faixas.

Com relação aos direitos das masters, a Universal Music garantiu que possui todas as licenças bem como os direitos de edição, o que garante mais segurança para todos que querem usar os samples. Entretanto, a major acrescentou que “embora toda a nossa música seja pré-aprovada, facilitando o licenciamento, nosso trabalho não é isento de royalties e deve ser liberado pela sua gravadora da maneira normal”.

 

Foto: @usample-Instagram

Leia na origem

SEU JORGE GANHA RECURSO EM PROCESSO CONTRA HERDEIROS DE MÁRIO LAGO

Matéria de Ancelmo - O Globo

Seu Jorge e gravadora chegaram a ser condenados a pagar R$500 à família de Mario Lago, mas recurso foi favorável ao artista.

Nesta semana Seu Jorge e a gravadora Universal Music ganharam um recurso em um processo envolvendo os herdeiros de Mário Lago. Como noticiamos anteriormente, o processo se iniciou em 2007, após Seu Jorge usar trechos de “Ai que saudade da Amélia” em sua música “Mania de Peitão”, no álbum “Cru”.

Seu Jorge e gravadora foram condenados a indenizar em R$500 mil a família de Mário Lago (1911-2002) em primeira instância, pela 29ª Vara Cível do Rio de Janeiro. Entretanto, o caso teve uma reviravolta com a decisão favorável no recurso feito pelo autor e julgado pela 4ª Câmara Cível do Rio.

De acordo com a coluna de Ancelmo Goes, as desembargadoras entenderam que o artista teve intenção de fazer uma homenagem a Mario, e consideraram o acordo entre ele junto à editora detentora dos direitos autorais.

Desta forma, não houve dano material, mas sim, um dano moral pela falta de menção ao autor durante o primeiro lançamento em 2004, na França. Seu Jorge e gravadora devem pagar apenas uma multa de R$10 mil.

Foto – Reprodução

Leia na origem

CEO DA UNIVERSAL MUSIC DIZ QUE A MÚSICA ESTÁ SOB UMA NOVA ONDA DE CRESCIMENTO E EVOLUÇÃO

CEO da Universal Music, Lucian Grainge, fala sobre ações que levaram a empresa a crescer 17% no último trimestre, além de estratégias que posicionaram a gravadora como líder de mercado, em um cenário marcado por novas maneiras de se consumir música como vídeos curtos, redes sociais, aplicativos de fitness, jogos e transmissões ao vivo.

Nesta semana a Universal Music, a maior detentora de direitos musicais no mundo, anunciou seus resultados financeiros do ultimo trimestre (Q3) pela primeira vez como uma empresa de capital aberto.

Em todas as suas divisões (música gravada, edição e outros formatos), a Universal Music teve receitas nos de €2,153 bilhões (aproximadamente US$2,5 bilhões nas taxas de câmbio atuais). O que significou um aumento de 17% a.a. nas receitas, e mais 6,5% de crescimento em relação ao 2º trimestre.

Além de apresentar os resultados financeiros, o Presidente e CEO da gravadora, Lucian Grainge, contou como a gravadora vem trabalhando para se manter na liderança em um mercado marcado por oscilações e novos hábitos de consumo.

Para Grainge, a música está seguindo uma “trajetória poderosa”, se referindo à pesquisa global publicada pela IFPI, onde se descobriu que a média de audição de música [por pessoa] cresceu para 18,5 horas por semana, e que nos últimos dois anos, a quantidade de tempo que os fãs gastaram em plataformas de streaming de áudio por assinatura aumentou 51%.

O CEO disse que o clima é de otimismo, já que as pessoas estão consumindo mais música e se conectando com artistas de maneiras nunca vistas:

“As pessoas não estão apenas curtindo mais música, mas também se conectando com artistas de maneiras que eram inimagináveis há alguns anos. Uma mistura diversificada de gêneros musicais está encantando os fãs em um cenário em expansão que inclui vídeos curtos, redes sociais, aplicativos de fitness, jogos, transmissões ao vivo, produtos digitais e muito mais”.

A fim de atender essa nova demanda por música em diferentes ambientes, a gravadora tem feito parcerias com aplicativos em diferentes segmentos como saúde e fitness. Um dessas parcerias foi realizada na última semana, a primeira na área medica, com a empresa de terapia digital, Medrhythms. O objetivo é criar novas formas de estimular partes do cérebro de um paciente através de músicas do catálogo da gravadora.

Pensando também em como atender os novos gostos por gêneros diferentes de música, Grainge falou na extensão de seu relacionamento com o grupo de Kpop BTS – o mais vendido mundialmente – e sobre o retorno do ABBA. Para comemorar os 40 anos da banda, foi lançado um novo álbum junto com um show inovador no qual os artistas se apresentarão como avatares em uma experiência de show digital imersiva em uma arena em Londres.

BTS – Divulgação

A notícia do próximo show levou o catálogo do ABBA ao topo das paradas de streaming e ganhou, em uma semana, mais de um milhão de seguidores no TikTok.

“Acredito firmemente que a indústria da música está apenas no início de uma nova onda de crescimento e evolução. Estamos posicionando o UMG para liderar esta evolução para o benefício de nossos artistas, fãs [e] obviamente acionistas”, concluiu o CEO.

Leia na origem

ANÁLISE APONTA QUE AS TRÊS MAIORES GRAVADORAS DO MUNDO FATURAM US$2,5 M POR HORA

Com receitas nas alturas, Universal Music, Sony Music e Warner Music faturaram juntas US$10,91 bilhões nos últimos 6 meses. E estamos apenas em agosto!

As maiores gravadoras do mundo, Universal Music, Sony Music e Warner Music começaram 2021 com seus faturamentos nas alturas. O Music Business Worldwide analisou os resultados financeiros do segundo trimestre de cada gravadora e descobriu alguns números interessantes.

Combinados, as três majors faturaram $4,63 bilhões nos últimos três meses (até o final de junho), com um aumento de 40,1% (ou + $1,32 bilhão) em relação ao mesmo período de 2020.

Ao adicionarmos as receitas de edição esse número chega a marca de US$5,60 bilhões no período, um aumento de US$1,53 bilhão (ou + 37,6%) em relação ao mesmo período do ano passado.

Isso quer dizer que atualmente, as três gravadoras estão gerando por dia US$61,5 milhões no mundo todo, ou US$2,56 milhões por hora!

Vale notar que o faturamento global da Universal Music trimestral (música gravada mais editora) cresceu US$607 milhões ano a ano, já a Sony Music (incluindo o Japão) aumentou suas receitas para US$592 milhões; e a Warner Music teve um aumento de $331 milhões.

Ao olhar para os últimos seis meses de 2021, é possível perceber que combinadas, as três majors geraram US$10,91 bilhões.

 

Foto: BTS, o grupo de KPop é o maior gerador de receita da Universal Music atualmente/Divulgação.

Leia na origem

UNIVERSAL MUSIC GROUP FATUROU US$1,35 bilhão NO ÚLTIMO TRIMESTE DE 2021

Gravadora que está prestes a ser listada continua apresentando bom desempenho no mercado. BTS, Olivia Rodrigo, Justin Bieber e The Weeknd foram os artistas mais rentáveis.

Na última semana, as majors divulgaram seus resultados financeiros do último trimestre de 2021. Um delas foi Universal Music, que em breve será listada na bolsa de valores, em Amsterdã.

A receita de streaming de música gravada da UMG disparou no segundo trimestre, chegando a marca de €1,12 bilhão (US$1,35 bilhão), com um aumento de 29,7% a.a.

As receitas de música gravada da Universal (em todos os formatos) também aumentaram 29,7% a.a. no trimestre, para €1,65 bilhão (US$1,99 bilhão). Conforme o Music Business Worldwide, este aumento foi impulsionado pelo salto de 72,6% nas vendas trimestrais de música física – que marcaram €250M ($302M) – bem como um aumento de 24,3% nas receitas de licenciamento.

As receitas de edição de música na UMG foram ligeiramente superiores em relação ao mesmo trimestre de 2020 (+ 1,2%), enquanto as vendas de mercadorias (e “outras”) aumentaram 67,2%.

Em todas as divisões, incluindo edição e música gravada, a Universal Music faturou €2,02 bilhões ($ 2,44 bilhões) em receitas no segundo trimestre, um aumento de 25,5% em relação ao ano anterior. O portal avaliou que talvez esses resultados sejam os maiores da história da gravadora.

Os maiores hit makers da Universal Music:

O relatório também indicou que o BTS é o grupo que mais gerou rentabilidade para gravadora no período. Apesar de o grupo ter suas músicas distribuídas fora da Coreia do Sul pela Sony Music/The Orchard, a Universal Music é parceira da Big Hit/HYBE- agência e gravadora do grupo de k-pop.

Outros artistas que se destacaram no trimestre foi Justin Bieber, seguido da sensação do momento Olivia Rodrigo, dona do hit ‘Good for U’, The Weeknd e Pop Smoke.

Para os entendedores de exatas: Todas as conversões de moedas de EUR para USD acima feitas às taxas em vigor, conforme confirmadas pela Vivendi para os dois períodos mencionados (2º trimestre e 1º semestre de 2021).

 

 

Foto: BTS – Divulgação

Leia na origem

Virgin Music chega ao Brasil com foco no Sertanejo

A Universal Music anunciou a chegada da Virgin Music no Brasil como sua nova divisão. Parceria com Workshow, e contratação da dupla Henrique & Juliano, mostra que gravadora quer se estabelecer com o sertanejo.

Nesta segunda-feira (12) A Universal Music anunciou o lançamento da Virgin Music Label & Artist, com liderança de Miguel Cariello.

Conforme o Music Business Worldwide, a Virgin Music Label & Artist Services foi lançada em fevereiro deste ano como uma nova divisão global, a fim de atender artistas e gravadoras independentes, resgatando o espírito lendário da antiga gravadora Virgin Records, responsável por lançar álbuns de nomes como Genesis, Keith Richards, RBD, Janet Jackson, The Human League,  Simple Minds, Rolling Stones, Lenny Kravitz, The Smashing Pumpkins, Spice Girls e Daft Punk.

No Brasil, a gravadora chega sob a liderança de Miguel Cariello, que possui vasta experiência no mercado musical como gerente de marketing, produção e gestor de carreiras artísticas. Desde 2017 o executivo atuava como Diretor de Conteúdo da Universal Music Brasil.

Tudo indica que no país, a gravadora deve atuar com foco no sertanejo, já que a empresa fechou uma parceria com a WorkShow, um dos maiores players do mercado.

Durante o anúncio, Paulo lima, presidente da Universal Music Brasil, anunciou a dupla sertaneja Henrique & Juliano, como novos membros do casting da Virgin Music:

“Não há dúvidas de que estamos lançando um dos modelos de negócios mais extraordinários da história da indústria musical brasileira”, disse Paulo Lima, presidente da Universal Music Brasil. “Esta parceria revolucionária ajudará a estabelecer novos marcos expressivos entre os artistas e o público. Gostaria de agradecer e dar as boas-vindas aos talentosos executivos e as equipes que conduzirão esta parceria e agradecer à Work Show por acreditar em nossa visão estratégica desta aliança. Além disso, tenho enorme prazer em receber todos os artistas e, em especial, a dupla Henrique & Juliano, na família Virgin Music”.

Henrique & Juliano vem seguindo uma carreira consagrada no Sertanejo. A dupla acumula mais de 10 bilhões de visualizações e 13,2 milhões de assinantes em seu canal no YouTube. Com 5,5 milhões de ouvintes no Spotify, a dupla é influente também nas redes sociais. São mais de 10,2 milhões de seguidores no Instagram, 10 milhões no Facebook e 2,6 milhões no Twitter.

 

Foto: A dupla Henrique & Juliano junta-se à WorkShow como primeira contratação da Virgin./ reprodução

Leia na origem

©2022 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?