YouTube entra no mercado de streaming com o novo serviço

Matéria de Forbes Middle East

Youtube lançará novo serviço de streaming para competir com o Spotify e Apple Music.

Nesta terça-feira (22) o YouTube promete lançar seu novo serviço de streaming de música: o YouTube Music.

Para competir com os gigantes, Spotify e Apple Music, o novo serviço do Youtube oferecerá streaming de vídeo e áudio com milhares de playlists oficiais de músicas, álbuns, rádio de artistas e muito mais. Além disso, para facilitar a navegação, o Youtube Music oferecerá remixes, apresentações ao vivo, capas e vídeos musicais da plataforma em um só lugar.

O serviço terá uma versão gratuita que terá anúncios, já a Premium, custará US$ 9,99 por usuário sem anúncios. O YouTube Premium substituirá o YouTube Red, um serviço de assinatura por streaming pago que foi oferecido pela empresa anteriormente.

O YouTube informou através do post em seu blog que os assinantes do Google Play Music e do YouTube Red terão automaticamente acesso ao YouTube Premium. A empresa também esclareceu que todos os usuários continuarão a ter acesso ao Google Play Música e poderão usar suas músicas e downloads, mesmo que tenham o YouTube Music.

O lançamento do serviço está previsto para os EUA, Austrália, Coréia do Sul, Nova Zelândia e México no dia 22 de maio de 2018. A empresa do Google, anunciou que lançará o YouTube Music na Europa também. No entanto, não houve menção quanto a disponibilidade no Oriente Médio.

Leia na origem

Você não consegue parar de assistir ‘This Is America’

Matéria de

Porque só ouvimos falar em “This is America”!

“This is America” do rapper Childish Gambino (codinome do cantor e ator Donald Glover) é o vídeo mais assistido do momento no YouTube e já pode ser considerado o clipe do ano.

O clipe foi lançado no dia cinco de maio e logo nas primeiras 24 horas ganhou 12,9 milhões de visualizações e se tornou uma das 10 maiores estreias de videoclipes do ano no YouTube. O ritmo de crescimento só aumentava, em 48 horas foram mais de 30 milhões. Atualmente, o clipe conta com mais de 114 milhões de visualizações.

Repleto de simbolismo e temas como a violência, racismo e armas nos Estados Unidos, há tanto acontecendo ao fundo quanto no primeiro plano, onde Gambino dança às vezes sozinho e às vezes com dançarinos vestidos como estudantes. Todos esses elementos levantaram uma série de discussões nas redes sociais, contribuindo para o sucesso do clipe.

Hiro Murai, que trabalha com Gambino na série “Atlanta”, dirigiu o vídeo e ficou chocado com a repercussão: “Tentamos apenas ser honestos com nossos sentimentos através do trabalho e espero que ele se conecte com as pessoas”.

Leia na origem

‘Despacito’ atinge 5 bilhões de visualizações e quebra recorde no Youtube

Matéria de O Globo

Despacito bate recorde no Youtube!

“Despacito”, a música de Luiz Fonsi, está longe de ser esquecida! O hit se tornou o primeiro vídeo da história do Youtube a alcançar a marca de cinco bilhões de visualizações.

O hit de Luis Fonsi foi um dos mais ouvidos em 2017 e ganhou o Grammy na categoria “canção do ano”.

O clipe foi lançado pela Universal Music Latino e dirigido por Carlos Perez. No ano passado ficou em primeiro lugar na lista de clipes do Youtube.

Até então, o vídeo mais assistido era da música “See you again” (3,4 bilhões,) do americano Wiz Khalifa com Charlie Puth.

Há também outra versão da música, com participação de Justin Bieber, que chega a ter 7,6 milhões de visualizações. De acordo com Fonsi, a participação de Bieber ajudou ainda mais na popularidade da música.

Os créditos da canção estão divididos entre Fonsi, Daddy Yankee, Justin Bieber e Erika Yankee (filha de uma brasileira que participou do especial de final de ano de Roberto Carlos).

Leia na origem

Direitos autorais: YouTube entra em acordo com Ecad e Ubem, e ações são encerradas

Matéria de Ancelmo - O Globo

Acordo entre Ubem, Ecad e YouTube/Google garante tornar mais justas as remunerações de compositores.

A União Brasileira de Editoras de Música (Ubem) e o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) assinaram um acordo com YouTube/Google para tornar mais justas as remunerações de compositores.

As instituições exigiam equidade nos valores oferecidos no Brasil. Com o acordo, a Ubem garante a conformidade com os patamares aplicados internacionalmente pela utilização das obras musicais na plataforma.

Assim, foram encerradas todas as ações judiciais movidas pelas entidades.

 

Leia na origem

Netflix anuncia série em parceria com o Kondzilla

Matéria de EXAME

KondZilla lançará série de oito episódios na Netflix.

O KondZilla, é conhecido por ser o maior canal do YouTube brasileiro. Já contamos sua trajetória em posts anteriores. Nessa semana ele voltou com mais uma conquista, que pode mudar a vida de outros criadores de conteúdo na plataforma de streaming de vídeos.

A notícia é que o KondZilla lançará uma série na Netflix, chamada de “Sintonia”, que irá explorar “a interconexão da música, tráfico de drogas e religião em São Paulo”. A produção chegará ao catálogo apenas em 2019.

Com 32 mil curtidas, 8 mil compartilhamentos e 455 mil visualizações, a divulgação da notícia no Facebook da Netflix viralizou nas redes sociais.

No Twitter o público está dividido, uns aprovam e outros acreditam que a plataforma poderia direcionar esforços em outras produções. O que importa é perceber como a internet está possibilitando o surgimento de novos talentos.

Leia na origem

Brazilian Pop Star Crosses Borders With the Help of Spotify and YouTube

Matéria de Bloomberg.com

O site Bloomberg publicou um artigo sobre a cantora Anitta. Eleita a “Mulher do Ano” em 2017 pela revista GQ, a cantora carioca usou o Spotify e o Youtube como aliados em sua estratégia para conquistar a carreira internacional.

Com o intuito de exportar sua música vinda das ruas do Rio de Janeiro para outras capitais ao redor do mundo, a estrela pop brasileira Anitta criou uma estratégia chamada de “Check Mate”. Em seis meses, a cantora parece estar prestes a seguir os passos de Shakira, Marc Anthony e outros cantores que fizeram sucesso nas fronteiras da América Latina.

“Cada passo da minha carreira, eu tenho um plano”, diz a cantora de 24 anos, que aprendeu inglês e espanhol para ajudá-la a sair do mercado brasileiro. Outro ponto importante para o sucesso de sua estratégia foi o lançamento de suas músicas em três idiomas diferentes para mostrar seu alcance.

Sandra Jimenez, chefe de música do YouTube na América Latina, disse que a estratégia está funcionando e que algumas estrelas brasileiras têm um seguimento no exterior, mas nenhuma faz o que a Anitta faz.

Quando a cantora decidiu que era hora de ir além, voou para Los Angeles para se encontrar com vários gerentes, entretanto, não conseguiu nenhum contrato. Até jantar com John Shahidi, um empresário do setor musical e videogames. Ele está ajudando Anitta a traçar sua estratégia global focando na oportunidade que o Spotify e YouTube proporcionam a músicos estrangeiros.

Anitta recebeu o último selo de aprovação quando foi convidada para participar das Olimpíadas em 2016 no Rio ao lado de Caetano Veloso e Gilberto Gil. Nesse momento, Anitta sabia que essa era mais uma maneira de “quebrar o molde” e disse que tudo foi um sucesso.

Leia na origem

YouTube is adding a new AR green screen effect to its stories feature

Matéria de The Verge

O Google trará ao Stories do YouTube um novo recurso com realidade aumentada!

O Google trará uma novidade para o YouTube semelhante aos filtros do Stories do Instagram e Snapchat. O novo recurso já está sendo testado em versão beta e será uma grande novidade para os usuários.

Os filtros serão como um efeito líquido em uma tela verde de realidade aumentada, permitindo que os criadores possam inserir o que quiserem como seu cenário em tempo real. O mais interessante é que não será necessário usar uma tela verde real para facilitar a separação do assunto.

Por enquanto, o Google pretende testar a tecnologia no Stories do YouTube e no futuro testará em outros serviços e aplicativos.

Leia na origem

Indie Labels Say Spotify Is Paying 3X Better Than YouTube

Matéria de Digital Music News

Em relatório, a Merlin afirma que o YouTube não paga artistas como o Spotify.

“O YouTube tem sido considerado a perdição da indústria da música”. Graças, em parte, à lei Safe Harbor, a plataforma de vídeo pode pagar o mínimo necessário para as principais gravadoras e artistas.

Enquanto isso, a história é outra para o Spotify, que está avançando com seus planos de ir à IPO, resolveu grandes processos judiciais e tentou pagar mais. Por isso, a confirmação de que o paga muito mais do que o YouTube.

No relatório realizado pela A2IM, a Merlin Network apresentou os resultados de uma pesquisa com os membros da organização, enquanto os serviços de streaming de música, como o Spotify, fornecem grandes receitas para os membros do Merlin, o mesmo não acontece com o streaming de vídeo, o desempenho é inferior.

A agência mundial de direitos digitais confirmou que o streaming de músicas ultrapassou os serviços de transmissão de vídeo, como o YouTube. No relatório, em comparação ao mês de março de 2017 com o ano anterior, o crescimento da receita do streaming de áudio supera o streaming de vídeo a uma taxa de mais de 3 para 1. Além disso, 42% de seus membros disseram que “o YouTube representa menos de 5% de suas receitas digitais”, provando a existência do “Value Gap”.

Leia na origem

‘THE VALUE OF CREATIVE ASSETS IS SYSTEMATICALLY BEING TAKEN AWAY FROM ARTISTS AND MUSIC COMPANIES’

Darius Van Arman é fundador de uma gravadora independente chamada “Jagjaguwar”, ele comenta sobre a “Safe Harbor”, lei que favorece serviços como o YouTube .

A gravadora Jagjaguwar, de Darius, conta com artistas parceiros como Bon Iver, Angel Olsen, Jamila Woods, Dinosaur Jr., Sharon Van Etten e Unknown Mortal Orchestra. lém disso, Van Arman também é fundador e co-proprietário do Secretly Group, um grupo independente de gravadoras como a Dead Oceans, The Numero Group e Secretly Canadian –

No blog do site MBW ele fala sobre as chamadas leis de Safe Harbors, ou “portos seguros” onde favorecem os serviços de internet, como YouTube e SoundCloud, mas precisam ser revisadas.

Leia na origem

How to Destroy YouTube & Save the Music Industry

Matéria de Digital Music News

No artigo, na luta contra o YouTube, a indústria da música deve se unir ao Spotify.

“E se cada faixa no Spotify tivesse um vídeo anexado?” O YouTube se tornaria menos importante.

A indústria da música, para vencer o YouTube, deveria se unir ao Spotify. Com o interesse em conteúdo exclusivo e crescimento constante, o Spotify poderia ser a arma da indústria da música na luta contra o Youtube.

Leia na origem

©2018 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?