COM CANAL DE AVALIAÇÃO DE BRINQUEDOS, MENINO DE SETE ANOS É O YOUTUBER QUE MAIS FATURA NO MUNDO

Matéria de Business Insider

Com US$22 milhões em receita, a estrela do YouTube que mais ganha dinheiro no mundo é uma criança do ensino fundamental que faz milhões analisando brinquedos.

A Forbes revelou que o canal que mais fatura no Youtube pertence a um menino de apenas sete anos que avalia brinquedos.

Ryan ToysRevieW, é o canal no Youtube muito popular do menino Ryan de apenas sete anos.  Gerenciado por sua família, o Ryan ToysReview gerou cerca de US$22 milhões em receita antes dos impostos do dia 1º de junho de 2017 até 1º de junho de 2018, US$11 milhões no ano anterior. A estimativa bruta de US$22 milhões colocou a Ryan ToysReview à frente do controverso astro Jake Paul (que faturou US$ 21,5 milhões).

De acordo com o Business Insider, tudo começou quando Ryan, na época com 4 anos de idade, assistiu a um vídeo de avaliação de brinquedos, e perguntou a seus pais por que ele não podia rever os brinquedos no YouTube também.

Ryan ToysReview começou devagar até que um vídeo em julho de 2015 se tornou viral. O vídeo mostrava Ryan abrindo e revendo uma caixa contendo mais de 100 brinquedos da série “Carros” da Pixar. Atualmente o vídeo possui cerca de 935 milhões de visualizações.

O canal agora está com conteúdos voltados na avaliação de novos brinquedos e produtos alimentícios para crianças. Os vídeos geralmente trazem comentários sinceros e entusiasmados de Ryan com a orientação de fora da câmera de seus pais.

No início deste ano, Ryan fechou um acordo com o Walmart para vender uma linha de brinquedos exclusiva chamada de “Ryan’s World” que será vendida para mais de 2.500 lojas dos Estados Unidos e no site do Walmart, segundo o Reuters. O Ryan’s World foi o primeiro produto a ser vendido depois que a Pocket.Watch, uma marca de mídia para crianças, negociou acordos de licenciamento para várias estrelas de vídeos online.

O Ryan ToysReview tem 17 milhões de seguidores com um total de 26 bilhões de visualizações.

 

Foto: YouTube/RyanToysreview

Leia na origem

A INDUSTRIA DA MÚSICA ATACA O YOUTUBE APÓS CAMPANHA CONTRA O ARTIGO 13

A indústria da música respondeu à campanha do YouTube, que inclui pop-ups para alertar usuários contra o Artigo 13 da Nova Diretiva Europeia de Direitos Autorais. “Chegou a hora do YouTube respeitar o processo legislativo da UE e concentrar sua energia no trabalho com gravadoras para aumentar o valor gerado pela música gravada”, afirmou o diretor-presidente da BPI – associação de negócios da indústria fonográfica britânica, Geoff Taylor.

A Nova Diretiva Europeia de Direitos Autorais foi votada pelo Parlamento Europeu em setembro e deve ser aprovada ainda em 2018. As novas normas devem trazer mudanças e impactar, principalmente os serviços de streaming de vídeos, como o YouTube, que terão responsabilidade legal por todo o conteúdo enviado por seus usuários, conforme determina o Artigo 13, da Nova Diretiva.

Outra consequência da Nova Diretiva é determinar que plataformas como o YouTube, criem um filtro para todo o conteúdo enviado por usuários, conforme as leis de direitos autorais, antes de disponibilizá-lo em seu serviço.

O YouTube diz que já aborda esse problema com eficácia, através de seu sistema Content ID. Entretanto, atualmente, só é possível detectar uma violação de direitos, após o envio dos vídeos. Segundo o YouTube, 99,5% de todo o conteúdo infrator é detectado.

Uma campanha contra o Artigo 13, começou a ser difundida para alertar os usuários, através de pop-ups no Google, empresa-mãe do YouTube, vinculando a uma página chamada de “anti-Article 13 #SaveYourInternet”. O YouTube também está apoiando a campanha.

Nesta semana, a CEO do YouTube, Susan Wojcicki, e o diretor de música global da plataforma, Lyor Cohen, também se pronunciaram sobre o assunto, alertando aos usuários que o artigo 13 poderia prejudicar a plataforma e todos os usuários. Cohen afirmou que as consequências da aprovação do artigo significariam “menos dinheiro para artistas e compositores… [e] menos música para os fãs”.

Em contrapartida, a indústria fonográfica respondeu à força – através do BPI, British Phonographic Industry – a associação de negócios da indústria fonográfica britânica. Que possui como membros a Universal Music, Sony Music e Warner Music.

“O artigo 13º foi cuidadosamente analisado ao longo de quatro anos pela Comissão Europeia, pelo Conselho e pelo Parlamento. Estas três instituições concluíram, com razão, que a lacuna de valor – value gap – é real e que o YouTube deve assumir alguma responsabilidade pelo conteúdo que publica, assim como outros editores. O YouTube agora parece estar tentando assustar a UE em reverter decisões tomadas após um debate completo, porque não gosta do resultado.”, afirmou o diretor-presidente da BPI, Geoff Taylor, ao portal World Music Worldwide.

“Chegou a hora de o YouTube respeitar o processo legislativo da UE e concentrar sua energia no trabalho com gravadoras para aumentar o valor gerado pela música gravada, por exemplo, por meio de seu excelente serviço de assinatura do YouTube Music, em vez de tentar proteger um porto seguro – safe harbor- ultrapassado”, acrescentou Taylor.

 

Leia na origem

YouTube Music “Ones to Watch”: algoritmos revelam novos artistas em 2019.

Matéria de Evening Standard

O YouTube já foi responsável pelo surgimento de novos artistas como Dua Lipa e Ed Sheeran, com fim do ano chegando, o YouTube deu um passo a frente para descobrir os novos talentos musicais de 2019. Após analisar dados de sua plataforma, o YouTube Music está lançando uma lista “Ones to Watch” – “para assistir”- , com os principais novos artistas que tem ganhado destaque na plataforma.

de acordo com o Evening Standard, a partir de dados em suas plataformas, o YouTube Music está lançando uma lista com talentos musicais que se destacarão em 2019.

“O YouTube é bem conhecido por ser um lugar onde os artistas podem entrar na cena musical mainstream. É a beleza da plataforma aberta no YouTube, onde você pode ir de um vídeo em seu quarto para reservar uma turnê mundial. É por isso que estamos sempre procurando maneiras de elevar as vozes dos artistas na plataforma e compartilhar seus talentos com o mundo ”, disse Azi Eftekhari, diretor de parcerias musicais do YouTube, no Reino Unido.

“No início deste ano, apresentamos o aplicativo YouTube Music, por isso pareceu uma excelente oportunidade para destacar alguns dos talentos emergentes que estamos vendo no Reino Unido, que estão crescendo em popularidade e que achamos que farão ondas tanto comercial quanto criticamente em o futuro.”

A cantora R&B, de Birmingham, Mahalia, liderou a lista. Conhecida por suas canções conscientes, a cantora está em sua turnê europeia com todos os ingressos esgotados. Ela credita a plataforma pop todo o seu sucesso, já que através dela aprendeu a tocar guitarra e conseguiu construir uma base de fãs em todo o mundo.

Para descobrir Mahalia e os outros cantores da lista, a equipe do YouTube usou uma mistura de insights e dados:

“No lado dos dados, analisamos vários fatores, incluindo picos de interesse, como o lançamento de um videoclipe e os níveis de engajamento. Além disso, observamos aumentos constantes de visualizações, números de assinantes e comentários dos fãs”, explicou Eftekhari.

A Ones to Watch também aponta para a diversidade que está surgindo no cenário musical no Reino Unido:

“Esses são artistas individuais espalhados por todo o Reino Unido e Irlanda, e abrangem uma enorme variedade de gêneros. Isso é interessante porque mostra que você realmente não precisa fazer parte de uma cena em particular ou estar em Londres para fazer isso. Plataformas como a nossa estão permitindo que artistas se conectem diretamente com uma base de fãs e isso está alimentando uma enorme diversidade”, afirmou Eftekhari.

Foto: YouTube

Leia na origem

YouTube mais uma vez implora que os usuários se voltem contra o artigo 13

A CEO do YouTube, Susan Wojcicki, chamou a atenção por tentar influenciar os usuários da plataforma a serem contrários ao artigo 13, da Nova Diretiva de Direitos Autorais, e afirmou que seria o fim dos videoclipes. Para garantir a derrota do projeto, o Google, empresa-mãe do YouTube, já gastou mais de US$36 milhões.

Segundo o portal Digital Music News, Susan Wojcicki, CEO do YouTube, resolveu buscar apoio contra a Diretiva de Direitos Autorais Europeia, através de sua própria comunidade de criadores de conteúdo.

Susan Wojcicki contou aos criadores, através de um blogpost, que a Diretiva poderia trazer consequências prejudicando a monetização de criadores e a proibição de conteúdos, como os memes na internet e os videoclipes de música.

Com a aprovação pela União Europeia, a Diretiva de Direitos Autorais foi uma grande vitória para os criadores de conteúdo. No projeto de lei, o artigo 13 define que plataformas como o do YouTube criem filtros para detectar conteúdos que estão fora das determinações de direitos autorais. Para garantir a derrota do projeto, o Google, empresa-mãe do YouTube,  gastou mais de US$36 milhões.

A CEO também citou que a plataforma de vídeo teria dificuldades para licenciar vídeos de músicas, como o hit “Despacito”, um dos videoclipes mais vistos na plataforma. Wojcicki explicou que o clipe possui vários proprietários de direitos autorais, muitas vezes desconhecidos. A plataforma teria que bloquear vários vídeos e nenhuma empresa, “poderia assumir um risco financeiro tão grande”.

De acordo com o Digital Music News, as afirmativas da CEO são um absurdo, pois atualmente, apenas 3,5% de todos os criadores de conteúdo ganham o suficiente para passar a linha de pobreza.

Além disso, a IFPI descobriu que, apesar de ter 1,8 bilhão de visitantes mensais, o YouTube paga à indústria da música menos de US$1 por usuário. Com menos usuários, o Spotify paga cerca de US$ 20. Portanto, o artigo 13 beneficiará os criadores de conteúdos, maiores direitos e remunerações mais justas.

Leia na origem

Novo relatório da CISAC confirma arrecadação US$11 bilhões em royalties e aponta o YouTube como o maior vilão no mercado digital

Matéria de Variety

Apesar do crescimento recorde de US$11 bilhões na arrecadação de direitos autorais para criadores de música, audiovisual, artes visuais, teatro e literatura, a receita no digital continua abaixo do esperado devido ao Value gap – baixas taxas de royalties pagas pelo YouTube, apontou novo relatório da CISAC.

Novo relatório da CISAC – Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores – confirma o crescimento das arrecadações de direitos autorais para criadores de música, audiovisual, artes visuais, teatro e literatura. O portal Variety trouxe os números.

As arrecadações alcançaram um recorde de €9,6 bilhões em 2017 (quase US $ 11 bilhões), alta de 6,2% em relação ao ano anterior.

Com relação ao digital, a CiSAC relatou que a arrecadação de direitos autorais obteve a marca de €1 bilhão (US$1,14 bilhão) pela primeira vez.

As coleções digitais quase triplicaram (até 166%) nos últimos cinco anos, impulsionadas pela crescente demanda dos consumidores, principalmente pelos serviços de streaming de vídeo.

Os direitos autorais de música cresceram 6,0%, acumulando €8,3 bilhões. Também houve crescimento no digital, com arrecadação de €1 bilhão pela primeira vez.

O número de obras digitais atingiu 1,27 bilhão de euros, entretanto a CISAC apontou que a receita continua abaixo do esperado devido ao value gap – baixas taxas de royalties pagas pelo YouTube, a plataforma mais popular do mundo de streaming.

“Apenas 13% dos royalties dos criadores provêm de fontes digitais (acima de 11%), um reflexo do descompasso entre o volume de trabalho criativo disponibilizado por canais digitais e os valores devolvidos aos criadores”, afirmou o relatório sobre o value gap.

É o quinto ano consecutivo de crescimento global para os criadores e o primeiro a ver aumentos em todas as obras.

Houve aumento na arrecadação para TV e rádio, o que sugere que as crescentes receitas digitais não estão canibalizando os mercados mais tradicionais.

O presidente da CISAC e veterano músico eletrônico Jean-Michel Jarre (foto) disse que a CISAC está em uma batalha pelo futuro de mais de 4 milhões de criadores em todo o mundo: “A Europa já reconheceu que é hora de mudar: não é aceitável que a lei proteja os grandes monopólios tecnológicos e sustente uma injustiça sistêmica para os criadores. Agora há uma mensagem para chegar ao resto do mundo: é hora de outros governos se sentarem e seguirem”, afirmou Jarre.

 

Foto: HUGO MARIE/EPA/REX/SHUTTERSTOCK

Leia na origem

Facebook está oferecendo milhões à indústria musical para permitir que seus usuários façam upload de músicas em vídeos

Matéria de The Verge

Visando ser um grande concorrente com o YouTube, o Facebook está oferecendo aos editores de música, centenas de milhões de dólares para manter os direitos de música apresentados em vídeos enviados por usuários e proprietários de páginas.

O Facebook está se preparando para concorrer com o YouTube e se tornar o principal destino de conteúdos em vídeos musicais.

Segundo o portal The Verge, um relatório da Bloomberg afirma que o Facebook está oferecendo aos editores de música, centenas de milhões de dólares para manter os direitos de música apresentados em vídeos enviados por usuários e proprietários de páginas.

O Facebook pretende criar um sistema de identificação de vídeos protegidos por direitos autorais, semelhante ao sistema de identificação do Google. Este passo abrirá um caminho para que a rede social possa bater de frente com o YouTube, como serviço de vídeo de primeira linha da Internet e possivelmente, até mesmo um concorrente de streaming de música.

Embora apaziguar os detentores de direitos autorais com relação a vídeos gerados por usuários seja uma preocupação a curto prazo para o Facebook, a medida seria um passo para concretizar a visão mais grandiosa da empresa para vídeos on-line, algo que o CEO Mark Zuckerberg vem planejando há anos.

Se o Facebook começar a limpar o investimento com publicidade do YouTube, bem como proteger os direitos autorais de conteúdo de grandes editoras, a rede social poderá atrair ainda mais usuários, por períodos mais longos e competir como qualquer outra forma de mídia on-line na web.

A empresa já planeja produzir programas de televisão originais em parceria com empresas de mídia e organizações de notícias.

Parte desse processo pode envolver o novo acordo com a Vevo, detentora dos direitos autorais, para mais de 200.000 videoclipes de grandes artistas e gravadoras de todo o mundo. O acordo de exclusividade da Vevo com o YouTube termina este ano, dando ao Facebook a oportunidade de negociar seu próprio contrato com a empresa.

Leia na origem

Guerra de serviços de streaming esquenta no Brasil

Matéria de Estadão

Na semana passada, o setor de streaming de músicas ficou agitado no Brasil com o retorno do Tidal em parceria com a empresa de telefonia Vivo e o lançamento do YouTube Music. Mesmo com boa perspectiva, problemas econômicos e a pirataria são alguns dos desafios que esses serviços enfrentarão para provar sua sustentabilidade como negócio.

O mercado dos serviços de streaming está cada vez competitivo. Na semana passada, duas plataformas lançaram novidades no Brasil. Primeiro foi o Tidal e sua parceria com a empresa de telefonia Vivo, e em seguida o Google veio com o YouTube Music.  Enquanto isso, quem chamou a atenção lá fora, foi a aquisição do Pandora pela Sirius XM.

O Tidal chegou ao Brasil em 2015, porém não obteve sucesso. Agora, tudo indica que o serviço voltou com força pela parceria com a operadora de telefonia Vivo. “Não somos uma grande empresa de tecnologia. Precisamos de parceiros fortes”, afirmou Lior Tibor, diretor de operações do Tidal. Assim como o Tidal, a Deezer também possui uma parceria com uma operadora de telefonia, a TIM.

Lançado na semana passada, o YouTube Music, chegou com um catálogo das gravadoras e  acervo de vídeos de música já existentes na plataforma. Com versão gratuita e assinatura de R$17, o objetivo da plataforma é oferecer uma experiência completa: “Temos o cover, a coreografia, a versão ao vivo, o vídeo com as letras”, afirmou Sandra Jimenez, chefe de música do YouTube para a América Latina.

Mesmo com tanta agitação e otimismo, a sustentabilidade dos serviços de streaming ainda é questionada.  Segundo o portal Estadão, o líder Spotify, que possui 83 milhões de assinantes, opera com prejuízos de €394 milhões no segundo trimestre. A concorrência segue pelo mesmo caminho.

No Brasil, os serviços de streaming terão grandes desafios. De acordo com a análise do portal, ainda enfrentamos problemas econômicos e de infraestrutura de conexão com a internet. Além disso, muita gente não possui acesso ao cartão de credito, diferentemente dos Estados Unidos e Europa.

A preferência de conteúdos locais, como sertanejo, funk e gospel, dificulta a curadoria. A pirataria também é um grande desafio enfrentado pelos serviços de streaming.

Leia na origem

YouTube lança rival para Spotify no Brasil

Nessa terça (25/09) o Google entra na disputa dos serviços de streaming de vídeo e música no Brasil, lançando o YouTube Music e o YouTube Premium.

O YouTube lançou duas novidades no Brasil para disputar com grandes nomes do streaming de vídeo e música, o Youtube Music e o YouTube Premium.

Para concorrer com os serviços de streaming de música como Spotify, Apple Music e Deezer, o YouTube Music chega ao Brasil com versão gratuita e assinatura mensal de 17 reais, disponível para celulares Android e iOS.

Além do aplicativo para celulares, uma versão específica para PCs, via navegadores, está disponível. Há ainda um plano família, no qual  é possível dividir uma assinatura em até seis contas, por R$26 ao mês.

No YouTube Music, o usuário pode assistir ao vídeo com a letra da música, versão ao vivo e até covers de fãs do mundo todo. Além do aplicativo para celulares, há uma versão específica para PCs.

De acordo com o portal Época Negócios, não será possível ouvir as músicas em segundo plano: “Será preciso deixar o aparelho com a tela ligada e dentro do app para o som continuar tocando. É um dos pontos fracos do serviço”, afirmou o portal.

No plano gratuito o acesso é limitado. Os usuários não podem baixar músicas para ouvir off-line e nem interromper os anúncios.

Vale lembrar que o YouTube Music foi lançado para substituir o Google Play Música, o atual streaming do Google no País. Haverá uma migração dos usuários para a nova plataforma.

O YouTube Premium também é um novo serviço do Google que chegou ao país hoje (25/09) para concorrer com a Netflix e Amazon – que em breve chegará ao país.

No YouTube Premium, além de ter acesso aos conteúdos originais do YouTube, o usuário pode baixar vídeos para assistir off-line e remover anúncios do site. Tudo isso por uma assinatura de R$21 por mês que também dá acesso ao YouTube Music. No plano família o valor é de R$36 ao mês.

Leia na origem

O YouTube está prestes a passar o Facebook como o segundo maior site nos EUA

Matéria de CNBC

Com queda de usuários ativos, Facebook perderá em breve a posição de segundo lugar para o YouTube.

De acordo com um novo estudo, o Facebook em breve perderá sua posição entre os sites mais visitados no mundo para o YouTube.

O número de visitas mensais no Facebook caiu de 8,5 bilhões para 4,7 bilhões nos últimos dois anos. Embora o tráfego de aplicativos da rede social tenha crescido, não será suficiente para compensar essa perda, segundo o estudo.

Os cinco sites que mais receberam tráfego nos EUA nos últimos anos foram Google, Facebook, YouTube, Yahoo e Amazon, nessa ordem.

Desde que informou que seu número de usuários ativos diários se estabilizou na América do Norte e declinou na Europa, o Facebook sofreu uma queda no mercado.

O autor do estudo e chefe de insights da SimilarWeb, Stephen Kraus, explicou que o Facebook pode contar com suas aquisições como o WhatsApp e Instagram. “Sim, o site Facebook.com está em baixa, mas eles se consideram mais um portfólio de produtos”, disse.

Em breve o Yahoo também perderá sua posição no ranking para a Amazon, que possui maior tráfego nas datas atrativas, como dezembro, para os consumidores.

Nenhum dos sites que estão no topo do ranking conseguirá se aproximar do gigante Google. Mesmo sofrendo um declínio no tráfego do site, devido ao uso de aplicativos e pesquisa por voz, foram registrados aproximadamente 15 bilhões de visitas em julho de 2018. Enquanto os outros sites estavam abaixo de 5 bilhões

Leia na origem

‘Favor analisar os gráficos’: Anitta pediu e G1 mostra evolução dela desde o início no funk carioca até ‘Medicina’

Matéria de G1

“Anitta é a artista brasileira mais ouvida no YouTube, mas não é a artista mais ouvida no YouTube no Brasil”: A pedido da cantora o portal G1 analisou sua evolução de números na rádio e internet, desde o início de sua carreira no funk até o hit ‘Medicina’.

Anitta explicou ao portal G1 que está tranquila com relação a sua carreira internacional. Os “picos de sucesso” e as “pequenas quedas” fazem parte da construção de sua carreira. Analisando dados de rádio e internet durante os sete anos de carreira da cantora, o G1 afirmou que:

“No primeiro semestre de 2018, a cantora quase dobrou sua audiência no YouTube em relação ao semestre anterior”;

“A fatia da presença internacional mais do que duplicou: no ano passado, 16% dos views eram de fora do país. Agora foram 41%”;

“Na análise histórica de hits no Brasil, há picos em “Show das poderosas”, “Zen” “Bang”, “Loka”, “Sim ou não” e “Paradinha”. Mas há disparidades entre rádios e YouTube”;

“Uma semana depois, “Medicina” segue forte no Brasil, e com menos presença no mercado hispânico que os singles mais fortes dela na região, “Downtown” e “Machika””.

Na análise o G1 revelou uma curiosidade:Anitta é brasileira mais ouvida no YouTube, entretanto não é a artista mais ouvida pelos brasileiros na plataforma. Isso acontece devido a sua expansão mundial, “ela tem um total de views maior que qualquer músico brasileiro, mas a audiência dela é dividida entre os países”, afirmou o G1.

No Brasil, os artistas nacionais mais vistos no YouTube atualmente é a cantora Marília Mendonça e a dupla Zé Neto & Cristiano.

Podemos dizer que Anitta ainda tem muita coisa pra mostrar e a tendência é que seus números ganhem cada vez mais destaques na internet, afinal a cantora está participando como jurada no “The Voice” no México (“La voz México”) e assim ficando mais conhecida internacionalmente. Tanto o G1 quantos nós do MCT estaremos atentos e acompanhando a carreira desta artista que é um grande case de sucesso na indústria da música brasileira.

Leia na origem

©2018 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?