Spotify compra participação do Distrokid para permitir uploads de músicas entre plataformas com o Spotify for Artists

Matéria de TechCrunch

O Spotify anunciou que agora possui uma participação minoritária do Distrokid – um dos serviços mais usados por artistas para a integração simultânea de conteúdos em outras plataformas. A aquisição resultará na atualização do seu serviço Spotify for Artists.

Segundo o TechCrunch, o Spotify adquiriu uma participação minoritária do Distrokid. O DistroKid é uma ferramenta popular usada por artistas para fazer o upload de suas músicas em várias plataformas.

De acordo com o TechCrunch, a aquisição da participação minoritária resultará na atualização do seu serviço Spotify for Artists, permitindo o carregamento de conteúdo em outras plataformas.

Lembrando que o não foram divulgadas maiores informações sobre o tamanho da participação do novo negócio ou qualquer detalhe financeiro. O Spotify já era parceiro da DistroKid antes desta notícia.

Um porta voz afirmou ao portal que o Spotify “não tem assento no conselho” e que “a DistroKid continua independente”. Também disse que não tem direitos para ver os dados de outros provedores de serviços digitais e que a DistroKid não compartilhará informações confidenciais.

O Spotify afirmou que em breve lançará uma nova ferramenta que permitirá que os músicos façam upload para o DistroKid através do Spotify for Artists.

Cada vez mais o Spotify tem investido em sua plataforma o Spotify for Artists, que permite que músicos gerenciem facilmente suas informações de perfil, acompanhem seus streams e obtenham insights sobre suas bases de fãs.

Recentemente, o Spotify anunciou que os artistas poderiam enviar suas faixas diretamente para sua plataforma e acompanhar o desempenho das músicas.

A integração com o DistroKid complementará esse novo recurso, oferecendo a capacidade de fazer o upload em outro lugar também.

“O Spotify não disse quando espera que as integrações sejam ativadas, mas sim que seria no “futuro próximo””, afirmou o TechCrunch.

 

Foto: TechCrunch

Leia na origem

O SPOTIFY PERMITIRÁ QUE TODOS OS USUÁRIOS ADICIONEM SEUS PODCASTS

Matéria de Celular1.com.br

Agora você pode criar e inserir seu próprio conteúdo em podcasts através da plataforma do Spotify.

Nesta semana o Spotify anunciou que permitirá que todos os usuários possam inserir na plataforma seus próprios podcasts.

Segundo a notícia do Celular 1, a novidade é uma iniciativa para incentivar os usuários a criarem seus próprios conteúdos fazendo com que suas vozes sejam ouvidas.

Além de poder adicionar seus próprios podcasts, o Spotify oferecerá acesso a uma plataforma em versão beta para que os usuários possam verificar o desempenho dos episódios, com estatísticas, dados demográficos e informações úteis.

O Spotify também atualizou seu serviço Premium aumentando a quantidade de músicas disponíveis em modo off-line. O usuário poderá salvar até 50.000 músicas dividas em 5 dispositivos. Serão 10.000 músicas para cada dispositivo para ouvir sem conexão.

 

Foto: Divulgação/Celular1

Leia na origem

MAKE ROYALTIES GREAT AGAIN: PRESIDENT DONALD TRUMP APROVA MUSIC MODERNIZATION ACT

O Presidente Donald Trump aprovou a Lei de Modernização Musical nos Estados Unidos. A lei beneficiará artistas e compositores nos serviços de streaming.

Após ser votada com unanimidade na Câmara dos Representantes dos EUA e do Senado, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aprovou a tão esperada Lei de Modernização Musical – Music Modernization Act-  nesta quinta-feira (11).

O Music Modernization Act é uma reforma nas normas de licenciamento e royalties concedidos a artistas, produtores e compositores do trabalho nos serviços de streaming.

Com a nova lei será criado o MLC (Mechanical Licensing Collective), uma licença oferecida aos serviços de streaming em troca de pagamentos mais valorizados para compositores e proprietários de direitos autorais.

Além disso, a lei garante que artistas legados anteriores a 1972 sejam pagos pelo seu trabalho quando reproduzidos em rádio digital e por satélite e codifica o processo pelo qual produtores e engenheiros são pagos.

John Josephson, presidente e CEO da SESAC, disse: “Hoje, o presidente Trump assinou o Bi-partidário Music Modernization Act que finalmente levará as leis de direitos autorais de música para a era digital. Aplaudimos o trabalho árduo de todos e os esforços incansáveis ​​nessa legislação, especialmente os senadores que trabalharam diligentemente para aprovar o projeto então aprovado pela Câmara”.

O diretor jurídico do Spotify e vice-presidente de Negócios e Assuntos Jurídicos, Horacio Gutierrez, disse: “Uma das nossas principais missões no Spotify é permitir que um milhão de artistas tenham uma boa vida com o que amam: criar e executar música. A Lei de Modernização Musical é um enorme passo para tornar isso realidade, modernizando o sistema de licenciamento antiquado para se adequar ao mundo digital em que vivemos. O MMA beneficiará a comunidade musical e criará uma abordagem mais transparente e simplificada para licenciamento de música e pagamento para artistas.”

Elizabeth Matthews, CEO da ASCAP, disse: “Graças aos esforços incansáveis ​​dos nossos criadores e membros de editores de música ASCAP, parceiros do setor e campeões no Congresso, um futuro mais sustentável para compositores está finalmente ao alcance. A passagem unânime do MMA em a Câmara e o Senado comprovam que o poder da música é um grande unificador. A ASCAP está satisfeita por ter ficado ao lado de criadores, editores de música e muito mais para tornar este sonho uma realidade.”

Leia na origem

Spotify completa 10 anos como ‘salva-vidas’ da indústria fonográfica

Matéria de G1

Neste domingo (7), dia de eleições no Brasil, o Spotify completou 10 anos. Veja alguns fatos importantes sobre o mais popular serviço de streaming do mundo.

Atualmente, o Spotify, que completou 10 anos neste domingo, conta com 35 milhões de músicas em seu catálogo e é considerado o serviço de áudio online “mais popular do mundo”, com 180 milhões de usuários.

São 83 milhões de assinantes que pagam pelo serviço que está presente em 65 mercados do mundo.

Enquanto o YouTube, remunera os artistas com menos de um dólar por cada usuário, o Spotify paga US$20 a selos e gravadoras.

Mesmo com o mercado sendo otimista, o Spotify vem registrando perdas com relação as suas receitas. Em 2017, a companhia fechou o ano com perdas de US$1,5 bilhão. No ano passado, o valor de suas receitas chegaram a US$4,99 bilhões e o valor de suas ações na Bolsa de Nova York seguem acima do preço de seu lançamento.

Leia na origem

Envie sua música diretamente para as Playlists do Spotify

Matéria de

Quer saber como colocar sua música em uma playlist do Spotify? Aprenda de forma prática e garanta seu lugar “Release Radar” do seu seguidor.

Muitos artistas ainda não sabem que podem ter uma posição na em uma lista de reprodução do Spotify. O processo é muito simples, e para fazer, basta ter acesso de um desktop.

Ao enviar sua música pelo Spotify for Artists, você tem a garantia de colocação nas listas de reprodução do “Release Radar” do seu seguidor, que podem ser encontradas na seção Pesquisar.

Como funciona?

– Cadastre-se ou faça o login no Spotify for Artists. Todas as suas músicas não lançadas estarão localizadas nas seções “Página inicial” ou “Perfil” do painel do artista.

– Na seção “Início”, clique em “Primeiros passos”, ao lado da faixa que você deseja enviar.

– Você também pode clicar com o botão direito do mouse em músicas não lançadas na seção “Perfil” e clicar em “Enviar uma música”.

– Preencha o formulário de envio da lista de reprodução e forneça o máximo de informações possível sobre a faixa.

Algumas observações!

– Você só pode enviar se já tiver música na plataforma e sua conta do Spotify for Artists estiver configurada.

– Apenas faixas inéditas podem ser consideradas.

– Depois que sua versão for publicada, ela não estará mais qualificada para o envio da playlist.

– As inscrições estão limitadas a uma música por vez, por isso, se estiver escolhendo um álbum ou um EP, selecione sua melhor faixa.

– Você não poderá enviar outra faixa até que seu envio atual seja liberado.

– Seu envio deve ocorrer pelo menos 7 dias antes da data de lançamento.

– Quanto mais tempo você puder dar ao Spotify, melhor.

– Forneça o máximo de metadados possível sobre sua música. Os metadados corretos ajudarão os curadores do Spotify a descobrir sua música e a colocá-lo nas listas de reprodução mais relevantes.

Leia na origem

Spotify volta atrás e encerra verificação de endereço para plano família

Matéria de Estadão

O Spotify voltou atrás e encerrou verificação de endereço para aqueles que possuem o plano família. O serviço de streaming estava fazendo a verificação dos usuários a fim de evitar que amigos dividissem o plano

De acordo com o portal Estadão, Spotify parou de enviar e-mails para os usuários que assinam o plano família após receber muitas críticas sobre sua postura. Os usuários alegaram que nem todas as famílias moram juntas na mesma casa.

No e-mail, o Spotify solicitava a localização GPS para verificação e quem não confirmasse o endereço da residência poderia perder o acesso ao plano.

O plano família do Spotify está disponível para até seis pessoas que moram no mesmo endereço.

Segundo o site americano Fortune, a tentativa que durou apenas um dia teve a real finalidade de aumentar a receita média por usuário do serviço, que caiu 12% no último trimestre em comparação com o mesmo período do ano passado.

Leia na origem

Spotify, Deezer e outras pedem ação mais forte da UE contra rivais dos EUA

Matéria de BR

Os serviços de streaming Spotify e Deezer se juntaram a empresas e órgãos industriais para pedir à união Europeia, medidas mais duras e conter possíveis práticas desleais de plataformas online como Google, Apple e Amazon.

Preocupada com a transparência e justiça na economia digital, a União Europeia deve decidir sobre uma proposta de lei de plataforma para empresa (P2B, na sigla em inglês). Entre os apoiadores da proposta estão os serviços de streaming Spotify e Deezer.

A União Europeia vem introduzindo regras mais rígidas para empresas como o Google, Apple e Amazon, visando maior proteção de dados e privacidade dos usuários.

Segundo a Reuters, a lei P2B exigiria de lojas de aplicativos, mecanismos de busca, ecommerces e sites de reservas de hotéis, maior transparência no que se refere as classificações de resultados de pesquisa e a possibilidade do usuário excluir alguns serviços. Além disso, empresas teriam o direito de se agruparem e processarem plataformas online.

Em carta conjunta, empresas e órgãos do setor disseram que a proposta do P2B não é abrangente o suficiente, pois as práticas comerciais são injustas e incluem grandes plataformas que favorecem seus próprios serviços. Entretanto para o grupo de lobby tecnológico CCIA, que representa Google, Amazon e eBay, “não há evidências de um problema sistêmico para justificar mais regulamentações”.

O assunto ainda deve ser muito discutido. Após a decisão dos governos da União Europeia, a lei deve ser negociada com a Comissão e então passa para o Parlamento Europeu, que terá a decisão final.

Leia na origem

SPOTIFY: ARTISTAS PODEM ATUALIZAR AS MÚSICAS DIRETAMENTE NA PLATAFORMA GRATUITAMENTE

O Spotify lançou um novo recurso que permite que artistas independentes façam upload de músicas diretamente na plataforma, sem a necessidade de um agregador ou gravadora, tudo de forma gratuita.

Mais uma grande oportunidade para os artistas: o Spotify lançou um novo recurso que permite que artistas independentes façam upload de faixas diretamente na plataforma, sem a necessidade de um agregador ou gravadora.

O Spotify confirmou que o objetivo é ter cada vez mais novos artistas, selos e equipes na plataforma. De acordo com o portal Music Business WorldWide (MBW), o recurso está acessível pelo Spotify For Artists, em fase de testes, e é exclusivo para convidados. Além disso, os próprios artistas podem programar uma data de lançamento a sua escolha. Tudo isso gratuitamente!

A plataforma não cobrará taxas iniciais para os uploads e nenhuma comissão adicional sobre os royalties gerados pela música, não importa quantas faixas forem enviadas.

Esta nova abordagem, livre de custos, bate de frente com os serviços oferecidos pelos agregadores/distribuidores, tais como CD Baby, TuneCore, Distrokid e Ditto – todos requerem uma taxa de upload “one-off” ou um pagamento de assinatura anual dos artistas.

Isso representa uma grande mudança no conteúdo de áudio enviado pelo usuário para o Spotify. Tradicionalmente, esse é o domínio do SoundCloud, que oferece um “Plano Pro”, de 15 dólares mensais,  onde artistas podem fazer upload de faixas ilimitadas e dá acesso a ferramentas de “insight”. No SoundCloud também há uma opção gratuita, porém limitada.

Não se sabe se a gratuidade do novo recurso será perpétua, porém o próprio CFO, Barry McCarthy, já mencionou que para empresa ser bem sucedida deve-se construir um “mercado de dois lados” visando a melhoria das margens brutas.

O Spotify esclareceu para o portal MBW que sua nova ferramenta de upload só será aberta para as partes que detêm os direitos autorais de suas gravações – e que os sistemas de filtro foram “colocados em prática para impedir que conteúdos potencialmente infratores entrem no serviço”.

Leia na origem

O SPOTIFY USA AS EMOÇÕES PARA AJUDAR MARCAS A ATINGIR PESSOAS.

Matéria de the Guardian

A música tem o poder de despertar emoções e dizer muito sobre as pessoas. Por exemplo, está comprovado que a música “What Do You Mean?” do Justin Bieber pode despertar sentimentos psicopatas no ouvinte. Empresas de tecnologia como o Spotify, Facebook e eBay sabem que a emoção é um dado valioso e estão cada vez mais investindo para que as marcas possam atingir as pessoas de acordo com suas emoções.

Quer descobrir se alguém é um psicopata? Pergunte qual é a sua música favorita. Um estudo da Universidade de Nova York realizado no ano passado descobriu que pessoas que amavam as músicas “Lose Yourself” do Eminem e “What Do You Mean?” de Justin Bieber poderiam estar mais propensas a ter uma pontuação alta na escala de psicopatia do que as pessoas que curtiam Dire Straits, por exemplo.

É claro que esse estudo está longe de ser conclusivo e não há razão para cortar a relação com os Beliebers e os fãs de Eminem. No entanto, de acordo com o The Guardian, essa descoberta tem grande peso com relação ao ser humano e o consumo de música.

Nos últimos anos, o Spotify tem aumentado investimentos e pesquisas no campo de análise de dados visando ajudar os profissionais de marketing a atingir os consumidores através de anúncios. As pesquisas envolvem o tipo, local e momentos em que o usuário consome música, além de dados de terceiros que podem estar disponíveis.

O Spotify está longe de ser a única plataforma que ajuda as marcas a atingir as pessoas de acordo com suas emoções.  O marketing baseado em emoções em tempo real é uma tendência crescente e que todos nós devemos estar cientes.

Por exemplo, em 2016 o eBay lançou uma ferramenta de marketing de humor e no ano passado, o Facebook disse aos anunciantes que poderia identificar quando os adolescentes se sentiam “inseguros” e “sem valor” ou precisavam de “um aumento de confiança”. Pouco tempo depois, o Facebook enfrentou uma reação por executar experimentos que poderiam manipular o humor de seus usuários.

Com a segmentação de anúncios cada vez mais sofisticada, os profissionais de marketing terão a capacidade de segmentar as emoções dos consumidores de maneiras “potencialmente exploradoras”.

Leia na origem

Novo Relatório da Midia Research sobre o Market Share do Streaming de Música em 2018 é publicado.

Matéria de MIDiA Research

De acordo com o novo relatório da Midia Research sobre a participação de mercado dos serviços de estreaming de música no primeiro semestre de 2018, o Spotify está na frente com 36% de participação enquanto a Apple Music possui 19%. Veja a análise completa de Mark Mulligan.

Nesta quinta-feira, Mark Mulligan, um dos maiores analistas sobre a indústria da música publicou o novo relatório da Midia Research sobre a participação de mercado dos serviços de streaming no primeiro semestre de 2018.

No primeiro semestre de 2018, o relatório da Midia Research indicou que houve um crescimento de 16% no número de assinantes nos serviços de streaming representando 229,5 milhões. Em comparação com o ano anterior, a base global de assinantes aumentou 38% (62,8 milhões de usuários). “Isso representa um crescimento forte e sustentado, em vez de fortemente acelerado”, afirmou Mulligan.

Segundo o relatório da Midia Research, o crescimento de assinantes permanece no ponto médio de crescimento e a tendência é que permaneça até 2019, onde serão explorados mercados desenvolvidos e posteriormente, o crescimento será impulsionado por mercados de streaming de médio porte, como Japão, Alemanha, Brasil, México e Rússia. De acordo com Mulligan, esses mercados têm o potencial de gerar um forte crescimento de assinantes, mas, no caso dos três últimos, exigirão uma busca agressiva por produtos de nível intermediário – incluindo pacotes de pré-pagamento de preço reduzido, como vistos no Brasil.

Caso os serviços de streaming não optarem por seguir essa abordagem, o mercado será restringido às elites urbanas que possuem acesso a cartões de crédito e por consequência a Receita média por usuário (ARPU) será menor. Ou seja, a receita deve crescer de forma mais lenta que a quantidade de assinantes em meados de 2019.

Spotify: o serviço manteve uma participação de mercado global de 36%, o mesmo que no quarto trimestre de 2017, com 83 milhões de assinantes. Além disso, conquistou mais assinantes do que qualquer outro serviço no primeiro semestre de 2018.

Apple Music: A Apple adicionou dois pontos de participação de mercado, 19%, e aumentou três pontos ano a ano, com 43,5 milhões de assinantes. A Apple Music acrescentou o segundo maior número de assinantes – 9,2 milhões, sendo os EUA o principal mercado em crescimento.

Amazon: A Amazon adicionou pouco menos de meio ponto de participação de mercado, estável em 12%, devido ao seu plano Unlimited. Foram 3,3 milhões de usuários novos pagantes, atingindo 9,5 milhões no segundo semestre de 2018. No total, a Amazon tinha 27,9 milhões de assinantes no final do período.

Enquanto isso, no Japão, o Line Music atingiu mais de um milhão de assinantes. Na Coréia do Sul, o MelOn teve uma queda no primeiro trimestre, mas se recuperou no segundo trimestre. Em outros lugares, o Pandora teve um sólido período de seis meses, adicionando 0,5 milhão de assinantes, enquanto o Google se destacou globalmente.

Leia na origem

©2018 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?