TIKTOK E SEBRAE SE UNEM PARA CRIAR PLATAFORMA QUE ENSINA EMPREENDEDORES A CRIAR CONTEÚDOS

Em plataforma exclusiva, TikTok e Sebrae vão ajudar empreendedores a usar o aplicativo como ferramenta para promover negócios

O TikTok e o Sebrae anunciaram uma parceria para ajudar empreendedores a criar conteúdos para o app.

Nos dias 28, 29 e 30 de junho, às 17h, empreendedores terão acesso ao evento online e gratuito ‘Amplie com o TikTok’. O evento terá uma plataforma própria chamada Sebrae Experience, com informações e dicas que poderão ajudar a quem deseja aprender como usar a ferramenta para alavancar seu negócio.

As inscrições são limitadas, e para conferir a agenda completa de aulas selecione uma das imagens abaixo!!

 

Imagens: divulgação – sebraeexperience.com.br

Leia na origem

JORNALISTA DIZ QUE MERCADO FONOGRÁFICO DEVE EVITAR DEPENDÊNCIA DO TIKTOK

Matéria de G1

Em análise necessária, jornalista afirma que artistas podem ficar “sem saída” ao focar no Tiktok como o único canal de promoção de músicas.

Nesta semana o jornalista carioca Mauro Ferreira publicou em sua coluna para o G1, uma análise sobre os artistas que tiveram suas músicas viralizadas no TikTok. Para ele, a indústria fonográfica deve evitar focar em um único canal de mídia.

O questionamento veio após o hit “Acorda Pedrinho”, da banda Jovem Dionísio, viralizar no TikTok. O sucesso do hit na plataforma fez com que a música chegasse ao Top 50 Global do Spotify, além do videoclipe ultrapassar cinco milhões de visualizações no Youtube.

Conseguir tal feito é algo que muitos artistas, suas equipes e gravadoras têm buscado constantemente. Embora nem sempre isso aconteça, na verdade é algo bem raro, e ninguém sabe ao certo a fórmula para este tipo de sucesso. Então: “até que ponto é interessante depositar todas as expectativas do resultado de uma música em um único canal de mídia?”, indagou o jornalista.

“Para artistas em início de carreira, como o grupo Jovem Dionísio, nada há a perder”. Afirmou Ferreira.  Entretanto, “Para gravadoras e artistas já consolidados no mercado fonográfico, muito pode ser perdido se o foco for direcionado primordialmente para o aplicativo chinês. Ou para qualquer outra rede. Até porque, por mais que haja pressão da indústria para que artistas emplaquem músicas no TikTok, quem manda em última instância é o público”, completou.

O que Ferreira disse faz muito sentido, afinal no mundo dos negócios é a mesma coisa. Nem sempre o seu “cliente”, ou o “seu fã”, vai estar apenas no TikTok ou em uma rede social exclusiva.

“Esperar tudo do TikTok é entrar em sinuca de bico que pode deixar artistas e gravadoras sem saída”, finalizou o jornalista.

VEJA A ANÁLISE COMPLETA CLICANDO AQUI!

Leia na origem

Após desabafo de Halsey sobre “viral no TikTok”, gravadora libera lançamento de música

Matéria de Variety

Halsey criticou atitude de gravadora que a impedia de lançar uma música por não viralizar no TikTok: “Tudo é marketing”, disse.

Na manhã de domingo (22) a cantora Halsey fez um grande desabafo sobre o descontentamento que vem tendo com relação a sua gravadora, que está a impedindo de lançar uma música, a não ser que ela crie um vídeo viral no TikTok.

A crítica foi publicada pela cantora em um vídeo de 29 segundos no TikTok. O texto do vídeo indicava sua situação: “Basicamente, tenho uma música que amo que quero lançar o mais rápido possível, mas minha gravadora não me deixa”.

“Tudo é marketing”, concluiu Halsey, “e eles estão fazendo isso com todos os artistas hoje em dia. Eu só quero lançar música, cara e eu mereço coisa melhor tbh. Estou cansada.”

A medida em que o TikTok se transformou em uma grande ferramenta de promoção de música, não é segredo que gravadoras e equipes de artistas passaram a criar estratégias para criar “momentos virais”. O desabafo da cantora demonstra o quanto a arte pode ser prejudicada na busca pelo sucesso.

Após a grande repercussão do vídeo, fãs e usuários do Twitter lembraram de outras artistas que já se queixaram sobre a pressão de estarem no TikTok:

 

Atualização: representantes da gravadora da artista, Capitol Records e sua editora AstralWerks,  disseram que vão liberar o lançamento da música:

“Nossa crença em Halsey como uma artista singular e importante é total e inabalável. Mal podemos esperar para que o mundo ouça sua nova e brilhante e música”.

Leia na origem

AUTOR DE LIVRO SOBRE O TIKTOK AFIRMA QUE APP NÃO É “UM CAVALO DE TRÓIA CHINÊS”

Matéria de Capital - O Globo

Jornalista autor de livro sobre história do Tiktok falou que nunca encontrou provas de que o app entregou dados dos usuários para a China.

O jornalista britânico Chris Stokel-Walker está lançando o livro “TikTok Boom” (Editora intrínseca) para contar a trajetória do aplicativo de vídeos da ByteDance. Desde o seu lançamento, até sua ascensão marcada por muitas polêmicas.

Durante entrevista ao OGlobo.com, o autor disse que não considera o TikTok como um grande espião –  fama que ganhou após líderes ocidentais apontarem o app como uma ameaça por passar dados dos usuários à China, algo que o país e as companhias sempre negaram.

“Não encontrei provas de que o TikTok seja um Cavalo de Troia chinês. O problema é a forma como usamos redes sociais, não o TikTok em si”, disse Walker.

“Mas isso não quer dizer que não haja problemas. Eu mostro como ele enviou dados de candidatos a emprego para a China sem autorização, como tentaram minimizar a transmissão de outros dados de usuários para o país etc”, completou.

O autor também comentou outras questões apontadas no livro e como o app modificou a forma como nos comunicamos. Além de sua influencia na música global:

“Ele mudou a forma como nos comunicamos. O vídeo está se tornando o formato como as pessoas pensam. Ele mudou a forma como os criadores são pagos, com um fundo próprio para remunerá-los, não necessariamente publicidade. Está mudando a atitude. No YouTube ou no Twitch, os principais criadores investem em equipamentos caros. No TikTok, basta um celular. Os intermediários da cultura estão desaparecendo. E o app está mudando a própria cultura. Veja quantos músicos foram lançados através do TikTok ou mesmo quantos livros foram vendidos por causa dele…”.

 

Foto: Divulgação

Leia na origem

TIKTOK LANÇARÁ PLATAFORMA PARA ENVOLVER MARCAS E CRIADORES DE CONTEUDO

Matéria de O Globo

Nova plataforma do TikTok chegará em breve e permitirá novas formas de envolvimento entre marcas e usuários. Entre os recursos, empresas poderão deixar briefings para que criadores divulguem campanhas diretamente no Tiktok.

Recentemente o TikTok anunciou que está prestes a lançar uma plataforma para envolver marcas e criadores de conteúdo.

Conforme O Globo, a novidade será chamada de ‘Creator Marketplace’ e permitirá que marcas postem um resumo de suas campanhas publicitárias para engajar os criadores de conteúdo. Além disso, usuários poderão marcar e divulgar vídeos publicitários das empresas e redirecionar para páginas de forma mais rápida.

A nova plataforma deve emplacar principalmente no Brasil, Estados Unidos, e Sudeste Asiático, já que estes são os maiores mercados do TikTok. Em outros mercados, ferramentas semelhantes ao ‘Creator Marketplace’ possibilitam que empresas se envolvam com os usuários de diferentes formas através de live commerce, e links que redirecionam para produtos.

Atualmente o TikTok informou ao mercado que conta com um bilhão de usuários ativos por mês em todo o mundo, um crescimento de 45% desde julho de 2020.

 

Leia na origem

RESSO CHEGA AO BRASIL DE OLHO NA LIDERANÇA DE MERCADO NO STREAMING DE MÚSICAS

Matéria de Estadão

A plataforma de streaming da ByteDance, o Resso, está se estabelecendo no Brasil e deseja ser líder de mercado usando o modelo de recomendações de músicas parecido como o do seu ‘irmão’ Tiktok. Em entrevista, executivo falou sobre planos da plataforma de se tornar a número um no país.

Recentemente, o Estadão publicou uma entrevista com Thiago Ramazzini, chefe de relações com a indústria de música do Resso no Brasil, para falar sobre os planos da plataforma de streaming que chegou recentemente no país.

Conforme o portal, o escritório da Resso foi inaugurado no Brasil em agosto de 2020, e desde então, a plataforma de streaming da Bytedance vem trabalhado para se estabelecer no mercado onde há concorrentes como Spotify e Deezer.

Assim como o seu ‘irmão’ Tiktok, seu modelo de navegação infinita faz recomendações de músicas a partir do gosto do usuário e suas interações. Para Thiago Ramazzini, são estas funções que garantem o maior diferencial em comparação às outras plataformas:

“Temos uma inovação na parte social. Temos os players com entrega de música e recomendação. Mas nosso usuário deixa de ser passivo e passa a controlar o uso do aplicativo. Ele interage com a base de seguidores e de artistas, faz comentários, dá curtidas e compartilha letras. Falamos há anos que precisamos personalizar os serviços de streaming de música, e é isso que fazemos. O meu aplicativo é diferente do de outras pessoas porque é a partir da interação que meu gosto chega a você por playlist, rádio ou álbum. É poderoso na recomendação de coisas novas. O aplicativo sempre sugere recomendações e de algo que gosto, ele acerta bem”, explicou o executivo.

E para conseguir atender a todos os gostos foi preciso reunir um amplo catálogo de músicas. Um dos objetivos do Resso era chegar ao Brasil com acordos de direitos autorais firmados para reunir o maior número de músicas possíveis:

“Não pode faltar nenhum artista e por isso temos um catálogo completinho. Fizemos questão de ter isso completo antes de lançar o aplicativo. O Resso quer dar voz para todo mundo e fazemos questão de ter todos os artistas”, contou Ramazzini ao portal.

Agora que a plataforma está estabelecida no país, o objetivo é audacioso, porém não impossível:

“A grande meta é ser o líder do mercado no Brasil. Não quero parecer arrogante, mas, por focarmos muito no produto no último ano, já chegamos a níveis de audiência muito grande. O grande objetivo é ser o líder do mercado para o Brasil”, finalizou Thiago.

 

 

Foto: divulgação

Leia na origem

TIKTOK ANUNCIA ACORDO COM ECAD PARA PAGAMENTO DE DIREITOS AUTORAIS

Matéria de Newsroom | TikTok

Em acordo com Ecad, TikTok deverá fazer pagamentos de direitos autorais por músicas tocadas na plataforma.

Nesta quinta-feira o TikTok anunciou que realizou um acordo com o Ecad para o pagamento de direitos autorais no Brasil.

Conforme o blog oficial da plataforma, o acordo incluiu pagamentos retroativos pelo uso das músicas na plataforma.

Para o TikTok o contrato firmado deve enriquecer a experiência de seus usuários e criadores, impulsionando a conexão entre criadores e artistas.

“Essa primeira parceria entre o Ecad e o TikTok é mais um importante passo para a indústria da música no Brasil e para os autores e artistas no nosso país. Este acordo não poderia chegar num momento mais oportuno para compositores e artistas, que agora precisam mais do que nunca dessa renda digital. O Ecad vem trabalhando duro para fechar acordos importantes como esse”, comentou Isabel Amorim, superintendente executiva do Ecad ao portal oficial da plataforma.

O diretor de Licenciamento Musical e Parcerias do TikTok para a América Latina, José María Escriña, reforçou a importância do contrato para os artistas no país: “Estamos entusiasmados com essa parceria firmada entre o TikTok e o Ecad no Brasil. Com esta cooperação, vamos estimular o crescimento de novas fontes de receita para autores e editores utilizando o dinamismo da nossa plataforma. Estamos animados para oferecer esse fantástico conteúdo musical para nossos creators incríveis”.

 

 

Foto: Divulgação

Leia na origem

Bytedance anuncia que está comercializando algoritmo de recomendação do TikTok

Matéria de @meioemensagem

A Bytedance anunciou que está vendendo a inteligência artificial base do algoritmo do TikTok e outros recursos famosos de seu aplicativo. Empresas do mundo todo poderão usá-las para alavancar seus negócios.

Recentemente, a Bytedance anunciou que está comercializando a inteligência artificial base do algoritmo do TikTok junto com ferramentas de análise de dados. Além disso, a empresa está lucrando com a venda de outros de seus recursos como efeitos de vídeo e tradução automática de texto e fala.

Com a venda dessas tecnologias, empresas do mundo todo poderão usá-las para alavancar seus negócios. É o que explicou Tiago Gamaliel, gerente da Tato, ao Meio & Mensagem:

“Vai muito além do tipo de produto que o Tiktok oferece para os usuários. Essa venda significa um salto para as empresas que usam tecnologias de recomendação para o usuário. Vejo muito mais como uma ampliação do alcance da inteligência da ByteDance”, opinou o executivo.

Para Gamaliel, a comercialização da tecnologia do TikTok não deve impactar de forma negativa futuramente para a empresa, já que o aplicativo está mais que consolidado e com uma base de criadores e audiências.

Clarissa Millford, a fundadora da Academia de Tiktokers – comunidade online de ensino sobre o TikTok no Brasil – também falou ao portal. Ela vê a venda como natural, já que muitas empresas de tecnologia já fazem este movimento:

“A venda de serviços de inteligência é uma prática que já vem sendo realizada pelas também chinesas Tencent, Alibaba e Baidu. Isso amplia as perspectivas de negócios e investimentos tendo em vista que a Bytedance hoje tem o foco voltado para produtos para o consumidor e agora passa a ter serviços e produtos para novas áreas como o mercado corporativo”, disse Millford.

Conforme explicou o portal, o algoritmo do TikTok, assim como as demais plataformas, leva em consideração vários fatores como interação, tempo em que o usuário assiste a um vídeo, curtidas, comentários, compartilhamentos, hashtags, entre outros. Desta forma, ele consegue recomendar o conteúdo relevante de acordo com os hábitos dos usuários.

“O número de seguidores de um perfil não faz com o que as suas postagens apareçam com maior ou menor frequência. Isso significa que o conteúdo de um perfil grande, de um major influencer por exemplo, recebe o mesmo tratamento de um vídeo de um criador iniciante. Os vídeos são avaliados e recomendados em seus próprios méritos e não nos méritos dos seus criadores”, falou Millford destacando sobre o maior diferencial do aplicativo.

Vale lembrar que nesta segunda-feira (12), o The Wall Street Journal publicou que o fundador da ByteDance, Zhang Yiming, decidiu adiar  os planos de IPO do TikTok em março, após uma reunião com reguladores que sugeriram que a empresa deveria se concentrar em questões de segurança de dados.

 

(Foto: Yakubov Alim/iStock/Divulgação/Paris Filmes)

Leia na origem

Executiva do TikTok Br fala sobre impacto da plataforma na música

Matéria de @meioemensagem

Em entrevista, head de conteúdo musical do TikTok fala sobre a influência do TikTok na música, e como plataforma tem feito ações para impulsionar conteúdo musical.

O que Little Nas X, Doja Cat, Fleetwood Mac têm em comum? Todos tiveram suas músicas viralizadas no TikTok. A essa altura é impossível para um artista na música não pensar na plataforma como uma grande ferramenta de promoção.

Em entrevista ao Meio e Mensagem, Roberta Guimarães, head de conteúdo musical do TikTok Brasil falou como o TikTok tem influenciado a música “e vice-versa”.

Para a executiva mensurar o tamanho da influência do TikTok na música é difícil, uma vez que, a plataforma é um grande impulsionador de tendências que atingem a milhões de pessoas no mundo todo:

“As músicas geram algo que vai além de apenas uma tendência, elas criam um momento cultural, contando histórias que se conectam tanto com as letras e danças, como com o movimento gerado por elas. Logo, essa influência é muito difícil de mensurar. Mas acho que fica claro quando hoje olhamos para o Top 50 dos principais charts de música e notamos que pelo a grande maioria das músicas saiu daqui ou se potencializou através do TikTok. Há duas semanas atrás, as 3 primeiras músicas mais consumidas nos streamings, no Brasil, começaram a se destacar dentro do TikTok”, explicou Roberta.

A executiva contou que a plataforma tem buscado parcerias entre gravadoras e distribuidoras para impulsionar a música na plataforma. Além disso, a empresa tem realizado contratos de licenciamento, assim como as demais plataformas de música digital.

“Nós sempre buscamos atuar junto a eles [artistas e gravadoras] para ajudar na adoção da plataforma como ferramenta de crescimento e promoção de músicas e carreiras artísticas. Estamos sempre presentes para partilharmos as melhores práticas com os artistas, para vermos como podemos desenvolver experiências únicas para os fãs dentro do TikTok e como conseguimos dar suporte e assistência para um novo talento, por exemplo, contou a executiva.

“Queremos também estar presentes e disponíveis em feiras de música, eventos de tecnologia ou conteúdo, por exemplo, como uma forma de estar acessíveis e compartilhando conhecimento”, complementou.

Roberta citou ainda que a plataforma tem trabalhado a conexão entre artistas e criadores para gerar ainda mais conteúdos relevantes para o público: “A ideia é que nosso universo de criadores esteja cada vez mais acessível e ligado aos criadores de músicas. Muitas vezes eles são, inclusive, diretores artísticos de projetos com músicos, já que são grandes especialistas na linguagem e na relevância cultural dentro da plataforma”.

Mas afinal, existe alguma dica para ter o mesmo sucesso que Little Nas X, Doja Cat e tantos outros artistas tiveram com a ajuda do TikTok?  Bom, sentimos dizer, mas a resposta é não!

“Se eu te falar que tem uma fórmula, vou estar mentindo, mas existe um fator comum que é a participação dos artistas e a geração de conteúdo por eles. Os artistas sempre serão o agente principal da comunicação de suas próprias músicas. Além disso, a audiência do TikTok gosta do que é real, então, para um artista criar relevância na plataforma ele precisa estar conectado e ele pode fazer isso de diversas maneiras: interação com as trends, interação com os fãs, estimular os fãs a usarem a criatividade, estar presente”, concluiu Roberta.

 

Foto: Malte Wingen/Unsplash

Leia na origem

Spotify anuncia shows virtuais com ingressos a R$27

Matéria de G1

A próxima semana será cheia de apresentações virtuais. No Spotify, os shows incluem Black Keys e Rag’n’Bone Man. No Tiktok o evento virtual conta com apresentação exclusiva do Coldplay. Saiba como assistir.

Nesta semana o Spotify anunciou que vai transmitir uma série de shows ao vivo direto de sua plataforma. Conforme o G1, as apresentações começam dia 27 de maio com a banda The Black Keys e os ingressos custarão R$27,00 por show. As apresentações não ficarão disponíveis para assistir depois.

Para comprar os ingressos será necessário ter uma conta do Spotify (paga ou gratuita). Confira o line-up (Clique aqui para ver o site do evento):

27 de maio: The Black Keys no Blue Front Café, no Mississippi.

3 de junho: Rag’n’Bone Man no Roundhouse, em Londres.

10 de junho: Bleachers em uma viagem de Nova York a Nova Jersey em um ônibus de turismo municipal.

17 de junho: Leon Bridges no Gold-Diggers Hotel, em Los Angeles

24 de junho: Girl in Red em Olso.

Na próxima segunda-feira o TikTok também fará uma transmissão ao vivo do Coldplay direto de Londres. A banda fará uma apresentação exclusiva para os usuários da plataforma em celebração ao Red Nose Day USA, uma campanha anual para promover a erradicação da pobreza infantil.

Vale notar que este modelo de apresentação pode continuar mesmo após a volta dos shows presenciais. Isso porque além de aproximar o artista do público do mundo inteiro, é uma excelente forma de divulgação de lançamentos ao mesmo tempo em que gera conteúdo para as plataformas.

Foto: The Black Keys no Lollapalooza — Raul Zito/G1

 

Leia na origem

©2022 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?