O cocriador do Fyre Festival anunciou que está planejando uma nova edição no Caribe

Matéria de Rolling Stone

Apesar de ter sido preso por fraude, o cocriador do Fyre Festival anunciou uma nova edição com ingressos a US$499.

O cocriador do Fyre Festival, Billy McFarland, que passou tempo na prisão por fraude em conexão com o fracasso do festival há seis anos, está de volta à cena e anunciou que vai fazer mais uma edição.

Conforme a Rolling Stone, desta vez o Fyre Festival deve se aventurar nas águas do Caribe, evitando retornar às Bahamas. Embora os primeiros 100 ingressos já estejam à venda a partir de US$499, a falta de informações concretas sobre a localização, line-up e datas da nova edição levanta bandeiras vermelhas.

McFarland, agora livre e aparentemente determinado a reerguer sua reputação, lançou um plano para quitar as dívidas pendentes do festival anterior. Ele pretende se concentrar em suas habilidades de criar ideias e reunir talentos para produções de entretenimento. O criador ainda está comprometido com seus sonhos de grandeza, mencionando um futuro musical da Broadway que transformaria sua história tumultuada em um espetáculo teatral.

Vale notar que os problemas da primeira edição, como a falta de água e comida, o envolvimento de influencers famosas em sua promoção e a prisão de McFarland, foram destacados em um documentário da Netflix que amplificou o desastre para o mundo todo.

Acomodações do Fyre Festival (Foto: Reprodução / Twitter)

Leia na origem

NETFLIX DÁ INÍCIO A TESTES DE JOGOS VIA STREAMING NA TV

Matéria de The Verge

Netflix começou a disponibilizar seus jogos via streaming na TV para usuários do Canadá e Reino Unido. A mudança abre a porta para a competição por tempo de jogo em TVs e PCs.

A Netflix deu início aos primeiros testes de sua incursão no mundo dos jogos. A partir desta segunda-feira, assinantes no Canadá e no Reino Unido têm a oportunidade de explorar jogos selecionados da Netflix diretamente em suas TVs, dispositivos de TV conectados e na Netflix.com.

De acordo com o The Verge.com, os jogos disponíveis para teste incluem “Oxenfree” e o “Molehew’s Mining Adventure”, que se assemelha a um jogo de arcade. Durante o jogo em uma TV, os controles são realizados através do smartphone do jogador. Os usuários Android acessam os controles pelo aplicativo da Netflix, enquanto os usuários iOS precisam baixar um aplicativo de controle específico

Mike Verdu, o vice-presidente de jogos da Netflix, descreveu essa etapa como um “teste beta”, inicialmente disponível para um “pequeno número de membros”, indicando que nem todos os assinantes nessas regiões terão acesso imediato. Apesar de  modesta, essa iniciativa pode ser um marco nas ambições da Netflix no mundo dos jogos.

Vale notar que empresa introduziu inicialmente jogos para dispositivos móveis como um benefício adicional para seus assinantes em novembro de 2021. Ao expandir para a transmissão de jogos em TVs, a plataforma possibilita que seus assinantes desfrutem dos jogos em uma gama ainda maior de plataformas. Além disso, essa mudança também abre a porta para a competição por tempo de jogo em TVs e PCs.

Foto: Night School Studio

Leia na origem

QUADRINISTA BRASILEIRA DIZ QUE SÉRIE ‘1899’, DA NETFLIX, É PLÁGIO DE SUA HQ

Matéria de splash_uol @UOL

Uma ilustradora e quadrinista brasileira acusou produtores da nova série da Netflix, ‘1899’, de plagiar sua HQ.

A artista Mary Cagnin denunciou a série “1899”, que estreou na Netflix na última quinta-feira, de plagiar sua HQ. No Twitter, Cagnin fez uma comparação usando trechos e imagens da série e sua HQ “Black Silence”. Na publicação ela desabafou:

“Já chorei horrores. Meu sonho sempre foi ser reconhecida pelo meu trabalho nacionalmente e internacionalmente. E ver uma coisa dessas acontecendo realmente parte meu coração. Sabemos que no Brasil temos poucas oportunidades para mostrar nosso trabalho e ser reconhecido por ele”.

De acordo com o Uol, a artista acredita que alguém possa ter levando sua ideia até os produtores da série, após ter participado da Feira do Livro de Gotemburgo, na Suécia, onde distribuiu sua HQ para vários editores e profissionais do ramo.

A quadrinista deixou o link de seu trabalho na íntegra e pediu ajuda de seus seguidores para encontrar outras similaridades entre a obra e a série.

Diante da repercussão da denúncia, e indignação do público, os produtores de ‘1899’, Baran bo Odar e Jantje Friese, negaram as acusações em suas redes sociais, e disseram que estavam trabalhando há anos na criação da série:

“Oh, internet! Não posto nada há anos porque, francamente, acho que as redes sociais se tornaram tóxicas. As últimas 24 horas provaram isso novamente. Para contextualizar: uma artista brasileira alegou que roubamos sua história em quadrinhos. Para deixar claro: nós não [roubamos]! Até ontem nem sabíamos da existência dessa história em quadrinhos. Ao longo de dois anos, colocamos dor, suor e exaustão na criação de 1899. Esta é uma ideia original e não baseada em nenhum material de origem”, disse Firese.

Baran bo Odar acrescentou que entrou em contato com a artista brasileira, e que espera que ela retire todas as acusações:

“Infelizmente não conhecemos a artista, nem sua obra ou quadrinho. Nunca roubaríamos de outros artistas, já que nos sentimos como artistas. Também entramos em contato com ela, então esperamos que ela retire essas acusações. A internet se tornou um lugar estranho. Por favor, mais amor em vez de ódio”, escreveu.

 

Foto: Twitter

Leia na origem

KONDZILLA AFIRMA QUE “NUNCA MAIS” FARÁ PARCERIA COM NETFLIX

Matéria de O Globo

Como criador da maior série brasileira “Sintonia”, KondZilla disse que não voltará a fazer parceria com a Netflix.

Recentemente, Konrad Dantas, criador do maior canal do YouTube na América Latina, declarou que mesmo com o sucesso da série “Sintonia”, não trabalhará mais com a Netflix.

“Se esse tipo de negócio fosse o mesmo da música, eu participaria dos resultados, dos royalties de “Sintonia”. Mas agora eu trabalho com outros canais e estou feliz de ter reconhecimento. Eu não quero nunca mais trabalhar com o Netflix”, disse o empresário durante uma conferência em Lisboa.

Conforme noticiado pelo o Globo, Konrad não explicou o motivo pelo qual cortou laços com a plataforma de streaming, mas citou que houve uma “falta de alinhamento de interesse” entre ele e a Netflix:

“Não recebi nem e-mail de agradecimento deles sobre “Sintonia”. A série segue, mas não estou mais envolvido com ela” — explicou KondZilla.

Apesar da declaração, parece que a situação não fez o empresário desistir de fazer parcerias com outras plataformas de streaming. Tanto que agora, Kond está por trás da produção de “Escola da Quebrada”, um longa-metragem com lançamento previsto pela Paramount+, para o início de 2023.

“É minha primeira experiência como produtor, não apenas como produto executivo. É algo diferente para mim”, disse ao portal.

 

Foto: Divulgação

Leia na origem

NETFLIX SE RECUPERA E ACRESCENTA 2,4 MILHÕES DE NOVOS CLIENTES NO MUNDO

Matéria de VEJA

A Netflix provou que conseguiu se recuperar após a perda de mais de 1 milhão de clientes no último trimestre.

A Netflix conseguiu se recuperar da grande perda de assinantes no 1º semestre, ao anunciar que acrescentou 2,4 milhões de novos clientes no mundo todo no ultimo trimestre.

De acordo com a Veja, o serviço de streaming de vídeo reportou aos acionistas que apresentou crescimento de assinantes em todas as regiões do mundo, e espera fechar o ano com 4,5 milhões de assinantes.

O aumento do número de assinantes impactou no crescimento da receita em 5,9%, para 7,93 bilhões de dólares, superando as projeções dos analistas. Além disso, o número de clientes pagantes aumentou para 223,1 milhões.

A notícia, claro, deixou o mercado financeiro animado, e as ações da Netflix subiram 13% antes da abertura das bolsas de Nova York na quarta-feira, 19.

Desde que a perda de 1,2 milhão de assinantes foi anunciada no último trimestre, o streaming tem apostado no lançamento de grandes séries de sucesso, como os novos episódios de “Stranger Things”, a série coreana “Uma Advogada Extraordinária” e o mais recente “Dahmer: Um Canibal Americano”.

Como parte da estratégia de crescimento, a Netflix deverá lançar no próximo mês uma nova versão de seu serviço, com suporte para publicidade, e passará a cobrar pelo compartilhamento de senhas no próximo ano.

“Se há uma narrativa unificadora para a Netflix no terceiro trimestre, é que o pior aparece ter ficado para trás”, diz o Wells Fargo em nota aos clientes.

Leia na origem

Netflix anuncia lançamento de seu próprio estúdio de games

Matéria de O Globo

Netflix já lançou mais de 30 jogos, mas espera ampliar seu catálogo para 50 até o fim de 2022.

Tecnologia. A Netflix anunciou que está lançando o seu primeiro estúdio para criação de games baseados em seus filmes e séries.

Com base em Helsinque, na Finlândia, o novo estúdio será comandando por Marko Lastikka, nome conhecido no mercado por estar por trás de grandes jogos como o FarmVille 3.

Conforme explicou O Globo, a ideia do serviço de streaming é ser menos dependente de criadores terceiros e expandir suas ofertas de jogos. Atualmente, a Netflix possui investimentos em quatro estúdios, e já lançou mais de 30 jogos. A meta é ampliar este catálogo para 50 até o fim de 2022.

– Este é mais um passo em nossa visão de construir um estúdio de jogos de nível mundial que trará uma variedade de jogos originais deliciosos e profundamente envolventes – sem anúncios e sem compras no aplicativo – para nossas centenas de milhões de membros em todo o mundo – disse Amir Rahimi, vice-presidente de estúdios de jogos da Netflix.

Rahimi, complementou que os trabalhos no estúdio ainda não começaram, mas vem muita novidade por aí:

“Ainda é cedo e temos muito mais trabalho a fazer para oferecer uma ótima experiência de jogos na Netflix” – disse Rahimi. – “Esses quatro estúdios, cada um com diferentes pontos fortes e áreas de foco, desenvolverão jogos que atenderão aos diversos gostos de nossos membros”, concluiu.

 

Foto: Jogo da série  Stranger Things, da Netflix – divulgação

Leia na origem

Entenda porque parceria entre Netflix e Microsoft pode dar certo

Matéria de TELA VIVA News

Microsoft vai ajudar a Netflix na criação de um novo plano de assinaturas com anúncios, mas parceria pode criar outras oportunidades para as duas empresas.

Na última quinta-feira (14), a Netflix anunciou uma parceria com a Microsoft, que vai passar a cuidar da distribuição de anúncios e a venda de publicidade para a execução dos planos pagos com veiculação de propagandas.

A notícia deixou o mercado de streaming de vídeo movimentado, mas a ideia parece ser uma boa alternativa para alavancar receitas, já que a plataforma de streaming registrou perda de 970 mil assinantes em todo o mundo no 2º trimestre deste ano.

Para os advogados Ygor Valério e José Maurício Fittipaldi, a parceria fará da Netflix a primeira plataforma de streaming pago a adotar um modelo de assinatura por anúncios, algo que vai fazer a concorrência prestar atenção, principalmente se der certo:

“É a primeira vez que a Netflix, maior e mais consolidado player do setor de streaming pago, se move concretamente na adoção de um modelo de AVOD, e esse fato é importante por si só. Outras OTTs pagas já haviam anunciado projetos nessa direção, mas a Netflix segue sendo a grande criadora de tendências desse mercado, e sua decisão força toda a cadeia a olhar para essa possibilidade”, disseram os advogados em um artigo para a Telaviva.com.br.

Por outro lado, para a Microsoft a parceria deve impulsionar e criar novas oportunidades de anúncios em outros negócios, principalmente nos games:

“Com a parceria, a Microsoft deve aumentar substancialmente sua atratividade para anunciantes em todos os países do mundo que tenham interesse em associar sua marca a conteúdos audiovisuais, e fica muito bem posicionada para expandir esse mesmo modelo para a arena de games, lembrando que Netflix também declaradamente se interessa por esse mercado. É possível que esse movimento seja outro tijolo na construção da convergência das mídias audiovisuais”, explicaram os advogados no artigo.

 

Foto: divulgação

 

Leia na origem

Netflix anuncia que vai apostar no mundo dos games para conquistar novos assinantes

Matéria de Fast Company

A Netflix deve lançar videogames baseados em suas maiores séries, como Stranger Things, em sua plataforma. Embora poucos detalhes tenham sido revelados, especialistas apontam que streaming vai enfrentar grades desafios, técnicos e financeiros.

Recentemente a Netflix anunciou que está contratando diversos profissionais especializados na área de jogos para construir uma nova divisão interativa na empresa. De acordo com o FastCompany.com, a Netflix deve lançar videogames em sua plataforma dentro de um ano.

Embora poucos detalhes tenham sido revelados obre a novidade, já é de se esperar que a Netflix crie jogos em torno de suas franquias mais populares como ‘Stranger Things’ ou ‘La Casa de Papel’.

A notícia de quem a plataforma de streaming vai se aventurar no mundo dos jogos deixou muita gente intrigada, já que o movimento da empresa será um grande desafio, tanto técnico, quanto financeiro.

“Quando digo que é impossível e a Netflix vai falhar, não estou dizendo isso porque sou um ‘hater’ da Netflix”, disse Michael Pachter, analista da Wedbush Securities.

“Estou dizendo isso porque, para mim, é como se a Starbucks anunciasse: ‘Decidimos entrar no negócio da FedEx porque as pessoas já vêm à nossa loja. Eles podem pegar o pacote e também pegarem o café”, brincou o analista ao portal.

Pachter também apontou que um dos grandes desafios para a Netflix será o alto custo de se construir um negócio de jogos. O analista contou que a Disney fechou sua divisão de jogos ‘Infinity’ em 2013, mesmo depois de ter gerado $1 bilhão em receita. “Eles não conseguiam ganhar dinheiro”, disse Pachter. “Os jogos deles eram fantásticos, mas não conseguiam escalar. Sua sobrecarga era tão grande, o custo dos jogos era tão grande, mesmo com um bilhão de dólares em receita”.

Outra questão é que a Netflix, já anunciou que os jogos estarão disponíveis para assinantes em sua plataforma, junto com os filmes e séries. A pergunta que fica é como os usuários iriam jogar? Com um controle remoto? Isso limitaria as ações para cima, baixo, esquerda e direita. A plataforma poderia lançar seu próprio controlador. O que daria um trabalho enorme para compatibilizá-lo com as várias plataformas de smart TV.

Além disso, há a questão da distribuição. Atualmente mais de 70% da distribuição de jogos para celular é feita em iPhones, o que significa que a Apple ficaria com 30% de comissão.

Para muitos, a notícia não passa de marketing, pois não há nenhum anúncio de aquisições de empresas especializadas para seguir com os processos. Mas há também a hipótese de que a Netflix esteja interessada nos conteúdos produzidos pelos streamers, que já transmitiram até agora 840 bilhões de minutos no Twitch, o que resultaria também em mais divulgação da plataforma, logo mais assinantes.

 

 

FOTO: Glenn Carstens-Peters/Unsplash

Leia na origem

Netflix e Spotify lideram ranking de serviços de streaming com mais usuários

Qual serviço de streaming tem mais usuários? Na guerra do streaming, Netflix e Spotify seguem à frente da concorrência com grande folga. Saiba quem mais se destacou no mercado de streaming em 2020.

O Fórum Econômico Mundial (World Economic Forum) publicou em março uma a análise para descobrir quais serviços de streaming possuem mais assinantes. Não há dúvidas que diante da pandemia do coronavírus os serviços de streaming de áudio e vídeo estabeleceram ainda mais suas receitas, contribuindo para que novos players fossem lançados, aumentando ainda mais a “guerra do streaming”.

Para descobrir quem são os líderes desta batalha pela conquista de novos usuários foram avaliados os serviços de assinatura de vídeo, áudio e notícias com mais de 5 milhões de assinantes no ano passado. Os dados vieram da associação de mídia FIPP, bem como de relatórios de empresas individuais.

Conforme a organização, com mais de 200 milhões de assinantes globais, a Netflix manteve sua posição como o primeiro e principal nome do streaming de vídeo. Embora sua base de consumidores nas Américas tenha começado a se estabilizar, o crescimento da empresa em alcance (mais de 190 países) e conteúdo (mais de 70 filmes originais previstos para 2021) o colocou a frente em mais de 50 milhões de assinantes em comparação à sua concorrência mais próxima.

No quesito de áudio, o Spotify segue no mesmo caminho, com uma base de 144 milhões de assinantes. Ou seja, mais do que o dobro da Apple Music, o concorrente mais próximo com 68 milhões de assinantes.

Enquanto isso, a Amazon segue como o segundo serviço de streaming de vídeo mais popular, com 150 milhões de assinantes. Mas vale notar que as assinaturas do Prime Video estão incluídas na assinatura do Amazon Prime, que também apresentou um grande crescimento, principalmente durante a pandemia.

Disney lidera no crescimento do streaming

Para a organização, a rápida ascensão da Disney junto aos gigantes dos serviços de streaming é algo notável. Apesar do lançamento do Disney+ no final de 2019 com uma biblioteca de conteúdo um “tanto sem brilho” (apenas uma série original com um episódio no lançamento), a plataforma disparou tanto em termos de conteúdo quanto em sua base de assinantes. Atualmente, o serviço conta com 95 milhões de assinantes, mais do que o previsto para 2024.

A onda Disney + também estimulou o crescimento de serviços de streaming parceiros como Hotstar e ESPN +, enquanto outros serviços com bases de assinantes menores tiveram grandes taxas de crescimento influenciadas pela pandemia COVID-19.

Agora, a questão que fica é como o mercado de streaming responderá quando a pandemia começar a diminuir no mundo, e quando todos os novos players forem contabilizados.

 

Foto: Visual Capitalist

Leia na origem

Porta dos Fundos e Netflix vence processo contra seu polêmico Especial de Natal

Matéria de VEJA RIO

Para Juíza, o pedido de entidades religiosas para remover da Netflix o Especial de Natal do Portas dos Fundos é improcedente ao direito de liberdade de expressão, e a vedação à censura.

Na última sexta-feira o Porta dos Fundos e a Netflix ganharam a ação em que religiosos pediam a retirada da plataforma o polêmico ‘Especial de Natal’. Conforme o Veja Rio, a juíza Adriana Sucena Monteiro Jara Moura, da 16ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, decidiu que o pedido da Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura em Ação Civil Pública era improcedente ao direito de liberdade de expressão e a vedação à censura.

No caso, as entidades religiosas pediram a remoção do filme “Especial de Natal do Porta dos Fundos: A Primeira Tentação de Cristo” da Netflix, e ainda pediram uma indenização de 2.000.000 de reais por ‘supostos danos morais coletivos sofridos pela exibição do Especial’, informou o portal.

Para a juíza, cabe ao usuário escolher se deve ou não assistir ao conteúdo, que está dentro dos limites de liberdade de expressão: “não há exposição a seu conteúdo a não ser por opção daqueles que desejam vê-lo. Resta assim assegurada a plena liberdade de escolha de cada um de assistir ou não ao filme e mesmo de permanecer ou não como assinante da plataforma”.

Além disso, a juíza não considerou o conteúdo como intolerância religiosa, mas sim uma “crítica religiosa, realizada por meio de sátira, a elementos caros ao Cristianismo”.

 

Foto:

Reprodução

 

Leia na origem

©2024 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?