La industria discográfica en 2016 hace el mayor crecimiento de los últimos 15 años

Matéria de Industria Musical

Novo relatório da Midia Research afirma que a indústria da música mundial cresceu US$1,1 bi em 2016 para alcançar o montante de US$16,1 bi, o maior crescimento observado em mais de 15 anos.

O aumento representa 7% em relação a 2015. A chave para este crescimento são as receitas de streaming que chegaram a US$5,4 bi, um crescimento de 57% em relação a 2015. O número de assinantes de serviços de streaming cresceu 38 milhões ao longo de 2015, com Spotify representando 43% dos 106,3 milhões de assinantes em todo o mundo.

Para Mark Mulligan esses números indicam que a indústria de música mudou de marcha em 2016 e as receitas parecem estar em uma trajetória ascendente nos próximos anos. No entanto, o streaming terá que trabalhar mais para compensar o impacto da diminuição de 18% das receitas em 2016.

Leia na origem

Spotify está se preparando para lançar serviço de música Hi-Fi

Conheça o Spotify Hi-Fi, o novo lançamento do Spotify para garantir maior qualidade de execução de músicas aos seus assinantes.

O Spotify lançou para um pequeno grupo de usuários o “Spotify Hi-Fi”. “Uma versão de áudio de alta-fidelidade para que não haja perda na qualidade das músicas disponíveis no serviço de streaming”.

O serviço que terá um custo entre US$ 5 e US$ 10 é um movimento do Spotify para melhorar a qualidade de áudio, visando o aumento de receitas e maior competitividade perante a Apple que já está trabalhando para que seus usuários não percam a qualidade do áudio na execução de músicas.

Leia na origem

Governo pretende roubar R$ 300 milhões de usuários do Netflix para financiar “cinema nacional”

Matéria de ILISP

Novo imposto destinado a empresas de streaming de vídeo como Netflix pode acarretar no aumento do valor das assinaturas e na redução dos conteúdos oferecidos pelos serviços.

O governo federal pretende cobrar mais um imposto para as empresas de serviço de streaming de filmes e séries. A Condecine,“Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional”, obrigaria a “Netflix, Spotify, Google Play Filmes e Youtube a pagar ao governo o valor de R$ 7.291 por cada título estrangeiro com duração superior a 50 minutos no catálogo dos consumidores brasileiros.” “Episódios de séries internacionais teriam taxa extra de R$ 1.822,81. Para cada título nacional, a cobrança ficaria em R$ 1.458,25 por filme e R$ 364,56 por episódio ou capítulo.”

Caso o governo enfrente impedimentos legais para a aplicação da cobrança do imposto, “o plano B seria taxar anualmente, entre 3% e 8%, as remessas de lucros para as sedes internacionais das empresas que possuem atividade no Brasil”.

Leia na origem

Google anuncia serviço de “TV a cabo” do YouTube

Matéria de Startupi

Foi confirmado pelo Google o lançamento do “Youtube TV”, um serviço de “TV a cabo” baseado em streaming.

Por 35 dólares, o assinante poderá ter acesso a 40 canais, todo o conteúdo do “Youtube Red” e além disso o serviço permitirá a gravação de alguns programas para serem assistidos posteriormente. Os conteúdos gravados ficarão disponíveis por até nove meses.

Disponível em Desktop, celulares, tablets e Chromecast, o serviço será lançado nos próximos meses apenas para um número ainda limitado de usuários, em poucas cidades norte-americanas, sem plano para expansão.

Leia na origem

Why Music Streaming Services Are Not As Family-Friendly As The Package Suggests

Veja uma comparação entre os serviços de streaming e saiba qual a melhor plataforma para assegurar que menores de idade não tenham acesso a conteúdos explícitos.

Apple Music e a Spotify oferecem pacotes com desconto voltados para as famílias, garantindo acesso a música ilimitada para todos. No entanto, quando os pais desejam filtrar músicas com conteúdo explicito para que seus filhos não tenham acesso, faltam recursos nos serviços.

Leia na origem

App oferece download (legal) de músicas com preço competitivo

Matéria de Exame

Conhecido por suas listas de músicas disponíveis para ouvir na internet, o aplicativo SuperPlayer lança planos de assinatura que permitem ouvir as faixas offline.

“São dois planos: um de 8,90 reais e outro de 16,90 reais. No primeiro, o usuário pode baixar para o seu smartphone três playlists, que, em média, têm 60 músicas. No segundo, é possível fazer o download de músicas e também ouvir os conteúdos por streaming, como acontece nos serviços concorrentes Spotify, Deezer e Google Play Music.”

“Para competir com os grandes do mercado, a empresa diz que vai trabalhar em conjunto com bandas e cantores nacionais, e não só expandir o acervo internacional para levar o negócio a outros países. O Brasil é prioridade.”

Leia na origem

Homem e máquina disputam coração de ouvinte de streaming de música

Matéria de O Liberal

À primeira vista, pode parecer esquisito que um sistema criado a partir de cálculos matemáticos seja capaz de acertar a música que a pessoa quer ouvir

Os algoritmos de recomendação se tornaram parte importante dos serviços de streaming de Música.

“O algoritmo analisa o que cada usuário ouviu dentro da plataforma, e aproxima gostos semelhantes”, explica o português Pedro Domingos, professor da Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

Cada serviço utiliza o algoritmo para trazer um diferencial. Conforme os avanços da tecnologia, pode-se imaginar que futuramente eles irão substituir curadores humanos. Saiba como o uso de algoritmos pode trazer vantagens e desvantagens ao consumidor de música.

Leia na origem

STREAMING DEVEM PAGAR DIREITOS AUTORAIS AO ECAD?

Matéria de Woo! Magazine

O STJ decidiu que serviços de streaming devem pagar direitos autorais ao Ecad e para Claudio Girardi, quem faz música precisa ser remunerado.

“O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que serviços de streaming devem pagar direitos autorais ao Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad). […] A decisão foi tomada pela segunda seção do STJ nesta quarta-feira (8), mas divulgada apenas na quinta (9).”

“Esta ação iniciou-se em 2013, a decisão do STJ, por 8 votos a 1, relativa ao caso Oi FM x Ecad, garante aos artistas o direito de receber pela execução pública de suas músicas no ambiente digital. Os ministros do STJ entenderam que o pagamento pela execução pública de músicas via streaming é devido e, com isso, encerraram este capítulo na história dos direitos arduamente conquistados pelos artistas.”

Claudio Girardi é Produtor Musical, Compositor e Músico. Ele explica ao leitor a importância dessa decisão e porque ela é essencial aos autores de música. Ele diz: “Mesmo que você defenda que a música é o maior bem cultural de um país, mas quem faz música precisa ser não só valorizado mas também remunerado.”

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?