Universal Music conquista primeiro lugar na lista das Empresas mais Inovadoras do Mundo

Matéria de Fast Company

Em lista das empresas mais inovadoras da música, Universal Music conquista a primeira posição, saiba porque a gravadora ficou na frente de empresas como Live Nation, Nielsen e Kobalt.

O portal Fast Company publicou uma lista das empresas mais inovadoras no mundo. Na lista, a Universal Music aparece em primeiro lugar no setor da música. Não é a toa.

Em 2018, os maiores hits foram da Universal Music que contou com artistas como Drake e seu álbum Scorpion, como o melhor álbum do ano na Apple Music; Ariana Grande ganhou destaque como artista feminina no Spotify, e Taylor Swift com Reputation, em primeiro lugar dos melhores de fim de ano da Billboard.

Em meio à transformação digital da indústria da música, a Universal está se reinventando. Em seu recente contrato com Taylor Swift, a gravadora prometeu repassar aos artistas sua participação de 4% no Spotify.

A Universal também assinou um novo acordo com a produtora Lionsgate para criar conteúdo de TV construído em torno de seus artistas.

“Eu não vejo a gente competindo com as plataformas, e elas não nos vêem competindo com elas, em parte porque estamos completamente, estrategicamente, emocionalmente e financeiramente unidos”, afirmou Lucian Grainge, presidente e CEO da Universal Music.

De acordo com o Fast Company, no último trimestre, o grupo foi avaliado em mais de US$33 bilhões, com um crescimento de 14% ano a ano.

 

Fast Company 2019: Lista das Empresas mais Inovadoras do Mundo – Música

1 Universal Music Group – Por abraçar a ruptura e dominar os gráficos

2 Sofar Sounds – Por persuadir marcas a comprarem desempenhos

3 Live Nation Entertainment – Por colocar os fãs em primeiro lugar, facilitando a compra de ingressos, upgrades e concessões

4 Kobalt Music – Por aumentar o acesso dos artistas aos lucros

5 Sonos – Por ir além do barulho, com o alto-falante conectado ao melhor som

6 Soundtrack Your Brand – Por matar música de fundo ruim

7 Creat Music Group – Por ajudar artistas como Future, Migos e Post Malone a acompanhar seus ganhos de streaming diariamente.

8 Reverb.com – Por harmonizar a venda de instrumentos

9 Landr Audio – Por masterizar álbuns, vídeos e podcasts com o AI

10 Nielsen – Por dizer aos serviços de streaming o que os ouvintes gostam

Fotos: Fast Company/ Jason Richardson / Alamy Foto Stock (Swift); Príncipe Williams / Wireimage / Getty Images (Drake); Foto de Cheshire Snapper / Alamy (Mendez); Marta Perez / EFE / Alamy Live News (Sr. Eazi); Matt Crossick / imagens do PA / foto conservada em estoque de Alamy (Malone); Foto de Lev Radin / Alamy (o fim de semana); NBC / Getty Images (Musgraves); Kevin Winters / Getty Images para iHeartRadio (Grande)]

Leia na origem

O preço, custo e valor da música digital

Matéria de DownBeat Magazine

Diante de um modelo de streaming pouco sustentável, artistas tem ganhado liberdade com a ajuda de sites como Bandcamp e planos de assinatura fazendo de seus fãs grandes parceiros.

O portal Downbeat trouxe algumas histórias de artistas que perceberam esse novo modelo de distribuição de música pouco sustentável, e descobriram outros meios para divulgar sua música, como o modelo de planos de assinaturas e o site Bandcamp – plataforma para artistas independentes conseguirem divulgar e vender a sua música autonomamente.

William Brittelle viu nesses sites de compartilhamento e planos de assinatura um meio de ajudar outros artistas a serem ouvidos. Brittelle é co-fundador e também um artista da New Amsterdam Records, uma gravadora sem fins lucrativos especializada em trabalhos de compositores e artistas com gêneros musicais diversificados.

“Precisamos tentar ajudar nosso público a entender que o principal ciclo de geração de receita de um projeto precisa ser no período que antecede o lançamento, e não após o lançamento”, disse Brittelle.

Gravadoras independentes como a New Amsterdam estão experimentando algo como um “modelo de clientelismo”, através de serviços de assinatura: US$75 para downloads digitais de novos lançamentos do selo, lançamentos do catálogo anterior, além de gravações exclusivas para assinantes, durante um ano.

“Os custos que nossos artistas incorrem – o custo de produção, o custo de comissão – tudo é adiantado. É aí que eles precisam de ajuda, e não há renda suficiente orientada pelo mestre do outro lado para compensar isso. É aí que entra o patrocínio”, explicou Britelle.

New Amsterdam, como outras marcas iniciantes e muitos músicos criativos, está apostando em um público diferenciado. O trompetista e compositor Dave Douglas também adotou o modelo de assinatura, assim como a plataforma Bandcamp. Douglas fundou a Greenleaf em 2006, após concluir seu contrato com a RCA, durante um período perigoso para a indústria da música.

“Todo mundo dizia: ‘Ah, a indústria está morrendo agora e você acabou de começar sua gravadora'”, lembrou Douglas. “Para mim, parecia mais um momento de oportunidade para artistas.”

Com a Greenleaf lançou, Douglas ajudou outros artistas e também conquistou a liberdade para si. Em dezembro de 2006, a independência (e distribuição online) lhe ofereceu a chance de disponibilizar todos os sets que seu quinteto de longa data tocou durante uma semana no Jazz Standard, mais de 12 horas de música.

“Meu quinteto estava tocando 50 músicas que eu escrevi ao longo dos anos; a maioria tocou apenas uma vez no decorrer da semana. Depois da primeira noite, eu cheguei em casa e fiquei tipo: ‘Eu não acho que posso fazer isso, é uma péssima idéia’, mas eu levantei no dia seguinte e as pessoas ao redor do mundo já começaram a baixá-lo.”, contou Douglas.

São 100 dólares para fazer o streaming ou o download de todas as 79 faixas de Douglas, via Bandcamp. Porém, com o plano de assinaturas de 75 dólares, o fã poderá  fazer o mesmo download, além de mais de 60 lançamentos. Assim, com seu modelo de assinatura, Douglas conquistou mais que fãs: parceiros.

 

Foto: Ingrid Laubrock, instrumentista, aproveitando a liberdade que conquistou com o apoio de seus fãs em seu site.

Leia na origem

Música e negócios: O que Beatles e Rolling Stones podem ensinar sobre a gestão de um negócio

O que os Beatles, REM, Coldplay e Rolling Stones têm em comum? São bandas que inspiram negócios. O portal Época Negócios publicou uma matéria sobre como atitudes de bandas de rock podem inspirar no modelo de gestão de uma empresa.

Segundo uma notícia publicada pelo Época e Negócios, bandas de rock podem nos ensinar muito sobre negócios. Afinal, se olharmos com uma visão mais ampla podemos ver características essenciais  como trabalho em equipe, definição de papéis, criatividade, hierarquia descentralizada…A seguir, como música e negócios se relacionam, um resumo dessas características nas bandas que podem ser adaptadas para o mundo dos negócios.

Amizade: De acordo com o portal, em uma empresa, o bom relacionamento entre os colegas de trabalho é crucial para o sucesso de um negócio. Foi assim que os Beatles, ao longo de 10 anos, alcançaram o sucesso sendo “igualmente líderes em discursos, aparições públicas e na tomada de decisões”.

A amizade pode ser uma grande motivação para continuar projetos e manter a equipe unida.

Amigos e inimigos: Nem tudo são flores, já que misturar amizade e trabalho pode levar a conflitos. Foi o caso da banda Rolling Stones. “Apesar das diferenças, a apresentação como um grupo ainda é a fórmula mágica da banda”, segundo o portal.

Os Rolling Stones, ao contrário dos Beatles, nunca foram ‘amigos inseparáveis’, porém ao longo dos anos souberam manter o equilíbrio de uma carreira duradoura.

Autocracias: Assim como Steve Jobs mantinha o controle de tudo e tomava decisões unilateralmente, há bandas que conseguiram o sucesso mantendo a mesma prática como as bandas Tom Petty & the Heartbreakers e E Street Band.

“Em bandas, há uma estrela que muitas vezes decide ter uma participação mais ativa nos lucros que os demais.[…] Apesar de compreender que há uma hierarquia entre os membros, esse modelo de gestão é eficiente”.

Manter o controle de tudo sem delegar tarefas exige muito conhecimento e esforço.

Democracias: Em bandas como R.E.M o poder de decisão está no coletivo. Com uma gestão democrática, o R.E.M chegou aos 30 anos de carreira. Os membros do Coldplay também adotam esse modelo de gestão compartilhando as receitas em partes iguais.

“O padrão ateniense é arriscado e pouco comum na indústria da música, afinal, a luta de egos é constante e para que essa engrenagem funcione, é necessário que cada integrante tenha um desejo de união em prol do total maior do que o interesse no benefício ,pessoal”, analisou o Época Negócios.

 

Foto: Getty images

Assine a nossa newsletter! O MCT está no instagram: @mct.mus

Leia na origem

Em evento de gestão, Anitta dá lições para o seu negócio

Matéria de EXAME

Nos tempos atuais, é preciso mais do que saber cantar e compor para ser um artista de sucesso. Anitta sabe disso e tem dado um show com relação a sua carreira, se tornando uma inspiração para muitos artistas. Tanto que nessa semana foi convidada para um evento de negócios para falar de empreendedorismo e gestão de pessoas! Saiba o que a cantora compartilhou aos participantes do evento.

Estamos acompanhando tudo o que a cantora Anitta tem feito em sua carreira, afinal ela se tornou um fenômeno provando que é muito mais do que uma cantora de funk e mesmo tão nova conseguiu bastante experiência por tomar a frente de seus negócios. Desta vez, a cantora foi convidada para participar do Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas (Conarh), em São Paulo, e contar um pouco sobre sua experiência como administradora de sua carreira e gestora de sua equipe.

Para uma sala com mais de duas mil pessoas, Anitta revelou que é a líder de sua equipe e toma decisões sobre tudo, desde a turnê de shows, negociação de cachês de propagandas a parcerias e orçamentos de projetos. A cantora também possui um negócio com seu irmão, a produtora artística Rodamoinho Produtora.

No evento, Anitta revelou que é importante para um empreendedor entender seus funcionários. Ela conta com uma equipe de 50 pessoas com perfil e ritmos diferentes de trabalho. “É bem mais fácil ser cantora do que gestora de pessoas. Fui aprender há pouco tempo a ter tato com as pessoas. Antes eu não conseguia enxergar que os outros não tinham a mesma cabeça que eu, que cada um tem uma particularidade, um contexto. Tem gente que entende e aprende rápido, mas têm pessoas que demoram mais. Hoje eu posso dizer que minha equipe é uma família.”, contou a cantora.

Diferente da maioria das empresas, a cantora disse que não define planos de carreira a seus funcionários: “Eu não mostro os passos que eles podem seguir porque assim consigo ver realmente o perfil de cada um, a disponibilidade e entrega de cada um. Também gosto de contratar e promover pessoas que tenham uma personalidade alinhada com o que eu preciso, ou seja, ser uma pessoa boa de jogo, fácil de se comunicar, destinada e determinada. Eu sou muito determinada e meus funcionários também precisam ser. Eu não dou perspectiva, mas falo que podem virar meu sócios se quiserem, só vai depender deles mesmo. E ofereço cursos também para eles se aperfeiçoarem sempre. Educação para mim é fundamental.”

A cantora também revelou pontos importantes que influenciaram seu sucesso. Para ela a criatividade sempre está ao seu lado para inovar principalmente no lançamento de suas músicas. Ela disse que sempre busca fazer planejamento, estar atenta às finanças e ao mercado. Além disso, a cantora afirmou que capacitação sempre é necessária, ela se aperfeiçoou em outras línguas para se comunicar melhor com seu novo mercado internacional.

Leia na origem

Building the Business Case for Chatbots

Matéria de Chatbots Magazine

Analistas do Gartner afirmam que até 2020, uma pessoa terá mais conversas com bots do que com seu cônjuge! Se essas previsões são forem verdade, agora seria o momento ideal para as empresas aproveitarem os chatbots para alavancar seus negócios. Entenda de vez, nesse artigo, detalhes sobre a nova tecnologia!

Desde que plataformas de mensagens como Slack, Telegram e Facebook Messenger foram abertas a bate-papos com terceiros, vimos um enorme número de bots surgindo nas indústrias. Grandes marcas de consumo foram rápidas investindo na oportunidade de atender seus clientes em aplicativos de bate-papo.

De acordo com um levantamento recente de usuários existentes do Facebook Messenger, mais da metade dos clientes disseram que eles estão mais propensos a comprar com uma empresa através de um aplicativo de bate-papo. Para obter uma imagem mais clara do incrível potencial de chatbots, 2,5 bilhões de pessoas têm pelo menos um aplicativo de mensagens instalado.

No artigo, conheça as oportunidades que a nova tecnologia trará para empresas que desejam manter um relacionamento de qualidade com seus clientes e stakeholders, e por que não um fã de música?

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?