Artistas falsos: Para lucrar mais, gravadoras usam prática parecida de hackers

Matéria de Rolling Stone

Já ouviu falar nas playlists do tipo “4 horas de músicas para relaxar” ou ” músicas pra dormir”? Aquelas playlists com sons da natureza que podem acalmar ou manter o ouvinte focado podem ser bem lucrativas para as gravadoras.

Já falamos por aqui sobre a descoberta de artistas falsos no serviço de streaming de músicas Spotify. Na época, o portal Music Business Worldwide explicou como harckers estariam ganhando muito dinheiro com a prática de inserir em playlists, faixas de pequena duração criadas por robôs, ou os “fake artists”. Agora a Rolling Stone mostrou como algumas gravadoras estão adotando prática parecida para ganhar ainda mais.

O especialista em playlists, Kieron Donoghue, identificou que a Sony Music lançou uma lista no Spotify e na Apple Music intitulada “Sleep & Mindfulness Thunderstorms”, através da marca Filtr da empresa. No Spotify essa playlists são temáticas, com músicas para relaxar, e contém mais de 990 faixas. São mais de 18 horas de músicas, com duração de um minutos cada para fazer o ouvinte ficar mais calmo, dormir ou ficar mais focado, ao som de quedas d’água, chuva e natureza.

Quase todas as faixas da playlist são creditadas a um artista chamado “Sleepy John”, que na verdade é David Tarrodi, um compositor contratado pela produtora Epidemic Sound. Uma olhada no perfil de John no Spotify mostra que suas dez maiores “faixas” (todas as gravações ou interpretações do som da chuva caindo) acumularam mais de quatro milhões de reproduções no serviço até o momento.

Quem descobriu a identidade do compositor foi o fundador de uma agência de marketing, Darren Hemmings. Para ele a Sony Music consegue faturar com essa prática, do mesmo jeito que os hackers faturam com suas faixas de artistas falsos. Isso porque os serviços de streaming costumam efetuar um pagamento para qualquer faixa, independentemente de sua duração, desde que o ouvinte a ouça por mais de 30 segundos. Assim, quanto mais tempo o ouvinte levar para atingir seu estado de humor (dormir, por exemplo), mais tempo passará ouvindo a playlist de músicas de um minuto, ou seja, maior lucro para a gravadora.

De acordo com o revista, os 50 artistas falsos mais ouvidos arrecadaram 2,85 bilhões de reproduções na plataforma, nos últimos dois anos. Com o marketing certo e playlists certas para impulsionar esse tipo de música, uma gravadora poderia faturar muito mais. O Spotify, a Sony Music e a Epidemic Sound recusaram-se a comentar sobre esta história para a Rolling Stone.

Estamos no Instagram! @mct.mus

Foto: Hayoung Jeon/EPA-EFE/REX/Shutterstock

Leia na origem

Spotify agora tem seu próprio Stories

Matéria de EXAME

Spotify lançou seu próprio Stories para ajudar artistas a promoverem ainda mais suas músicas na plataforma.

O Spotify agora tem seu próprio recurso de Stories, similar ao Instagram. De acordo com a Exame, a nova função será destinada aos artistas que desejam divulgar seu próprio conteúdo, sobre a música que está sendo tocada.

O Storyline é disponibilizado pela Genius Bar, que já informa a letra da música e outras informações gerais. A diferença é que o artista poderá inserir conteúdo personalizado como o Stories do instagram.

O serviço ainda não informou quando a ferramenta estará disponível globalmente, ou se haverá outras novidades de interação com os artistas. Entretanto, já é possível verificar que a cantora Billie Eilish e o trio Jonas Brothers já estão utilizando a ferramenta para promover suas novas músicas.

 

Estamos no instagram! @mct.mus

 

Foto: (Christian Hartmann/Reuters)

Leia na origem

Tiago Iorc e a tendência dos álbuns visuais

O cantor Tiago Iorc voltou, e assim como quem não quer nada, conseguiu que todas as faixas de seu album visual aparecessem no top 50 do Spotify, em menos de 24 horas.

Tiago Iorc foi um dos assuntos mais comentados da semana. Isso porque reapareceu de surpresa com um novo album visual, após quase um ano longe das mídias. A estratégia deu tanto certo que o cantor quebrou o recorde, com todas as faixas do álbum no Top 50 do Spotify, em menos de 24 horas.

De acordo com o Istoé Gente, apesar de Tiago não ter dado nenhum entrevista sobre o novo trabalho, é possível explicar porque todos os olhos se voltaram para “Reconstrução”, um disco visual.

Nos discos visuais, para cada música um clipe é lançado, como se fossem curtas-metragens que formam um longa quando reunidos. A prática não é novidade, artistas como Anitta (Kisses/2019) e Beyoncé (Lemonade/2016) já apostaram e conseguiram sucesso em seus trabalhos.

“Acho bem-vinda essa ação, não se opõe ao (lançamento em) single. Acho que é uma coisa que caminha em paralelo à outra. E é algo que demanda um esforço maior. Um artista que já está estabilizado como o Tiago tem condições de propor isso”, disse o produtor João Marcello Bôscoli para o portal acrescentando que tudo não passa de estratégia: “Se o marketing é o da surpresa, que legal, poucas coisas surpreendem hoje, e foi arriscado, podia não ter dado certo. Quando você lança tudo de uma vez e tem nome, isso ajuda”.

O produtor Pena Schmidt também considerou o modelo de lançamento válido: “Mas lançar em singles tem a vantagem de se espalhar pelo tempo, proporciona visibilidade mais persistente, Anitta que o diga”, disse ele. “Mas é válido fechar o ciclo de gravar e pôr tudo na rua com ímpeto, partir para o show.” Nesta questão, o portal afirma que Tiago não possui datas confirmadas na agenda de shows.

Estamos no Instagram! @mct.mus

 

Foto: Reprodução/Instagram

Leia na origem

SPOTIFY AGORA POSSUI 100 MILHÕES DE ASSINANTES

Matéria de

O ano começou agitado para o Spotify. Com o início das operações na Índia e grandes investimentos em empresas especializadas em podcasts, o serviço de streaming alcançou a marca de 100 milhões de assinaturas pagas em todo o mundo.

Começamos a semana com a notícia de que o Spotify alcançou a marca de 100 milhões de usuários pagantes em todo o mundo.

Segundo o relatório de lucros do primeiro trimestre, publicado pela empresa nesta segunda-feira, atualmente o serviço de streaming possui 217 milhões de usuários em todo o mundo, sendo 100 milhões de assinaturas pagas. Desde que foi a público há pouco mais de um ano, o Spotify informou que o número de assinantes cresceu 32%, 75 milhões no primeiro trimestre de 2018.

Além do crescimento no número de usuários pagantes, a receita do Spotify foi de 1,5 bilhão de euros, cerca de US$1,7 bilhão. Um aumento de 33% em relação ao mesmo período do ano anterior. Entretanto, o serviço de streaming apresentou um prejuízo líquido de €142 milhões, cerca de US$158 milhões.

De acordo com o New York Times, a Índia tem sido um dos novos mercados mais cobiçados pelos serviços de streaming. Em fevereiro deste ano, o Spotify iniciou suas operações no país registrando um milhão de usuários em uma semana. A empresa confirmou que deste então, o número de usuários dobrou.

A chegada na Índia também foi marcada por um processo pela Warner/Chappell, onde a editora alegou que o serviço de streaming se estabeleceu no país de qualquer maneira, licenciando músicas apenas sob a lei de direitos autorais local, sem autorização da editora. O caso permanece ativo em um tribunal indiano. Além disso, houve outra disputa de licenciamento com a Saregama, gravadora mais antiga da Índia. Desta vez, o Spotify foi obrigado a remover todo o conteúdo da gravadora na plataforma.

Em fevereiro, houve grandes investimentos em empresas especializadas em produção e gerenciamento de podcasts. O Spotify investiu cerca de US$340 milhões na aquisição de duas empresas:  a Gimlet Media e a Anchor. Em março foi a vez da aquisição da Parcast, por US$56 milhões. Daniel Ek, executivo-chefe do Spotify, disse que “conteúdo não musical” acabará representando 20% das ofertas do serviço, uma vez que esse movimento deve contribuir para o aumento das margens de lucro.

Estamos no intagram! @mct.mus

 

Foto: Shannon Stapleton/Reuters

Leia na origem

Após notícia de um novo serviço de streaming de músicas gratuito da Amazon, ações do Spotify caem

As ações do Spotify caíram após a notícia da chegada de um novo serviço gratuito da Amazon.

Após reportagem afirmar que a Amazon lançará um serviço de streaming gratuito, com anúncios, as ações do Spotify chegaram a recuar mais de 4% nesta segunda-feira.

De acordo com a Época Negócios, o anúncio de um serviço de streaming gratuito deve intensificar a concorrência para o Spotify, atual líder do setor.

A Billboard publicou hoje (15/04), uma notícia afirmando que o serviço de streaming da Amazon será lançado ainda nesta semana e comercializado através de seu alto-falante, Echo, que possui comando de voz.

Atualmente a gigante do e-commerce oferece o Prime Music como parte do Amazon Prime, serviço de assinaturas de US$119 por ano.  Há ainda o Amazon Music Unlimited por US$9,99 ao mês. Membros Prime tem taxa reduzida de US$7,99 por mês.

 

Que tal concorrer ao livro DIREITO AUTORAL NO BRASIL,  de José Carlos Costa Netto? Clique AQUI e veja nosso post oficial!

Leia na origem

CEO do Spotify afirma que mais de 30.000 artistas no mundo vivem hoje do Spotify

Na participação de um podcast, o CEO do Spotify, Daniel Ek, afirmou que atualmente há mais artistas conseguindo viver de música, através de seu serviço, do que em comparação a era do CD.

Recentemente, o CEO do Spotify participou de um podcast para falar sobre seu serviço de streaming e como tem impactado o mercado da música. Ele afirmou que atualmente há mais artistas conseguindo viver de música através de seu serviço do que em comparação a era do CD.

De acordo com o Digital Music News, as estimativas de Ek concluem que o número de artistas vivendo dos serviços de streaming podem chegar a 30 mil, somente na plataforma:

“Em 2000, 2001, no pico da indústria da música, o pico do CD… havia cerca de 20 a talvez 30.000 artistas que poderiam viver sendo artistas de música gravada. […]  Eu não sei qual é o número agora, mas é muito maior. Mesmo no Spotify, é muito maior que isso”, afirmou o CEO do Spotify.

“Acreditamos que podemos desenvolver melhores ferramentas e tecnologias para permitir que a indústria seja mais eficiente e, assim, criar mais e melhores soluções para eles e para os artistas”, disse Ek.

O CEO do Spotify também explicou como o streaming oferece um futuro sustentável para os artistas e como a indústria da música está mais justa e igualitária. Ele esclareceu que antes do streaming de música, os preços de Cd’s eram altos, o que dificultava a compra de álbuns de artistas desconhecidos. Agora, a assinatura mensal proporciona a descoberta de novos artistas:

“Então, no mundo com streaming, o que é realmente interessante é que o custo alternativo para você ouvir algo novo é praticamente zero. É só a sua hora.”, explicou EK. “Por causa disso, você ouve muito mais música do que antes e ouve uma diversidade maior de artistas do que antes, o que, por sua vez, aumenta a indústria da música”, continuou.

Segundo o Digital Music News, pelo terceiro ano consecutivo, o Napster foi classificado como o “rei” dos pagamentos de streaming de música. Em média, o serviço paga US$0,019 por fluxo. Para atingir o valor do salário mínimo nos EUA, um artista independente precisaria de 77.474 execuções no total.

O TIDAL está em segundo lugar, pagando um valor de 0,01284 dólares por stream, seguido pela Apple Music, Google Play Music e na sequência, a Deezer.

O Spotify, infelizmente, possui uma das piores taxas por stream. O gigante da música paga US$0,00437 por peça, um pouco à frente da Amazon e muito à frente do YouTube. Os artistas precisariam de aproximadamente 336.842 streams para ganhar $1.472 na plataforma.

“Não acredito que a indústria da música tenha que ser interrompida … tem que evoluir”, afirmou Ek sobre o futuro de seu serviço de streaming de música.

 

 

Que tal concorrer ao livro DIREITO AUTORAL NO BRASIL,  de José Carlos Costa Netto? Clique AQUI e veja nosso post oficial!

Foto: Rasmus Andersson (CC by 2.0).

Leia na origem

#CancelSpotify – será que o Spotify vai ouvir o apelo dos compositores no twitter?

Matéria de hypebot

#CancelSpotify – compositores fazem apelo no twitter para incentivar o Spotify a desistir de seu recurso contra o aumento do valor de royalties pagos a compositores em plataformas de streaming.

Tem aumentado o número de mensagens no Twitter com a #CancelSpotify – hashtag criada para incentivar o Spotify a desistir de seu recurso contra o aumento do valor de royalties pagos a compositores em plataformas de streaming.

A decisão do aumento de 44% nos valores de royalties pagos a compositores e editores em serviços de streaming foi tomada há dois meses, pelo Copyright Royalty Board (CRB). Em seguida, serviços de streaming como Spotify, Pandora e Amazon entraram com um recurso contra a decisão.  A notícia causou grande repercussão, ainda mais porque a Apple Music preferiu não entrar na causa.

“Sem músicas, essas empresas de tecnologia não têm nada para transmitir/vender. Vergonhoso.”, disse Justin Tranter, autor de canções de nomes como Ariana Grande, Fall Out Boy, Justin Bieber, 5 Seconds of Summer e Gwen Stefani.

Segundo Digital Music News, Dina LaPolt, advogada de entretenimento e defensora dos direitos dos artistas em Los Angeles, Califórnia chegou a ser mais direta: “Você deveriam ter vergonha de si mesmos.”

Nesta semana, um movimento no Twitter mostrou que o recurso contra a decisão do CRB continua não agradando os compositores. A hashtag #CancelSpotify foi usada por vários usuários na rede social para pedir ao Spotify a desistência do recurso.

@MannyDMedina: ” Oficialmente cancelei minha assinatura no @Spotify por causa de seu tratamento repugnante aos compositores e adicionei @AppleMusic #cancelspotify”, escreveu um perfil no Twitter.

Vale lembrar que grandes compositores como Ali Tamposi, Babyface e Nile Rodgers assinaram uma carta aberta ao CEO do Spotify, Daniel EK, para que o recurso seja desfeito:

“Agora, podemos ver a verdadeira razão para o alcance do seu compositor. Você nos usou e tentou nos dividir, mas estamos juntos”, afirmou os autores em trecho da carta.

Será que o serviço de streaming irá ouvir os compositores? Vamos acompanhar a decisão do CRB.

 

Foto: twitter/hypebot

Que tal concorrer ao livro DIREITO AUTORAL NO BRASIL,  de José Carlos Costa Netto? Clique AQUI e veja nosso post oficial!

Leia na origem

Amazon, Google, Pandora e Spotify se unem contra medida que aumenta remuneração de compositores. Apple Music fica de fora.

Matéria de @macrumors

O Spotify, o Google, o Pandora e o Amazon se uniram contra medida do Conselho de Direitos Autorais dos EUA que prevê aumento de 44% na remuneração sobre os royalties pagos aos compositores.

Segundo o portal MacRumors, o Spotify, o Google, o Pandora e a Amazon  se uniram contra o aumento de 44% na remuneração sobre royalties de compositores, determinada pelo Copyright Royalty Board (CRB). Os serviços de streaming, alegaram que a decisão pode prejudicar tanto os licenciados de música quanto os detentores de direitos autorais:

“O Copyright Royalty Board (CRB), em uma decisão dividida, emitiu recentemente as taxas estatutárias mecânicas dos EUA de uma maneira que levanta sérias preocupações processuais e substantivas. Se deixado de lado, a decisão do CRB prejudica tanto os licenciados de música quanto os proprietários dos direitos autorais. estamos pedindo ao Tribunal de Apelações dos EUA para o Circuito DC para rever a decisão “.

Curiosamente, a Apple não entrou na disputa comercial. De acordo com o portal Variety, isso aconteceu porque a empresa de Cupertino não possui versão gratuita. As organizações de compositores ficaram felizes por isso e elogiaram a Apple, ao mesmo tempo em que condenaram os outros serviços de streaming.

David Israelite, CEO da National Music Publishers, disse que o Spotify, Pandora, Google e Amazon são “valentões da tecnologia”, que não respeitam e valorizam os compositores que tornam seus negócios possíveis.”

Israelite também agradeceu a Apple Music por não participar da briga e por “continuar sendo amiga de compositores”.

Leia na origem

SPOTIFY É LANÇADO NA ÍNDIA

Como parte de sua estratégia de crescimento, o Spotify foi lançado hoje na Índia. Para agradar novo mercado, a plataforma de streaming teve que fazer algumas mudanças e criar novos recursos.

Após muitas especulações, finalmente o Spotify foi lançado hoje (27) na Índia. A notícia deixou o mercado da música agitado, afinal o país é o segundo mais populoso do mundo, com 400 milhões de usuários ativos da internet.

Antes de entrar no país, a plataforma de streaming enfrentou problemas com a Warner Music, que entrou com uma ação na justiça para impedir que suas músicas fossem reproduzidas na plataforma. A suprema corte de Bombaim, em Mumbai, negou o pedido de liminar de emergência da gravadora.

Segundo o Music Business Worldwide, o Spotify precisou adequar seu modelo de experiência musical à região, criando novos recursos e playlists, como a “Starring …”, uma série de playlists com músicas de atores populares de Bollywood, Tollywood, Kollywood e Punjabi.

“O Spotify não apenas trará artistas indianos para o mundo, mas também levará a música do mundo para fãs em toda a Índia. A família musical do Spotify ficou muito maior”, afirmou Daniel EK, CEO e co-fundador do Spotify.

O lançamento do Spotify na Índia segue a recente expansão da empresa no Sudeste Asiático, elevando seu número total de mercados para 79, com 207 milhões de usuários, incluindo 96 milhões de assinantes, globalmente.

Cecilia Qvist, Chefe de Mercados Globais do Spotify, acrescentou: “A chegada do Spotify na Índia é um grande passo em frente na nossa estratégia geral de crescimento global. Uma parte fundamental dessa estratégia é permanecer conectada à cultura global, ao mesmo tempo em que permite a adaptação local, e certamente alcançamos isso com nosso lançamento na Índia.

Leia na origem

SOUNDCLOUD É AGORA UMA DISTRIBUIDORA: PLATAFORMA LANÇA FERRAMENTA PARA CRIADORES ENVIAREM MUSICA PARA SPOTIFY, APPLE MUSIC ETC.

Nova atualização do SoundCloud permite a criadores lançarem suas músicas em outras plataformas como Spotify e Instagram.

A nova atualização do Soundcloud permitirá que criadores possam publicar suas músicas para outros serviços como Amazon Music, Apple Music, Instagram e Spotify direto pela plataforma.

De acordo com o Music Business Worldwide, para ter acesso a atualização basta ser assinante dos planos de assinatura do Soundcloud (SoundCloud Pro e Pro Unlimited). Além disso, será preciso atender alguns requisitos como ter 18 anos de idade, ser dono de todos os direitos sobre suas músicas e ter pelo menos 1000 reproduções no último mês pelo SoundCloud.

O Soundcloud afirmou que nenhuma porcentagem adicional das receitas obtidas pelas reproduções serão cobradas e que repassará todos os valores aos artistas.

“Os criadores agora podem gastar menos tempo e dinheiro pulando entre diferentes ferramentas e mais tempo fazendo música, conectando-se com os fãs e aumentando suas carreiras primeiro no SoundCloud.”

Vale lembrar que o concorrente, Spotify, também tem realizado movimentos para se tornar uma distribuidora multi-plataforma. A empresa de Daniel Ek adquiriu uma participação minoritária da Distrokid, serviço independente de distribuição de música digital, em outubro do ano passado, antes de lançar uma ferramenta beta que possibilitou aos usuários enviarem faixas para outros serviços através do painel do Spotify For Artists.

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?