Alta demanda de discos de vinil preocupa fabricantes

Com faturamento de US$1 bilhão, fábricas de vinil tem dificuldades para atender alta demanda.

A demanda por discos de vinil está alta, e os fabricantes não estão dando conta de atender a produção. É o que contou o musicjournal.com.br em uma notícia recente.

Para se ter uma ideia,  o mercado de discos de vinil conta com um faturamento de US$1 bilhão, e os fabricantes dizem que estão trabalhando em sua capacidade máxima.

A United Record Pressing, fundada em 1949 e considerada a maior fábrica de vinil dos EUA, está em um processo de expansão, e decidiu investir US$15 milhões (cerca de R$78 milhões no câmbio atual) para triplicar sua capacidade de produção em meados de 2023.

De acordo com o site especializado em música, a demanda por discos de vinil voltou a aumentar, principalmente durante a pandemia do coronavírus. Além disso, o público mais jovem acabou se entregando aos lançamentos exclusivos de suas divas pop. Um grande exemplo é o álbum Sour, da estrela pop teen Olivia Rodrigo, um dos mais vendidos no mundo.

Para Mark Michaels, CEO e presidente da United Record Pressing, a indústria “encontrou uma nova marcha e está acelerando em um novo ritmo”.

Leia na origem

TIKTOK E SEBRAE SE UNEM PARA CRIAR PLATAFORMA QUE ENSINA EMPREENDEDORES A CRIAR CONTEÚDOS

Em plataforma exclusiva, TikTok e Sebrae vão ajudar empreendedores a usar o aplicativo como ferramenta para promover negócios

O TikTok e o Sebrae anunciaram uma parceria para ajudar empreendedores a criar conteúdos para o app.

Nos dias 28, 29 e 30 de junho, às 17h, empreendedores terão acesso ao evento online e gratuito ‘Amplie com o TikTok’. O evento terá uma plataforma própria chamada Sebrae Experience, com informações e dicas que poderão ajudar a quem deseja aprender como usar a ferramenta para alavancar seu negócio.

As inscrições são limitadas, e para conferir a agenda completa de aulas selecione uma das imagens abaixo!!

 

Imagens: divulgação – sebraeexperience.com.br

Leia na origem

Nubank anuncia Anitta como parte de seu conselho de administração

Matéria de CNN Brasil

O fundador do Nuban quer que Anitta use sua experiência de mercado e marketing para ajudar no crescimento e posicionamento da marca no Brasil.

Nesta segunda-feira (21), o Nubank anunciou que a cantora Anitta entrou para o seu time e passará a fazer parte do seu conselho de administração.

Conforme a CNN Brasil, a novidade não se trata apenas de uma parceria publicitária, mas sim uma contratação para que Anitta use sua experiência de mercado e marketing e ajudando no crescimento da empresa.

“Anitta tem profundo conhecimento do comportamento dos consumidores nesses mercados que tem explorado e tem muita experiência em estratégias de marketing vencedoras. Essas competências foram chave para a convidarmos para o conselho. Nenhum outro conselheiro possui essa experiência”, disse David Vélez, CEO e fundador da empresa.

A cantora contou que aceitou a proposta pela acessibilidade que o Nubank proporciona a pessoas de baixa renda: “É muito chato e constrangedor não conseguir ter acesso a produtos financeiros. Muita gente na América Latina sempre viveu de emprego informal. Como essas pessoas vão ter histórico de crédito? Fiquei impressionada ao ver o trabalho do Nubank em fazer com que milhões de pessoas se sintam incluídas, podendo ter uma vida financeira melhor”.

No conselho, a artista irá se unir a nomes de peso do Nubank como Anita Sands, professora da universidade americana de Princeton e ex-diretora de operações do banco suíço UBS, e à Jacqueline Reses, ex-presidente da fintech Square e atual presidente do Conselho Consultivo Econômico do FED, o banco central norte-americano.

Atualmente o Nubank conta com 40 milhões de clientes e está avaliado em cerca de US$30 bilhões.

 

Foto: Instagram @anitta

Leia na origem

Empresas criam fundo de investimentos em direitos autorais que pode levantar até R$500 milhões

Matéria de NeoFeed

Duas empresas se uniram e criaram um fundo de investimento voltado para compra de participações em gravações e composições de artistas brasileiros. A ideia é ir além de adquirir participações e potencializar ainda mais as receitas das músicas.

Em breve o Brasil pode ter sua própria Hipgnosis Songs. Isto porque o agente musical Luiz Eurico Klotz, da Muzikismo – empresa especializada em comprar participações de direitos autorais em gravações e composições de artistas consagrados na música brasileira – se uniu à Rosenberg Partners para criar um fundo um Fundo de Investimento em Participações (FIP) que pode levantar até R$ 500 milhões.

Conforme o NeoFeed.com, as empresas já estão conversando com bancos e plataformas abertas de investimentos para identificar o melhor modo de iniciar a captação para o fundo.

Renato Soriano, sócio-fundador da Rosenberg Partners acredita que o negócio é promissor, uma vez que a música pode ser tonar “um ativo que gera receita recorrente com royalties e direitos autorais, ainda mais na era do streaming”.

“Acho que, no varejo, vai vender igual a pão quente. Ele é um produto que tem recorrência e apelo emocional”, afirmou Soriano.

Klotz anunciou que a Muzikismo pretende adquirir participações em músicas de diferentes estilos, e por isso, está conversando com uma série de artistas. Por enquanto, os nomes não podem ser revelados por conta da confidencialidade de contratos.

Mais do que adquirir participações em músicas, a empresa quer estar próximo dos artistas. Klotz revelou que não pretende comprar mais do que 50% dos direitos autorais:

“Queremos ser sócios deles, não ser dono de tudo. É para que eles nos vejam como um parceiro que possa potencializar as receitas com as suas obras”, disse Klotz.

Potencializar as receitas é um dos maiores os objetivos da Muzikismo, e para tanto a empresa deve trabalhar de diferentes formas, seja lançando novas versões ou até mesmo ampliando estratégias nas redes sociais de artistas:

“Vamos trabalhar todas as plataformas, TikTok, YouTube e outras”, contou Soriano. Assim como o streaming, as redes mudaram a indústria.

Foto: , Luiz Eurico Klotz, da Muzikizmo, e Renato Soriano, da Rosenberg Partners/ Reprodução

Leia na origem

Como uma loja de discos on-line conseguiu prosperar na pandemia

Matéria de G1

Conheça a loja de discos on-line que conseguiu aproveitar o período em que as pessoas estão mais em casa para aumentar seu faturamento em 30%.

A pandemia do coronavírus tem afetado muitos negócios no mundo todo, principalmente os que envolvem a música. Tanto que em São Paulo, a tradicional Galeria do Rock, viu tradicionais lojas de roupas e venda de discos fecharem as portas.

Ainda bem, que mesmo diante deste cenário há pessoas que continuam apostando na música, e conseguindo faturar muito. É o caso do empreendedor Eduardo da Rocha. Com uma loja on-line de discos de vinil, o empreendedor aproveitou o período em que as pessoas estão mais em casa para aumentar em 30% o seu faturamento em 2020.

Conforme reportagem do Pequenas Empresas & Grandes Negócios, o empreendedor consegue vender online, em média, 50 LPs por dia e fatura R$50 mil por mês. Para conseguir esses resultados incríveis Eduardo, que desde 2004 está no negócio de venda de discos, disse que é preciso focar em estoque.

Para conseguir ter acesso aos discos mais caros, Eduardo precisa comprar lotes grandes, geralmente de rádios e colecionadores. Em sua maioria, esses lotes contém muito material que costuma encalhar. Entretanto todo o esforço é recompensado quando aparece alguma preciosidade.

O resultado da busca pelas raridades é um acervo de mais de 40 mil discos, armazenados em um galpão que está 70% cheio. Lá, há discos que valem de R$10 a até quatro dígitos.

“O que é bom está vendido, é só anunciar que você tem o público. A procura é maior que a demanda de alguns tipos de LPs. Mas é difícil comprar, porque o colecionador, ao mesmo tempo em que está olhando mais para a coleção dele, não vende mais”, contou ao programa.

Para conferir a reportagem do programa na íntegra: ACESSE AQUI

Leia na origem

Universal Music anuncia inauguração de sua própria rede de hotéis

A Universal Music anunciou que está planejando inaugurar pelo menos três hotéis nos EUA. Com o uso de tecnologia avançada, nova rede de hotéis quer ir além de ser penas mais um destino turístico, mas sim, se tornar uma incubadora para startups digitais e novos negócios da indústria da música e entretenimento.

Na última semana, a Universal Music anunciou que está construindo a sua própria rede de hotéis luxuosos. O novo projeto está sendo realizado graças a uma parceria com a Dakia U-Ventures, um grupo de investimentos voltado para o entretenimento.

De acordo com o Music Business Worldwide, já foram confirmados a inauguração de pelo menos 3 hotéis da Universal Music nos EUA: Atlanta, Geórgia; Biloxi, Mississippi; e Orlando, Flórida.

Segundo a rede de notícias WLOX do Mississippi, o hotel Biloxi UMUSIC dará lugar ao antigo  Broadwater Resort da cidade, um destino avaliado em US$1,2 bilhão, com previsão de inauguração para 2023.

Em um comunicado, a Universal Music explicou que cada hotel será único, com inspirações na cultura local e servirão como espaços criativos, a fim de promover por meio da música, educação, inovação e mudanças sociais. [Veja o projeto do hotel aqui]

“Os hóspedes descobrirão a alma de cada cidade por meio de sua rica herança musical local. Os hotéis UMUSIC estão empenhados em ajudar suas comunidades a prosperar – criando empregos para residentes, apoiando empresas, fornecedores, e dando oportunidades para artistas locais”, afirmou a empresa em um comunicado.

Robert Lavia, presidente da Dakia U-Ventures, revelou nesta semana mais detalhes sobre os hotéis, que irão oferecer aos hóspedes entretenimento envolvendo realidade virtual, realidade aumentada, inteligência artificial e hologramas.

Lavia acrescentou que o novo complexo hoteleiro será mais que um destino turístico, mas um produtor de novos talentos. Seu principal objetivo é impulsionar carreiras de novos artistas e abrigar projetos de incubadoras para apoiar engenheiros, startups digitais, e empreendedores que desejam seguir carreira no mercado musical.

Leia na origem

PROTAGONISTA: TikTok supera Facebook e fica entre os apps mais baixados do mundo

Matéria de Forbes Brasil

Com de 1,65 bilhão de downloads na App Store e na Google Play Store, o TikTok é um dos apps mais baixados do mundo superando os aplicativos de Mark Zuckerberg.

O Tik Tok é o aplicativo do momento sendo o terceiro mais baixado na categoria “não jogos”. O aplicativo foi mais baixado que o Whatsapp e Messenger (Via Forbes Brasil).

Segundo o relatório da Sensor Tower Analytics, o TikTok alcançou a marca de 1,65 bilhão de downloads na App Store e na Google Play Store.

De acordo com matéria publicada na Forbes, este é o surgimento de um novo protagonista, pois além de ser a primeira plataforma chinesa a atingir tal nível de relevância global, também é o único aplicativo que está entre os mais baixados sem pertencer ao conglomerado de Mark Zuckerberg.

A propósito, para não ficar atrás, o Facebook está trazendo alguns recursos parecidos com o aplicativo. Um exemplo é o Cenas do Instagram, que permite a criação e edição de vídeos curtos ao modo do TikTok.

Vale lembrar que a ByteDance, empresa-mãe do TikTok está avaliada em US$75 bilhões pela CB Insights, sendo a startup mais valiosa do mundo.

 

Foto: reprodução

#DicaMCT: Concorra a bolsas para o EAD Música e Negócios Puc-Rio em nosso Instagram! 

 

Leia na origem

Universal Music conquista primeiro lugar na lista das Empresas mais Inovadoras do Mundo

Matéria de Fast Company

Em lista das empresas mais inovadoras da música, Universal Music conquista a primeira posição, saiba porque a gravadora ficou na frente de empresas como Live Nation, Nielsen e Kobalt.

O portal Fast Company publicou uma lista das empresas mais inovadoras no mundo. Na lista, a Universal Music aparece em primeiro lugar no setor da música. Não é a toa.

Em 2018, os maiores hits foram da Universal Music que contou com artistas como Drake e seu álbum Scorpion, como o melhor álbum do ano na Apple Music; Ariana Grande ganhou destaque como artista feminina no Spotify, e Taylor Swift com Reputation, em primeiro lugar dos melhores de fim de ano da Billboard.

Em meio à transformação digital da indústria da música, a Universal está se reinventando. Em seu recente contrato com Taylor Swift, a gravadora prometeu repassar aos artistas sua participação de 4% no Spotify.

A Universal também assinou um novo acordo com a produtora Lionsgate para criar conteúdo de TV construído em torno de seus artistas.

“Eu não vejo a gente competindo com as plataformas, e elas não nos vêem competindo com elas, em parte porque estamos completamente, estrategicamente, emocionalmente e financeiramente unidos”, afirmou Lucian Grainge, presidente e CEO da Universal Music.

De acordo com o Fast Company, no último trimestre, o grupo foi avaliado em mais de US$33 bilhões, com um crescimento de 14% ano a ano.

 

Fast Company 2019: Lista das Empresas mais Inovadoras do Mundo – Música

1 Universal Music Group – Por abraçar a ruptura e dominar os gráficos

2 Sofar Sounds – Por persuadir marcas a comprarem desempenhos

3 Live Nation Entertainment – Por colocar os fãs em primeiro lugar, facilitando a compra de ingressos, upgrades e concessões

4 Kobalt Music – Por aumentar o acesso dos artistas aos lucros

5 Sonos – Por ir além do barulho, com o alto-falante conectado ao melhor som

6 Soundtrack Your Brand – Por matar música de fundo ruim

7 Creat Music Group – Por ajudar artistas como Future, Migos e Post Malone a acompanhar seus ganhos de streaming diariamente.

8 Reverb.com – Por harmonizar a venda de instrumentos

9 Landr Audio – Por masterizar álbuns, vídeos e podcasts com o AI

10 Nielsen – Por dizer aos serviços de streaming o que os ouvintes gostam

Fotos: Fast Company/ Jason Richardson / Alamy Foto Stock (Swift); Príncipe Williams / Wireimage / Getty Images (Drake); Foto de Cheshire Snapper / Alamy (Mendez); Marta Perez / EFE / Alamy Live News (Sr. Eazi); Matt Crossick / imagens do PA / foto conservada em estoque de Alamy (Malone); Foto de Lev Radin / Alamy (o fim de semana); NBC / Getty Images (Musgraves); Kevin Winters / Getty Images para iHeartRadio (Grande)]

Leia na origem

O preço, custo e valor da música digital

Matéria de DownBeat Magazine

Diante de um modelo de streaming pouco sustentável, artistas tem ganhado liberdade com a ajuda de sites como Bandcamp e planos de assinatura fazendo de seus fãs grandes parceiros.

O portal Downbeat trouxe algumas histórias de artistas que perceberam esse novo modelo de distribuição de música pouco sustentável, e descobriram outros meios para divulgar sua música, como o modelo de planos de assinaturas e o site Bandcamp – plataforma para artistas independentes conseguirem divulgar e vender a sua música autonomamente.

William Brittelle viu nesses sites de compartilhamento e planos de assinatura um meio de ajudar outros artistas a serem ouvidos. Brittelle é co-fundador e também um artista da New Amsterdam Records, uma gravadora sem fins lucrativos especializada em trabalhos de compositores e artistas com gêneros musicais diversificados.

“Precisamos tentar ajudar nosso público a entender que o principal ciclo de geração de receita de um projeto precisa ser no período que antecede o lançamento, e não após o lançamento”, disse Brittelle.

Gravadoras independentes como a New Amsterdam estão experimentando algo como um “modelo de clientelismo”, através de serviços de assinatura: US$75 para downloads digitais de novos lançamentos do selo, lançamentos do catálogo anterior, além de gravações exclusivas para assinantes, durante um ano.

“Os custos que nossos artistas incorrem – o custo de produção, o custo de comissão – tudo é adiantado. É aí que eles precisam de ajuda, e não há renda suficiente orientada pelo mestre do outro lado para compensar isso. É aí que entra o patrocínio”, explicou Britelle.

New Amsterdam, como outras marcas iniciantes e muitos músicos criativos, está apostando em um público diferenciado. O trompetista e compositor Dave Douglas também adotou o modelo de assinatura, assim como a plataforma Bandcamp. Douglas fundou a Greenleaf em 2006, após concluir seu contrato com a RCA, durante um período perigoso para a indústria da música.

“Todo mundo dizia: ‘Ah, a indústria está morrendo agora e você acabou de começar sua gravadora'”, lembrou Douglas. “Para mim, parecia mais um momento de oportunidade para artistas.”

Com a Greenleaf lançou, Douglas ajudou outros artistas e também conquistou a liberdade para si. Em dezembro de 2006, a independência (e distribuição online) lhe ofereceu a chance de disponibilizar todos os sets que seu quinteto de longa data tocou durante uma semana no Jazz Standard, mais de 12 horas de música.

“Meu quinteto estava tocando 50 músicas que eu escrevi ao longo dos anos; a maioria tocou apenas uma vez no decorrer da semana. Depois da primeira noite, eu cheguei em casa e fiquei tipo: ‘Eu não acho que posso fazer isso, é uma péssima idéia’, mas eu levantei no dia seguinte e as pessoas ao redor do mundo já começaram a baixá-lo.”, contou Douglas.

São 100 dólares para fazer o streaming ou o download de todas as 79 faixas de Douglas, via Bandcamp. Porém, com o plano de assinaturas de 75 dólares, o fã poderá  fazer o mesmo download, além de mais de 60 lançamentos. Assim, com seu modelo de assinatura, Douglas conquistou mais que fãs: parceiros.

 

Foto: Ingrid Laubrock, instrumentista, aproveitando a liberdade que conquistou com o apoio de seus fãs em seu site.

Leia na origem

Música e negócios: O que Beatles e Rolling Stones podem ensinar sobre a gestão de um negócio

O que os Beatles, REM, Coldplay e Rolling Stones têm em comum? São bandas que inspiram negócios. O portal Época Negócios publicou uma matéria sobre como atitudes de bandas de rock podem inspirar no modelo de gestão de uma empresa.

Segundo uma notícia publicada pelo Época e Negócios, bandas de rock podem nos ensinar muito sobre negócios. Afinal, se olharmos com uma visão mais ampla podemos ver características essenciais  como trabalho em equipe, definição de papéis, criatividade, hierarquia descentralizada…A seguir, como música e negócios se relacionam, um resumo dessas características nas bandas que podem ser adaptadas para o mundo dos negócios.

Amizade: De acordo com o portal, em uma empresa, o bom relacionamento entre os colegas de trabalho é crucial para o sucesso de um negócio. Foi assim que os Beatles, ao longo de 10 anos, alcançaram o sucesso sendo “igualmente líderes em discursos, aparições públicas e na tomada de decisões”.

A amizade pode ser uma grande motivação para continuar projetos e manter a equipe unida.

Amigos e inimigos: Nem tudo são flores, já que misturar amizade e trabalho pode levar a conflitos. Foi o caso da banda Rolling Stones. “Apesar das diferenças, a apresentação como um grupo ainda é a fórmula mágica da banda”, segundo o portal.

Os Rolling Stones, ao contrário dos Beatles, nunca foram ‘amigos inseparáveis’, porém ao longo dos anos souberam manter o equilíbrio de uma carreira duradoura.

Autocracias: Assim como Steve Jobs mantinha o controle de tudo e tomava decisões unilateralmente, há bandas que conseguiram o sucesso mantendo a mesma prática como as bandas Tom Petty & the Heartbreakers e E Street Band.

“Em bandas, há uma estrela que muitas vezes decide ter uma participação mais ativa nos lucros que os demais.[…] Apesar de compreender que há uma hierarquia entre os membros, esse modelo de gestão é eficiente”.

Manter o controle de tudo sem delegar tarefas exige muito conhecimento e esforço.

Democracias: Em bandas como R.E.M o poder de decisão está no coletivo. Com uma gestão democrática, o R.E.M chegou aos 30 anos de carreira. Os membros do Coldplay também adotam esse modelo de gestão compartilhando as receitas em partes iguais.

“O padrão ateniense é arriscado e pouco comum na indústria da música, afinal, a luta de egos é constante e para que essa engrenagem funcione, é necessário que cada integrante tenha um desejo de união em prol do total maior do que o interesse no benefício ,pessoal”, analisou o Época Negócios.

 

Foto: Getty images

Assine a nossa newsletter! O MCT está no instagram: @mct.mus

Leia na origem

©2022 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?