Scott Cohen é o novo Diretor de Inovação da Warner Music

Warner Music cria cargo de Inovação de Música Gravada e chama co-fundador da The Orchard como Diretor.

A Warner Music anunciou que Scott Cohen, co-fundador da distribuidora The Orchard, assumirá o cargo de Diretor de Inovação de Música Gravada. Uma área pouco vista no mercado.

Segundo a Billboard, Scott Cohen ajudará a Warner Music a traçar um curso, de longo prazo, na intersecção de música, tecnologia, e cultura.

Após criar sua empresa há 22 anos, Cohen anunciou sua aposentadoria. A The Orchard surgiu como um meio de apoiar músicos independentes que vendem suas músicas para um público mainstream. Em 2003, a distribuidora entregou o maior catálogo de músicas independentes para o iTunes. Um ano depois, tornou-se a primeira distribuidora indie digital alcançando a marca de 1 milhão de downloads pagos. Após ser adquirida pela Sony em 2015, a empresa se juntou com a  RED, operando sob a marca Orchard, e se tornou a maior distribuidora independente do mundo.

Atualmente, Cohen é palestrante, além de promover novos modelos de negócios para a era digital, incentivando o desenvolvimento em realidade aumentada, realidade virtual, blockchain e inteligência artificial. Ele também é co-fundador da empresa CyborgNest, que explora a interface da inteligência biológica e digital.

“O que me atraiu na Warner foi a sensação de que Max [Lousada] e sua equipe estão construindo um ambiente onde idéias originais podem florescer. A Warner está singularmente posicionada para adotar uma abordagem ágil, mas baseada em princípios, para aumentar o universo de oportunidades para a música “, disse Cohen sobre o novo desafio.

Leia na origem

SPOTIFY É LANÇADO NA ÍNDIA

Como parte de sua estratégia de crescimento, o Spotify foi lançado hoje na Índia. Para agradar novo mercado, a plataforma de streaming teve que fazer algumas mudanças e criar novos recursos.

Após muitas especulações, finalmente o Spotify foi lançado hoje (27) na Índia. A notícia deixou o mercado da música agitado, afinal o país é o segundo mais populoso do mundo, com 400 milhões de usuários ativos da internet.

Antes de entrar no país, a plataforma de streaming enfrentou problemas com a Warner Music, que entrou com uma ação na justiça para impedir que suas músicas fossem reproduzidas na plataforma. A suprema corte de Bombaim, em Mumbai, negou o pedido de liminar de emergência da gravadora.

Segundo o Music Business Worldwide, o Spotify precisou adequar seu modelo de experiência musical à região, criando novos recursos e playlists, como a “Starring …”, uma série de playlists com músicas de atores populares de Bollywood, Tollywood, Kollywood e Punjabi.

“O Spotify não apenas trará artistas indianos para o mundo, mas também levará a música do mundo para fãs em toda a Índia. A família musical do Spotify ficou muito maior”, afirmou Daniel EK, CEO e co-fundador do Spotify.

O lançamento do Spotify na Índia segue a recente expansão da empresa no Sudeste Asiático, elevando seu número total de mercados para 79, com 207 milhões de usuários, incluindo 96 milhões de assinantes, globalmente.

Cecilia Qvist, Chefe de Mercados Globais do Spotify, acrescentou: “A chegada do Spotify na Índia é um grande passo em frente na nossa estratégia geral de crescimento global. Uma parte fundamental dessa estratégia é permanecer conectada à cultura global, ao mesmo tempo em que permite a adaptação local, e certamente alcançamos isso com nosso lançamento na Índia.

Leia na origem

MC Kevinho ganha R$17 milhões em contrato com gravadora

Matéria de Folha de S.Paulo

Com contrato milionário, Kevinho e Anitta desbancam o hit “Jenifer”.

Na sexta feira passada, Anitta e Mc Kevinho lançaram o clipe para a música “Terremoto”. O clipe já conseguiu desbancar o hit “Jenifer” de Gabriel Diniz, alcançando a marca de 27 milhões de visualizações no Youtube.

Kevinho tem chamado a atenção da indústria da música, tanto que assinou um contrato milionário com a gravadora Warner Music.

Segundo a coluna de Marina Caruso, do O Globo, o contrato teve o maior adiantamento da história da música brasileira: R$17 milhões.

“Terremoto”, teve como inspiração o clipe de “I’m still in love”, sucesso dos anos 2000 de Sean Paul e Sasha.

Leia na origem

SPOTIFY NA INDIA: COM LANÇAMENTO CONFIRMADO, ESPOTIFY AINDA NÃO POSSUI ACORDOS DE LICENCIAMENTO COM AS BIG 3

Um dos assuntos mais comentados nesta semana na indústria da música é a chegada do Spotify na Índia. O lançamento do serviço de streaming promete agitar ainda mais o mercado por lá. No entanto, vários desafios como o licenciamento de músicas com as Big 3 precisam ser enfrentados. O portal Music Business Worldwide conversou com vários profissionais da indústria da música para entender como o Spotify enfrentará todos os desafios.

De acordo com o portal Music Business Worldwide (MBW), a chegada do Spotify na Índia está prevista para maio de 2019. O portal conversou com vários profissionais da indústria da música, para descobrir informações importantes que devem impactar o lançamento e o sucesso do serviço de streaming no país.

Algumas fontes revelaram ao MBW que o serviço de streaming ainda não possui acordo de licenciamentos de músicas com as principais gravadoras, Universal, Sony Music e Warner para a India.

Até então, os acordos de licenciamento de músicas entre as gravadoras e o Spotify poderiam ser comprometidos, já que haviam muitos rumores afirmando que as gravadoras teriam a intenção de bloquear o serviço no país após o anúncio dos licenciamentos diretos entre o Spotify e artistas independentes. De acordo com as fontes do portal, essa já é uma questão resolvida e os licenciamentos já estão sendo negociados.

“Algumas pessoas aqui suspeitam que o Spotify vazou essas histórias sobre o seu próximo lançamento na Índia em uma tentativa de acelerar nossas negociações – mas estamos nos movendo no nosso próprio ritmo”, confirmou uma fonte não revelada de uma gravadora ao MBW.

O mercado de streaming de música da Índia é muito atrativo. De acordo com a IFPI, a população da Índia é de 1,3 bilhão de pessoas, sendo o 19º maior mercado de música gravada no ano passado, gerando US$130,7 milhões.

Enquanto as receitas de streaming de assinatura mais do que triplicaram na Índia em 2017, as receitas de streaming financiadas por anúncios caíram em relação ao ano anterior, 29,5% (para US $ 27,6 milhões).

“De todos os principais, a Sony tem mais influência na Índia, porque é grande em música de Bollywood”, revelou uma fonte ao MBW. “Para ganhar dinheiro com o streaming na Índia, você precisa atingir uma escala enorme. O Spotify corre o risco de ficar para trás e sabe disso melhor do que ninguém ”, acrescentou outra fonte.

“O lançamento Spotify na Índia é muito complexo por causa da variação dos dialetos regionais e da própria música. Em termos da variedade de gostos locais, mudar de uma região para outra na Índia pode ser como mudar de um país para outro na Europa. ”, explicou uma fonte em conversa com o MBW.

Segundo o MBW, se o Spotify for lançado na Índia em 2019, enfrentará uma concorrência acirrada, como o aplicativo de streaming de música indiana Saavn, que recentemente se uniu com a rival local JioMusic, um popular aplicativo de downloads e músicas.

Além disso, a Tencent Music Entertainment, serviço de streaming de música na China, investiu US$115 milhões em outro serviço indiano, o Gaana, que possui mais de 75 milhões de usuários. Serviços como a Apple Music, Amazon Music e Google Play já estão no país.

Um relatório da Deloitte prevê que os serviços de streaming de música na Índia atrairão cerca de 273 milhões de assinantes até 2020 no país.

Leia na origem

O motivo do conflito entre o Spotify e as Big 3

Negociações diretas com artistas, planos com preços mais acessíveis, maior transparência de dados aos artistas e agora os Podcasts! As Big 3 não estão nada satisfeitas com as novas práticas do Spotify e tem muito o que ponderar antes de renovar seus acordos de licenciamento! Saiba quais os principais pontos que influenciarão na renovação dos acordos no próximo ano.

Passa rápido, mas o Spotify só tem mais um ano para elaborar novas propostas a fim de renovar os acordos com as Big 3 – principais gravadoras Universal Music, Sony Music e Warner Music.  Segundo o portal Music Business Worldwide, as negociações para a renovação dos acordos de licenciamento não serão fáceis. As gravadoras estão bem receosas com as praticas que o Spotify tem realizado. Uma fonte declarou: “Se o Spotify entrar aqui [durante as negociações de 2019] e pedir qualquer tipo de melhoria de margem, nós vamos rir!”.

O portal Music Business Worldwide (MBW) falou com vários executivos das gravadoras e verificou alguns dos principais pontos que influenciarão na renovação dos acordos no próximo ano.

O FUTURO DO PLANO GRATUITO

Parece que o plano gratuito oferecido pelo streaming não agrada as Big 3. A intenção é que o plano seja suspenso para que as receitas com as assinaturas pagas possam aumentar: “É um debate em andamento”, afirmou uma fonte ao portal MBW.

Além disso, outra fonte disse que é de desejo não licenciar o plano gratuito nos mercados mais maduros do mundo.

PROMOÇÃO

As negociações de licenciamento garantiram uma boa margem de lucro ao Spotify, permitindo oferecer planos de assinaturas pagas mais atraentes aos usuários, como o plano Familiar para até seis pessoas a US$14,99 por mês e desconto nos primeiros meses de adesão no plano premium. Os resultados foram impressionantes, 83 milhões de usuários pagantes no final do segundo trimestre.

Uma fonte relatou que as Big 3 desejam que os planos sejam reajustados. “Nos últimos 10 anos, essa foi a coisa certa a fazer, pois ajudou a educar o consumidor sobre um novo modelo. Mas agora, há um bom entendimento de streaming na maioria dos mercados”.

Outra fonte do setor comentou que o valor do Plano Familiar deve ser atualizado: “Você poderia cobrar US$10 pela primeira conta, e talvez uma quantia menor por conta adicional no topo, por exemplo”.

3) ARPU

As principais gravadoras também estão atentas a ARPU – Receita Média Por Usuário – que declinou nos últimos anos graças a uma combinação de pacotes de telecomunicações, Planos Familiares e Estudantis, além dos preços sensíveis ao mercado.

De acordo com os cálculos da MBW baseados nos registros fiscais do Spotify, os assinantes estão pagando cerca de US$30 a menos por ano.

“O Spotify nunca aumentou seus preços, mesmo naqueles mercados nórdicos onde tudo começou [em 2008]”, afirmou uma fonte. “Mais do que apenas aumentar o preço do produto básico, estamos pressionando-os a criar novos níveis de serviço”, acrescentou.

4) DADOS… E QUEM PAGA POR ELE

Segundo o MBW, os maiores detentores de direitos estão insatisfeitos com a transparência na plataforma. Artistas e gerentes podem acessar dados detalhados sobre o desempenho de streaming. Porém os editores recebem apelas dados brutos com pouca granularidade.

“Estivemos em discussões acaloradas com o Spotify neste ponto por algum tempo”, disse uma fonte.

“Estamos investindo no artista e, mesmo assim, ficamos com pouca instrução quando um gerente liga para discutir certo dado”, reclamou outra fonte. “O Spotify se esconde atrás de um punhado de razões obscuras para isso, incluindo dividir os direitos entre as gravadoras e as editoras”, afirmou.

Outra preocupação das Big 3 são os rumores de que o serviço de streaming passaria a cobrar pelo acesso de dados: “O Spotify pode realmente ser tão eficaz com seus dados que agrega muito valor ao prever?”, perguntou um dos principais executivos ao MBW.

Uma fonte “particularmente ressentida” de uma gravadora disse: “Mostre-me o quanto a Spotify investiu na carreira de um determinado artista versus o que investimos. E depois me mostre quais são os direitos que eles possuem como resultado. Em ambos os casos, a resposta é zero. “Eles estão planejando vender-nos dados que já nos pertencem.”

5) CONTEÚDO ALÉM DA MÚSICA

As Big 3 estão convictas que o serviço de streaming está inserindo “artistas falsos” em certas playlists. São faixas de artistas pseudônimos, gravadas por compositores que trabalham para casas de produção como Epidemic Sound.

Uma das Big 3 afirmou que essa tática pode ser comparada a um varejista colocando um produto “sem marca” na prateleira, mas depois o promovendo fora da rádio.

As principais gravadoras tem odiado a nova sensação: podcasts! Falando com o MBW por telefone antes dos resultados do Q2 na outra semana, o CFO do Spotify, Barry McCarthy explicou que o conteúdo dos podcasts aumentam suas margens.

As Big 3 não estão muito contentes com a novidade já que conteúdo não musical poderia roubar horas das músicas que poderiam ser ouvidas na plataforma de música.

Leia na origem

A indústria da música faturou US$43 bilhões em vendas no ano passado, mas os artistas receberam apenas 12%.

As “Big 3” revelaram recentemente que faturaram bilhões no início deste ano. Todas destacaram o streaming como fator principal para o aumento de suas receitas. Entretanto, será que artistas e compositores também tem faturado na mesma proporção?

Um relatório sobre a indústria da música publicado pela Citigroup, eleita pela Forbes maior empresa do ramo de serviços financeiros do mundo, revelou uma que os artistas recebem tão pouco quanto reivindicam.

Segundo os dados do relatório, os músicos receberam no ano passado apenas 12% dos US$43 bilhões gerados em vendas nos EUA. Os números incluem receita de vendas de CDs, streaming de músicas, anúncios no YouTube, royalties de rádio e ingressos para shows. Esse número é apenas 5% desde 2000.

O Citigroup descobriu que no ano passado, as vendas de música arrecadaram mais de US$15 bilhões em receita publicitária. Consumidores geraram US$20 bilhões com assinaturas, CDs e ingressos para shows. Dessas quantias, gravadoras e editoras receberam quase US$10 bilhões, já os artistas receberam apenas US$ 5 bilhões.

De acordo com Lucas Shaw, da Bloomberg, a solução para os artistas é abrir mão de contratos de gravação em favor de serviços de streaming de música, uma vez que o Spotify está criando mais iniciativas como o licenciamento direto para artistas independentes com pagamentos adiantados.

A consultora, Vickie Nauman, afirmou que esse tipo de iniciativa pode forçar as grandes gravadoras a oferecerem “acordos mais favoráveis”. Ela explicou ainda sobre o motivo dos artistas receberem tão pouco: “Como a indústria da música tem tantos intermediários – e porque o consumo de música é tão fragmentado em várias plataformas – o artista capta muito pouco da receita agregada”

Para o portal Digital Music News, o problema é grave e o streaming não é uma solução benéfica para músicos e artistas. Com por exemplo, a violoncelista premiada Zoe Keating, que ganhou apenas US$ 4.388,93 de quase 1,2 milhão de transmissões no Spotify. “Não espere pagar o aluguel do próximo mês apenas abraçando o Spotify”, afirmou o portal.

O relatório da Citigroup ressaltou um fato alarmante: as gravadoras continuam a faturar bilhões com o trabalho dos artistas. E, não importa o que dizem seus representantes, os músicos ainda não recebem sua parte de forma justa.

Leia na origem

Warner Music Group tem aumento nas receitas após venda de toda sua participação do Spotify

Matéria de @MusicWeek

Durante uma apresentação de desempenho da Warner Music Group, o CEO Steve Cooper revelou que a gravadora vendeu toda a sua participação no Spotify, conseguindo arrecadar US$504 milhões em receitas, cerca de US$126 milhões serão repassados a seus artistas.

Nesta semana o CEO Steve Cooper apresentou os resultados financeiros da Warner Music Group. A gravadora arrecadou US$504 milhões em receitas com a ajuda da venda de toda sua participação do Spotify.

Cooper confirmou que cerca de US$126 milhões serão repassados a seus artistas entre os meses de agosto e setembro.

“Esta venda não tem nada a ver com a nossa visão do futuro do Spotify. Estamos otimistas em relação ao crescimento do fluxo de assinaturas. Sabemos que ele começou a cumprir seu potencial em escala global. Esperamos que o Spotify continue a desempenhar um papel importante nesse crescimento.”, afirmou Cooper.

Além disso, Cooper também comentou sobre o aumento da concorrência entre as empresas digitais, incluindo Spotify, Apple, Amazon e YouTube, é “uma boa notícia para o nosso negócio”.

Com relação às informações do desempenho da gravadora os resultados foram otimistas. De acordo com a análise do site “Music Week” os resultados mostraram outro grande salto nas receitas digitais com a continuação do boom do streaming.

Com a ajuda de Ed Sheeran no ano passado, a receita total cresceu 4,5% e a receita digital subiu 16,1%.

“Estamos satisfeitos com nosso crescimento de receita no contexto de uma comparação muito difícil no ano anterior”, acrescentou Eric Levin, vice-presidente executivo e CFO da Warner Music Group. “A saúde do nosso negócio é evidenciada pela nossa geração de caixa muito forte.”

A receita total de janeiro a 30 de junho foi de US$958 milhões, com contribuição digital de US$576 milhões, 60,1% (de 54,1% no ano anterior). A receita de vendas de música física e receita mecânica continuaram a diminuir.

As receitas nos EUA, Ásia e América Latina cresceram, enquanto a Europa diminuiu devido a uma queda nas vendas físicas e na chapa de liberação em comparação a 2017.

O lucro líquido atingiu US $ 321 milhões em comparação com US$143 milhões no ano passado. Esse aumento foi em grande parte atribuído à venda das ações Spotify da empresa e aos ganhos em moeda estrangeira.

Leia na origem

Warner confirma que já faturou 400 milhões de dólares nas ações do Spotify.

Warner confirma que já arrecadou 400 milhões de dólares nas ações do Spotify.

A Warner Music confirmou que vendeu 75% das ações que conseguiu através de acordos de licenciamento com o Spotify.

Com o acordo de licenciamento outras grandes gravadoras conseguiram ações no Spotify. Agora que o serviço de streaming está na Bolsa de Valores de Nova York chegou a hora de tentar conseguir algum lucro com isso.

A Sony Music logo no primeiro dia de negociação vendeu algumas de suas ações e agora está só com a metade. No total foram cerca de US$750 milhões arrecadados. Enquanto isso, a Warner arrecadou cerca de US$400 milhões, vendendo quase três quartos de sua participação.

Essa corrida para vender ações não significa pessimismo por parte das gravadoras. Stephen Cooper, CEO da Warner, explicou que a gravadora está planejando no curto prazo e as vendas das ações não tem nada a ver com a visão do futuro do Spotify.

“Estamos otimistas em relação ao crescimento de assinaturas. Sabemos que ele acaba de começar a cumprir seu potencial em escala global. Esperamos que o Spotify continue a desempenhar um papel importante nesse crescimento”, disse ele.

Cooper também falou sobre o compromisso da Warner de dividir os lucros com os artistas.

Leia na origem

COM A PALAVRA, AS GRAVADORAS

Presidentes da Warner Music Brasil, Universal Music Brasil e Sony Music Brasil se encontraram em um debate na Rio2c.

No dia 05/4, durante a Rio2c – Rio Creative Conference – houve um debate entre os presidentes das principais gravadoras brasileiras.

Estavam presentes Sergio Affonso, presidente da Warner Music Brasil, Paulo Junqueiro, presidente da Sony Music Brasil, e Paulo Lima, presidente da Universal Music Brasil.

No debate mediado pelo diretor da UBC, Marcelo Castello Branco, os presidentes responderam à perguntas como os desafios que as gravadoras têm enfrentado perante a insatisfação dos artistas sobre as métricas de pagamento, o atual papel do A&R, os critérios utilizados para contratar ou descartar um artista, o papel que a música brasileira pode ocupar no mundo com a globalização e a diferença entre as distribuidoras e os agregadores. O debate completo encontra-se na página da União Brasileira de Compositores.

Leia na origem

Enquanto projeto pretende criminalizar o funk, artistas do gênero fecham mega-acordo com grande gravadora

Matéria de @portalr7

Warner Music realiza projeto que contribuirá para o crescimento do funk.

Warner Music e a RW se reuniram nesta semana para que os MC’s Lan, Fioti e Mirella firmassem o projeto que contribuirá para o crescimento do funk.

No entanto, o empresário Marcelo Alonso criou uma proposta para criminalizar o gênero. O pedido já possui mais de 20 mil assinaturas e foi encaminhado para a relatoria do senador Cidinho Santos (PR) na CDH (Comissão dos Direitos Humanos e Legislação Participativa).

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?