Spotify Revela Pagamento de US$9 Bilhões à Indústria Musical em 2023

Matéria de Folha de S.Paulo

O valor total pago pelo Spotify à indústria musical aumentou consideravelmente nos últimos seis anos. No entanto, artistas ainda recebem uma parcela muito pequena dessa renda total.

O Spotify anunciou recentemente que desembolsou uma quantia de US$9 bilhões à indústria musical em 2023. A plataforma de streaming destacou que esse montante triplicou nos últimos seis anos, totalizando US$48 bilhões até o momento.

De acordo com a Folha de S.Paulo, a empresa reiterou seu compromisso de devolver à indústria 70% de cada dólar gerado pelo seu catálogo. No entanto, é importante ressaltar que os artistas recebem uma parcela menor após os detentores dos direitos autorais.

O modelo de negócios do Spotify é predominantemente baseado em assinaturas e taxas de publicidade. Recentemente, a empresa divulgou um aumento no número de usuários ativos mensais, alcançando a marca de 28 milhões no segundo trimestre de 2023, elevando o total para 602 milhões de usuários.

Apesar do aumento no pagamento à indústria musical, a distribuição da receita entre os artistas continua sendo objeto de debate, com muitos artistas recebendo uma parte ínfima da renda gerada pela plataforma.

Foto: Schutterstock

Leia na origem

Músicas de Djavan, Gal Costa, Maria Bethânia e outros desaparecem do Spotify

Matéria de Folha de S.Paulo

Usuários começaram a notar a ausência das faixas e expressaram suas queixas nas redes sociais. Representantes dos artistas e gravadoras envolvidas buscam esclarecimentos sobre o ocorrido.

No último domingo, usuários do Spotify notaram a ausência de faixas de renomados artistas brasileiros como Djavan, Gal Costa e Maria Bethânia, além da banda Plastic Ono, de John Lennon e Yoko Ono. As reclamações foram feitas no ex-twitter da plataforma.

Procurada para esclarecimentos pela Folha de S. Paulo, a equipe do Spotify informou que está investigando o ocorrido. Djavan, por meio de sua equipe, e a editora do artista, Luanda Records, estão em busca de respostas sobre a retirada das canções.

Os discos afetados, distribuídos pela Sony Music, continuam disponíveis em outros serviços de streaming como Amazon Music e Deezer. A Sony afirmou que irá investigar o caso e se manifestará se o problema envolver a gravadora.

Julian Lepick, consultor do mercado fonográfico, sugere que a retirada pode estar relacionada ao pagamento de direitos autorais, uma questão sensível na transição para o digital. Ele aponta que é comum ocorrerem disputas sobre royalties entre editoras, gravadoras e plataformas de streaming.

No caso específico de Djavan, álbuns como “Djavan” e “Meu lado” estão incompletos na plataforma, com várias músicas indisponíveis. Hits como “Oceano” e “Sina”, assim como faixas de Gal Costa e Roberto Carlos, também desapareceram.

A UBEM, União Brasileira de Editoras de Música, esclareceu que não tem responsabilidade pela exclusão das obras e que tomou medidas para restabelecer a disponibilização das músicas afetadas, assegurando os direitos autorais.

Até o momento, o Spotify não se pronunciou sobre a causa exata do problema, mas usuários aguardam ansiosamente a resolução para poderem acessar novamente as músicas dos artistas afetados.

 

Foto: divulgação

Leia na origem

Escritório de Direitos Autorais Nos EUA Anuncia Auditorias em Plataformas de Streaming para garantir precisão nos Pagamentos de Royalties

Entidade vai realizar auditorias em Provedores de Serviços Digitais (DSPs), como Spotify, SoundCloud e Apple Music para verificar a precisão dos pagamentos de royalties nas plataformas.

Na quarta-feira (17 de janeiro), o Mechanical Licensing Collective (MLC), instituição sem fins lucrativos estabelecida pelo Music Modernization Act (MMA), anunciou sua intenção de auditar Provedores de Serviços Digitais (DSPs). O período de análise compreende os três primeiros anos de operação plena do MLC, de 1º de janeiro de 2021 a 31 de dezembro de 2023.

De acordo com o Music Business Worldwide, cerca de 50 DSPs, incluindo gigantes como Spotify, SoundCloud e Apple Music, receberam notificações de auditoria. O MLC, designado pelo Escritório de Direitos Autorais dos Estados Unidos, tem a responsabilidade de gerenciar o licenciamento mecânico, coletando e distribuindo royalties a compositores e detentores de direitos autorais.

A instituição já distribuiu mais de US$1,5 bilhão em royalties desde sua criação. Além das auditorias, o MLC adota medidas rigorosas, incluindo análises automatizadas e manuais dos relatórios mensais de uso dos DSPs. Utiliza também o processo de registros de uso estabelecido pelo Copyright Office dos EUA para examinar detalhadamente aspectos específicos dos relatórios.

Caso uma auditoria revele pagamentos insuficientes, o MLC se compromete a distribuir integralmente os valores recuperados aos titulares de direitos afetados, sem deduções. A instituição promete manter os membros informados sobre os resultados das auditorias e destacar qualquer quantia recuperada nas declarações de royalties fornecidas.

foto: reprodução

 

Leia na origem

Spotify Avalia Aumento de Preços e retira patrocínio de eventos na França Diante do Avanço do ‘Imposto sobre Streaming’

Matéria de Digital Music News

Além de estar considerando repassar a nova taxa sobre serviços de Streaming imposta pela França, Spotify está reduzindo patrocínios em eventos locais.

O Spotify está considerando aumentar os preços na França devido à iminente implementação do “imposto sobre streaming”. Com o governo francês avançando com esta taxa, fontes afirmam que um aumento de preço está “definitivamente sobre a mesa”.

De acordo com o Digital Music News, a taxa proposta, abrangendo 1,2% das receitas de anúncios e assinaturas de serviços de música, tem como objetivo financiar o Centro Nacional de Música da França. O Spotify, juntamente com outros serviços, defendeu modelos alternativos de contribuição, mas sem sucesso.

Antoine Monin, MD do Spotify para França e Benelux, indicou que a empresa pode repassar a nova cobrança aos assinantes. Embora não esteja claro quando ocorrerá o aumento de preço, a fonte sugere que a medida visa compensar não apenas o imposto, mas também fatores como a inflação.

Enquanto o Spotify parece improvável de se retirar completamente do mercado francês, observa-se uma tendência de “desinvestimento” em eventos locais, como festivais de música. O Spotify não patrocinará mais festivais franceses, sinalizando mudanças em sua estratégia no mercado.

Apesar das incertezas, o Spotify permanece comprometido com o mercado francês. Considerando sua postura no Uruguai, onde optou por permanecer após mudanças na lei de direitos autorais, o futuro do Spotify na França permanece uma incógnita, sujeito às negociações em curso e aos desdobramentos do “imposto sobre streaming”.

Foto: Luca Micheli

Leia na origem

Spotify afirma que Audiência de Música Latina disparou 986% em Nove Anos

Serviço de streaming destacou o crescimento na audiência de música latina ao longo de nove anos, que garantiu receitas significativas nos EUA.

A música latina está conquistando corações e fones de ouvido em todo o mundo, com um aumento impressionante de 986% no número de ouvintes no Spotify desde 2014 até 2023. Artistas como Bad Bunny, Peso Pluma, Iñigo Quintero e Karol G têm liderado essa revolução musical.

De acordo com o Music Business Worldwide, o mercado de música gravada dos EUA desempenha um papel crucial nesse boom, alcançando receitas históricas de US$1,09 bilhão em 2022, representando quase 8% do mercado de streaming, conforme revela a RIAA. No primeiro semestre de 2023, as receitas de música latina nos EUA dispararam 15%, atingindo US$ 627 milhões.

O Spotify, revelou que sua audiência de música latina cresceu 986% desde a expansão para países de língua espanhola em 2013. O consumo de música latina manteve uma média anual de crescimento de 10%, com faixas latinas dominando o Top 100 global, representando mais de 20% das músicas em 2023.

Além da explosão na popularidade, a ascensão da música latina está moldando a indústria, com artistas como Bad Bunny liderando o caminho ao evitar gravadoras e selos tradicionais e buscar contratos mais favoráveis.

Em seu blog, o Spotify, reconheceu  o potencial em ascensão, expressando entusiasmo em continuar impulsionando talentos latinos, visando a expansão do sucesso local para o cenário global. Com 21% de todos os usuários globais do Spotify na América Latina, a região destaca seu impacto significativo e potencial no mercado musical.

Foto: Bad Banny/ reprodução

Leia na origem

Gigantes do Streaming Unem Forças Contra “Imposto de Streaming” na França

Matéria de Music Ally

Serviços de streaming como Spotify e Apple Music estão se unindo para barrar os planos do governo francês de impor uma taxa sobre as plataformas de músicas.

O setor de streaming de música está em agitação na França, à medida que os serviços digitais de música, incluindo gigantes como Apple e Spotify, se unem contra os planos do governo de impor uma taxa para financiar o Centre National de la Musique (CNM) do país.

Conforme o MusicAlly, a nova taxa foi aprovada pelo Senado francês em novembro, gerando controvérsias, e levando até mesmo concorrentes ferrenhos, como Apple e Spotify, a se unirem em protesto. Outros participantes notáveis incluem Deezer, Meta, YouTube e TikTok.

O chefe do Spotify na França, Antoine Monin, expressou críticas contundentes, chamando o imposto de “um verdadeiro golpe para o setor musical, para a inovação e para plataformas independentes europeias como Spotify ou Deezer.” Monin alertou para possíveis repercussões, afirmando que o Spotify poderia absorver o imposto, mas que a França correria o risco de perder investimentos, já que o país, segundo ele, não incentiva a inovação e o investimento.

Esta não é a primeira vez que o Spotify ameaça sair de um mercado devido a medidas governamentais. Recentemente, a empresa ameaçou deixar o Uruguai devido a planos de “remuneração equitativa”, mas voltou atrás após esclarecimentos favoráveis do governo uruguaio.

Em resposta aos planos do governo francês, o Spotify e outros serviços de streaming anunciaram um acordo voluntário para financiar o CNM com 14 milhões de euros em 2025, e mais nos anos seguintes, apresentando uma alternativa à proposta oficial. O impasse destaca a tensão entre os serviços de streaming e os governos que buscam formas de financiar a indústria musical em evolução.

Foto: reprodução

Leia na origem

Spotify Continuará Operando no Uruguai Após Acordo com o Governo

Matéria de Music Ally

O serviço de streaming havia anunciado anteriormente que encerraria suas operações no país em 1º de janeiro, mas agora, com esclarecimentos sobre as mudanças na lei de direitos autorais, decidiu continuar.

O serviço de streaming Spotify permanecerá ativo no Uruguai, revertendo a decisão anterior de encerrar as operações no país a partir de 1º de janeiro. O motivo inicial foi a nova legislação que buscava garantir uma “remuneração equitativa” (RE) para músicos e criadores.

De acordo com o MuscAlly, após negociações com o governo uruguaio, o Spotify esclareceu que a responsabilidade pelos custos relacionados à RE recairá sobre os detentores dos direitos autorais. O serviço, que já destina cerca de 70% de suas receitas aos detentores dos direitos, expressou satisfação com o entendimento alcançado.

As mudanças na legislação também afetarão outros serviços de streaming, incluindo Netflix, Amazon Prime e HBO Max, conforme observado pelo El Observador. O decreto regulamentar detalha aspectos como a possibilidade de recorrer a um tribunal arbitral em casos de “discrepância” nos royalties entre artistas e produtores.

Além disso, uma comissão será estabelecida pelo Ministério da Indústria, Energia e Mineração do Uruguai para discutir as “percentagens de cobrança” para os titulares de direitos. O Spotify elogiou a resolução e destacou a importância de esclarecimentos na lei de direitos autorais.

Embora o Uruguai represente um mercado de música gravada relativamente pequeno, ocupando a 53ª posição global em 2022, com receitas de 13,2 milhões de dólares, sendo 64,4% provenientes de streaming, a decisão tem implicações significativas. O Spotify destaca que a flexibilização corporativa pode influenciar futuras negociações em outros países que busquem introduzir medidas semelhantes à RE.

Em resumo, os músicos no Uruguai receberão uma parcela maior dos royalties do streaming no momento do pagamento, e o Spotify reafirma sua postura de que custos adicionais devem ser suportados pelos detentores de direitos. O impacto financeiro mínimo no serviço de streaming no Uruguai destaca a firmeza da plataforma, pronta para se retirar se as condições não forem favoráveis.

Leia na origem

Presidente Uruguaio Busca Acordo com Spotify para Evitar Saída do País

Matéria de Digital Music News

Autoridades uruguaias buscam um equilíbrio entre os interesses da plataforma e detentores de direitos autorais para evitar saída do Spotify do país.

Após o anúncio de que o Spotify encerraria suas operações no Uruguai em fevereiro de 2024 devido a mudanças na legislação de direitos conexos, o presidente Luis Lacalle Pou afirmou estar em negociações diretas com a plataforma para resolver o impasse.

De acordo com o Digital Music News, o Spotify tomou a decisão em resposta à aprovação do Artigo 285, parte de um novo projeto de lei de direitos autorais, que exige uma “remuneração justa e equitativa” para artistas, compositores e intérpretes. O parlamento uruguaio votou a favor dessa legislação em outubro de 2023, provocando a reação do Spotify.

Em comunicado, o Spotify alegou que já paga quase 70% de cada dólar gerado com música às gravadoras e editoras detentoras dos direitos autorais. O anúncio de retirada do serviço gerou preocupação, levando o presidente Lacalle Pou a buscar um equilíbrio entre os interesses da plataforma e dos criadores de conteúdo.

“Você tem que ter equilíbrio. Entendemos que [o Spotify] é uma plataforma muito importante. Você tem que cuidar de alguma forma dos intérpretes, dos autores. Estamos em negociações. Vamos em frente, espero que concordemos”, declarou Lacalle Pou à imprensa local.

O Spotify, que informou os usuários sobre as mudanças iminentes, afirma que contribuiu para o crescimento de 20% na indústria musical uruguaia em 2022, posicionando o país como o 53º maior mercado de streaming de música. As autoridades uruguaias continuam em negociações para evitar a saída da plataforma.

Foto: Guilherme Hellwinkel

Leia na origem

Spotify Anuncia Redução de 17% na Força de Trabalho, Afetando Mais de 1.500 Empregos

O cofundador e CEO, Daniel Ek, justificou a medida citando a desaceleração do crescimento econômico e o aumento do custo de capital.

O Spotify revelou hoje que está fazendo uma redução de aproximadamente 17% de sua força de trabalho global, afetando mais de 1.500 empregos. A decisão foi comunicada aos funcionários através de uma nota do cofundador e CEO, Daniel Ek, publicada online.

Conforme o Music Business Worldwide, esta é a terceira rodada de cortes de empregos da empresa de streaming em 2023. Em janeiro, o Spotify anunciou a eliminação de mais de 500 empregos em todo o mundo, representando cerca de 6% de sua força de trabalho. Em junho, a empresa reduziu em 200 o número de funcionários em sua divisão de podcast, aproximadamente 2% da força de trabalho total na época.

Daniel Ek justificou a decisão, mencionando que o crescimento econômico diminuiu significativamente, e o custo de capital aumentou. Em um memorando aos funcionários, Ek explicou que, apesar dos esforços para reduzir custos no último ano, a estrutura ainda é grande demais para atender aos objetivos futuros da empresa.

Além da redução de pessoal, o Spotify também congelou imediatamente todas as contratações em todo o mundo, retirando todos os cargos do quadro oficial de empregos. Essa medida ocorre em meio a cortes de empregos em toda a indústria de tecnologia, com mais de 240.000 empregos cortados globalmente em 2023, segundo relatos do TechCrunch no final de novembro.

Daniel Ek reconheceu que a decisão terá um impacto significativo na equipe e expressou compreensão sobre a dificuldade que isso representará. A empresa considerou fazer reduções menores ao longo dos próximos anos, mas Ek decidiu que uma ação substancial era necessária para alinhar o Spotify com seus objetivos financeiros e operacionais.

Foto: TT News Agency / Alamy

Leia na origem

Spotify Wrapped 2023 Revela Taylor Swift Como a Maior Artista do Ano

Matéria de Music Ally

No Brasil, Ana Castela, Henrique & Juliano, MC Ryan SP, Marília Mendonça e Jorge & Mateus foram os artistas mais ouvidos. Leia os destaques sobre o Spotify Wrapped deste ano.

O aguardado Spotify Wrapped está de volta, trazendo não apenas números detalhados para os ouvintes, mas também uma experiência especial para os artistas. Taylor Swift liderou, acumulando mais de 26,1 bilhões de streams, superando Bad Bunny, The Weeknd, Drake e Peso Pluma.

Conforme o MusicAlly, a faixa mais ouvida do ano não pertenceu aos artistas mais ouvidos. ‘Flowers’ de Miley Cyrus liderou com 1,6 bilhão de streams, à frente de hits de SZA, Harry Styles e Jung Kook.

O portal destacou a tendência de sucessos com vida útil mais longa, citando ‘As It Was’ lançada em abril de 2022. ‘Un Verano Sin Ti’, álbum mais transmitido em 2022, continua dominando em 2023.

No Brasil, Ana Castela, Henrique & Juliano, MC Ryan SP, Marília Mendonça e Jorge & Mateus foram os artistas mais ouvidos. Apesar das celebrações, o Spotify enfrentou críticas devido a mudanças no modelo de negócios, multas e encerramento de operações no Uruguai devido a alterações na legislação.

Enquanto alguns celebram a diversidade musical, outros destacam preocupações sobre o gigante do streaming. Independentemente da perspectiva, o Spotify Wrapped permanecerá uma parte inegável do cenário musical.

Foto: reprodução

Leia na origem

©2024 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?