Spotify Planeja Novos Aumentos de Preços e Introduz Novo Nível de Assinatura

Novo nível de assinatura deve oferecer música e podcasts, mas não incluirá audiolivros, e os assinantes terão que pagar extra pelo tempo de audição dos audiolivros.

O Spotify está se preparando para ajustar novamente seus preços e modelo de assinatura, após um aumento inicial no ano passado. Segundo relatos, o serviço de streaming de música planeja aumentar os preços em cinco mercados, incluindo o Reino Unido e os EUA, enquanto introduz um novo nível de assinatura “Básico”.

Conforme o Music Business Worldwide, um relatório da Bloomberg afirmou que os aumentos de preços podem chegar até US$2 para os planos Duo e Família, enquanto um novo nível de assinatura “Básico” será lançado, oferecendo música e podcasts, mas não audiolivros. Os assinantes deste nível terão que pagar adicionalmente pelo tempo de audição de audiolivros.

O Spotify tem buscado expandir sua presença no mercado de audiolivros, oferecendo aos assinantes premium acesso a um catálogo considerável. Os aumentos de preços vêm em resposta a pedidos de executivos da indústria musical, temendo que a inflação afete as margens de lucro.

Apesar das preocupações de cancelamento de assinaturas, o Spotify registrou um aumento significativo no número de assinantes pagos no ano passado. Além disso, rumores sugerem que novos níveis de assinatura, como o “Supremium”, estão em desenvolvimento, possivelmente oferecendo áudio de alta qualidade e recursos de playlist personalizada com inteligência artificial.

Foto: reprodução

 

Leia na origem

HOMEM É PRESO NA DINAMARCA POR INFLAR ARTIFICIALMENTE NÚMERO DE STREAMS EM MAIS DE 600 FAIXAS

Golpista acumulou 5,5 milhões de streams em apenas uma semana com versões alteradas de músicas para coletar pagamentos resultantes de transmissão.

Ficou sabendo? Na região da Jutlândia Oriental, Dinamarca, um homem de 53 anos foi sentenciado a 18 meses de prisão por fraude de dados e violação de direitos autorais.

De acordo com o Music Business Worldwide, o indivíduo, que não teve sua identidade revelada, utilizou bots para inflar artificialmente o número de streams em 689 faixas carregadas em plataformas como Apple Music, Spotify e YouSee Musik.

Durante o julgamento, revelou-se que 244 faixas acumularam 5,5 milhões de streams em apenas uma semana, a maioria proveniente de apenas 20 contas de assinatura. Os promotores argumentaram que tais números não poderiam ter sido alcançados organicamente, sugerindo o uso de técnicas não autorizadas, como bots.

Além da fraude, o réu também foi considerado culpado de violar direitos autorais em 37 faixas. As músicas enviadas não eram originais; eram trabalhos de outros artistas com ritmo e duração alterados.

O tribunal determinou que cerca de 2 milhões de coroas dinamarquesas (aproximadamente US$290 mil) provenientes dos fluxos fraudulentos fossem confiscados, além de impor uma multa de 200.000 coroas dinamarquesas (cerca de US$29.000). O réu expressou intenção de recorrer da sentença.

A CEO da Aliança Dinamarquesa de Direitos, Maria Fredenslund, saudou a decisão do tribunal como histórica, destacando a gravidade da fraude de streaming e a importância de sua detecção. Fredenslund enfatizou a necessidade de prevenir casos similares no futuro, especialmente com o avanço da inteligência artificial.

A fraude em streaming e a manipulação de áudio representam sérios desafios para a indústria musical, retirando recursos de artistas legítimos e dificultando a identificação dos detentores de direitos autorais. Apesar disso, esforços estão sendo intensificados tanto pela indústria quanto pelas autoridades para abordar essas questões, com mudanças recentes nas políticas de certos serviços de streaming para combater a fraude.

Foto: reprodução

 

Leia na origem

Nova Pesquisa Revela Importância dos Serviços de Streaming na Descoberta de Novos Talentos Musicais

Pesquisa revela as preferências e práticas dos profissionais da indústria musical em relação ao uso de serviços de streaming, como Spotify, YouTube e SoundCloud na identificação de novos artistas.

A empresa de análise de dados musicais Viberate divulgou os resultados de sua mais recente pesquisa, destacando o papel dos serviços de streaming na descoberta de novos artistas por A&Rs em todo o mundo.

De acordo com o Music Business Worldwide, com base em respostas de 125 profissionais da indústria musical, incluindo gerentes de gravadoras, A&Rs, agentes de reservas e profissionais de marketing digital, a pesquisa revelou que 63,2% dos entrevistados utilizam serviços de streaming diariamente para descobrir talentos, enquanto 29,6% o fazem semanalmente.

O Spotify foi classificado como a fonte mais significativa de dados de descoberta de artistas, seguido pelo YouTube, SoundCloud, Apple Music e Amazon Music.

Além disso, a pesquisa indicou que o SoundCloud é visto como a plataforma que apresenta músicas que outros serviços de streaming não oferecem, sendo considerado crucial na descoberta precoce de talentos musicais.

Outras fontes populares de descoberta de talentos incluem o Instagram, escolhido por 75,3% dos entrevistados, e o TikTok, por 49,5%. Ferramentas de análise musical, como Viberate, Chartmetric e Soundcharts, também foram citadas por 46,5% dos participantes.

Vasja Veber, fundador da Viberate, enfatizou a importância dos dados na indústria musical, destacando que embora os ouvidos e o bom gosto musical sejam essenciais, o uso de serviços de dados torna a vida dos A&Rs mais fácil na busca por novos talentos.

Foto: reprodução

Leia na origem

Compositores e Editores Musicais nos EUA Receberão Pagamento Extra de Quase US$400 Milhões

Decisão foi tomada pelo Copyright Royalty Board, que estabeleceu taxas mais altas para músicas transmitidas durante o período de 2021 a 2022.

Após uma longa batalha por compensação justa, compositores e editores musicais nos Estados Unidos estão prestes a receber uma compensação financeira de quase US$400 milhões para o período de 2021 a 2022.

De acordo com o Music Business Worldwide, a decisão, conhecida como Phonorecord III do Copyright Royalty Board, estabeleceu taxas de royalties mais altas para música transmitida durante esse período. Isso significa que gigantes de streaming como Spotify, Amazon Music e YouTube terão que pagar aos compositores e editores uma quantia significativa que anteriormente não foi repassada de forma justa.

A MLC, estabelecida pela Lei de Modernização Musical de 2018, é responsável por cobrar e distribuir esses royalties devidos. No valor a ser distribuído inclui US$281 milhões em royalties mecânicos e US$137,8 milhões em royalties de desempenho. A entidade espera que o pagamento aumente ainda mais à medida que mais relatórios de serviços de streaming chegam, possivelmente alcançando entre US$410 a US$415 milhões.

David Israelite, presidente e CEO da National Music Publishers’ Association (NMPA), expressou sua satisfação com a decisão, enfatizando que os compositores e editores finalmente receberão os lucros que lhes são devidos. Ele destacou a transparência e agilidade da distribuição desses fundos pela MLC como um benefício crucial.

Essa notícia chega em meio a grandes acontecimentos no MLC, que está passando por seu primeiro processo de redesignação e anunciou planos para auditar serviços de streaming, garantindo a precisão dos royalties pagos e reportados. A organização emitiu avisos de intenção de realizar essas auditorias em plataformas que começaram a operar sob sua licença a partir de 2021.

Foto: Giorgio Trovato via Unsplash

Leia na origem

TikTok lança recurso que permite salvar músicas diretamente em sua plataforma de streaming favorita

Novo recurso permite que os usuários do TikTok salvem as músicas que descobrem na plataforma em serviços de streaming de música de sua escolha.

O TikTok lançou um novo recurso que permite os usuários salvem as músicas que descobrem na plataforma em seus serviços de streaming preferidos, como Amazon Music, Apple Music ou Spotify.

Conforme o Music Business Worldwide, os usuários podem usar o recurso por meio de um botão “Adicionar música” na parte inferior dos vídeos no feed “Para você”. Ao clicar neste botão, as músicas são salvas em uma lista de reprodução no serviço de streaming de sua escolha. Os usuários têm a flexibilidade de salvar em listas de reprodução padrão ou criar novas, além de alterar o aplicativo de música de destino.

Isaac Bess, chefe global de parcerias de distribuição da TikTok, destacou que o objetivo é levar a experiência de descoberta de música aos usuários e artistas, impulsionando a descoberta de músicas e proporcionando oportunidades para artistas alcançarem novos públicos e desenvolverem suas carreiras.

Foto: reprodução

Leia na origem

Spotify Revela Pagamento de US$9 Bilhões à Indústria Musical em 2023

Matéria de Folha de S.Paulo

O valor total pago pelo Spotify à indústria musical aumentou consideravelmente nos últimos seis anos. No entanto, artistas ainda recebem uma parcela muito pequena dessa renda total.

O Spotify anunciou recentemente que desembolsou uma quantia de US$9 bilhões à indústria musical em 2023. A plataforma de streaming destacou que esse montante triplicou nos últimos seis anos, totalizando US$48 bilhões até o momento.

De acordo com a Folha de S.Paulo, a empresa reiterou seu compromisso de devolver à indústria 70% de cada dólar gerado pelo seu catálogo. No entanto, é importante ressaltar que os artistas recebem uma parcela menor após os detentores dos direitos autorais.

O modelo de negócios do Spotify é predominantemente baseado em assinaturas e taxas de publicidade. Recentemente, a empresa divulgou um aumento no número de usuários ativos mensais, alcançando a marca de 28 milhões no segundo trimestre de 2023, elevando o total para 602 milhões de usuários.

Apesar do aumento no pagamento à indústria musical, a distribuição da receita entre os artistas continua sendo objeto de debate, com muitos artistas recebendo uma parte ínfima da renda gerada pela plataforma.

Foto: Schutterstock

Leia na origem

Músicas de Djavan, Gal Costa, Maria Bethânia e outros desaparecem do Spotify

Matéria de Folha de S.Paulo

Usuários começaram a notar a ausência das faixas e expressaram suas queixas nas redes sociais. Representantes dos artistas e gravadoras envolvidas buscam esclarecimentos sobre o ocorrido.

No último domingo, usuários do Spotify notaram a ausência de faixas de renomados artistas brasileiros como Djavan, Gal Costa e Maria Bethânia, além da banda Plastic Ono, de John Lennon e Yoko Ono. As reclamações foram feitas no ex-twitter da plataforma.

Procurada para esclarecimentos pela Folha de S. Paulo, a equipe do Spotify informou que está investigando o ocorrido. Djavan, por meio de sua equipe, e a editora do artista, Luanda Records, estão em busca de respostas sobre a retirada das canções.

Os discos afetados, distribuídos pela Sony Music, continuam disponíveis em outros serviços de streaming como Amazon Music e Deezer. A Sony afirmou que irá investigar o caso e se manifestará se o problema envolver a gravadora.

Julian Lepick, consultor do mercado fonográfico, sugere que a retirada pode estar relacionada ao pagamento de direitos autorais, uma questão sensível na transição para o digital. Ele aponta que é comum ocorrerem disputas sobre royalties entre editoras, gravadoras e plataformas de streaming.

No caso específico de Djavan, álbuns como “Djavan” e “Meu lado” estão incompletos na plataforma, com várias músicas indisponíveis. Hits como “Oceano” e “Sina”, assim como faixas de Gal Costa e Roberto Carlos, também desapareceram.

A UBEM, União Brasileira de Editoras de Música, esclareceu que não tem responsabilidade pela exclusão das obras e que tomou medidas para restabelecer a disponibilização das músicas afetadas, assegurando os direitos autorais.

Até o momento, o Spotify não se pronunciou sobre a causa exata do problema, mas usuários aguardam ansiosamente a resolução para poderem acessar novamente as músicas dos artistas afetados.

 

Foto: divulgação

Leia na origem

Pesquisador propõe criação de plataforma pública de streaming musical para preservar acervo brasileiro

Leonardo de Marchi argumenta que essa iniciativa seria crucial para preservar o acervo musical brasileiro, evitar a hegemonia de empresas estrangeiras e garantir o acesso à música nacional.

Recentemente, o pesquisador e professor da Escola de Comunicação da UFRJ, Leonardo De Marchi, destacou a importância de repensar a política cultural diante da predominância de empresas globais na indústria da música.

Para a Carta Capital, o estudioso explicou sobre como a dependência de algoritmos das plataformas de streaming privadas gera um paradoxo. Embora prometam uma infinidade de músicas, os usuários ficam sujeitos às regras dessas empresas, influenciando seu acesso por meio de playlists e recomendações. Isso se assemelha aos antigos “jabás” do rádio, evidenciando a necessidade de reavaliar a política cultural na era digital.

Diante da interconexão entre a indústria musical e a tecnologia da informação, De Marchi destaca a urgência de regulamentação do setor, especialmente com o crescente papel da inteligência artificial. Ele propõe a criação de plataformas públicas de streaming para garantir o acesso à música nacional e evitar o domínio de oligopólios estrangeiros.

O pesquisador enfatiza a importância de incentivar startups locais e construir alternativas que funcionem como serviços públicos, com algoritmos programados para atender a lógica nacional. Ele alerta que as atuais empresas, com poder semelhante a monopólios, precisam ser reguladas para preservar a diversidade cultural e a memória musical do Brasil:

“Essas empresas detêm um poder muito maior do que as empresas de comunicação tradicionais ou mesmo as gravadoras, e nós estamos dando a elas um nível de produção local inimaginável”, alertou ao portal.

 

foto: reprodução

Leia na origem

Escritório de Direitos Autorais Nos EUA Anuncia Auditorias em Plataformas de Streaming para garantir precisão nos Pagamentos de Royalties

Entidade vai realizar auditorias em Provedores de Serviços Digitais (DSPs), como Spotify, SoundCloud e Apple Music para verificar a precisão dos pagamentos de royalties nas plataformas.

Na quarta-feira (17 de janeiro), o Mechanical Licensing Collective (MLC), instituição sem fins lucrativos estabelecida pelo Music Modernization Act (MMA), anunciou sua intenção de auditar Provedores de Serviços Digitais (DSPs). O período de análise compreende os três primeiros anos de operação plena do MLC, de 1º de janeiro de 2021 a 31 de dezembro de 2023.

De acordo com o Music Business Worldwide, cerca de 50 DSPs, incluindo gigantes como Spotify, SoundCloud e Apple Music, receberam notificações de auditoria. O MLC, designado pelo Escritório de Direitos Autorais dos Estados Unidos, tem a responsabilidade de gerenciar o licenciamento mecânico, coletando e distribuindo royalties a compositores e detentores de direitos autorais.

A instituição já distribuiu mais de US$1,5 bilhão em royalties desde sua criação. Além das auditorias, o MLC adota medidas rigorosas, incluindo análises automatizadas e manuais dos relatórios mensais de uso dos DSPs. Utiliza também o processo de registros de uso estabelecido pelo Copyright Office dos EUA para examinar detalhadamente aspectos específicos dos relatórios.

Caso uma auditoria revele pagamentos insuficientes, o MLC se compromete a distribuir integralmente os valores recuperados aos titulares de direitos afetados, sem deduções. A instituição promete manter os membros informados sobre os resultados das auditorias e destacar qualquer quantia recuperada nas declarações de royalties fornecidas.

foto: reprodução

 

Leia na origem

Tencent Music Renova Parceria com Universal Music Group em Busca de Inovação nas Interações entre Artistas e Fãs

Matéria de Digital Music News

Parceria envolve a disponibilidade contínua do catálogo da UMG nas plataformas de streaming da TME, como QQ Music, Kuwo, Kugo e WeSing

A Tencent Music Entertainment (TME) e o Universal Music Group (UMG) anunciaram a extensão oficial do seu acordo de licenciamento, fortalecendo os laços entre a gigante chinesa de streaming e uma das maiores gravadoras do mundo.

Conforme o Digital Music News, operando plataformas como QQ Music, Kuwo, Kugo e o aplicativo de karaokê WeSing, a TME assegurou que o catálogo da UMG continuará disponível para os usuários. Embora os detalhes específicos do acordo não tenham sido revelados, ambas as partes expressaram o compromisso de manter a colaboração.

A Tencent Music, que integrou o Dolby Atmos no verão de 2022, divulgou que seus serviços contam com uma base sólida de 103 milhões de usuários pagos até o terceiro trimestre de 2023.

Vale destacar que os fãs chineses têm demonstrado interesse significativo em obras da UMG, não apenas via streaming, mas também através de compras diretas. Além disso, desde 2021, a Tencent possui 20% do Universal Music Group.

O acordo reflete a expansão contínua da indústria musical chinesa e a busca por inovação na interação entre artistas e fãs em um mercado competitivo.

Foto: Donald Wu

Leia na origem

©2024 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?