FACEBOOK E INSTAGRAM LIBERAM FUNÇÃO DE MÚSICA NO BRASIL

Já atualizou o seu Facebook/Instagram para aproveitar os novos recursos de música?

O Facebook e o Instagram anunciaram que seus usuários no Brasil agora podem adicionar música aos Stories.

Segundo o Music Business Worldwide, a notícia foi anunciada em um post no blog Instagram Brasil, pelo líder do Facebook LATAM Music Publishing Business, Álvaro de Torres. Ele afirmou que o novo recurso nas redes sociais é o resultado de vários acordos de licenciamento globais e locais, o que possibilitou a criação de “um vasto catálogo de milhões de músicas nacionais e internacionais” nas plataformas.

Também lançado no país o Lip Sync Live, um novo recurso que permite ao usuário executar e dublar músicas no Facebook.

“Temos trabalhado com a comunidade musical em todo o mundo para levar música para o Instagram e Facebook, e além das licenças disponíveis de gravadoras internacionais, fizemos uma parceria com marcas locais, editores de música e colecionadores para garantir que as músicas que as pessoas mais amam no Brasil agora possam ser adicionadas às suas fotos e vídeos, através de um vasto catálogo de milhões de músicas nacionais e internacionais.”, afirmou Álvaro de Torres no blog.

Não deixe de conferir o sorteio que está rolando do livro “Mapa Sound System Brasil – Vol.1” em nosso Instagram! O sorteio será neste sábado (29/06). Para concorrer clique AQUI.

Leia na origem

BM&A E FESTIVAL COMA PROCURAM BANDA COM POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO

Matéria de BM&A

Festival CoMA e BM&A realizam parceria para selecionar bandas brasileiras associadas que possuem potencial para o desenvolvimento de carreira internacional. As bandas selecionadas pela equipe de curadores, participarão do festival e receberão um cachê R$2 mil, com todas as despesas pagas. Saiba como fazer a inscrição.

A Brasil, Música & Artes (BM&A), em parceria com o Festival CoMA – Convenção de Música e Arte – está selecionando bandas brasileiras associadas que possuem potencial para o desenvolvimento de carreira internacional.

Segundo o BM&A, as bandas selecionadas pela equipe de curadores, participarão do Festival CoMA e receberão um cachê R$2 mil com todas as despesas pagas.

O Festival CoMA será realizado entre os dias 2 a 4 de agosto, no complexo da Funarte, Planetário e Clube de Choro, em Brasília. Além de shows, haverá uma conferência com palestras e debates sobre o mercado da música. Já subiram no palco do festival nomes como  Elza Soares, Emicida, Lenine, Flora Matos, Chico César, Scalene, Supercombo, Far From Alaska, Àttøøxxá, Francisco El Hombre, Rico Dalasan e Clarice Falcão.

As inscrições para o projeto podem ser feitas até o dia 26 de maio e o resultado da seleção sairá no dia 7 de junho. Pra maiores informações clique AQUI.

“A colaboração com o CoMA estreia uma iniciativa pioneira, que deve se estender para outros festivais. Desta forma, conseguimos divulgar não apenas as bandas e artistas, mas também os próprios eventos para formadores de opinião de diversos países”, disse o gerente do BME, Leandro Ribeiro.

Quer conhecer mais sobre a BM&A? Clique AQUI.

Foto – BM&A.

Leia na origem

Women’s Music Event quer ser um festival de música com line up 100% feminino

Matéria de @meioemensagem

A partir de hoje começa o Women’s Music Event, uma conferência dedicada a mostrar o papel das mulheres dentro da indústria musical. As organizadoras Claudia Assef e Monique Dardenne contaram quais as novidades deste ano e falaram sobre a possibilidade de haver um festival com line up 100% feminino.

De 22 a 23 de março acontece em São Paulo o Women’s Music Event, uma conferência dedicada a mostrar o papel das mulheres dentro da indústria musical. Segundo o portal Meio & Mensagem, nesse ano o evento traz 17 shows, 15 painéis, oito workshops, shows nas ruas e vários projetos.

Um deles é o Pitch dos Estados, no qual  produtoras culturais de seis estados brasileiros realizam uma imersão pela cena musical de suas regiões. Além disso, haverá o painel Discografia WME. Com o apoio do Spotify, as artistas Karol Conka, Julia Branco, Luiza Lian e Maria Rita Stumpf contarão como foram os processos de produção, parcerias e ações de marketing de seus recentes álbuns.

Duranteo , há também a premiação Women’s Music Event Awards para homenagear as mulheres da indústria.

A jornalista Claudia Assef e a produtora Monique Dardenne, fundadoras do Women’s Music Event, contaram ao portal que estão planejando a realização de um festival com line up formado 100% por mulheres. Por enquanto, a dupla está em fase de busca por parceiros comerciais. O festival está previsto para 2020.

“Ainda estamos no planejamento. É nossa ambição e maior desafio. Ainda não existe um festival no mundo com grande relevância com esse recorte”, contou Monique.

Em 2018, haverá uma grande novidade para as profissionais da indústria. Um novo aplicativo será lançado para que mulheres possam cadastrar seus currículos, facilitando o contato com empresas.

“O WME é nosso sonho de mudança e estamos sentindo essas mudanças. Mas o projeto não é uma coisa só minha e da Cláudia. Há um interesse maior das mulheres de se profissionalizar e se sentir à vontade nos ambientes. Temos feito campanhas para festivais colocarem mulheres na parte técnica. A conferência já está sendo considerada um evento de negócios. Você não vai para lá só para falar com a mulher do lado, mas para se profissionalizar”, contou Monique em entrevista para o Meio & Mensagem.

 

 

Foto: Claudia Assef e Monique Dardenne (Crédito: Divulgação/WME)

Leia na origem

MySpace perdeu mais de 10 anos de dados, incluindo música de seus usuários

Matéria de G1

O MySpace voltou para avisar que conseguiu perder 12 anos de dados de seus usuários.

A rede social MySpace anunciou que perdeu o equivalente a 12 anos de dados de seus usuários, incluindo contas e músicas.

“Como resultado de um projeto de migração de servidores, quaisquer fotos, vídeos e arquivos de áudio enviados há mais de três anos podem não estar mais disponíveis no MySpace. Pedimos desculpas pelo inconveniente”, afirmou a companhia em um comunicado divulgado.

De acordo com o G1, foram perdidos os dados  de 2003, quando a empresa foi fundada, a 2015, algo em torno de aproximadamente 50 milhões de músicas de 14 milhões de contas.

O MySpace tem grande importância no mundo da música por ter lançado vários artistas. Em 2006, era site mais popular dos Estados Unidos. Com a chegada das novas redes sociais como o Facebook, o portal ficou para trás, até que foi vendido para a Specific Media por apenas US$35 milhões.

 

Foto: BBC

Leia na origem

Estudo no Brasil explica os efeitos da música no cérebro

Matéria de Nexo Jornal

No Brasil, projeto estuda os efeitos da música no cérebro para ajudar no tratamento de limitações cognitivas, motoras e sociais em pessoas com dislexia ou autismo. O estudo também revelou porque ficamos tristes ou alegres ao ouvir uma canção.

O portal Nexo entrevistou a pesquisadora Patrícia Vanzella­­­. Ela é coordenadora de um projeto que estuda os efeitos da música no cérebro.

Apesar de já existirem estudos relacionados aos efeitos da música no cérebro no exterior, aqui no Brasil é a primeira vez que há um aprofundamento na área.

“É um pouco como estudar como o ser humano evoluiu e como ele funciona”, disse Vanzella ao portal.  A pesquisadora que  coordena o projeto Neurociência e Música da UFABC (Universidade Federal do ABC), explica que a música é uma base para a pesquisa de processos neurológicos, afinal “ela envolve uma série de funções mentais que a gente usa em outros domínios, como memória, atenção, planejamento motor e sincronização”, explica.

Segundo Vanzella, o projeto fundando em 2015, faz parte do Núcleo Interdisciplinar de Neurociência Aplicada da UFABC. É o único do gênero no país, e desenvolve também várias atividades de ensino, pesquisa e extensão.

“A música  é uma coisa que a gente costuma pensar do ponto de vista das ciências humanas, como produto cultural. Mas o impulso de fazer música é universal, caracteriza o ser humano assim como a linguagem, o falar.”, cita a coordenadora do projeto.

Segundo o Nexo, o estudo os efeitos da música no cérebro tem sido usado para fins terapêuticos, reabilitação neurológica de certos casos de demência e doença de Parkinson. Além de auxiliar no tratamento de limitações cognitivas, motoras e sociais em crianças com dislexia ou autismo.

“A música facilita a comunicação em pacientes com transtorno do espectro autista, a música também diminui ansiedade, pois diminui o nível de cortisol [hormônio do stress], pode ajudar na recuperação de funções cognitivas e motoras em pacientes que tenham tido AVC. Tem terapias baseadas na estimulação musical, como uma chamada melodic intonation therapy. Quando há uma área danificada no cérebro, por um processo de neuroplasticidade outra área pode eventualmente assumir a função que foi prejudicada pelo AVC, por exemplo”, explicou Vanzella.

Além de descobrir como a música pode auxiliar em tratamentos terapêuticos, o estudo também revelou porque ficamos felizes ou tristes ao ouvir uma canção:

“Alguns aspectos acústicos parecem ser universais. Outros são nitidamente culturais, de acordo com a música que você escuta. Por exemplo, algo que você ouve desde pequeno você vai associar com uma determinada emoção. Entre os aspectos acústicos comuns estão o andamento da música: mais rápido, em geral, passa uma sensação de música alegre, ou mais triste quando o andamento é mais lento. Intensidade é outro aspecto: quando a música é mais forte, mais agitada, ela é percebida como alegre. Entre diferentes aspectos culturais, por exemplo, há os modos maior e menor [sistema de classificação de escalas musicais]. A gente associa normalmente o modo maior com música alegre e o menor com música triste”, revelou a pesquisadora.

 

Foto: MARKO JURICA/REUTERS

Leia na origem

Por que cidades como Nashville têm um cenário musical tão forte?

Matéria de Forbes Brasil

Nesta semana a Forbes publicou em seu portal um artigo sobre algumas cidades que ficaram famosas pela música, como Seattle e Nashville. Veja como essas cidades souberam aproveitar grandes movimentos da música local para crescer e se desenvolver.

Não há duvidas que Seattle e Nashville são cidades em que a música possui grande influência. Os motivos que tornaram essas cidades famosas na música é o que mais chama a atenção.

Segundo a Forbes, o posicionamento de marca dessas cidades é único. Tanto governantes, quanto a própria população souberam aproveitar de forma estratégica e inteligente as oportunidades vindas da música.

No caso de Nashville, a marca ‘Music City’ está sempre por toda a cidade, desde itens como palhetas de guitarras a eventos para as pessoas realmente possam compreender a marca.

“Eles pensaram sobre como a marca poderia desde quando tocada naquelas caixas eletrônicas e feias nos cantos da cidade até em uma noite de Ano Novo ou durante os fogos no Dia da Independência”, explicou a Forbes.

Em Seattle, foi criado o Office of Film and Music e há várias ações que sempre colocam a música à frente como marca da cidade. Quem visita Seattle pode esperar por apresentações com repertório de artistas da região, todos os dias ao vivo, em vários locais dentro do aeroporto; vídeos informativos  sobre a música e a história de Seattle; além de exposições de arte temáticas, com curadoria do EMP Museum.

Todas essas ações em torno da música causam uma experiência única para quem visita essas cidades e por isso, hoje elas são consideradas grandes pólos da música no mundo.

 

Foto: Forbes

Leia na origem

Música e negócios: O que Beatles e Rolling Stones podem ensinar sobre a gestão de um negócio

O que os Beatles, REM, Coldplay e Rolling Stones têm em comum? São bandas que inspiram negócios. O portal Época Negócios publicou uma matéria sobre como atitudes de bandas de rock podem inspirar no modelo de gestão de uma empresa.

Segundo uma notícia publicada pelo Época e Negócios, bandas de rock podem nos ensinar muito sobre negócios. Afinal, se olharmos com uma visão mais ampla podemos ver características essenciais  como trabalho em equipe, definição de papéis, criatividade, hierarquia descentralizada…A seguir, como música e negócios se relacionam, um resumo dessas características nas bandas que podem ser adaptadas para o mundo dos negócios.

Amizade: De acordo com o portal, em uma empresa, o bom relacionamento entre os colegas de trabalho é crucial para o sucesso de um negócio. Foi assim que os Beatles, ao longo de 10 anos, alcançaram o sucesso sendo “igualmente líderes em discursos, aparições públicas e na tomada de decisões”.

A amizade pode ser uma grande motivação para continuar projetos e manter a equipe unida.

Amigos e inimigos: Nem tudo são flores, já que misturar amizade e trabalho pode levar a conflitos. Foi o caso da banda Rolling Stones. “Apesar das diferenças, a apresentação como um grupo ainda é a fórmula mágica da banda”, segundo o portal.

Os Rolling Stones, ao contrário dos Beatles, nunca foram ‘amigos inseparáveis’, porém ao longo dos anos souberam manter o equilíbrio de uma carreira duradoura.

Autocracias: Assim como Steve Jobs mantinha o controle de tudo e tomava decisões unilateralmente, há bandas que conseguiram o sucesso mantendo a mesma prática como as bandas Tom Petty & the Heartbreakers e E Street Band.

“Em bandas, há uma estrela que muitas vezes decide ter uma participação mais ativa nos lucros que os demais.[…] Apesar de compreender que há uma hierarquia entre os membros, esse modelo de gestão é eficiente”.

Manter o controle de tudo sem delegar tarefas exige muito conhecimento e esforço.

Democracias: Em bandas como R.E.M o poder de decisão está no coletivo. Com uma gestão democrática, o R.E.M chegou aos 30 anos de carreira. Os membros do Coldplay também adotam esse modelo de gestão compartilhando as receitas em partes iguais.

“O padrão ateniense é arriscado e pouco comum na indústria da música, afinal, a luta de egos é constante e para que essa engrenagem funcione, é necessário que cada integrante tenha um desejo de união em prol do total maior do que o interesse no benefício ,pessoal”, analisou o Época Negócios.

 

Foto: Getty images

Assine a nossa newsletter! O MCT está no instagram: @mct.mus

Leia na origem

Pesquisa revela que ir a shows ajuda a aumentar expectativa de vida em quase uma década

Matéria de O Globo

Estudo afirma que ir a um show de música ao vivo aumenta a expectativa de vida em quase uma década.

Uma pesquisa realizada no Reino Unido chegou a conclusão de que ir a shows ao vivo faz muito bem a saúde. Se uma pessoa for a um show a cada 15 dias ela pode aumentar sua expectativa de vida em quase uma década.

Para chegar aos resultados, foram realizados testes psicotécnicos e de frequência cardíaca em pessoas voluntárias. Foram avaliados os resultados em atividades como ioga, passear com cachorro ir a um show.

Os resultados dos testes foram positivos. Pessoas que foram em shows musicais tiveram a autoestima aumentada em 25% e tiveram um aumento de 75% no estimulo mental.

O estudo também concluiu que “ficar 20 minutos em um show já é o suficiente para poder aumentar sua sensação de bem-estar em até 21%”.

Leia na origem

Change Is Afoot In Music Video

As últimas notícias sobre o Youtube, Facebook e Vevo indicam um realinhamento de suas estratégias. Apostando em conteúdos de vídeos, as decisões tomadas por essas empresas de tecnologia terão grande impacto do mercado.

De um lado, o YouTube está unido suas equipes do “YouTube Music” e “Google Play Music”. De outro lado, a Vevo adia o lançamento do seu serviço por assinaturas para uma priorização de sua expansão global. Enquanto isso há boatos de uma parceria entre a Vevo e Facebook. Essas decisões terão grande impacto para o mercado.

O texto mostra que conteúdos de vídeo podem ter mais força que o streaming de música e por isso, Youtube, Facebook e Vevo estão realinhando suas estratégias, apostando cada vez mais nesse recurso.

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?