SPOTIFY ENCERRA 2019 COM 124M DE ASSINANTES PREMIUM NO MUNDO

Divulgado hoje (5), o relatório fiscal do Spotify revelou que o serviço de streaming conseguiu a marca de 124 milhões de assinantes pagos. É o surgimento de um “Novo Spotify” que passa a focar em três pilares: Podcasts, Ferramentas de marketing e Criadores. Confira a análise feita pela MIDiA Research.

O Spotify divulgou hoje (5) seus resultados financeiros para o último trimestre (Q4) de 2019. Com 124 milhões de assinantes pagos, o serviço de streaming fechou o ano com bom desempenho e expectativas otimistas para o futuro.

De acordo com análise do Music Industry Blog, da Midia Research, como previsto, o Spotify alcançou 124 milhões de assinantes no Q4 de 2019.

A contagem global de usuários ativos no quarto trimestre atingiu a marca de 271 milhões, um reflexo sobre seu crescimento em novos mercados, como a Índia.

Houve queda na rotatividade de assinantes, de 5,2% em 2018 para 4,8% em 2019. Além disso, a receita média de assinantes (ARPU, sigla em inglês) foi de €4,65, uma queda de 5% em relação ao quarto trimestre de 2018. O Spotify justificou que esta queda está relacionada a “extensão do período de teste gratuito em todo o conjunto de produtos no trimestre”.

Sua receita total ficou em €6,8 bilhões, um aumento de 29% em relação a 2018. Sendo que destes, 10% são de receitas de anúncios suportados.

O Spotify registrou uma perda operacional €77 milhões no trimestre e €73 milhões para todo o ano civil.

Segundo a análise do blog, a partir desses números podemos ver o surgimento de um “novo Spotify” que terá toda a sua atenção voltada para três pilares: podcasts, ferramentas de marketing e criadores.

Podcasts: No fim de 2019, publicamos a análise da MIDiA Research sobre o resultado de todos os investimentos realizados pela plataforma em podcasts. Apesar de 44,8 milhões de usuários ouvirem o formato, o retorno foi de apenas 1% da receita total. Mesmo com resultados baixos, o Spotify já confirmou que 2020 haverá mais investimentos. Para a MIDiA, o motivo para tanto otimismo é que a plataforma está procurando reduzir sua margem bruta, através de diluição de royalties:

“Mesmo nos acordos atuais, o Spotify poderia cortar até sete pontos de pagamento de royalties de música”, analisou o portal.

Ferramentas de Marketing: Gravadoras podem estar frustradas em ter que pagar para ter acesso à nova plataforma de gerenciamento de anúncios, lançada no fim do ano passado. Entretanto, a estratégia é semelhante ao que o Facebook e o YouTube costumam fazer. Afinal, é fato que as gravadoras gastam cerca de um terço do que ganham com publicidade no YouTube. “O impacto desse tipo de troca de receita no modelo comercial do Spotify não pode ser subestimado”, observa a MIDiA Research.

Criadores: O portal prevê que 2020 será um ano voltado para criadores e artistas. Principalmente com relação ao desenvolvimento e aquisições de ferramentas voltadas para desenvolver esta área. As últimas aquisições em plataformas como Soundtrap (um mix de rede social voltada para a criação de músicas de forma colaborativa ) e SoundBetter (uma comunidade de produção de música e áudio) confirmam a estratégia.

O portal analisa ainda que o Spotify esteja construindo bases para criar um novo modelo de gravadora: “O Spotify pode estar apenas competindo com os negócios futuros das gravadoras antes que eles percebam”, diz a análise.

Foto: Reprodução MIDiA Research

Leia na origem

Podcasts geraram US$15,9 milhões para o Spotify no Q3

Matéria de MIDiA Research

Na semana do Spotify for Podcasters no Brasil, o Spotify lançou os resultados financeiros para o terceiro período de 2019 + Entenda porque o formato está movimentando tantos investimentos pelo serviço de streaming + Veja análise dos números dos Podcasts para o Spotify + Link para audios do Spotify for Podcasters Summit.

Ao publicar seus balanços financeiros para o terceiro trimestre de 2019, o Spotify informou que alcançou a marca de 113 milhões de assinantes pagos em seu serviço. Entretanto, todos os olhos estão voltados para a grande aposta do ano: o Podcast!

Em seu blog da Midia Research, Mark Mulligan realizou uma análise detalhada sobre os números dos podcasts para o Spotify no Q3.

5 motivos que levaram o Spotify a investir em Podcasts

Antes de entender os números é preciso entender um pouco sobre as razões que levaram o Spotify a inserir podcasts como uma estratégia de crescimento. Para o Mulligan, há cinco motivos:

1- Criação de conteúdo original em grande escala a médio prazo;

2- Criação de receitas para além da música a longo prazo;

3- Podcasts permitirão ao Spotify cumprir sua ambição: permitir que um milhão de criadores ganhem a vida de sua arte;

4- Diversificação de oferta de conteúdo;

5 – Oportunidade de crescimento de margens.

Além desses motivos, Mulligan apontou o rádio como um novo mercado a ser explorado pelo serviço: “O mercado de rádio comercial é um lago maior para se pescar do que o mercado de música gravada e representa uma oportunidade para impulsionar o crescimento contínuo dos investidores, de modo que anseiam que o crescimento de assinantes diminua”, analisou o executivo.

Analisando os números

Segundo os números do Spotify para o terceiro trimestre de 2019, 33,7 milhões de usuários geraram uma receita de US$15,9 milhões para o serviço. Durante o período, 14% dos usuários médios mensais (MAUs, sigla em inglês) transmitiram podcasts na plataforma.

Apesar do serviço de streaming ter conseguido se estabelecer como um player significativo no mercado global de podcasts, ainda está longe de se tornar o principal. Isso porque, segundo Mulligan, o Spotify terá apenas 5,5% da participação no mercado global de podcasts ao fim de 2019. Todavia, os movimentos da plataforma fazem parte de uma “estratégia defensiva” para despertar o interesse dos usuários.

Ainda há um longo caminho a ser explorado no mundo dos podcasts, e nós do MCT, temos certeza que muitas novidades surgirão. O Blog da MIDia Research informou que em breve será lançado um novo relatório ainda mais específico sobre o assunto.

Vale lembrar que nesta semana, o Spotify está realizando o Spotify for Podcasters Summit no Brasil, um evento com workshops e painéis para criadores de podcasts. Fábio Silveira, esteve presente e representou o Fast Forward Podcast no painel Música e Podcasts – SALA PRINCIPAL. E para quem não conseguiu comparecer, todos os painéis estão disponíveis no podcast do evento. Para conferir clique aqui.

Imagem: Canva

Leia na origem

USUÁRIOS CRIAM PODCASTS DE MÚSICAS NÃO AUTORIZADAS E ENTRAM NAS PARADAS DO SPOTIFY

Matéria de G1

DJ’s e fãs encontraram uma brecha nos podcasts para liberar versões de músicas que não foram lançadas oficialmente por artistas. Há podcasts muito populares com músicas em versões de brega-funk de Billie Eilish, Lana Del Rey, Ariana Grande e até Pabllo Vittar.

O G1 publicou uma denúncia sobre uma nova prática de violação de direitos autorais que está acontecendo no Spotify. DJ’s e fãs têm usado Podcasts para liberar versões de músicas que não foram lançadas oficialmente por grandes artistas como Lana Del Rey, Ariana Grande e Pabllo Vittar.

Quem segue nosso blog, com certeza percebeu o quanto falamos sobre Podcasts, e como esse novo formato tem sido uma grande aposta para tornar os serviços de streaming de música mais rentáveis.

Os podcasts funcionam como programas em que as pessoas podem falar sobre vários assuntos. Entretanto, alguns usuários descobriram uma brecha para inserir músicas raras e em versões que não foram lançadas oficialmente por artistas nas plataformas.

Parece que a coisa está fora de controle. Tanto que há podcasts com músicas em versões de brega-funk de músicas de Billie Eilish, Pabllo Vittar, Selena Gomes, Ariana Grande. Todas entraram no top 200 do Brasil. Os fãs fazem até montagens de capas, com as cantoras usando óculos “Juliet”, muito popular nos bailes.

De acordo com o portal, a “desculpa” para a prática está apenas na intenção de compartilhar as músicas com outros fãs. Só para se ter uma ideia, existe um podcast em que o conteúdo é apenas uma música, “Chapadinha”, versão criada pela cantora brasileira Duda Beat, de uma música da Lana Del Rey. A mesma não foi lançada, pois não foi autorizada por Lana, mas nesta quarta-feira (24) alcançou a posição 122º entre os podcasts mais ouvidos no país.

Não são só os fãs que andam espalhando músicas ilegalmente em podcasts. A prática também é feita por muitos Dj’s que usam o formato para divulgar seu trabalho. Este é o caso do DJ paulista Léo Alves. Ele contou ao G1 que usa seu podcast, “Só toca Funk”, para inserir músicas de funk-rave – uma mistura de batidas e vocais de funk com bases eletrônicas de Alok e Liu.

Apesar de saber que seu Podcast pode ser removido pelo Spotify, ele afirma que não se importa: “Estou divulgando as músicas, e nem fui eu que fiz. No YouTube você acha cada faixa dessa em uns 50 canais.” Nesta semana, o  “Só toca funk” chegou a 6a posição no Spotify Brasil.

Nessa história, os prejudicados são o compositores e artistas, que criam as músicas, mas não recebem os royalties.

A pedido do portal, o Spotify emitiu um comunicado explicando que tomará medidas para remover o conteúdo ilegal de sua plataforma: “O Spotify tem uma política de tolerância zero para conteúdo que viola direitos autorais em podcasts e, a partir do momento que tomamos conhecimento de um conteúdo potencialmente infrator, removemos do serviço. Isso inclui qualquer uso não autorizado de músicas protegidas por direitos autorais em podcasts.”

Foto: Divulgação/Billie Eilish

Leia na origem

SPOTIFY INVESTE US$404M EM EMPRESAS DE PODCASTS

O Spotify revelou que investiu US$404 milhões em empresas especializadas em podcasts. A previsão é de que este número chegue a US$500 ainda em 2019. Fique por dentro de cada uma das aquisições.

O Spotify revelou que foram investidos US$404 milhões até agora em empresas de tecnologia especializadas em podcasts.

Em fevereiro deste ano, o Spotify já havia confirmado que gastou aproximadamente €300 milhões (US$343 milhões) em duas empresas norte-americanas: a Anchor e Gimlet Media. Além disso, US$55 milhões foram destinados na aquisição em abril, da Parcast.

De acordo com o Music Business Worlwide, a previsão é de que até o fim de 2019, o serviço de streaming chegue aos US$500 milhões em aquisições voltadas para empresas de tecnologia especializadas em podcats. Ou seja, ainda restam cerca de US$100 milhões guardados no bolso do CEO, Daniel Ek.

Por dentro dos investimentos do Spotify em Podcasts:

Parcast (Data de Aquisição: Abr/19 – US$55M:

Fundada em 2016, a Parcast lançou 18 séries de podcasts para assinantes premium, incluindo o “Mind’s Eye”, sua primeira série de ficção. Para o Spotify, a aquisição permitiria reforçar seu portfólio agregando produção de conteúdo de qualidade através de seus escritores, produtores e pesquisadores.

Anchor (Data de Aquisição: Fev/19 – US$154M):

Sediada em Nova York, a Anchor é uma plataforma online que permite aos usuários criar e distribuir conteúdo de podcast. Segundo o Spotify, a aquisição da Anchor permitiria “acelerar o caminho para se tornar a principal plataforma de áudio do mundo”.

O preço de compra consistia em €125 milhões (US$142 milhões) em dinheiro, além de €11 milhões (US$12,5 milhões) “relacionados ao valor justo de prêmios de pagamento baseado em ações parcialmente investidos”, que foram substituídos por prêmios de pagamento baseado em ações do Spotify.

Gimlet Media (Data de Aquisição: Fev/19 – US$195M.

A Gimlet, sediada em Nova York, é a criadora de podcasts e foi fundada em 2014, por Alex Blumberg e Matt Lieber.

Em um comunicado, o Spotify informou que a aquisição permitiria um maior aprofundamento em questões relacionadas a produção de conteúdo original e monetização de podcasts.

O Spotify adquiriu a produtora de podcasts no dia 15 de fevereiro, por uma quantia total de €172 milhões (US$195 milhões), sendo que €170 milhões (US$193 milhões) foram pagos em dinheiro. O restante deste preço de compra (€2 milhões) foi “relacionado ao valor justo dos prêmios de pagamento baseados em ações parcialmente investidos substituídos”.

“Dezenas de milhões de usuários estão transmitindo conteúdo de podcast mensalmente, e mais estão descobrindo novas formas de conteúdo de áudio a cada dia. Nosso público de podcast cresceu mais de 50% e quase dobrou desde o início do ano.”, informou o Spotify a seus investidores. Até o momento,  serviço de streaming revelou que mais de 30.000 novos podcasts foram entregues através de sua plataforma Spotify for Podcasters.

Leia na origem

©2020 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?