Netflix anuncia lançamento de seu próprio estúdio de games

Matéria de O Globo

Netflix já lançou mais de 30 jogos, mas espera ampliar seu catálogo para 50 até o fim de 2022.

Tecnologia. A Netflix anunciou que está lançando o seu primeiro estúdio para criação de games baseados em seus filmes e séries.

Com base em Helsinque, na Finlândia, o novo estúdio será comandando por Marko Lastikka, nome conhecido no mercado por estar por trás de grandes jogos como o FarmVille 3.

Conforme explicou O Globo, a ideia do serviço de streaming é ser menos dependente de criadores terceiros e expandir suas ofertas de jogos. Atualmente, a Netflix possui investimentos em quatro estúdios, e já lançou mais de 30 jogos. A meta é ampliar este catálogo para 50 até o fim de 2022.

– Este é mais um passo em nossa visão de construir um estúdio de jogos de nível mundial que trará uma variedade de jogos originais deliciosos e profundamente envolventes – sem anúncios e sem compras no aplicativo – para nossas centenas de milhões de membros em todo o mundo – disse Amir Rahimi, vice-presidente de estúdios de jogos da Netflix.

Rahimi, complementou que os trabalhos no estúdio ainda não começaram, mas vem muita novidade por aí:

“Ainda é cedo e temos muito mais trabalho a fazer para oferecer uma ótima experiência de jogos na Netflix” – disse Rahimi. – “Esses quatro estúdios, cada um com diferentes pontos fortes e áreas de foco, desenvolverão jogos que atenderão aos diversos gostos de nossos membros”, concluiu.

 

Foto: Jogo da série  Stranger Things, da Netflix – divulgação

Leia na origem

Twitch anuncia redução de 20% sobre a remuneração de seus principais influenciadores

Matéria de TecMasters

Entenda como fica a remuneração para streamers maiores no Twitch.

O Twitch anunciou que vai fazer uma atualização sobre o percentual de remuneração para seus maiores criadores de conteúdo, reduzindo 20% o valor de suas comissões.

Conforme explicou o Tecmasters, atualmente a plataforma adota um formato de remuneração no qual os streamers de maior audiência (os chamados streamers premium) recebem 70-30, onde 70% do faturamento com inscrições ficam com o streamer, e 30% fica com o Twitch. Com a mudança que será implementada a partir de Julho de 2023, quando esses “streamers premium” atingirem uma receita de US$100 mil, passarão a receber igual ao modelo oferecido aos criadores de conteúdo menores, 50-50.

Para a plataforma, a mudança deve padronizar um formato de pagamento entre todos os streamings, já que o esquema 70-30 não era universal, e beneficiava apenas os streamers de maior fama.

A medida, claro, não foi bem recebida pelos influenciadores maiores da plataforma. Um deles foi Eric Pointcrow. O streamer de games criticou a decisão em seu perfil no Twitter, alegando que o Twitch estaria prejudicando seus criadores, ao invés de investir em melhorar seus recursos:

“O fato de que a solução da Twitch para seus problemas monetários é cortar a remuneração dos criadores ao invés de facilitar uma plataforma melhor para que mais espectadores visitem o site é preocupante. Nos dê as ferramentas e a informação que precisamos para que possamos criar conteúdos com mais engajamento, não limite nossos ganhos.”

Foto – O Dj Marshmallo – divulgação

Leia na origem

Creator Music: Vitrine Digital possibilita venda de músicas licenciadas para vídeos no YouTube

Matéria de Billboard

Youtube lança “vitrine digital” para simplificar o processo de licenciamento de músicas para criadores, e permitir nova fonte de renda para detentores de direitos musicais.

Na última terça-feira, 20, o YouTube anunciou uma novidade para que criadores de conteúdo possam licenciar músicas em seus vídeos de uma forma mais prática, e sem perder monetização.

De acordo com a Billboard, o Creator Music é uma espécie de loja virtual que permite aos criadores de conteúdo licenciar músicas em vídeos de duas formas bem simples: Na primeira opção o criador compra a licença de uma determinada música, e assim não terá mais de repassar a monetização inteira ao detentor dos direitos da música. Na segunda opção, o criador de conteúdo e o detentor de direitos dividem a monetização do vídeo.

Foto: divulgação

Para construir um bom catálogo na loja virtual, o Youtube fez uma série de parcerias com gravadoras e os editoras para que elas definam o preço das licenças músicas, que inicialmente variam de US$4,99 ou até mesmo de forma gratuita, dependendo da estratégia.

Por enquanto, o Creator Music ainda está na versão beta nos EUA, mas a ideia é que até 2023, o novo recurso seja disponibilizado internacionalmente.

Em um comunicado, Tracy Maddux, diretora comercial da Downtown Music, uma das editoras parceiras do Youtube fez uma boa colocação sobre o novo projeto: “O Creator Music foi uma oportunidade de “ajudar nossos compositores e artistas a encontrar novos e significativos fluxos de receita para seus trabalhos, além de possibilitar que todos os criadores do YouTube licenciem legalmente e descubram músicas originais para uso em grande escala”.

 

Foto – divulgação

Leia na origem

ROTEIRISTAS ACIONAM MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO POR FALTA DE DIÁLOGO COM PLATAFORMAS DE STREAMING

Matéria de NaTelinha

Associação Brasileira de Autores e Roteiristas (ABRA) decidiu acionar o Ministério Público do Trabalho, para denunciar práticas abusivas pelas plataformas de streaming na contratação de roteiristas para séries e filmes

Se um por um lado as plataformas de streaming de música tem aberto portas para novos artistas, por outro ainda é preciso pensar em maneiras mais justas de remuneração para os detentores de direitos autorais. Na indústria audiovisual, roteiristas tem enfrentado questão parecida através de contratos abusivos e falta de diálogo com plataformas de streaming de vídeo.

Conforme relatado pelo NaTelinha.com.br, a Associação Brasileira de Autores e Roteiristas (ABRA) decidiu acionar o Ministério Público do Trabalho do Rio de Janeiro e de São Paulo para denunciar práticas abusivas que plataformas de streaming tem adotado na contratação de roteiristas para séries e filmes.

Paula Vergueiro, advogada da associação disse à Folha de S. Paulo que tem recebido cada vez mais reclamações dos associados por conta das cláusulas abusivas em contratos, e a falta de diálogo com as plataformas para negociação. Por isso, a ABRA decidiu acionar o Ministério Público do Trabalho para que uma conversa seja iniciada urgentemente:

“Os roteiristas recebem os contratos [por meio das produtoras realizadoras do projeto] e a gente não consegue negociar nenhuma cláusula. São contratos impostos”, explicou ao portal.

Uma das práticas mais comuns apontada pela advogada, é que ao contratar roteiristas para projetos, plataformas impõem seus próprios modelos de contratos, com versões traduzidas de documentos elaborados por suas matrizes no exterior, sem seguir o que dizem as leis brasileiras:

“E existem cláusulas muito desequilibradas em favor das plataformas. Por exemplo, há contratos que exigem exclusividade do autor, que ele fique disponível para uma possível segunda ou terceira temporada de uma série, mas sem remunerá-lo por essa exclusividade.”, exemplificou Vergueiro.

Vale notar que desde o início deste ano, o jornalista e escritor João Ximenes Braga, vencedor do 41º Emmy Internacional pela novela Lado a Lado (2012-2013), exibida na TV Globo, já havia desabafado sobre a crise enfrentada pelos roteiristas na indústria audiovisual.

“Se as coisas continuarem como estão, esse mercado vai entrar em colapso, e não vai demorar, pois não é só o fim do contrato longo. Isso vem junto com uma nova visão de produção em que o roteirista é apenas um técnico e não mais pode almejar a posição de autor/criador. Tudo ao mesmo tempo, e de propósito, para baratear a mão de obra”, alertou o escritor.

Leia na origem

YOUTUBE GEROU R$6 BILHÕES PARA O PIB EM 2021

Matéria de Exame

Estudo revelou o impacto do Youtube na economia brasileira. Plataforma é responsável por gerar 160 mil empregos no país.

Um recente estudo descobriu que em o YouTube gerou 6 bilhões de reais para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2021, quase o dobro em comparação à 2020.

De acordo com a Exame.com.br, o estudo realizado pela Oxford Economics comprovou que o impacto do YouTube Brasil na economia é maior do que se pode imaginar, uma vez que a plataforma suporta todo um ecossistema de criadores que gera receita dentro e fora da plataforma.

Isso quer dizer que o site proporciona oportunidades de renda para funcionários, empresas terceiras e freelancers que recebem uma parte substancial dos ganhos possibilitados pelo site. São mais de 160 mil empregos gerados pela plataforma no país.

A diretora do YouTube no Brasil, Patrícia Muratori, disse ao portal que a plataforma está trabalhando para abrir portas para canais que já são profissionalizados, e também para quem está começando agora.

Ela destacou a ferramenta mais recente lançada pelo YouTube, o “Shorts” – um recurso que permite aos criadores de conteúdo publicarem pequenos vídeos:

“O que nós queremos é gerar oportunidades para diferentes tipos de canais. Independente do formato que eles escolherem. O Shorts, nesse caso, entra com a missão de democratizar uma plataforma que já tem uma jornada de evolução e maturidade”.

 

Foto: Guetty Images

Leia na origem

COMPOSITORES E EDITORAS NOS EUA CHEGAM A UM NOVO ACORDO PARA AUMENTO DE PAGAMENTO DE ROYALTIES NO STREAMING

Matéria de Hypebot

Compositores e editoras verão aumento de até 15,35% no pagamento de royalties feito pelas plataformas de streaming nos EUA. Aumento pode impactar outros países.

Compositores e editoras verão aumento de até 15,35% no pagamento de royalties feito pelas plataformas de streaming nos EUA. Aumento pode impactar outros países.

A taxa de pagamentos de royalties no streaming mecânico aumentará de 15,1% para 15,35%, em cinco anos, de 2023 a 2027. A mudança foi aprovada pelas entidades reguladoras National Music Publishers’ Association (NMPA) e Nashville Songwriters Association Int’l (NSAI), em conjunto com a Digital Media Association (DiMA)representando os serviços de streaming  Amazon, Apple, Google, Pandora e Spotify.

De acordo com o Hypebot, haverá mudanças em outros componentes da tarifa, incluindo aumentos nos cálculos das tarifas pagas às gravadoras, bem os “pacotes” de produtos ou serviços que incluem streaming de música, e atualizará também a forma como os serviços poderão criar incentivos para atrair novos assinantes.

Coletivamente, as novas taxas e o melhor sistema de pagamento beneficiarão os compositores duramente atingidos pela mudança para o streaming. Além disso, decisões como estas podem abrir precedentes para que o mesmo ocorra em outros países, incluindo o Brasil.

Vale notar que em julho deste ano, a taxa de royalties pagas a compositores e editores havia sido aumentada de 10,5% para 15,1% para os anos 2018- 2022, uma decisão que saiu tardiamente devido a recursos movidos pelas plataformas. A decisão foi tomada pelo Copyright Royalty Board (CRB), um colegiado responsável por avaliar e determinar questões a cerca dos Direito Autorais nos Estados Unidos.

O diretor executivo da NSAI, Bart Herbison disse que a mudança deve contribuir para que a taxa de royalites chegue ao valor esperado de 43,8%.

“Esse processo colaborativo levará a um aumento na remuneração dos compositores das empresas de streaming digital e travará nosso aumento histórico de 43,8% em relação ao processo anterior do CRB”, disse o diretor em um comunicado.

 

 

Leia na origem

DONA DO TIKTOK PLANEJA LANÇAMENTO DE NOVO SERVIÇO DE STREAMING

Nova patente registrada nos Estados Unidos indica interesse da ByteDance em investir em novo app de streaming de músicas.

Um novo serviço de streaming de músicas deve ser lançado pelo TikTok em breve. Isto porque, recentemente a Bytedance, empresa proprietária do aplicativo, registrou um pedido de patente para o nome ‘Tiktok Music’ nos Estados Unidos.

Na descoberta feita pelo portal Business Insider foi possível identificar algumas dicas do que pode estar por vir para o novo serviço. Uma delas é no registro da patente feito nos Estados Unidos e anteriormente também na Austrália, onde estava constando o nome ‘TikTok Music’, incluindo algumas de suas funções como compra, reprodução, compartilhamento, download de músicas, e ainda transmissão ao vivo de áudio e vídeo.

Atualmente, a ByteDance já possui um aplicativo de streaming de música chamado Resso, lançado na Índia, Brasil e Indonésia. Seria então o Tiktok Music irmão do Resso? Ou seria o mesmo app, porém com nomes diferentes?

Por enquanto, tudo ainda está vago e não há um anúncio oficial sobre o novo serviço. Entretanto, já podemos considerar o lançamento como certo, pois a ByteDance, inclusive, já está procurando profissionais para trabalhar no TikTokMusic.

O MusicBusinessWorldwide.com informou que o TikTok está recrutando um engenheiro de software para o novo app em Mountain View, Califórnia. O anúncio também deixou alguns spoilers do que deve acontecer, como a parte em que menciona: “Resso ou TikTok Music, é um aplicativo de música para a Geração Z que foi lançado em 2020 na Índia, Indonésia e Brasil”. Em outras palavras, o TikTok Music é apenas outro nome para Resso.

Estamos atentos, e esperamos que a notícia de um novo player movimente ainda mais o mercado. Aguardamos os próximos capítulos.

Leia na origem

Plataforma aposta em música brasileira para se destacar no mercado de streaming de vídeo

Matéria de @otempo

WePlay resgata melhores shows que já passaram pelo Rock in Rio, incluindo apresentação de Cássia Eller em 2001.

Para quem gosta de música brasileira, o serviço de streaming de vídeo WePlay está fazendo uma espécie de esquenta Rock in Rio, para celebrar o festival que acontece no próximo mês.

Desde julho, usuários do WePlay  poderão assistir a uma série de shows que marcaram o Rock in Rio, incluindo o icônico show da cantora Cássia Eller, de 2001. No palco da Cidade do Rock, a cantora estava no auge e apresentou seus maiores sucessos, fez um cover de “Smells Like Teen Spirit”, do Nirvana e chamou seu filho Chico, na época com 7 anos, para tocar bateria.

Com foco total na diversidade da música brasileira, o serviço de streaming brasileiro hoje conta com um catálogo diverso com shows de diversos estilos musicais e artistas como Ira!, Chico Buarque, Erasmo Carlos, Pitty, Cauby Peixoto, Maria Bethânia, Luedji Luna, Lobão, Frejat, Elza Soares e Alcione.

Em breve outros 200 shows serão lançados na plataforma. Algumas das confirmações incluem Detonautas, Tribo de Jah, Bicho de Pé, Rincon Sapiência e Zeca Baleiro.

“A cada semana é um show novo que entra na programação”, contou Maria Rita, CEO do WePlay ao Tempo. “Ainda temos muitos conteúdos inéditos para disponibilizar na plataforma. Estamos negociando também com gravadoras internacionais, como Universal, Sony e Warner. Isso leva um tempo. Artistas como Skank, Jota Quest, Marília Mendonça e Ney Matogrosso estão com essas gravadoras, mas estamos negociando para poder ter os shows deles o mais rápido possível”, completou. Atualmente a plataforma possui acordos com a Biscoito Fino, Tratore e Deck.

 

Foto: reprodução

Leia na origem

Warner Music anuncia parceria com o SoundCloud para adotar modelo de pagamento mais justo a artistas independentes

Matéria de The Verge

Artistas da Warner Music receberão conforme o que os fãs realmente ouvem no Soundcloud, com modelo de pagamento centrado no usuário

O Soundcloud anunciou na quinta-feira (21) que realizou um acordo de licenciamento com a Warner Music para adotar um modelo de pagamento mais justo, e que beneficia artistas independentes.

Conforme o The Verge.com, artistas da gravadora que tiverem suas músicas tocadas na plataforma receberão pagamentos de acordo com o modelo chamado de “User-centric Payment” (modelo de pagamento centrado no usuário) ou “Fan-Powered Royalties” (“royalties movidos pelos fãs”, em tradução livre), no qual permite que a receita gerada pela assinatura e publicidade de cada usuário seja distribuída entre os seus artistas favoritos.

Atualmente, as principais plataformas de streaming costumam adotar outro modelo de pagamentos, o pro-rata – um sistema de pagamentos que reúne todo o dinheiro da assinatura e o divide com base no total de streams na plataforma, beneficiando apenas os artistas mainstream. Anteriormente, a Rolling Stone publicou uma notícia informando que 1% dos principais artistas acaba recebendo 90% da receita de streaming devido ao modelo pro-rata.

Desde que o novo modelo de pagamentos a artistas foi adotado pelo SoundCloud no ano passado, a plataforma viu um aumento de 30% de assinantes pagos em seu serviço premium.

O portal notou que este acordo é um sinal de que o modelo centrado no usuário está ganhando força no mercado de streaming de audio, embora não esteja perto de se tornar o padrão. A Tidal anunciou no outono passado que também estava mudando para o modelo centrado no usuário. A Deezer adotou o modelo e tem realizado companhas no mundo todo para conscientizar profissionais do mercado e fãs de música.

O Spotify chegou a reconhecer a nova abordagem, mas parece que está esperando para ver o que o resto da indústria vai fazer. O movimento da Warner pode abrir portas para que as outras majors também façam o mesmo tipo de acordo futuramente.

“A evolução da indústria da música traz novas maneiras de criar, consumir e monetizar”, disse a diretora digital da WMG, Oana Ruxandra, em comunicado. “À medida que o ecossistema se expande, a WMG está focada em avançar e experimentar novos modelos econômicos para garantir que as oportunidades para nossos artistas e suas comunidades sejam maximizadas.”

Leia na origem

Esses documentários vão enriquecer o seu conhecimento sobre o mercado musical

Matéria de Apple TV

Este post é para você que adora documentários musicais. Veja aqui dois que assistimos e aprovamos!

Hoje nosso post é especial, pois separamos dois documentários sensacionais que vão enriquecer o seu conhecimento sobre o mercado musical.

A nossa primeira indicação é o documentário “Watch the Sound with Mark Ronson”. Disponível na Apple TV Plus, o produtor musical Mark Ronson se une a criadores e músicos como T-Pain, Charli XCX, Dave Grohl e Paul McCartney, para analisar as inovações no cenário de produção musical, incluindo temas como sintetizadores, distorção, ajuste automático e muito mais.

[ ASSISTA AQUI VIA APPLE TV]

 

A nossa segunda indicação é o documentário, de apenas 16 minutos, ‘The Way Music Died’. Um curta-metragem gratuito disponível em inglês, no YouTube, sobre o lado sombrio das plataformas de streaming de música.

No documentário polêmico, os cineastas se reuniram com profissionais da indústria da música para discutir como plataformas de streaming estão afetando os artistas e a qualidade da música moderna. Assista na íntegra abaixo!

 

Leia na origem

©2022 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?