YOUTUBE MUSIC E NAPSTER SÃO NOTIFICADOS POR NÃO MOSTRAR NOME DE COMPOSITOR EM MÚSICAS

Matéria de G1

Juiz concedeu liminar obrigando plataformas de streaming a mostrar créditos de compositor, com multa diária de R$1.000,00

Na semana passada, o YouTube Music e o Napster receberam uma notificação da Justiça de São Paulo para creditar o compositor Deni Domenico em cinco faixas, sob multa diária de R$1.000,00.

De acordo com o G1, advogados do escritório Motta Fernandes decidiram abrir ações e duas liminares na Justiça para que o compositor fosse reconhecido por suas obras nos apps.

“Infelizmente as plataformas passaram a divulgar as músicas sem dar o devido crédito aos autores. Isso prejudica a carreira de compositores e compositoras, pois impossibilita que sejam reconhecidos pelo público e pela crítica”, disse Yves Finzetto, um dos advogados que entraram com a ação.

Este pode ter sido um passo inicial para que outros músicos busquem o mesmo crédito nas plataformas, já que pela Lei de Direitos Autorais do Brasil (Lei 9.610), compositores têm o direito de ter seu nome “indicado ou anunciado, como sendo o do autor, na utilização da obra”.

Além de exigir os devidos créditos ao compositor nas faixas, a liminar também impediu que elas fossem retiradas das plataformas. Algo que poderia facilmente acontecer, como uma maneira de evitar outros problemas a Justiça.

De acordo com Yves, as duas plataformas foram escolhidas justamente, pois são as que menos mostram os créditos nas músicas. Agora os advogados devem partir para outras plataformas, como o Spotify, que possui um campo para mostrar os créditos nas músicas, porém, muitas vezes eles não são preenchidos com os nomes dos autores.

 

Leia na origem

GLOBO VIU RECEITAS DE PODCAST SUBIR 383% NO INÍCIO DE 2022

Matéria de propmark

Globo anunciou que sua audiência de podcasts tem aumentado a cada período, e pretende 20 novos podcasts até o fim do ano.

Talvez você não se lembre, mas no início do ano passado publicamos uma notícia sobre a estratégia da Globo para ampliar a área de podcasts, principalmente no Globoplay. Agora, voltamos aqui para falar sobre os resultados deste movimento para a empresa.

Na última semana, o grupo anunciou que o consumo de seu catálogo de podcasts tem crescido cada vez mais. Em comparação aos três primeiros meses de 2021, a Globo viu a audiência de podcasts aumentar em 93%, sendo que o resultado em receita ficou em 383%.

De acordo com o propmark.com.br, diante dos bons resultados, a emissora anunciou que deve lançar pelo menos 20 novos podcasts até o fim do ano, buscando parcerias com criadores e formadores de opinião que ainda não estão no mudo dos podcasts, além de projetos com novas propostas em relação a formatos, para falar sobre os assuntos mais procurados como Eleições 2022, esporte, sexualidade, novas investigações e true crimes, relaxamento e ainda espiritualidade, sob diferentes perspectivas religiosas.

 “Os resultados trazem ainda mais gás para seguirmos firmes e confiantes na missão de consolidar um portfólio grande e diverso de podcasts com foco em blockbusters, distribuídos no Globoplay e em outras plataformas parceiras de áudio”, afirma Fábio Silveira, gerente de produto podcast da Globo.

 

Foto: Divulgação/Globo

Leia na origem

CERCA DE 20% DOS USUÁRIOS GLOBAIS DO SPOTIFY OUVEM ED SHEERAN

Ed Sheeran é o artista mais ouvido no Spotify no mundo, mesmo sem lançar um álbum de estúdio nos últimos meses.

Um site especializado no mercado musical começou a levantar alguns dados interessantes sobre a audiência no Spotify. O levantamento feito pelo MusicBusinessWorldwide.com descobriu que atualmente Ed Sheeran e Justin Bieber sãos os mais ouvidos na plataforma atualmente.

Com pouco mais de 84 milhões de ouvintes mensais, Ed Sheeran está a frente do ranking de artistas mais ouvidos no mundo. Enquanto Justin Bieber ocupa a segunda posição com 79,66 milhões de ouvintes.

Para se ter uma ideia, o Spotify anunciou no final de março de 2022 que possui 422 milhões de usuários ativos mensais em todo o mundo, então isso significa que cerca de 20% de seus usuários escutam Ed Sheeran mensalmente. Vale notar ainda que o último álbum de estúdio do artista foi lançado em outubro de 2021, o que mostra a potência de Sheeran no mercado.

Completando o ranking dos artistas mais ouvidos na plataforma, The Weeknd aparece na terceira posição com 76,59 milhões de ouvintes mensais. Um fato interessante é que quatro dos principais artistas mais ouvidos no Spotify globalmente (Sheeran, Dua Lipa, Harry Styles e Coldplay) são britânicos; os outros dois (Justin Bieber e The Weeknd) são canadenses.

 

Foto: Warner Music – divulgação

 

 

Leia na origem

TIDAL IRÁ ADOTAR PAGAMENTO DE ROYALTIES CENTRADO NO USUÁRIO

O Tidal anunciou que vai adotar modelo de remuneração com base na audiência de cada usuário com o objetivo de criar um ecossistema mais sustentável na música. Além disso, a plataforma está disponibilizando pela primeira vez a opção de assinatura gratuita.

Nesta terça-feira, 17, o TIDAL, anunciou duas novidades para assinantes e artistas na plataforma. Além de incluir novas modalidades de planos de assinatura para os usuários, a remuneração paga a artistas e compositores será feita no modelo centrado no usuário.

De acordo com o Music Business Worldwide, o Tidal pela primeira vez terá um plano gratuito, o TIDAL Free, e mais duas opções de planos pagos, o HiFi Plus por US$19,99 e o HiFi por US$9,99.

Na versão gratuita da plataforma, os usuários terão acesso a todo o catálogo de músicas, principalmente no modo aleatório com anúncios do próprio serviço. No plano HiFi Plus, o usuário tem acesso ao mesmo conteúdo que o HiFi, porém os royalties serão repassados aos artistas e compositores no modelo centrado no usuário.

A adoção do modelo de pagamento de royalties é a mudança mais significativa na plataforma, pois a receita vinda das assinaturas HiFi Plus serão repassada para os artistas que os usuários realmente ouvem. Diferentemente do modelo atual adotada pelas demais plataformas, onde a maior parte de todo o dinheiro arrecadado dos assinantes é agrupado e, em seguida, repassado de acordo com os plays de cada artista.

O Tidal também destacou que fará pagamentos mensais diretos aos artistas, de modo que os mais uvidos terão uma porcentagem extra sobre as taxas de assinaturas do HiFi Plus.

“Trata-se realmente de criar novas oportunidades de receita para os artistas, ir além do que está disponível hoje nos sistemas existentes [e] criar um ecossistema mais sustentável”, disse Lior Tibon, Chefe de Operações do Tidal.

O modelo de pagamentos centrado no usuário tem ganhado força na indústria. A iniciativa teve destaque em 2019 com a Deezer, com o lançamento de uma campanha para defender o modelo. Em março de 2021, o SoundCloud também passou a adotar modelo, conforme noticiamos AQUI.

Foto: reprodução

Leia na origem

DEEZER REALIZA PARCERIA COM EMISSORA DE TV ALEMÃ PARA OFERECER CONTEÚDO EXCLUSIVO

A Deezer se uniu a mais uma emissora de TV para oferecer conteúdos exclusivos no streaming em parceria semelhante com o Globoplay.

Na última sexta-feira, a Deezer firmou parceria com a emissora alemã RTL para oferecer conteúdo exclusivo de vídeo, podcasts, música e audiolivros .

De acordo Music Business Worldwide, a Deezer servirá como uma parceira de música, oferecendo aos assinantes da plataforma paga da RTL conteúdos premium, como por exemplo, acesso a playlists organizadas pela equipe global de editores da Deezer.

A parceria se assemelha à realizada no Brasil, entre Globoplay e Deezer, mostrando um movimento estratégico do serviço para conquistar espaço de mercado globalmente.

Conforme relatado pelo The Hollywood Reporter, a RTL pretende triplicar seu investimento em conteúdo em quase $700 milhões anuais, e já anunciou o lançamento de uma plataforma de streaming multisserviço, em uma tentativa de competir com empresas como Netflix e Disney+.

Leia na origem

MUNDO BITA E WARNER MEDIA SE UNEM PARA CRIAR CONTEÚDOS ORIGINAIS NO STREAMING

Matéria de TELA VIVA News

Em novo acordo, o canal do YouTube ‘Mundo Bita’ irá oferecer conteúdos infantis exclusivos para as plataformas da Warner Media no Brasil e América Latina.

Recentemente, a Warner Media América Latina fechou parceria com o canal ‘Mundo Bita’, da produtora de conteúdo Mr. Plot para criar uma nova série original que será divulgada no Brasil e América Latina.

Com mais de oito milhões de inscritos no Youtube, o canal infantil ‘Mundo Bita’, já criou cerca de 100 vídeos, e já vendeu 2,9 milhões de produtos vendidos.

De acordo com o Tela Viva, a nova série ‘Show do Bita: Especial 10 anos’ está com data marcada para estreia no dia 29 de novembro na plataforma de streaming HBO Max, e será o primeiro conteúdo a ser produzido em parceria com a Warner Media Kids&Family. Além da série, a parceria incluiu novas produções originais e disponibilidade de clipes musicais nas plataformas da Warner Media.

“Essa conquista faz parte do nosso comprometimento em levar para nossa audiência conteúdos brasileiros de alta qualidade. Acreditamos que ‘Mundo Bita’ vai fortalecer ainda mais o nosso portfólio com a sua força, levando às famílias todo o brilho de suas músicas e animações”, disse Jessica Bishop, Head de Aquisições da WarnerMedia Kids &Family para América Latina.

“O ‘Mundo Bita’ tem muito o que produzir de conteúdo inédito no futuro próximo, em diversos formatos, com inúmeros assuntos para ajudar no desenvolvimento saudável e solidário das crianças. Contar com as plataformas WarnerMedia para reverberar tantas mensagens positivas é uma forma de estar mais perto das famílias, tanto no Brasil quanto nos países da América Latina”, complementou Chaps Melo, cantor e compositor do “Mundo Bita”.

 

Foto: divulgação

Leia na origem

Editoras de música propõem pagamentos de streaming mais altos nos EUA

Matéria de WSJ

Nesta semana acontece evento para aprovação de novos valores das taxas pagas a compositores e editoras nos EUA. Associação de Editoras pede aumento de 44%, enquanto os principais serviços de streaming querem manter valores abaixo dos estabelecidos em 2008.

A semana deve ser decisiva para os compositores. Isto porque, nos próximos dias, devem ser anunciados possíveis ajustes nas taxas pagas pelos serviços de streaming de música à compositores e editoras de música.

Conforme o The Wall Street Journal, a National Music Publishers Association (NMPA) e os cinco grandes streamers – Spotify Technology SA, Apple Inc., Amazon.com Inc., YouTube da Alphabet Inc. e Pandora da Sirius XM Holdings Inc.  – se reuniram no último dia 22, no evento chamado Copyright Royalty Board, para discutir o assunto.

A cada cinco anos, a taxa de licenciamento de músicas nos serviços digitais é definida por três juízes. Desta vez, a NMPA e os serviços de streaming apresentaram suas propostas para 2023-27, que devem ser divulgadas publicamente em breve.

Por enquanto, o assunto segue em grande discussão, já que a NMPA deixou bem claro durante o evento que a taxa atual deve ser de pelo menos 40%. Entretanto,  a intenção dos streamers é trabalhar para que as taxas se mantenham abaixo das estabelecidas em 2008.

“Eles estão propondo as taxas de royalties mais baixas da história do streaming interativo”, disse o executivo-chefe da NMPA, David Israelite, em uma entrevista. “Eles não querem apenas reverter os aumentos dos últimos 15 anos, mas também reduzi-los ainda mais do que no início de 2008.”

Israelita explicou que embora cada serviço apresente sua própria proposta, todos os cinco players pagam em torno de 10,5% da receita definida em 2017 pelo conselho de direitos autorais.

A NMPA propôs que os streamers paguem às editoras, o que for maior de quatro somas:

– 20% da receita de seu serviço;

– 40% do que é pago a gravadoras e outros detentores de direitos autorais de gravação master; $1,50 por assinante;

– ou $0,0015 por transmissão.

Como fazemos a economia da música moderna funcionar para todos?” questionou Israelite. “Esse deve ser o nosso foco – preservar o crescimento da indústria a longo prazo e garantir que beneficie o maior número de pessoas possível.”

A batalha pelos pagamentos de royalties de streaming ocorre quando participantes financeiros como Blackstone Inc. e KKR & Co. estão apostando bilhões de dólares em catálogos de músicas – ativos agora vistos como cada vez mais valiosos graças ao crescimento do streaming online e livres de flutuações de mercado mais amplas.

Vale notar que após as editoras terem conquistado um aumento de 44% em 2018-22, ou 15,5% da receita geral dos serviços de streaming no último ano, os streamers Spotify, Amazon, YouTube e Pandora apelaram da decisão. Ficando estabelecido o que é pago atualmente.

 

Foto: a cantora Taylor Swift retirou sua música do serviço de streaming Spotify em 2014, um protesto contra os valores pagos a artistas e músicos pelas plataformas digitais. /JMENTERNATIONAL FOR BRIT AWARDS / GETTY IMAGES

Leia na origem

RESSO CHEGA AO BRASIL DE OLHO NA LIDERANÇA DE MERCADO NO STREAMING DE MÚSICAS

Matéria de Estadão

A plataforma de streaming da ByteDance, o Resso, está se estabelecendo no Brasil e deseja ser líder de mercado usando o modelo de recomendações de músicas parecido como o do seu ‘irmão’ Tiktok. Em entrevista, executivo falou sobre planos da plataforma de se tornar a número um no país.

Recentemente, o Estadão publicou uma entrevista com Thiago Ramazzini, chefe de relações com a indústria de música do Resso no Brasil, para falar sobre os planos da plataforma de streaming que chegou recentemente no país.

Conforme o portal, o escritório da Resso foi inaugurado no Brasil em agosto de 2020, e desde então, a plataforma de streaming da Bytedance vem trabalhado para se estabelecer no mercado onde há concorrentes como Spotify e Deezer.

Assim como o seu ‘irmão’ Tiktok, seu modelo de navegação infinita faz recomendações de músicas a partir do gosto do usuário e suas interações. Para Thiago Ramazzini, são estas funções que garantem o maior diferencial em comparação às outras plataformas:

“Temos uma inovação na parte social. Temos os players com entrega de música e recomendação. Mas nosso usuário deixa de ser passivo e passa a controlar o uso do aplicativo. Ele interage com a base de seguidores e de artistas, faz comentários, dá curtidas e compartilha letras. Falamos há anos que precisamos personalizar os serviços de streaming de música, e é isso que fazemos. O meu aplicativo é diferente do de outras pessoas porque é a partir da interação que meu gosto chega a você por playlist, rádio ou álbum. É poderoso na recomendação de coisas novas. O aplicativo sempre sugere recomendações e de algo que gosto, ele acerta bem”, explicou o executivo.

E para conseguir atender a todos os gostos foi preciso reunir um amplo catálogo de músicas. Um dos objetivos do Resso era chegar ao Brasil com acordos de direitos autorais firmados para reunir o maior número de músicas possíveis:

“Não pode faltar nenhum artista e por isso temos um catálogo completinho. Fizemos questão de ter isso completo antes de lançar o aplicativo. O Resso quer dar voz para todo mundo e fazemos questão de ter todos os artistas”, contou Ramazzini ao portal.

Agora que a plataforma está estabelecida no país, o objetivo é audacioso, porém não impossível:

“A grande meta é ser o líder do mercado no Brasil. Não quero parecer arrogante, mas, por focarmos muito no produto no último ano, já chegamos a níveis de audiência muito grande. O grande objetivo é ser o líder do mercado para o Brasil”, finalizou Thiago.

 

 

Foto: divulgação

Leia na origem

RIAA: RECEITAS DE MUSICA GRAVADA CHEGAM A US$7,1 BILHÕES NOS EUA

Associação Americana da Indústria de Gravação diz que receitas de músicas no primeiro semestre de 2021 aumentaram 27% nos EUA. Vinil é destaque com crescimento de 94% das vendas.

Nesta segunda-feira (13) a Associação Americana da Indústria de Gravação (RIAA, sigla em inglês) divulgou dados atualizados sobre o mercado da música nos EUA para o primeiro semestre de 2021.

As receitas de música gravada nos EUA aumentaram 27% no primeiro e chegaram a marca de US$7,1 bilhões. Deste valor, cerca de dois terços vieram das assinaturas pagas dos serviços de streaming, batendo o recorde de 82 milhões de assinaturas no país.

Apesar do bom desempenho, o vice-presidente sênior de pesquisa e economia da RIAA, Joshua P. Friedlander, alertou que “os efeitos da Covid-19 continuaram afetando a indústria” com fechamento de lojas e cancelamentos de shows presenciais.

Para a RIAA, a pandemia também ajudou a diversificar o consumo de música, em redes sociais e diversos tipos de plataformas, gerando receitas significativas para o mercado.

Aqui estão alguns pontos destacados pelo creativeindustriesnews.com no relatório da RIAA:

> O streaming está movendo o negócio da música:

A receita de streaming de música cresceu 26%, gerando US$5,9 bilhões para a indústria americana, e representou 84% da receita total do período. Foram 840 BILHÕES de fluxos sob demanda na primeira metade do ano, um recorde que deve continuar sendo quebrado a medida que plataformas audiovisuais como TikTok e Twitch ganham cada vez mais popularidade.

> As assinaturas são os principais motores de crescimento:

Atualmente, as assinaturas pagas são responsáveis ​​pela maior parcela das receitas de música gravada nos EUA, um aumento de 26% a.a., chegando a US$4,6 bilhões no primeiro semestre de 2021. Elas representaram quase dois terços da receita total e 78% da receita de streaming.

No primeiro semestre de 2021, o número médio de assinaturas chegou 82 milhões, um aumento de 13% em comparação ao ano anterior.

> Receitas de plataformas com publicidade:

Durante o período, houve uma recuperação da publicidade nos serviços de streaming. Apesar das receitas representarem US$741 milhões, o aumento foi de apenas 3% em comparação ao ano anterior marcado pelo declínio de investimento das empresas durante o início da pandemia.

> As vendas de vinil aumentaram 94%

As vendas físicas foram de $690,1 milhões e aumentaram 75,7% graças ao crescimento do vinil. Os discos de vinil ressurgiram no primeiro semestre de 2021, com as receitas crescendo 94% (US$467 milhões).

Leia na origem

YOUTUBE MUSIC SUPERA MARCA DE 50 MILHÕES DE ASSINANTES

Conforme CEO do Youtube, crescimento da plataforma está sendo impulsionado por bom desempenho em países como Coreia do Sul, Índia, Japão, Rússia e Brasil.

Nesta quarta feira, o Chefe de Música Global do YouTube, Lyor Cohen, anunciou que a plataforma de streaming de músicas YouTube Music, bateu a marca de 50 milhões de assinantes.

Com entusiasmo, o executivo informou que o aumento de assinantes do YouTube Music está sendo impulsionado, principalmente, pelo desenvolvimento da plataforma em países como Coreia do Sul, Índia, Japão, Rússia e Brasil.

Só para se ter uma ideia, em outubro de 2020 o YouTube Music divulgou que tinha alcançado mais de 30 milhões de assinantes no mundo, isso quer dizer que desde então a plataforma aumentou sua base de assinantes em cerca de 20 milhões, ou 1,8 milhões de assinantes por mês.

De fato o crescimento da plataforma é impressionante ao compararmos com outras plataformas. O rival Spotify, por exemplo, revelou em julho que sua base global de assinantes Premium cresceu em 165 milhões no segundo trimestre de 2021, um aumento de 20% com relação ao ano anterior.

Já a Apple Music, por sua vez, anunciou que ultrapassou 60 milhões de assinantes em junho de 2019, mas parou de atualizar essa contagem.

“Temos produtos fantásticos no YouTube Music e no YouTube Premium que proporcionam um valor único para artistas e criadores e a melhor experiência para fãs de música. Estamos em nosso próprio caminho”, disse Cohen.

“Não há outro lugar onde os fãs possam ter acesso ao maior e mais diversificado catálogo de música, artistas e cultura. Estamos tornando mais fácil para os fãs de música se aprofundarem e encontrarem o que querem – seja no YouTube ou no app YouTube Music.”, complementou o executivo.

A notícia de hoje chega alguns meses após a plataforma dizer que pagou à indústria da música mais de US$ 4 bilhões no último ano.

Leia na origem

©2022 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?