Matéria de O Globo

Parece que pouca coisa mudou desde quando Dona Ivone Lara, em 1965, se tornou a primeira mulher a integrar a ala de compositores de uma escola de samba. Em 2020, apenas duas mulheres terão seus nomes nas composições de samba-enredo. Entre elas Sandra de Sá fazendo uma grande homenagem a Elza Soares.

Nós do MCT queremos ver as mulheres em todos os lugares na música. É por isso que selecionamos esta matéria do Globo sobre a presença das mulheres nas composições dos enredos das escolas de samba.

Não é de agora em que as mulheres participam das composições dos enredos das escolas de samba. Dona Ivone Lara é a mais conhecida, por ter sido a primeira mulher a vencer um samba-enredo em uma grande escola, em 1965. Entretanto, em 2020, apenas duas mulheres assinam as composições.

Segundo o portal, o samba-enredo da Estação Primeira de Mangueira para o desfile de 2020 é composto por Manuela Trindade Oiticica, a Manu da Cuíca. Ela falou sobre as barreiras que as compositoras encontram nas escolas de samba. Só para se ter uma ideia, dos 40 integrantes da ala dos compositores da Magueira, apenas duas são mulheres.

“É um ambiente marcadamente masculino. As mulheres nas escolas de samba participam, historicamente, de outros segmentos. E não é que não queiram, mas porque há predomínio masculino mesmo. Não faltam, por exemplo, sambas que exaltam belezas femininas com algumas demarcações de inferioridade que chegam a ser ridículas. Eu jamais faria um samba assim. É sempre desconfortável. Não faltam mulheres para compor, mas a gente tem que mostrar o tempo inteiro que está fazendo samba”, lamentou Manu ao portal.

O autor do livro “Sambas de enredo: história e arte”, Luiz Antônio Simas, falou sobre a predominância masculina nos sambas:  “Sem dúvida nenhuma é um universo muito masculino. A ala de compositores era o núcleo de formação das escolas. As mais tradicionais foram formadas por compositores como Paulo da Portela (Portela), Cartola (Mangueira) Mano Elói e Seu Molequinho (Império Serrano). Era basicamente um meio masculino, havia muito preconceito com a presença de mulher. Acho que, em certo sentido, ainda é visto como um meio muito marcado pela preponderância masculina”, explicou, um dos autores do livro

Em 2020, será a primeira vez em que a Mocidade Independente de Padre Miguel terá na avenida um samba-enredo escrito por uma mulher. Para homenagear Elza Soares, Sandra de Sá!

“Foi a primeira vez que disputei. Sou fã da Elza. Ela é a cultura brasileira. Com seu canto, suas atitudes, sua cor. É ser humano da melhor qualidade”, disse Sandra de Sá.

Esperamos que a presença feminina nas composições, não só de samba-enredo, aumentem. Por isso, apoiamos o Women in Music, que desde de 1985, trabalha para dar suporte às mulheres do mercado musical. Saiba mais sobre a ONG e saiba como participar!

Créditos:”Dona Zezé e Manu da Cuíca são algumas das poucas mulheres que brilham entre compositores Foto: Arte sobre foto de Leo Martins”

Tags:

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?