UNIVERSAL MUSIC ADQUIRE QUASE METADE DA PARTICIPAÇÃO DE GRANDE GRAVADORA INDEPENDENTE BRITÂNICA

Universal Music adquiriu 49% da participação minoritária da gravadora britânca independente Pias Group.

Nesta quarta-feira, 30, a Universal Music anunciou a aquisição de quase metade da participação minoritária, da gravadora independente americana Pias Group.

De acordo com o Music Business Worldwide, o anúncio informou que a participação da Universal Music será de 49% na PIAS, e o controle majoritário da empresa continuará com seus fundadores Kenny Gates e Michel (foto). Além disso, a UMG não terá assentos no conselho da empresa.

Sir Lucian Grainge, presidente e CEO do Universal Music Group, disse que no passado havia grande competição entre gravadoras indie e majors, mas nos tempos atuais, o ecossistema da música precisa reconhecer as empresas que estão comprometidas com o desenvolvimento sustentável de carreiras artísticas, prezando qualidade ao invés de quantidade:

“Embora grande parte do passado tenha sido focada em ‘majors versus indies’, está claro que hoje, a divisão importante em nossa indústria é sobre aqueles comprometidos com o desenvolvimento do artista versus aqueles comprometidos com a quantidade em detrimento da qualidade”, disse o CEO.

Grainge reconheceu ainda a importância do trabalho da Pias para o mercado musical: “Compartilhamos a paixão de Kenny e Michel por desenvolver artistas e movimentar a cultura, e reconhecemos que um ecossistema musical saudável precisa de empresas como [PIAS], que estão comprometidas em amplificar as melhores vozes da música independente”, concluiu.

Vale notar que a Universal Music estava impedida por 10 anos de fazer qualquer investimento em ativos na Europa ou assinar com artistas, por conta da aquisição da EMI. O investimento de hoje marca o término da restrição.

 

Foto: reprodução

Leia na origem

Com relatório, Comitê pede mudanças no streaming ao Governo Britânico

Após ouvir músicos, executivos e plataformas, Comitê de Cultura criou relatório para pedir ao Governo britânico mudanças no streaming. Mercado continua beneficiando grandes empresas e segue injusto para músicos e artistas.

Nesta semana o Governo Britânico recebeu um relatório elaborado por um Comitê com um pedido por mudanças na legislação que regulamenta os serviços de streaming, a fim de buscar maior equilíbrio e condições para músicos e artistas no digital.

O Comitê formado no Departamento de Digital, Cultura, Mídia e Esporte (DCMS) do governo britânico, vem estudando a economia do mundo da música durante a pandemia, bem como ouvindo pessoas, como Nile Rogers e executivos, para entender o mercado e oferecer soluções melhores à compositores e artistas.

O resultado dos estudos gerou o relatório ‘Economics of Music Streaming’ (‘Economia do streaming de música’, em tradução livre), onde a entidade mostrou como o mercado continua beneficiando as grandes gravadoras, enquanto os titulares de direitos autorais não conseguem viver do que criam.

No relatório, o Comitê chegou a quatro principais questões pelas quais o streaming precisa se modernizar:

  1. Artistas (e até os mais famosos) não estão tendo retorno financeiro com o streaming:

A remuneração equitativa é um direito do artista. No entanto, no streaming os artistas são pagos de acordo com os termos de seu contrato de gravação. Dependendo de quando eles começaram suas carreiras, seus royalties podem variar de 20% (para um artista de porte médio) à 2%, para aqueles com contratos históricos.

O Gráfico de barras mostra os resultados da pesquisa da #PayPerformers Campaign, sobre remuneração de artistas de streaming do Reino Unido em 2020, onde quase 50% disseram: ‘Não recebo nenhuma receita como artista de streaming”.

 

  1. Disparidade nos pagamentos de direitos de gravação e autoral

A atual divisão da receita de streaming dá à gravadora a maior parte da receita de uma faixa. Isso vem de um modelo que se aplicava à venda física, em que os selos tinham despesas de fabricação, armazenamento e transporte de CDs.

Isso deixa os compositores e editores com a menor parcela da receita, apesar de ser parte integrante do processo criativo. Os criadores e editoras musicais argumentam que esse modelo está desatualizado e injusto, pois essas despesas gerais não se aplicam à produção musical digital.

  1. Apenas três grandes gravadoras controlam a maior parte do mercado

A pirataria digital e novas tecnologias (como streaming) perturbaram a indústria musical tradicional, levando a um ecossistema onde três grandes players surgiram e se expandiram.

As três maiores empresas agora têm uma participação no mercado fonográfico do Reino Unido equivalente a 75%. Eles também dominam a edição de música, que é a parte da indústria que lida com os direitos das letras e da composição de uma faixa.

  1. ‘Porto seguro’ e violação de direitos autorais

O ‘porto seguro’ (safe harbour) isenta as empresas de tecnologia que hospedam conteúdo gerado pelo usuário de serem criminalmente e financeiramente responsáveis ​​por conteúdo que infringe direitos autorais. Isso desde que eles ajam rapidamente contra o conteúdo infrator (como remover um vídeo), onde obtêm “conhecimento real” de onde isso aconteceu.

O porto seguro sustenta os modelos de negócios dessas empresas de tecnologia, que permitem aos usuários consumir música gratuitamente. Isso significa que esses serviços negociam licenças de música com eficácia depois que os usuários tocam em suas plataformas. Isso cria uma chamada ‘lacuna de valor’, uma vez que as receitas de música de serviços financiados por anúncios são significativamente menores do que aquelas de serviços pagos.

 

Cinco recomendações para consertar os problemas

Além de apresentar os problemas no streaming, o Comitê fez cinco recomendações para ajudar o Governo Britânico a dar início às reformas legislativas no streaming.

  1. Remuneração equitativa

O direito a uma remuneração equitativa é uma solução simples, mas eficaz, para os problemas causados ​​pelos baixos salários do streaming de música. É um direito que já está estabelecido na legislação do Reino Unido e foi aplicado ao streaming em outras partes do mundo.

O Governo deve promulgar legislação para que os artistas possam desfrutar do direito a uma remuneração equitativa para o fluxo de renda.

  1. Paridade de receita para compositores

Apesar de ser uma parte importante no processo de criação e streaming de música, compositores não são efetivamente remunerados por seu trabalho.

O governo deve trabalhar com os criadores e o setor editorial independente para explorar maneiras pelas quais os novos e futuros compositores possam ser apoiados para terem carreiras sustentáveis, ​​e as editoras musicais independentes permanecerem comercialmente viáveis.

  1. Um estudo sobre o poder de mercado na indústria musical

Não há dúvida de que os principais grupos musicais atualmente dominam a indústria, tanto em termos de participação no mercado geral de gravação e (em menor grau) de edição, mas também por meio de sua propriedade dos direitos musicais mais valiosos e por meio de fusões e aquisições de serviços concorrentes.

Foi recomendado que o Governo encaminhe um caso para a Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA), a fim de realizar um estudo de mercado completo sobre o impacto econômico do domínio das grandes empresas. O Governo também deve fornecer ao CMA os recursos e pessoal para realizar este caso.

  1. Algoritmos e playlists mais transparentes

Os curadores musicais desempenham um papel importante na descoberta e no consumo da música digital. Não é a toa que os criadores de música estejam investindo mais recursos para chamar a atenção desses curadores.

Quando os curadores são pagos ou recebem benefícios em espécie em playlits, é recomendado a criação de um código de prática desenvolvido pela Advertising Standards Authority (semelhante ao que é feito com os influenciadores de mídia social) para garantir que as decisões que tomam sejam transparentes e éticas.

  1. Abordar preocupações sobre o ‘porto seguro’

Para garantir que os criadores de música e as empresas prosperem no mercado musical mundialmente importante do Reino Unido, o governo deve fornecer proteções para os detentores de direitos que sejam pelo menos tão fortes quantos aqueles fornecidos em outras jurisdições.

Como prioridade, o Governo deve introduzir obrigações robustas e legalmente aplicáveis ​​para normalizar os acordos de licenciamento para serviços de hospedagem de Conteúdo Gerado pelo Usuário, e assim, lidar com as distorções do mercado e a ‘lacuna de valor’ do streaming de música.

Leia na origem

Reino Unido vê queda de 19,7% na arrecadação de músicas tocadas em shows ao vivo

Matéria de @MusicWeek

De olho na música ao redor do mundo! Apesar de arrecadar £699,4 milhões em 2020, PRS for Music anuncia que receitas de música tocada ao vivo caíram 19,7% no Reino Unido. Presidente da associação fala sobre dificuldades, mas espera um futuro melhor para compositores e titulares britânicos.

Ano de boas e más notícias também para a música no Reino Unido. Apesar de arrecadar £699,4 milhões em 2020, receitas de música tocada ao vivo caíram 19,7%. Segundo o Music Week, diante da pandemia e seu impacto negativo na música, a associação de gestão coletiva de direitos autorais no Reino Unido precisou reforçar seu processamento de dados para acelerar o processo de pagamento de royalties. Além disso, foi preciso reduzir seus custos em £12,1 milhões (13,8%).

Mesmo assim, foi impossível escapar da queda nas receitas. Embora as distribuições para 155.000 compositores e editoras associadas tenham sido positivas no geral, muitos dos royalties pagos no ano passado foram coletados antes do primeiro lockdown. Portanto, a queda na receita será sentida pelos criadores de música até o fim de 2021, com previsão de queda nas distribuições de pelo menos 10% este ano.

“Foi um ano difícil para todos nós”, disse a CEO da PRS, Andrea C Martin, à Music Week. “Tivemos uma distribuição recorde, apesar de ter desempenho público [receita] caindo 61% e viver caindo quase 80%. Como empresa, nos concentramos no sustento de nossos membros”.

No geral, as receitas obtidas com a música tocada no Reino Unido e em todo o mundo em 2020 caíram 19,7% ano a ano para £650,5 milhões, erradicando anos de crescimento recorde.

Transmissões ao vivo

O crescimento do streaming no Reino Unido cresceu 796% em comparação a 2015. Foram 22,4 trilhões de “performances” de música em 2020. Durante a pandemia, o PRS For Music revisou os planos de cobrança de direitos para transmissão ao vivo de pequena escala e atualmente está elaborando seu próprio sistema de licenciamento para transmissões maiores.

“Estaremos anunciando em breve nossa proposta para o concerto online ao vivo [tarifa]”, disse Martin. “Anunciamos a licença de baixíssimo custo. Antes disso, tivemos muitos diálogos e muitos debates saudáveis! Tivemos três mesas redondas para licenciar shows ao vivo online, e também fizemos uma chamada sobre visualizações – tivemos quase 2.000 pessoas nos dando feedback sobre essa licença. E, em breve, publicaremos o que iremos cobrar por isso”.

No entanto, o aumento da receita e das distribuições de royalties online não compensará a perda de receita para muitos titulares. As distribuições para membros por desempenho público já caíram 35,1% (£50,4 milhões) em 2020.

A fim de apoiar seus associados neste momento difícil, o PRS for Music lançou em colaboração com seus parceiros – o PRS Members ‘Fund e a PRS Foundation – o PRS Emergency Relief Fund e, desde então, pagou mais de £2,2 milhões em 5.500 subsídios para compositores que enfrentaram dificuldades financeiras durante a pandemia do coronavírus.

“Você pode ver que nos resultados de 2020, fizemos tudo que podíamos para ainda ter um ano recorde”, disse Martin em entrevista à Music Week. “Estamos fazendo tudo o que podemos para minimizar o impacto. Estamos inovando, desafiamos as coisas. No ano passado, a equipe internacional fez auditorias para se certificar de que havia [mais] dinheiro para arrecadar. A equipe está super motivada para garantir que protegemos o sustento de nossos membros, esse é o nosso foco número um”.

Por fim, Martin tranquiliza os associados e afirma estar confiante sobre os resultados obtidos em 2020, e espera um futuro melhor: “Estabelecemos uma [meta] de crescimento muito rápido para o PRS”, disse ela. “Nossa meta é um pagamento de £1bilhão nos próximos cinco a sete anos. Estaremos alavancando nossas joint ventures e ser mais inovadores para chegar lá”.

 

 

Foto: a CEO da PRS, Andrea C Martin – reprodução

Leia na origem

Governo Britânico anuncia pacote de US$2 bilhões para ajudar setor cultural durante a pandemia

Pacote emergencial inclui financiamentos para resgatar locais culturais impedidos de funcionar por conta da pandemia.

Na noite de domingo (5), o governo do Reino Unido anunciou um pacote emergencial de 1,57 bilhão de libras (1,96 bilhão de dólares) para beneficiar o setor de artes, música e cultura na Grã-Bretanha.

O pacote inclui financiamentos destinados à resgatar museus, galerias, teatros, cinemas independentes, locais históricos e de música da Grã-Bretanha.

De acordo com o Music Business Worldwide, a decisão veio em resposta à várias campanhas como a #saveourlives do Music Venues Trust (MVT), que vem pedindo ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson e seu governo, garantias para que locais culturais que estão fechados por conta da pandemia possam sobreviver durante a crise.

Anteriormente, na quinta-feira (2 de julho), o movimento ganhou ainda mais força com o apoio de vários artistas como Sir Paul McCartney, Rolling Stones, Ed Sheeran, Dua Lipa e Liam Gallagher. Eles se juntaram a mais de 1.500 artistas para divulgar a petição #LetTheMusicPlay  e cobrar incentivos do governo para o mercado musical.

Conforme divulgado pelo The Guardian, o pacote emergencial de apoio à cultura no Reino Unido inclui:

– 1,15 bilhão de libras para organizações culturais na Inglaterra, consistindo em 270 milhões de libras em empréstimos e 880 milhões de libras em doações.

– 100 milhões de libras em apoio direcionado às instituições culturais nacionais da Inglaterra e ao patrimônio inglês.

– Investimentos de capital de £120 milhões para reiniciar a construção de infraestrutura cultural e para projetos de construção de patrimônio na Inglaterra que foram interrompidos por causa da pandemia.

Geoff Taylor, diretor executivo da BPI – British Phonographic Industry– entidade que representa a indústria fonográfica britânica disse: “Estamos muito satisfeitos que o governo tenha reconhecido a importância especial das artes e da criatividade – incluindo música – para a nossa vida nacional. Saudamos calorosamente a menção específica de nossos queridos locais de música e o apoio às artes, que também devem ajudar nosso setor de música clássica”.

Leia na origem

#VemNovidade! Deezer lança o Radio By Deezer, novo app para quem ama rádio.

Matéria de @MusicWeek

A Deezer lançou um aplicativo super bacana para quem adora rádio. O novo app Radio By Deezer permite o acesso a 30.000 estações de rádio em todo o mundo de forma gratuita, e ainda tem um bônus: a sincronização com a plataforma de streaming da Deezer.

A Deezer lançou no Reino Unido o Radio By Deezer, um novo aplicativo que conecta a 30.000 estações de rádio, incluindo a Absolute Radio, talkSport, BBC Radio, Classic FM e Kiss Network.

Segundo o portal MusicWeek, no Radio By Deezer, os ouvintes podem se conectar a várias estações de rádio, não só no Reino Unido, mas conforme a sua localização atual.

O mais legal é que o aplicativo também sincroniza com a plataforma de streaming da Deezer, permitindo que os usuários “curtam” qualquer música ouvida na rádio. Assim, o aplicativo adiciona automaticamente as músicas curtidas na biblioteca do usuário no serviço de streaming.

Por enquanto, o Radio By Deezer é gratuito, sem anúncios, e está disponível gratuitamente na loja do Android. Uma versão para iOS será lançada em breve. Não foram anunciadas informações sobre a expansão do aplicativo para outros países como o Brasil.

Olivier Miljeu, gerente de produto da Radio By Deezer, disse: “Os fãs de rádio merecem uma experiência adaptada às suas necessidades exatas. Nosso aplicativo fácil de usar oferece acesso rápido às suas estações favoritas, todas com uma experiência de audição sem perturbações e sem anúncios”.

Leia na origem

Trilhas sonoras impulsionam o crescimento no consumo de música no Reino Unido.

Matéria de @MusicWeek

Primeira notícia de 2019! Pelo quarto ano consecutivo, o consumo de música cresceu no Reino Unido. Em 2018, as vendas foram impulsionadas pelas trilhas sonoras de filmes como “The Greatest Showman”, “Mamma Mia: Here We Go Again””, “A Star Is Born” e “Bohemian Rhapsody”.

A BPI – “British Phonographic Industry”,  associação de negócios da indústria fonográfica britânica – com base nos dados da Official Charts Company, divulgou um novo relatório sobre o consumo de música no Reino Unido. Em 2018, impulsionada pelo consumo de trilhas sonoras, o consumo de música  aumentou 5,7% (135,1 milhões), um valor de varejo estimado de £1,33 bilhões.

De acordo com o portal Music Week, em 2017, grandes artistas como Adele e Ad Sheeran desempenharam papéis importantes no consumo de música no Reino Unido. No entanto, em 2018, as vendas foram impulsionadas pelas trilhas sonoras de filmes.

A trilha sonora do filme “The Greatest Showman” foi o título mais vendido do ano, batendo o recorde da cantora Adele por semanas.  Fizeram parte dos mais vendidos a banda Abba na trilha sonora de “Mamma Mia:Here We Go Again” (No.4), Lady Gaga e Bradley Cooper com músicas do filme “A Star Is Born” (No.7) e a banda Queen, com a trilha sonora do biográfico “Bohemian Rhapsody”.

Os artistas britânicos também se destacaram na indústria da música, eles foram responsáveis ​​por metade dos 20 álbuns mais vendidos no mundo em 2018. Em primeiro lugar ficou o cantor George Ezra com seu álbum “Staying At Tamara’s. Artistas e bandas como Ed Sheeran (÷), Dua Lipa (Dua Lipa) e Arctic Monkeys (Tranquilidade Base Hotel + Casino) ocuparam as primeiras posições de vendas de álbuns.

Segundo o relatório, o streaming de música representou quase dois terços do consumo de música no Reino Unido (63,6%) e em dezembro de 2018, o mercado testemunhou um novo marco de 2,0 bilhões de streaming de música em uma única semana.

Outro ponto-chave do relatório indicou o aumento de 1,6% nas vendas de vinil, com os 4,2 milhões de LPs comprados. As vendas de LP estiveram no nível mais alto desde o início dos anos 90. Atualmente, o vinil é responsável por cerca de 3% da música consumida no Reino Unido.

Tranquility Base Hotel + Casino  da banda Arctic Monkeys foi o álbum mais adquirido em vinil em 2018 e também foi o LP mais vendido em 25 anos desde que os discos começaram em 1994.

“O crescimento do consumo de música e a força dos artistas britânicos no cenário mundial estão energizando histórias de sucesso para os selos. Embora ainda seja difícil para os artistas menores romperem a vasta quantidade de música disponível, 2018 provou ser um ano estimulante em que a indústria da música se uniu para exigir um pagamento justo dos grandes gigantes da tecnologia, através do Artigo 13”, analisou Vanessa Higgins, diretora executiva da Regent Street Records e membro independente do conselho da BPI.

Leia na origem

“AirBnb” para músicos pode transformar a indústria

No Reino Unido a Encore é conhecida como o ‘AirBnb dos músicos’. A rede facilita a forma de encontrar e reservar músicos para festas e eventos.

A Encore é uma startup fundada no Reino Unido que criou uma rede online para agendar shows. Na plataforma é possível reservar músicos para shows, festas, casamentos e eventos corporativos com muita facilidade.

O fundador James McAulay criou a rede enquanto estudava ciência da computação na Universidade de Cambridge e conseguiu que uma aceleradora viabilizasse o projeto. McAulay levantou um pouco mais de £1 milhão e agora tem o apoio dos principais investidores de Londres e Cambridge.

O cadastro na plataforma é gratuito e o pagamento das reservas dos músicos é seguro pelo “Encore Pay”. Segundo o site da Forbes Brasil, a empresa oferece serviços como marketing, pagamento de clientes, depósitos e suporte, em caso de problemas dos músicos, em troca de uma comissão pelas reservas.

São mais de 25 mil artistas cadastrados nessa comunidade que já permitiu encontros inusitados como a participação de um trompetista na abertura de um dos maiores torneios de eSports do mundo, no estádio de Wembley. Duplas de cordas também tiveram a oportunidade de se apresentar em estações de metrô de Londres para celebrar o  lançamento da temporada de “Game of Thrones”.

As reservas mais procuradas são para casamentos e eventos privados. “Eles adoram as combinações que fazemos com base em eventos únicos, gostos musicais e orçamento, e a segurança que oferecemos é extremamente importante quando as pessoas fazem reservas para um dos dias mais importantes de suas vidas”, afirmou McAulay.

A empresa já conseguiu pagar um total de £1 milhão para os músicos da rede e pretende continuar focando em desenvolver algoritmos que combinam clientes e músicos com base em seus gostos.

“A Encore é frequentemente descrita pelas pessoas como o ‘AirBnb dos músicos’, disse McAulay. Ele explicou que com relação à música ao vivo é preciso aumentar o número de agendamentos de shows: “Criar milhões de momentos e memórias musicais em todo o mundo seria emocionante.”

Leia na origem

Pela primeira vez a Parada de Singles do Reino Unido incluirá visualizações de vídeos do YouTube.

Matéria de The Independent

Novas regras: os números dos vídeos reproduzidos no YouTube, Apple, Tidal e Spotify serão incluídos na paradas de singles do Reino Unido.

As gravadoras e a BBC Radio 1 aprovaram as novas regras de formação dos charts e a partir desta sexta-feira (29), os números dos vídeos oficiais reproduzidos no YouTube, Apple, Tidal e Spotify serão incluídos na paradas de singles do Reino Unido.

“A maneira como os fãs de música estão consumindo música está mudando a cada mês” contou Martin Talbot, chefe-executivo de Charts.

Ele também destacou que os vídeos de grande orçamento não necessariamente irão colher os benefícios das novas regras do gráfico.

Segundo o site “Independent” a mudança não terá grande impacto nas posições das músicas, uma vez que nos testes realizados os vídeos virais só apresentaram um pequeno aumento na posição do gráfico.

Vários artistas e produtores receberam bem a mudança, como a cantora pop Dua Lipa que lembrou como seu clipe da música “New Rules” foi importante para sua carreira.

Olly Alexander, vocalista do Years & Years, também apoiou a mudança. Tanto que a banda está lançando um vídeo para cada música do próximo álbum.

Leia na origem

YouTube remove 30 vídeos musicais violentos

Matéria de Rolling Stone

Após o Spotify anunciar sua nova política antió-dio, agora o Youtube removeu cerca de 30 vídeos considerados violentos pela polícia.

Vídeos no YouTube poderiam influenciar a violência? A polícia britânica acredita que sim e por isso a plataforma teve que remover mais de 30 videoclipes considerados violentos.

As denúncias começaram no início deste mês quando a comissária do Serviço da Polícia Metropolitana de Londres, Cressinda Dick, se pronunciou em uma rádio falando do estilo musical “Drill Music”, um estilo de rap que promove a violência.

Cressinda afirmou que as músicas descrevem esfaqueamentos, brigas de gangues e violência contra as mulheres com “grande detalhe, alegria e excitação”.

Nos últimos dois anos, a força policial sinalizou mais de 50 videoclipes na plataforma do YouTube, alegando que eles estariam provocando a violência no Reino Unido. Em 2018, houve um aumento de 44% nos casos de homicídios.

Segundo a BBC, o YouTube já cumpriu os pedidos para derrubar metade dos clipes que a polícia considerou violentos. Em contrapartida a decisão não agradou músicos e fãs que assinaram uma petição online reunindo mais de 5.000 assinaturas contra a plataforma de vídeos.

Neste mês o Spotify também tomou decisões contra conteúdos violentos removendo artistas como R. Kelly e XXXTentation de suas playlists oficiais. A Apple Music e Pandora também fizeram ações semelhantes. As ações do YouTube contribuirão para o debate sobre censura no setor musical.

Leia na origem

Boicote de marcas ao Google chega aos EUA

Allan C. Thygesen, presidente do Google para as Américas, veio ao Brasil e comentou sobre o boicote à empresa que está sendo acusada de veicular anúncios em sites extremistas e de cunho violento.

Grandes empresas estão declarando boicote ao Google após a agência Havas retirar toda a publicidade de seus clientes no Reino Unido. O Google é acusado de permitir anúncios em sites extremistas e de cunho violento.

De acordo com o USA Today, agências continuam encontrando os anúncios veiculados aos vídeos. Por isso grandes marcas como a Marks & Spencer, Argos, BBC, Domino’s Pizza, The Guardian, Hyundai, Royal Mail, Sainsburys além da AT&T, Verizon e Johnson & Johnson também aderiram ao “boicote”.

Em visita ao Brasil para participar do Google for Brasil, em São Paulo, Allan C Thygesen, presidente do Google para as Américas, falou sobre o assunto dizendo que o Google desapontou grandes anunciantes no Reino Unido, fazendo com que a empresa de tecnologia aprimorasse seu sistema de segurança para permitir aos anunciantes maior segurança ao veicular anúncios nas plataformas

Leia na origem

©2024 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?