Usuários podem buscar músicas no Google apenas com um murmúrio

Matéria de B9

Nova atualização do Google permite que você apenas murmure uma melodia para encontrar aquela canção que não sai da cabeça! E não precisa nem estar afinado!

Procurar músicas no Google ficou ainda mais fácil. Isto porque, com a nova atualização da plataforma, basta murmurar um trechinho para encontrar aquela música que está na sua cabeça o tempo todo, mas você não sabe o nome!

Segundo o B9, o novo recurso batizado de “Hum to search” é capaz de identificar qualquer música, mesmo que a pessoa seja desafinada. É só clicar em “procure uma canção” ou pedir ao app “Qual é a canção?” e murmurar o trecho da música.

Para fazer o recurso funcionar, uma série de músicas foram digitalizadas em diversas faixas de instrumentos e vozes. Assim, para encontrar as músicas, foi usada uma espécie de machine learning capaz de “transformar o áudio em uma sequência numérica que represente a melodia da canção”. Além disso, diversas fontes como as gravações oficiais, canto, assobio e até murmúrio humano foram usados para criar uma base de dados eficiente para o usuário.

O recurso está disponível no Google Assistente e no aplicativo do Google para iOS e Android.

Foto:reprodução

Leia na origem

Após denúncia, Spotify, Apple Music e YouTube removem músicas que reproduziam discurso de ódio

Matéria de B9

Uma denúncia da BBC alertou que vários grupos, que reproduziam letras racistas, nazistas e homofóbicas, estavam camuflando nomes de músicas para não serem pegos pelo algoritmo das plataformas de streaming.

Após uma denúncia da BBC, Spotify, Apple Music, Deezer e Youtube resolveram remover dos seus catálogos, músicas e bandas que reproduziam discurso de ódio.

Segundo o B9, a BBC identificou pelo menos 30 bandas nas plataformas de streaming que reproduziam músicas com letras homofóbicas e racistas. Haviam até playlists de gênero ligadas ao nazismo.

É difícil quantificar a escala do problema. No entanto, a investigação da BBC encontrou facilmente pelo menos 20 canções com este tipo de conteúdo. Não foram revelados os nomes das bandas para não ajudar as pessoas a procurarem esse conteúdo odioso.

O que a BBC identificou:

– Músicas que glorificam as “nações arianas” (a filosofia racial nazista ensinava que os arianos eram a raça dominante);

– Bandas usando repetidamente estereótipos e linguagem anti-semitas, até celebrando o Holocausto;

– Playlists com curadoria pública no Spotify sob o título NSBM (National Socialist Black Metal), um gênero ligado ao nazismo;

– Mais de 30 grupos associados a organizações classificadas como grupos de ódio por grupos de direitos civis;

Para conseguir inserir esse tipo de músicas nas plataformas de streaming, muitas vezes os nomes dessas faixas eram alterados. Assim os algoritmos não conseguiam identificar esse conteúdo com discurso de ódio.

Em um mundo onde há 50 milhões de faixas no catálogo do Spotify, sendo que milhões destas não são ouvidas, as portas para este tipo de prática ficam abertas.

Rapidamente as plataformas começaram a se posicionar. Todas alegaram que não pactuam com esta prática de ódio, que vão contra suas diretrizes.

 

Foto: Reprodução

Leia na origem

Curso online – Música, Copyright e Tecnologia: “Gestão de Direitos na Música e a conexão com Audiovisual e Games Tecnologia, Inovação e Propriedade Intelectual”

Matéria de Hotmart

Agora o Música, Copyright e Tecnologia ganhou o seu próprio curso, com um time só de feras para você estar preparado para o mercado musical.

Olá! Nós somos o Música, Copyright e Tecnologia, sua fonte diária de notícias sobre o mercado musical. Estamos muito felizes em anunciar que à convite do Música & Negócios Puc-Rio, agora podemos compartilhar nossos conhecimentos também através do nosso próprio curso.

O Curso Música, Copyright e Tecnologia – “Gestão de Direitos na Música e a conexão com Audiovisual e Games Tecnologia, Inovação e Propriedade Intelectual”, já está com as matrículas abertas para a turma de FEVEREIRO DE 2021. Nossos encontros acontecerão ao vivo, com professores convidados escolhidos a dedo pela nossa fundadora Guta Braga.

São profissionais entre advogados, executivos, pesquisadores, artistas e produtores musicais para discutir e ensinar os principais temas sobre Direito Autoral.

Juntos, vamos emergir em diversos assuntos na busca de aprender, debater e entender mais sobre este tema tão amplo, e até muitas vezes polêmico!

Afinal, este é o principal objetivo do MCT, fornecer informação de qualidade sobre o mercado musical, para criar um maior diálogo entre gravadoras, selos e artistas.

Será um curso essencial para todos que trabalham no mercado musical, já que este não é um curso exclusivamente para advogados. Mas sim, para quem está interessado em conhecer mais sobre esse lado da indústria tão complexo.

Descubra quais são as melhores práticas para negociar contratos entre gravadoras e artistas, entenda como funciona o pagamento de royalties nos serviços de streaming, e muito mais!

Estamos ansiosos para nos unir a você e ouvir cada um dos especialistas e convidados incríveis! Então, aproveite e garanta sua vaga! Vem com a gente e participe deste curso tão necessário para o mercado da música no Brasil.

 

FAÇA SUA MATRÍCULA AQUI!

 

 

FIQUE LIGADO EM TODOS OS DETALHES SOBRE O CURSO

 

DATAS

Quando: FEVEREIRO 2021 (em breve atualização)

Total de horas/aula: 32 horas

Cronograma: Encontros às segundas e quartas, em breve atualizaremos as datas

Horário: das 19h às 21h30 e alguns encontros das 19h às 22h

Formato: conteúdo EAD na plataforma Hotmart e webinários pelo Zoom

 

CRONOGRAMA

  • Introdução ao Direito Autoral
  • Histórico sobre execução pública no Brasil desde a criação
  • Modelos de Contratos de Propriedade Intelectual
  • Contratos com gravadoras, contratos de licenciamento, cessão e distribuição, remuneração, royalty share x percentual sobre o líquido
  • Gestão de Direitos e Execução Pública: ECAD e Sociedades Coletivas
  • Direitos Autorais e o sample na música
  • Clearance na música e no entretenimento: estudo de casos
  • Direito Autoral na Publicidade
  • Direitos de Sincronização no Audiovisual
  • Reflexões sobre o Direito Autoral
  • Música e Games: a Evolução do Live Streaming
  • Inteligência Artificial e Direitos Autorais: desafios de uma nova era
  • Uma visão geral sobre a gestão coletiva no mundo
  • Backoffice: Direitos no Ambiente Digital
  • Modelos de Gestão

 

METODOLOGIA

Aulas e webinários online pelo Zoom, com acesso às gravações das aulas na plataforma Hotmart, pelo prazo de duração do curso e mais 60 dias de acesso após a conclusão. Ao final, haverá a aplicação de teste de conhecimentos no formato “QUIZ” sobre o conteúdo apresentado. Indicação de referências bibliográficas e links.

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM:

Oferecer conhecimento teórico e prático sobre o Direito Autoral na Música e suas aplicações no audiovisual, publicidade, games e outras áreas. Permitir aos alunos ter acesso à visão estratégica que permita conhecer novos negócios e aplicações. Apresentação de aspectos históricos, aspectos legais e casos reais.

PÚBLICO-ALVO

Advogados, estudantes de Direito, administradores, profissionais da indústria da música, audiovisual, games, profissionais e pesquisadores da comunicação e do entretenimento em geral; Músicos, compositores, empresários, produtores musicais, produtores artísticos, e outros profissionais que atuam ou desejam atuar no mercado fonográfico e na indústria da música.

CERTIFICADO
O certificado será emitido pelo Instituto Gênesis da PUC-Rio. É exigido o acesso a pelo menos 75% do conteúdo disponível (ao vivo ou gravações).

 

QUEM IRÁ NOS ENSINAR NO MÚSICA, COPYRIGHT E TECNOLOGIA?

 

O corpo docente é composto por mais de 20 especialistas em direito, gestão, contratos, entre eles advogados, executivos do entretenimento, produtores musicais e artistas, além de pesquisadores do campo da Comunicação, das Artes e do Direito, todos com atuação na indústria da música, audiovisual, games, na propriedade intelectual e no entretenimento, oferecendo um conhecimento acadêmico e aplicações práticas no mercado.

 

Idealização e Coordenação Geral: Guta Braga

Formada em Comunicação Social e Direito, Pós graduada em Marketing. Atua há mais de 20 anos no mercado da música. Atualmente presta consultoria para as empresas Backoffice, MusixMatch e Laboratório Fantasma, além de colaborar com artistas sobre diferentes assuntos na área autoral.Criou, em 2012, grupo no Facebook, MÚSICA COPYRIGHT E TECNOLOGIA, com informações sobre o mercado. Co-criadora do podcast FastForward, também focado em assuntos do mercado da música.

 

 

 

 

Allan Rocha de Souza

Professor, Pesquisador, Advogado e Consultor Jurídico em Direitos Autorais, Culturais e da Informação; Dados Pessoais; Tecnologia e Inteligência Artificial. Professor, Pesquisador, Advogado.Professor da UFRRJ.

 

 

 

 

 

Attilio Gorini

Sócio no escritório Dannemann Siemen. Advogado, concentrou sua carreira no processo de marca perante o Escritório Brasileiro de Patentes e Marcas e também litígios de marca e concorrência desleal perante os tribunais federais e estaduais.

 

 

 

 

 

Daniel Pitanga 

Daniel Pitanga é advogado especializado em Mídia, Internet e Propriedade Intelectual. Mestre em Information Technology andTelecommunications Law pela Universityof Southampton/UK e Pós-graduado em Direito da Propriedade Intelectual pela PUC/RJ, atualmente é Chair do Comitê de Mídia e Entretenimento Interativos da International Technology Law Association (ITechLaw) e Presidente da Comissão de Estudos e Combate à Pirataria da OAB-RJ

 

 

 

Elisa Eisenlohr

Profissional com quase 20 anos de experiência na indústria musical, com atuação no licenciamento, royalties, gestão internacional e marketing. Hoje é responsável pelo departamento de Comunicação da União Brasileira de Compositores, pela Revista UBC e é vice-chair do Communications Experts Group da Cisac (Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores). Formada em Administração Internacional pela Coppead e MBA em gestão de projetos culturais pela UCAM. Em 2019 foi professora convidada pelo MBA em Music Business na Universidade de Berklee (Valencia).

 

 

 

Fernanda Guttman

Advogada com mais de 15 anos de experiência na indústria do entretenimento, especialmente na área da música. Atuou a frente do departamento jurídico da Warner Music Brasil no período de transição dos formatos físicos para novos modelos de negócio de consumo de música. Concluiu LL.M. pela Universidade da Califórnia, Berkeley onde aprofundou seu conhecimento nas relações do direito com a cultura de inovação e seus impactos na sociedade.

 

 

 

Flávia Cesar

Bacharel em Letras pela Uerj em 1998, atualmente cursando pós graduação em marketing,  começou a trabalhar na Warner Chappell, em 2000 como Assistente de copyright. Em 2007 viveu em Londres por 6 meses para aperfeiçoamento dos conhecimentos na área de direito autoral e línguas.

Em 2008, retornou a Warner Chappell e desde lá vem desenvolvendo vários projetos na área de Licenciamento Autoral e novos negócios na editora.

Atualmente trabalha como  Gerente Estratégico, Comercial, Filmes e Sincronização,  lidando diretamente com gravadoras, produtores de cinema ,agências de publicidade e marcas, além de ser atuante junto ao time de A&R da empresa  na captação de grandes nomes de autores  como Emicida, Tulipa Ruiz, Diogo Nogueira e Jorge Benjor.

Gloria Braga

Gloria Braga é advogada, formada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, e pós-graduada em Gestão de Empresas pela PUC-RJ. É especializada em Direito Autoral, tendo sido conselheira do Conselho Nacional de Direito Autoral – CNDA, do Ministério da Cultura, e Superintendente Executiva do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição – ECAD.  Durante anos foi professora de graduação em Direito Autoral, da UniverCidade, e do MBA em Propriedade Intelectual da Escola Superior de Advocacia – ESA da OAB-RJ. É membro das Comissões de Direito Autoral da OAB/RJ, do IAB e do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Atualmente, é consultora sênior de projeto da OMPI – Organização Mundial da Propriedade Intelectual para o aprimoramento da gestão coletiva em países em desenvolvimento na África e Ásia.

 

Gustavo Gonzalez

Advogado, pós graduado pela FGV- RJ. É o atual Diretor de Relações Internacionais e Bussiness Affairs da Abramus. Trabalha com direitos autorais há 20 anos e com gestão coletiva de música há 15. Especialista em música no ambiente digital e com larga experiência na área internacional, foi Vice Presidente do Comitê Técnico de Distribuição e Negócios da Confederação Internacional de Direitos de Autor (CISAC). Atualmente, ocupa a posição de presidente do SPF (Society Publisher Forum), representando as sociedades CISAC e é membro do BTC Sub Co, também da CISAC.

 

 

 

Letícia Provedel

Graduada em Direito na PUC/RJ, possui LFM Course em Harvard, Boston, Pós Graduada em direito da tecnologia pela FGV/RJ e possui Mestrado em Direito pela Universidade Candido Mendes/RJ. Atualmente representa diversos artistas e empresários em negociações e disputas judiciais e extrajudiciais com gravadoras e agregadoras digitais.

 

 

 

 

Luca Schirru

Advogado especializado em Direito da Propriedade Intelectual pela PUC-Rio e integrante do escritório Baril Advogados. Doutor e Mestre em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (área de concentração: Inovação, Propriedade Intelectual e Desenvolvimento) pela UFRJ (PPED/IE). Pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Direitos Fundamentais, Relações Privadas e Políticas Públicas (NUREP) e do INCT Proprietas. Professor Assistente na Universidade Positivo. Professor convidado do curso de Pós-Graduação em Direito da Propriedade Intelectual da PUC-Rio. Foi membro do Grupo de Pesquisa “Inteligência Artificial e Inclusão” do ITS-Rio e do GEDAI/UFPR.

 

 

Lucas Zew

Há 5 anos é o responsável das equipes do matching e do tracking do Backoffice Music Services na América Latina, tanto para sociedades autorais como para editoras majors e independentes. Especializado na plataforma de gerenciamento de conteúdo musical do YouTube. A BackOffice Music Services fornece serviços de terceirização para tarefas operacionais para a indústria da música no entorno digital em mais de 70 países.

 

 

 

Luciana Brito

Experiência na indústria musical desde 1995. Colaboradora na Warner Music Brasil desde 2007 como Supervisora do departamento de Royalty, Execução Pública e Labelcopy e, atualmente, desde 2015, como Gerente Jurídica.

Desde 2016, colaborando com o CEPED (UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro) no curso de extensão “Direito do Entretenimento”, atuando como palestrante nos temas de Royalty, Clearance, Edição e Gravação Musical.

 

 

 

Luiz Felipe Soares

É advogado formado pela Universidade Cândido Mendes-Centro/RJ.Exerce a advocacia como profissional liberal desde 2002, com atuação especializada em Propriedade Intelectual.

Sócio fundador do Escritório Soares & Lobo – Advogados e Diretor Jurídico da Agência de Notícias das Favelas – ANF, nos últimos anos vem se destacando como um dos principais advogados autoralistas na defesa dos direitos de grafiteiros e demais artistas urbanos, em questões relacionadas ao uso não autorizado de obras artísticas expostas nas ruas.Atualmente representa diversos artistas e coletivos em negociações comerciais e disputas judiciais e extrajudiciaisem todo Brasil.

 

 

Marcel Godoy

Bacharel em Direito desde 2001. Exerce atividade profissional na área de Direitos Autorais desde 1999. Trabalhou no ECAD de 1997 a 1998. Em 1999 ingressou na função de Administrador Geral, tornando-se Diretor VP em 2004 e Diretor Presidente em 2008 na empresa ASSIM – ASSOC INTER MUSIC – Sociedade administradora e gestora de Direitos autorais – fundada em 1978 pela cantora brasileira Elis Regina.

 

 

 

 

Marcelo Goyanes

Marcelo Goyanes é advogado com 20 anos de experiência em direito da propriedade intelectual e entretenimento; atende plataformas de streaming, produtores e exibidores de obras audiovisuais, gravadoras e editoras musicais, e artistas, em assuntos contratuais, regulatórios e judiciais. É professor do curso de Pós-Graduação em Direito da Propriedade Intelectual da PUC/RJ. Marcelo é mestre em Direito da Propriedade Intelectual pela George Washington University; autor de diversos artigos publicados no Brasil e no exterior e também de três livros, como autor e coautor, sobre Direito da Propriedade Intelectual.Marcelo é membro da Comissão de Direito Autoral e Direito do Entretenimento da OAB/RJ; e do Comitê Executivo da InternationalAssociationofEntertainmentLawyers.

 

Nato_PK 

Nato_PK é DJ e Beatmaker, tem 23 anos de carreira e é um dos Dj’s mais proeminentes do Rap Nacional. Integrante do Coletivo e Selo Independente do Abc Paulista “Paudedaemdoido Selo”, atualmente acompanha o rapper Rodrigo Ogi em seus shows, Mc Max B.O e a cantora Ana Cañas. Faz parte da crew de DJ´sSódiscosalva que foca na discotecagem 100% em Vinyl e faz parte da primeira Orchestra de Beatmakers do mundo, a BeatBrasilisOrchestra.

 

 

 

Raquel Lemos

Sócia fundadora do escritório Lemos Consultoria Ltda. e Art.is Cultural. Advogada pós-graduada em Direito Civil e especializada em Direito Digital e das Telecomunicações pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Consultora especializada em contratos e estratégia negocial com sólida experiência em entretenimento, economia criativa e mídias digitais. Foi docente titular nos cursos de Graduação de Análise e Sistemas de informação, Banco de Dados e Administração de Empresas com Ênfase em Tecnologia. Na sequência, professora titular dos Cursos de Pós-graduação Produção Audiovisual – projeto e negócio; Pós-Graduação em Animação; Gestão da comunicação em Mídias Digitais; Roteiro de Ficção Audiovisual e Design – branding: estratégias de marcas e Pós-Graduação em Governança da Internet. Atualmente é docente no Curso de Pós-graduação em produção audiovisual – projeto e negócio da FAAP. Autora do livro “Legislação e Políticas de Incentivo” publicado em 2016 pela Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais e consultora convidada do “Objetiva Empreendedorismo em Foco” que é resultado da integração dos três projetos setoriais de exportação audiovisual que contam com o apoio da APEX-Brasil: FilmBrazil (APRO), Cinema do Brasil (SIAESP) e (ABPI-TV) e autora da Trilha de Aprendizagem “Análise de Mercado, Composição/Captação de Recursos e Modelos de Negócios Inovadores” do Programa de Educação Digital: Objetiva Capacitação Online da Ancine/FSA.

Paula Novo

Coordenadora de Comunicação Corporativa no Ecad

Jornalista, especialista em comunicação organizacional integrada, mestranda em Tecnologias da Comunicação pela UERJ. Coordenadora de Comunicação Corporativa no Ecad, onde trabalho há 11 anos. Sou responsável pelas estratégias de comunicação interna e externa, incluindo assessoria de imprensa e gestão das redes sociais oficiais; e por representar o Ecad em eventos e palestras institucionais. Foco em reputação e relacionamento.

 

 

Priscilla Crespo

Advogada formada pela Faculdade Nacional deDireito da UFRJ, com MBA em Direito da Tecnologia eem Direito da Economia e da Empresa pela FGV/RJ.Atua na área de direito autoral e de direito de imageme fashionlaw desde 1997 e presta assessoria e

consultoria jurídica para empresas deentretenimento, indústria fonográfica, produções

cinematográficas, empresas de radiodifusão,produções teatrais, projetos culturais e artísticos,agencias de modelo e eventos em geral. SóciaFundadora do Escritório de advocacia AlbuquerqueCrespo Advogados Associados.

Advogada, atua juntoa clientes nacionais e internacionais, bem como emfestivais e eventos como o Back2Black e JamSession de Montreux. Head do Departamento deClearance das Cerimonias Olímpicas e Paraolímpicasem 2016. Trabalhou na Sony Music Brasil, TvBandeirantes, Elite Model Management Brasil e foiSupervisora da AERJ-Associação das Emissoras deRadio e Tv do Rio de Janeiro Participou comorepresentante das agências de modelos através doSINAG/SINSAGE juntamente com ABAP, APRO entreoutras associações representativas durante asnegociações do Manual de Produção do III Fórum deProdução Publicitária .. É coautora de 2 livros sobreDireito do Entretenimento e publicado artigos sobreDireito Autoral e Artístico e Direito de Imagem.

Tiago Barbosa

Tiago Barbosa, advogado, formado pela USCS (Universidade de São Caetano do Sul), Rapper, especialista em propriedade intelectual pela Escola Superior da Advocacia de São Paulo, pesquisador com trabalho de conclusão de curso focado em “samples” sob a ótica do direito autoral, há 9 anos gerente jurídico da Laborátorio Fantasma que gerencia a carreira dos artistas: Emicida, Rael, Drik Barbosa e Fióti.

 

 

 

 

 

Apoio institucional

O curso tem o apoio institucional da Abramus, a Associação Brasileira de Música e Artes. Com mais de 70 mil titulares, é a única das associações vinculadas ao Ecad que trabalha, além da Música, com os segmentos de Artes Cênicas e Artes Visuais.

 

Coordenação Executiva: Leo Feijó

Leo Feijó é jornalista e coordenador do programa Música & Negócios desde 2012. Foi subsecretário na Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, onde desenvolveu programas como o Plano de Resgate da Música Ao Vivo, Os Sons do Rio e o Prêmio Música RJ. Criou palcos e festivais no Rio de Janeiro. Já produziu mais de 2 mil shows.Participou de congressos, seminários e feiras internacionais como Womex (Hungria), SxSW (EUA), ArtLab (Dinamarca), DICE – British Council (Inglaterra), Rio CreativeConference (Rio2C) e SIM São Paulo (Semana Internacional da Música).

 

Realização:

Música, Copyright e Tecnologia (MCT)

Instituto Gênesis da PUC-Rio

Música & Negócios

 

Apoio institucional

Abramus

 

Acesse: 

Abramus

www.abramus.org.br

 

Instituto Gênesis da PUC-Rio

www.genesis.puc-rio.br

 

Música & Negócios

www.musicaenegocios.com

 

Informações

Instituto Gênesis da PUC-Rio

(21) 3527.1371

 

Coordenador Executivo

Leo Feijó

leofeijo@esp.puc-rio.br

+44 07471177067 (whattsapp)

 

Atendimento: mct.ead.contato@gmail.com

 

Leia na origem

Plataformas apresentam quedas nas transmissões de músicas, mesmo com maior número de pessoas em casa

Mercado musical tinha esperanças de que o consumo de música nas plataformas de streaming pudesse aumentar, já que as pessoas estão mais em casa por conta da pandemia do coronavírus. Entretanto, não é o que está acontecendo.

Ao contrário do que se esperava, o número de transmissões de músicas nos serviços de streaming não aumentou, mesmo com as pessoas em casa por conta do coronavírus.

Parece que ficar em casa não é o bastante para o aumentar o consumo de streaming de música. De acordo com dados do Official Charts Company (OCC), na última semana de março, o streaming de áudio no Reino Unido aumentou apenas 0,4% em relação à semana anterior. Enquanto o New York Times relatou no dia 6 de abril, semana do início da quarentena,  que os fluxos do Top 200 do Spotify nos EUA caíram pela terceira semana consecutiva – atingindo o ponto mais baixo do ano.

Segundo o The Guardian, esse movimento pode prejudicar ainda mais a indústria musical que contava com a audiência das plataformas, como o Spotify e Apple Music, para conter a crise gerada pela pandemia do Covid-19.

Atentos a crise, artistas como Lady Gaga e Sam Smith cancelaram o lançamento de seus álbuns e já anunciaram que vão esperar o mercado se recuperar. Entretanto, artistas como Dua Lipa não conseguiram adiar seus lançamentos, uma vez que todo o material promocional já estava em andamento.

Para o portal, mesmo que o público esteja menos interessado nas paradas, sua relevância para o sucesso comercial ainda possui grande relevância. A indústria da música, acostumada à mudanças gravitacionais nas últimas décadas depois do Napster, encontrará maneiras de se reinventar.

 

Foto: Mario Anzuoni/Reuters

Leia na origem

PARADA DE ÁLBUNS NA ESPANHA É INTERROMPIDA DEVIDO AO IMPACTO DO CORONAVÍRUS

Matéria de POPline

A Parada de álbuns da Espanha está paralisada devido ao impacto do coronavírus. A previsão é de que o prejuízo chegue a 40 milhões de euros.

A Promusica Espanha anunciou na semana passada que interrompeu a publicação da lista semanal de álbuns mais vendidos no país. De acordo com o Popline, a decisão foi tomada após o fechamento de lojas físicas por conta da pandemia do coronavírus.

É a primeira vez na história em que a parada de músicas mais vendidas é interrompida na Espanha. Além da contagem de álbuns, também foram suspendidas as paradas de outros formatos físicos como DVDs musicais e compilações.

Uma vez que a venda de discos não faz parte de produtos de primeira necessidade para subsistência, as entregas físicas (correios) foram suspendidas. A previsão é de que o prejuízo chegue a 40 milhões de euros, quase metade do faturamento anual do setor físico em 2019.

Segundo o portal, tanto a Promusicae e quanto a AGEDI estão com planos para quando a pandemia acabar, mesclar a contabilidade dos charts de álbuns físicos (CDs e vinil), downloads e streamings para alcançar um gráfico único que reflita o consumo de música em sua totalidade.

Atualmente, a entidade está considerando apenas os melhores albuns consumidos via streaming para avaliar o comportamento do mercado musical.

Sendo assim, a tabela que servirá como referência do comportamento do mercado musical espanhol será os 100 melhores álbuns via streaming.

 

Foto: J Balvin, um dos álbuns na EspanhaAlexandra Gavillet/Billboard

Leia na origem

Estudo revela que música é capaz de deixar uma pessoa mais feliz em apenas 6 minutos!

Matéria de Revista Glamour

Novo estudo afirma que música é o melhor remédio, capaz de fazer efeito em apenas 6 minutos.

É fato que a música influencia nossos sentimentos, nos deixando calmos, alegres, centrados ou até com muita vontade de dançar.  Mas quanto tempo é necessário para que uma música possa mudar nosso humor ao ponto de nos deixar completamente felizes?

Em parceria com a Deezer, a Academia Britânica de Terapia do Som (BAST) realizou uma pesquisa chamada de ‘Music as Medicine’ (Música como Remédio, em livre tradução), onde descobriu-se que bastam apenas 6 minutos para uma música te deixar uma pessoa mais feliz.

Segundo o portal Glamour, na pesquisa realizada com mais de 7.0000 pessoas, foi constatado que após 6 minutos de música muitos participantes já estavam mais felizes, e que as canções podem aliviar completamente a tristeza em apenas 13 minutos. No geral, eles descobriram que 89% das pessoas tinham a sensação de que a música era essencial para sua saúde e bem-estar.

A maioria dos participantes também afirmou que ao passarem o mesmo tempo ouvindo música foi possível se sentirem mais aliviados e menos sobrecarregados diante dos problemas. Além disso, a pesquisa identificou que a melhor música para relaxar precisa ter um ritmo lento com uma melodia simples e sem letra.

O estudo revelou ainda que bastam 13 minutos de música para diminuir tensão muscular, desaparecimento de pensamentos negativos, capacidade de dormir melhor, promovendo uma sensação de paz.

Então em tempos de quarentena por conta da pandemia do coronavírus, a dica para não ficar estressado em casa e ter uma boa saúde mental é ouvir música e melhor ainda se for uma live do seu artista favorito!!

‘Saúde Mental na Música em Tempos de Pandemia e Quarentena’ é o assunto do último episódio do Fast Forward Podcast. OUÇA AQUI!

 

Foto: Reprodução

Leia na origem

Estudo descobre que o cérebro leva 0,1 segundo para reconhecer uma música

Matéria de Superinteressante

Uma pesquisa que conseguimos reconhecer uma música em apenas 0,1 segundo.

Uma pesquisa realizada por Cientistas da University College, em Londres, descobriu que conseguimos reconhecer uma música em apenas 0,1 segundo.

De acordo com o portal da Super Interessante, aos 100 milissegundos (0,1 segundo) a pupila começa a se dilatar, mas só aos 300 milissegundos é ativada a área responsável pela memorização no cérebro, e então conseguimos identificar  exatamente qual música está tocando.

O experimento foi realizado com dez pessoas, cinco homens e cinco mulheres. Cada um citou  à equipe suas cinco músicas conhecidas. A partir disso, os pesquisadores pediram para os participantes indicarem as partes que mais gostavam, evocavam sentimentos ou que traziam memórias positivas. Esse processo teve como intuito entender se critérios emocionais estavam envolvidos na rapidez da identificação da música.

Com as músicas indicadas, os pesquisadores separaram os trechos e mesclaram com pedaços de outras músicas desconhecidas pelos participantes. Pelos resultados dos monitoramentos das atividades registradas pelo eletro-encefalografia (EEG), e a pupilometria, percebeu-se que quando a parte da música preferida tocava, a pupila dilatava e então a área de memória do cérebro era acionada.

Segundo o portal, além de poder entender como o nosso cérebro reconhece músicas familiares, o estudo é um caminho para ajudar pacientes com problemas de memória através de terapias com música.

 

Foto: master1305/Getty Images

Leia na origem

FESTIVAIS DOBRAM O FATURAMENTO APOSTANDO EM ARTISTAS NACIONAIS

Matéria de Folha de S.Paulo

Como festivais como Meca, Rock the Mountain e Queremos! estão tendo sucesso graças ao line-up formado apenas com artistas nacionais.

A Folha de São Paulo publicou uma matéria sobre como os festivais de música como o Meca, Rock the Mountain e Queremos! estão crescendo cada vez mais apostando em artistas nacionais.

O portal explicou que ao contrário do que acontecia no início dos anos 2010, onde os principais line-ups dos festivais no Brasil eram formados por artistas indie internacionais, hoje o que chama o público são os novos artistas brasileiros.

Meca: Segundo o diretor de novos negócios do Meca, Piti Vieira, no início o festival estava focado na cena internacional, mas há três anos, a edição em Inhotim, museu de arte contemporânea em Brumadinho (MG), fez muito sucesso com um line up liderado por Caetano Veloso e outros artistas brasileiros.

O festival teve sua primeira edição em 2010, na cidade de Atlântida (RS). Nos últimos anos, seu faturamento cresceu em 30% graças ao novo formato, há pretensão de levar o conceito para o exterior como os Estados Unidos e Europa.

Rock the Mountain: Festival que acontece em Itaipava, no Rio de Janeiro, desde 2013 vinha apostando em atrações internacionais. Entretanto, o aumento do dólar inviabilizou o evento em 2016/2017. No ano passado, uma nova produtora entrou para o time, e agora intenção é criar mais festivais até 2020.

“Com novo enfoque em artistas nacionais, o Rock the Mountain reuniu 7.000 pessoas em 2018. Neste ano, já ultrapassou o número de vendas do ano passado, e a expectativa é chegar a 12.000 ingressos vendidos até dezembro, quando acontece a próxima edição. No 4º lote, a entrada custa R$192 para os dois dias”, afirmou a folha.

Queremos!: A plataforma que realiza show de vários gêneros, confiou nos pedidos de seus usuários para montar o line-up de sua primeira edição em 2018. O festival apenas de artistas nacionais contou com um público de 5.500 pessoas e, em 2019, 8.000.

Felipe Continentino, diretor-executivo do Queremos! disse que além da curadoria, deve-se investir em infraestrutura adequada: “Havia restrição do público, que associava festival a perrengue, a um serviço não necessariamente bom. Nosso desafio é conseguir crescer a bilheteria sem perder uma boa entrega”, disse.

Vale lembrar que Pedro Seiler, um dos fundadores do Queremos participou do FF Podcast no Episódio “#8: Pop vs Indie”, e explicou mais sobre a plataforma e o processo de escolha das atrações para o festival. Confira AQUI!   

Foto: Mc Thaa, no Festival Meca Inhotim 2019/ Fernanda Tiné/ Divulgação

Leia na origem

FACEBOOK E INSTAGRAM LIBERAM FUNÇÃO DE MÚSICA NO BRASIL

Já atualizou o seu Facebook/Instagram para aproveitar os novos recursos de música?

O Facebook e o Instagram anunciaram que seus usuários no Brasil agora podem adicionar música aos Stories.

Segundo o Music Business Worldwide, a notícia foi anunciada em um post no blog Instagram Brasil, pelo líder do Facebook LATAM Music Publishing Business, Álvaro de Torres. Ele afirmou que o novo recurso nas redes sociais é o resultado de vários acordos de licenciamento globais e locais, o que possibilitou a criação de “um vasto catálogo de milhões de músicas nacionais e internacionais” nas plataformas.

Também lançado no país o Lip Sync Live, um novo recurso que permite ao usuário executar e dublar músicas no Facebook.

“Temos trabalhado com a comunidade musical em todo o mundo para levar música para o Instagram e Facebook, e além das licenças disponíveis de gravadoras internacionais, fizemos uma parceria com marcas locais, editores de música e colecionadores para garantir que as músicas que as pessoas mais amam no Brasil agora possam ser adicionadas às suas fotos e vídeos, através de um vasto catálogo de milhões de músicas nacionais e internacionais.”, afirmou Álvaro de Torres no blog.

Não deixe de conferir o sorteio que está rolando do livro “Mapa Sound System Brasil – Vol.1” em nosso Instagram! O sorteio será neste sábado (29/06). Para concorrer clique AQUI.

Leia na origem

BM&A E FESTIVAL COMA PROCURAM BANDA COM POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO

Matéria de BM&A

Festival CoMA e BM&A realizam parceria para selecionar bandas brasileiras associadas que possuem potencial para o desenvolvimento de carreira internacional. As bandas selecionadas pela equipe de curadores, participarão do festival e receberão um cachê R$2 mil, com todas as despesas pagas. Saiba como fazer a inscrição.

A Brasil, Música & Artes (BM&A), em parceria com o Festival CoMA – Convenção de Música e Arte – está selecionando bandas brasileiras associadas que possuem potencial para o desenvolvimento de carreira internacional.

Segundo o BM&A, as bandas selecionadas pela equipe de curadores, participarão do Festival CoMA e receberão um cachê R$2 mil com todas as despesas pagas.

O Festival CoMA será realizado entre os dias 2 a 4 de agosto, no complexo da Funarte, Planetário e Clube de Choro, em Brasília. Além de shows, haverá uma conferência com palestras e debates sobre o mercado da música. Já subiram no palco do festival nomes como  Elza Soares, Emicida, Lenine, Flora Matos, Chico César, Scalene, Supercombo, Far From Alaska, Àttøøxxá, Francisco El Hombre, Rico Dalasan e Clarice Falcão.

As inscrições para o projeto podem ser feitas até o dia 26 de maio e o resultado da seleção sairá no dia 7 de junho. Pra maiores informações clique AQUI.

“A colaboração com o CoMA estreia uma iniciativa pioneira, que deve se estender para outros festivais. Desta forma, conseguimos divulgar não apenas as bandas e artistas, mas também os próprios eventos para formadores de opinião de diversos países”, disse o gerente do BME, Leandro Ribeiro.

Quer conhecer mais sobre a BM&A? Clique AQUI.

Foto – BM&A.

Leia na origem

©2021 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?