5 Motivos porque precisamos resgatar os CD’s

Matéria de Audio Arkitekts

Será que em tempos de streaming ainda precisamos dos CD’s? Falamos sobre alguns motivos que devemos considerar antes que eles sejam esquecidos de vez

Acredite se quiser, em tempos de streaming, há pessoas que aclamam o “CD” e desejam que ele volte a conquistar os fãs de música. Aqui são cinco motivos pelos quais precisamos resgatar os Cd’s e impedir que eles sejam esquecidos de vez.

Conforme relata Mike Perez para o Audioarkitekts.com, os discos compactos foram o resultado de um esforço colaborativo entre Philips e Sony, em 1982. A intenção era apresentar uma nova forma de ouvir música, e o “CD” ou Compact Disc de Áudio Digital impressionou muita gente por mais de duas décadas.

No entanto, a popularidade dos CDs tem diminuído constantemente desde meados até o final de 2000, quando dispositivos de áudio digital como o iPod, aplicativos de streaming como o Napster e muitas outras plataformas de mídia digital foram lançadas.

Atualmente, segundo a Recording Industry Association of America, as vendas de CDs ainda representam 10% do que era no final dos anos 1990. Como qualquer outra forma de tecnologia, a maneira como a música é entregue ao público evoluiu, transformando a relação entre o artista e seus fãs. Os serviços de streaming de música agora respondem por mais de 85% do mercado de música gravada dos Estados Unidos.

Abaixo confira cinco grandes motivos que podem contribuir para o retorno do CD:

1. DAR MAIOR APOIO AOS ARTISTAS: Para Perez, os artistas são a razão pela qual temos música para ouvir. Além de apresentações ao vivo, os artistas obtêm sua receita principalmente com royalties por unidades vendidas, distribuídas, usadas na mídia ou monetizadas de qualquer forma. Esses royalties são então divididos entre os compositores, editoras, gravadoras e, claro, os próprios artistas. Ou seja, são muitas mãos no pote de biscoitos! Merecidamente, afinal é preciso uma boa equipe para produzir um álbum de sucesso. Só que a maioria dos serviços de streaming paga menos de um centavo por stream de conteúdo do artista. YouTubers de sucesso podem ganhar muito mais do que isso por visualização de seus vídeos.

É por isso que é muito difícil artistas independentes se manterem no mercado. Se você ama um artista e gosta de sua música, comprar seu CD não é apenas uma maneira de apoiá-lo em termos financeiros, mas também de ter uma parte física de seu trabalho que você pode desfrutar com ou sem usar WIFI.

2 – RESGATAR SENTIMENTOS DE NOSTALGIA: Perez explica que a nostalgia pesa muito quando se trata de CDs. Se você nasceu no final dos anos 80, você ouvia música no seu Discman e adorava!

Agora, a razão mais importante pela qual a música tem uma relação direta com a nostalgia é um estudo que tem sido explorado por muitos. Quando uma pessoa ouve uma música específica de seu passado, isso pode desencadear memórias armazenadas no fundo de sua mente inconsciente, mas ainda podem ser recuperadas. A música tende a ativar as partes do cérebro que evocam emoções, então podemos dizer que a música pode trazer benefícios para pessoas que doenças relacionadas a memória ou até resgatar sentimentos que haviam esquecido.

3 – MAIOR QUALIDADE DO SOM: A qualidade do som dos CDs continua sendo bem recebida e respeitada até mesmo pelos mais exigentes ouvintes. Muitos colecionadores de vinil argumentarão que a qualidade de uma prensagem de vinil dos anos 70 ou uma prensagem remasterizada de alta qualidade quase sempre será superior à do CD. No entanto, com o recente culto que o vinil causou nos últimos anos, os preços dos álbuns dispararam conforme o aumento da demanda. No entanto, a vantagem dos CDs é que eles são mais resistentes do que os discos de vinil, sendo mais difíceis de arranhar e não deformam facilmente.

4- PELA VOLTA DAS COLETÂNEAS: Aqui, Perez se lembra das famosas coletâneas de músicas que a gente gravava em CD-R, atualmente chamada de playlists nos serviços de streaming. Ele conta apesar da conveniência, as playlists digitais nunca terão o mesmo impacto que é entregar a alguém um mixtape ou CD feito com carinho, com músicas selecionadas e gravadas para dar de presente a um crush ou a um amigo, coisa que só quem viveu sabe!

5 – CRIAÇÃO DE NOVAS OPORTUNIDADES: Imagine se o CD tivesse a mesma ressonância que o Vinil está tendo com os colecionadores atualmente? Seria um frenesi encontrar títulos vintage dos anos 80 e 90. Os artistas seriam capazes de fazer música novamente sabendo que as pessoas seriam atraídas a comprar seu CD, uma vez que poderia ser um item de colecionador algum dia.

Haveria uma oportunidade para designers gráficos e artistas visuais criarem as inserções e arte da capa. Diferente do que é hoje, as artes vistas nos streaming de música tornou-se algo desvalorizado.

Isso criaria uma oportunidade para que as lojas prosperassem e até começassem a abrir mais lojas físicas de música. Além disso, esse empreendimento também poderia beneficiar empresas que podem estar relutantes em fazer CD players e transportes do formato em alta qualidade devido ao destino incerto da mídia física.

“Para encerrar, só o interesse e o tempo dirão se o CD continua sendo uma relíquia do passado ou se há uma nova aventura que aguarda essa amada e esquecida forma de mídia”, concluiu o autor.

 

Imagem: reprodução

Leia na origem

PESQUISA DIZ QUE 49% DAS PESSOAS NÃO OUVEM UM ÁLBUM NA INTEGRA

Matéria de @MusicWeek

No Reino Unido, o Dia Nacional do Álbum é neste sábado, mas consumidores estão cada vez mais deixando de ouvir, principalmente os mais jovens, que preferem ouvir suas músicas favoritas em playlists. Confira outros dados revelados pela pesquisa realizada pela Deezer.

Neste sábado (12) é comemorado no Reino Unido o Dia Nacional do Álbum. A Deezer realizou uma pesquisa para descobrir como andam os hábitos de consumo dos fãs de música com aos àlbuns.

De acordo com a pesquisa, cada vez mais as pessoas estão deixando de ouvir a álbuns. 49% dos entrevistados afirmaram que não ouviram um álbum por completo nos últimos 3 a 5 anos.  Além disso, 42% dos entrevistados disseram que preferem adicionar suas músicas favoritas em playlists no modo aleatório. Destes, 55% tinham faixa etária de até 25 anos.

A pesquisa também revelou que 15% dos fãs de música, com menos de 25 anos, nunca ouviram um álbum por completo! Entretanto, um quarto deles disseram que estão mais propensos a ouvir a discografia de seus artistas favoritos.

Com relação ao tempo de audição de um álbum, a média no Reino Unido agora é de 17 minutos por dia. Se tornando inferior à média diária mundial, de 26 minutos.

A maioria dos entrevistados (53%) afirmou preferir ouvir um álbum em casa, 32% durante uma viagem de carro e 14% enquanto fazem caminhada.

Quase três quartos dos ouvintes (74%) confirmaram que a probabilidade de ouvir um álbum na íntegra é maior após assistir a uma apresentação ao vivo de um artista. Outros 32% disseram que costumam ouvir antes de um show. A exemplo disto, a Deezer detectou que houve um aumento de 30% nos streamings do Backstreet Boys, após a boy band ter participado do The SSE Hydro Glasgow.

“Os álbuns podem ser uma grande parte da sensação de estar mais perto do seu artista favorito. Você pode entender a história deles e apreciar verdadeiramente a paixão e a habilidade que foram necessárias para fazer o álbum. Mas pode ser fácil adotar outros hábitos quando você está com pouco tempo. Queremos apoiar o álbum incentivando ouvintes de todas as idades a levar um pouco de tempo para realmente apreciar a música.”, disse Nigel Harding, vice-presidente de marketing global de artistas da Deezer.

A pesquisa foi realizada com 2000 entrevistados no Reino Unido. O tema deste ano para o  National Album Day é “Don’t Skip’ (não pule de faixa) e para comemorar a data, a Deezer terá uma página dedicada em seu aplicativo.

Leia na origem

O aplicativo que reconhece álbuns pela arte da capa

Matéria de Nexo Jornal

Record Player é um aplicativo que indica o álbum na biblioteca do Spotify apenas com a foto do CD ou vinil. Conheça a novidade!

O aplicativo Record Player é capaz de indicar o álbum na biblioteca do Spotify automaticamente apenas com a foto do CD ou vinil.

Criado pelo desenvolvedor americano Patrick Weaver na plataforma colaborativa Glitch, o novo aplicativo encontra o álbum na biblioteca do Spotify a partir de uma foto do CD ou vinil. Com a ajuda do Cloud Vision, leitor de imagens do Google, a imagem é identificada para que o Spotify consiga encontrar os resultados.

Para usar o Record Player bastar ir ao site Record-Player.glitch.me e clicar no botão “Click to select or take a picture” (clique para selecionar ou tirar uma foto) e então a câmera do celular abre automaticamente.

É possível encontrar artistas brasileiros e internacionais que estão no Spotify.

Leia na origem

Por que serviços como o Spotify ainda não conquistaram o Japão?

Matéria de Peach no Japão

Saiba por que os serviços de streaming não conseguem abocanhar a fatia de mercado dominada pelos CDs no Japão.

Atualmente no Japão são vários os serviços de streaming , como a Apple Music, Google Play Music, Amazon Prime Music, AWA, Line Music – um “whatsapp japonês” – e Spotify, que entrou no mercado no final do ano passado.

A indústria da música no Japão gera 3 bilhões, porém os serviços de streaming não conquistaram muito os japoneses, “só a minoria passa a assinar os serviços “premium””.

Somados aos downloads pagos, o streaming no Japão representa apenas 8% da receita (em 2016); “os serviços de streaming não conseguem abocanhar a fatia de mercado dominada pelos CDs”. Entenda no blog, o motivo!

Leia na origem

Aos 35 anos de vida, o CD agoniza no mercado fonográfico, mas não morre

Matéria de Mauro Ferreira

Há 35 anos o CD, ou compact disc, foi lançado no mercado fonográfico mundial, porém o formato corre o risco de se tornar obsoleto.

O recente relatório divulgado pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, na sigla em inglês) com dados do mercado fonográfico mundial em 2016, mostra o declínio do formato que uma vez era muito popular.

“Se no mundo as vendas de CD caíram 7,6% em relação a 2015, a queda no Brasil foi de estarrecedores 43,2%. Tanto que, se confrontada somente com o consumo de música digital (downloads e streaming), a receita obtida com a venda de CDs gerou somente 22,8% dos lucros do mercado fonográfico do Brasil em 2016. Já os downloads e streaming (este, o meio de consumo de música que mais cresce no mundo) já representam 77,2% da receita”.

Isso significa que “a indústria da música vai fabricar cada vez menos CDs”. O texto explica que o formato não desaparecerá, pois a tendência é que o formato seja vendido a nichos específicos, como os LPs.

“O CD vai permanecer vivo, sim, mas sem ser a mídia importante que foi na primeira metade dos 35 anos de vida do compact disc. Em outras palavras, o CD agoniza, mas não morre”.

 

Leia na origem

©2023 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?