Novidade da Netflix exibe programação no estilo de emissoras de TV

Matéria de TechTudo

Novo recurso, em fase de testes, permite assistir programação da Netflix, igual a um canal de TV. Sem precisar ficar escolhendo entre a vasta opção de conteúdos da plataforma.

Na semana passada a Netflix lançou na França o “Netflix Direct”, um novo recurso que funciona como um canal de TV, com programação contínua de suas séries e filmes do mundo todo.

Para acessar ao Netflix Direct, basta o usuário fazer login no site, que é similar ao navegador da plataforma, e começar a assistir ao conteúdo pré-programado da Netflix, sem precisar ficar passar um tempo escolhendo entre as opções de conteúdo disponíveis no catálogo do serviço de streaming.

De acordo com a TechTudo, por enquanto, o recurso está em fase de testes e foi liberado apenas para algumas regiões da França, mas já há previsão para que mais cidades do país recebam a transmissão.

Com a novidade, a Netflix quer reter os usuários que estão mais acostumados a ver TV, e que se tornaram assinantes, principalmente durante o auge da pandemia, época em houve um grande aumento do número de novos usuários pagos.

Segundo a Variety, a França foi escolhida para ser a primeira a receber o canal, pois por lá, o consumo da TV tradicional ainda é a escolha preferida de entretenimento pela população:

“Muitos espectadores gostam de uma programação que não os obrigue a escolher o que assistir. Você pode se deixar guiar sem ter que escolher um título específico e se surpreender com a diversidade da biblioteca da Netflix”, afirmou a empresa em um comunicado.

 

Foto: Divulgação

Leia na origem

Estudo aponta que 42,8% dos brasileiros assistem diariamente a conteúdos por streaming

Matéria de Consumidor Moderno

Novo estudo da Nielsen revela hábitos de consumo dos serviços de streaming no Brasil. Youtube e Netflix lideram a preferência.

Não há dúvidas que os serviços de streaming estão cada vez mais populares entre a população brasileira. Resta saber qual a dimensão real desta popularidade.

Para isto, a Nielsen Brasil realizou uma pesquisa sobre o consumo dos serviços de streaming como Netflix , YouTube e Globoplay no país, e foi constatado que cerca de 42,8% dos brasileiros assistem diariamente a conteúdos por streaming (Via Consumidor Moderno).

Para chegar ao resultado, a Nielsen entrevistou 1.260 pessoas das classes A, B e C, em junho. De acordo com a pesquisa, plataformas de streaming como Netflix e Amazon Prime foram usadas por 73,5% dos entrevistados. Por outro lado, sites de vídeos, como o YouTube, foram acessados por 63,8% deles. Mesmo com o destaque pelos conteúdos sob demanda, a TV aberta e a TV a cabo não ficaram atrás, com 61,5% e 54,9% da preferência respectivamente.

Vale notar que o consumo pelas plataformas de streaming é maior entre os mais jovens entre 15 a 24 anos, 77,2% deles afirmaram ser usuários destes serviços. Enquanto isso, a TV a cabo é predominante para os que estão na faixa acima dos 56 anos (65,7%). A TV aberta ficou como a preferida entre as pessoas de 46 a 55 anos (62,9%).

Entre os serviços mais populares entre os brasileiros estão YouTube e Netflix, com 89,4% e 86,6% da preferência. A Amazon Prime (40,2%) vem em terceiro lugar, Globoplay (25,5%) em quarto e Instagram TV (18,8%) na quinta posição. Em breve, quem poderá estar entre os serviços de streaming favoritos é o Disney +, com previsão de lançamento para ainda este mês.

 

Foto: reprodução

Leia na origem

Após denúncia, Spotify, Apple Music e YouTube removem músicas que reproduziam discurso de ódio

Matéria de B9

Uma denúncia da BBC alertou que vários grupos, que reproduziam letras racistas, nazistas e homofóbicas, estavam camuflando nomes de músicas para não serem pegos pelo algoritmo das plataformas de streaming.

Após uma denúncia da BBC, Spotify, Apple Music, Deezer e Youtube resolveram remover dos seus catálogos, músicas e bandas que reproduziam discurso de ódio.

Segundo o B9, a BBC identificou pelo menos 30 bandas nas plataformas de streaming que reproduziam músicas com letras homofóbicas e racistas. Haviam até playlists de gênero ligadas ao nazismo.

É difícil quantificar a escala do problema. No entanto, a investigação da BBC encontrou facilmente pelo menos 20 canções com este tipo de conteúdo. Não foram revelados os nomes das bandas para não ajudar as pessoas a procurarem esse conteúdo odioso.

O que a BBC identificou:

– Músicas que glorificam as “nações arianas” (a filosofia racial nazista ensinava que os arianos eram a raça dominante);

– Bandas usando repetidamente estereótipos e linguagem anti-semitas, até celebrando o Holocausto;

– Playlists com curadoria pública no Spotify sob o título NSBM (National Socialist Black Metal), um gênero ligado ao nazismo;

– Mais de 30 grupos associados a organizações classificadas como grupos de ódio por grupos de direitos civis;

Para conseguir inserir esse tipo de músicas nas plataformas de streaming, muitas vezes os nomes dessas faixas eram alterados. Assim os algoritmos não conseguiam identificar esse conteúdo com discurso de ódio.

Em um mundo onde há 50 milhões de faixas no catálogo do Spotify, sendo que milhões destas não são ouvidas, as portas para este tipo de prática ficam abertas.

Rapidamente as plataformas começaram a se posicionar. Todas alegaram que não pactuam com esta prática de ódio, que vão contra suas diretrizes.

 

Foto: Reprodução

Leia na origem

Spotify agora permite pesquisar músicas a partir de trechos de letras

Matéria de Engadget

O Spotify lançou mais um recurso em parceria com a MusixMatch. Usuários podem procurar músicas ao digitar apenas trecho da letra.

Na última semana  o Spotify anunciou um novo recurso que permite fazer pesquisas de músicas pelo trecho da letra.

Agora, para pesquisar por músicas no Spotify, basta digitar o trecho dela no campo de pesquisa para aparecer resultados associados à letra, e abaixo, um destaque informando “Correspondência de letra”.

Assim ficou muito mais fácil procurar por músicas que não sabemos o nome, mas amamos porque a  letra grudou na cabeça!

 

O recurso está disponível para Android e iOS, e é mais um resultado da parceria com a MusixMatch, a maior plataforma de letras do mundo.

Como lembra o Engadged, o recurso é bem semelhante ao já disponibilizado pela Apple Music, desde 2018.

Além da novidade, o serviço de streaming também lançou no Twitter um novo perfil, o @spotifycharts. Toda segunda-feira o perfil irá destacar as músicas mais tocadas da semana nos estados Unidos e ao redor do mundo.

 

 

 

Fotos: Reprodução/divulgação @spotify

Leia na origem

IFPI E PRO-MUSICA DERRUBAM SITES DE VENDA DE PLAYS EM SERVIÇOS DE STREAMING

[NOTÍCIA URGENTE] Uma operação coordenada pelo Pro-Música, em parceria com a IFPI e a Polícia derrubou sites que ofereciam serviços de venda de plays fakes em serviços de streaming.

A IFPI, entidade que representa a indústria da música gravada mundial, em parceria com o Pro-Música Brasil, realizaram uma operação para banir e excluir sites de compra e venda de plays em serviços de streaming no Brasil.

A notícia confirma o que antes era uma prática suspeita. Ou seja, muitos artistas procuram sites que possuem sistemas que geram ‘execuções’ artificiais em serviços de streaming, a fim de alcançarem melhores posições em paradas musicais.

De acordo com o Music Business Worldwide, a abordagem coordenada da Pro-Música Brasil, em conjunto com a Associação Protetora de Direitos Intelectuais Fonográficos (APDIF) e a Polícia Civil, removeram todos os serviços de venda de plays vinculados com a operadora  turbosocial.com.br.

Não foi informado se houve alguma pessoa detida. Todavia, outros sites não afiliados à operadora, também pararam de oferecer esses tipos de serviços após serem notificados (social10.com.br; paineldecurtidas.com.br; instaautomatico.com.br; curtidasface.com.br; conseguirseguidores.com; www.instacurtidas.com.br, impulsioneme.com; shopmmarketing.com; gramasocial.com.br; igmidias .com; infinitegrowmarketingdigital.com e boommarketingdigital.com).

Para Frances Moore, presidente-executiva da IFPI, o mercado musical brasileiro oferece muitas oportunidades  para que artistas compartilhem sua música com os fãs: “A manipulação de streaming não deve prejudicar esses desenvolvimentos, privando os criadores de receita e enganando os consumidores”.

“Essas ações demonstram o compromisso contínuo da indústria fonográfica global em lutar contra essa prática, que prejudica todo o ecossistema musical. Parabenizamos a polícia e a Pro-Música Brasil por seu trabalho e cooperação neste resultado positivo. ”, completou Moore.

Paulo Rosa, Diretor, Pro-Música Brasil, acrescentou: “Estes são desenvolvimentos positivos para a comunidade musical do Brasil e a primeira vez que vimos uma ação bem-sucedida contra sites de manipulação de streaming no país. […] Gostaríamos de agradecer à polícia pelo seu trabalho e cooperação nestes casos”.

“A manipulação de streaming desvia as receitas dos artistas e prejudica a credibilidade das plataformas digitais. […] Para que a indústria no Brasil realmente combata essa prática, precisamos da cooperação total de todo o ecossistema musical, de gravadoras a serviços de streaming e aplicação da lei.”, finalizou Rosa.

 

Foto: reprodução

Leia na origem

Pesquisa identifica que apenas 1% dos artistas geram 90% das audições

Matéria de G1

Mapeamento entre os serviços de streaming identificou uma desigualdade musical na internet, onde artistas grandes, o equivalente a 1%, representam 90% das audições.

Um levantamento, publicado na edição americana da revista Rolling Stone, identificou que apenas 1% dos artistas gera 90% das audições em serviços de streaming.

Segundo o estudo realizado pela empresa americana Alpha Data, metade dos músicos não conseguem chegar a 100 plays nas plataformas.

A partir desses dados foi possível notar que apesar dos serviços de streaming terem um catálogo imenso de músicas, com lançamentos a todo o momento, apenas os artistas mainstream garantem um maior quantidade de plays.

De acordo com os dados publicados no G1, a pesquisa analisou mais de 1 milhão de lançamentos de artistas nos principais serviços streaming, de janeiro de 2019 a julho de 2020.

A desigualdade também acontece nas vendas de faixas e álbuns online. O grupo de 1% dos grandes músicos representa 83% do total comprado no mesmo período. No formato de venda física, os artistas mais populares representam 53% do total de venda de vinis e cds.

A pesquisa também se estendeu para o rádio, onde os grandes artistas (1%) são responsáveis por 99,996% das execuções por lá.

 

Foto: O artista Drake, mais ouvido no Spotify/ reprodução

Leia na origem

GOOGLE TESTA HUB PARA REUNIR SERVIÇOS DE STREAMING EM UM SÓ LUGAR

Versão de testes do ‘Caleidoscópio’, hub do Chrome, será possível ver ‘Stranger Things’ da Netflix e pular para ‘Fleabag’ da Prime Video.

O Google está testando um hub para reunir todos os serviços de streaming em um só lugar, sem previsão de lançamento ainda.

A novidade foi descoberta pelo portal Chrome Story, especializado sobre o navegador. De acordo com o Olhar Digital, na última semana, ao entrar no endereço chrome://kaleidoscope (apenas na versão Chrome Canary) o portal conseguiu visualizar uma versão dos testes em que o Google está testando o hub.

Tudo indica que o hub se chamará ‘Caleidoscópio’ e que ele permitirá que o usuário reúna todo os seus serviços de streaming favoritos. Ou seja, será possível assistir a um episódio de “Stranger Things’ na Netflix e pular para ‘Fleabag’, da Prime Video.

Se lançada, a novidade vai tornar a vida de viciados em séries e filmes ainda mais prática! #natorcida!

Leia na origem

Conheça a “The Live Comedy”, a primeira plataforma de streaming com foco no humor

Matéria de A Tribuna

A The Live Comedy é uma parceria entre a Clap Me, Dromedário e Non Stop. O novo serviço de streaming focado em conteúdos humorísticos promete ainda mais interação entre a audiência e artistas.

Na semana passada (7) estreou no Brasil, a primeira plataforma de streaming totalmente focada no humor, a The Live Comedy.

De acordo com o Atribuna.com, o novo serviço promete uma maior interatividade entre o artista e o público, já que durante o espetáculo, um bate-papo fica disponível para os espectadores.

Além do chat, ao adquirir as peças disponíveis no catálogo o usuário pode criar uma lista de recomendados e interagir curtindo e compartilhando os favoritos dos amigos. No clube de fidelidade, os fãs tem acesso a ofertas e experiências exclusivas.

A The Live Comedy é uma parceria entre as empresas ClapMe (já falamos das novidades deles por aqui), Dromedário e Non Stop.

“Aprendemos com a pandemia que é preciso nos adaptar aos novos momentos que surgem e a The Live Comedy traz a possibilidade de termos comédia em casa, com segurança, sendo shows diferentes do que veríamos no teatro”, contou Emily Borges, diretora geral da Dromedário. “É um novo veículo de entretenimento, e eu estou muito animada com tudo o que podemos criar e realizar”.

Para a data de estréia do serviço foi escolhido o espetáculo “É Coisa de Pai”, com os comediantes Maurício Meirelles, Nil Agra, Diogo Portugal e Victor Sarro. A peça conta as experiências dos pais, e o dia a dia das crianças durante a quarentena.

Os ingressos para o espetáculo foram vendidos no site e rolou até uma parceria com a Rappi. Ao comprar ingressos com descontos, o usuário poderia assistir ao conteúdo diretamente no botão “Rappi Live Events”.

 

Foto: Divulgação

Leia na origem

CEO do Spotify declara que músicos que não fazem sucesso na plataforma são preguiçosos

Matéria de Stereogum

Daniel Ek, CEO do Spotify, fez uma série de declarações polêmicas a respeito de remunerações na plataforma deixando vários músicos revoltados.

Na semana passada o serviço de streaming de músicas, Spotify, publicou seu relatório financeiro para o último trimestre, e o CEO Daniel Ek fez uma série de declarações a vários portais, incluindo ao Music Ally.

Segundo o portal Stereogum, durante a entrevista, Ek revelou o que acha sobre a insatisfação de artistas e compositores sobre as remunerações de royalties e colocações injustas em playlists. Para o CEO, esses músicos são preguiçosos!

“Em toda a existência [do Spotify], acho que nunca vi um único artista dizendo: ‘Estou feliz com todo o dinheiro que estou recebendo com o streaming.’” Ek continuou: “A partir dos dados, há cada vez mais artistas capazes de viver com a própria renda.”.

O que Ek quis dizer é que artistas precisam acompanhar seus dados e pensar de forma estratégica em suas carreiras:

“Há uma falácia narrativa aqui, combinada com o fato de que alguns artistas que costumavam se sair bem no passado podem não se sair bem agora. Nesse cenário futuro, você não pode gravar música a cada três ou quatro anos e achar que isso será o suficiente. Os artistas atuais que estão percebendo que se trata de criar um envolvimento contínuo com seus fãs. É sobre colocar o trabalho, contar histórias ao redor do álbum e manter um diálogo contínuo com seus fãs. ”, continuou.

“Eu realmente sinto que aqueles que não estão se saindo bem no streaming são predominantemente pessoas que querem lançar músicas do jeito que costumavam ser lançadas [antigamente]”, concluiu o CEO.

A fala de Ek, claro, não agradou nada aos músicos no Twitter, que responderam à notícia com comentários negativos:

“Quem tem meios para gerar 2 álbuns por ano? Ou aqueles dispostos a fazer um trabalho abaixo da média, ou aqueles com nomes grandes o suficiente para encurralar outros a fazer o trabalho por eles.”, disse o compositor Mat Dryhurst.

Zola Jesus escreveu em outro tweet: “É extremamente claro que o bilionário @Spotify daniel ek nunca fez música ou arte de qualquer tipo para esse assunto. Ele se recusa a entender que há uma diferença entre mercadorias e arte. O potencial de crescimento cultural sofrerá por causa disso. ”

Por aqui, o vocalista da banda brasileira Maglore, Teago Oliveira, declarou em seu Twitter: “o certo é ficar lançando música sabor plástico pra subir conteúdo e engajar os fãs. Entendo o lado dele e de quem quer viver na corrida em busca de seguidores, mas pra mim a vida é mais do que morrer dizendo que teve milhões de plays”.

Leia na origem

Startup está criando um chip capaz de reproduzir músicas no cérebro

No Twitter, Elon Musk – CEO da Tesla/Space X – confirmou que sua startup, Neuralink, está desenvolvendo um chip capaz de fazer streaming de músicas no cérebro.

O visionário Elon Musk confirmou em seu Twitter que sua empresa, Neuralink, está trabalhando em um chip capaz de realizar uma série de atividades, inclusive, reproduzir músicas diretamente no cérebro do usuário.

Segundo o Olhar Digital, o CEO da SpaceX e Tesla aos poucos está revelando detalhes sobre o chip, que será testado ainda neste ano por humanos. Além de ser capaz de reproduzir músicas, ao ser implantado no cérebro de humanos, o chip será capaz de estimular o nível de hormônios para aliviar o stress, ansiedade e melhorar o raciocínio.

A Neuralink é uma startup criada em 2016, com o intuito de desenvolver uma interface cérebro-máquina para estabelecer uma interação entre humanos e computadores. A empresa pretende ajudar principalmente pacientes com síndromes neurológicas como a Doença de Parkinson.

A startup está desenvolvendo um robô capaz de instalar “fios” munidos de eletrodos no tecido cerebral. Segundo o portal, Musk divulgou que a máquina é capaz de instalar até seis fios por minuto, com incisões de 2 milímetros de comprimento.

O procedimento para a instalação dos fios é comparado pelo visionário, ao procedimento de de cirurgias oculares refrativas (LASIK), no qual os médicos usam raios laser para remodelar a córnea do paciente e a capacidade de focalização do olho.

Leia na origem

©2020 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?