Após desabafo de Halsey sobre “viral no TikTok”, gravadora libera lançamento de música

Matéria de Variety

Halsey criticou atitude de gravadora que a impedia de lançar uma música por não viralizar no TikTok: “Tudo é marketing”, disse.

Na manhã de domingo (22) a cantora Halsey fez um grande desabafo sobre o descontentamento que vem tendo com relação a sua gravadora, que está a impedindo de lançar uma música, a não ser que ela crie um vídeo viral no TikTok.

A crítica foi publicada pela cantora em um vídeo de 29 segundos no TikTok. O texto do vídeo indicava sua situação: “Basicamente, tenho uma música que amo que quero lançar o mais rápido possível, mas minha gravadora não me deixa”.

“Tudo é marketing”, concluiu Halsey, “e eles estão fazendo isso com todos os artistas hoje em dia. Eu só quero lançar música, cara e eu mereço coisa melhor tbh. Estou cansada.”

A medida em que o TikTok se transformou em uma grande ferramenta de promoção de música, não é segredo que gravadoras e equipes de artistas passaram a criar estratégias para criar “momentos virais”. O desabafo da cantora demonstra o quanto a arte pode ser prejudicada na busca pelo sucesso.

Após a grande repercussão do vídeo, fãs e usuários do Twitter lembraram de outras artistas que já se queixaram sobre a pressão de estarem no TikTok:

 

Atualização: representantes da gravadora da artista, Capitol Records e sua editora AstralWerks,  disseram que vão liberar o lançamento da música:

“Nossa crença em Halsey como uma artista singular e importante é total e inabalável. Mal podemos esperar para que o mundo ouça sua nova e brilhante e música”.

Leia na origem

Livro aborda Desigualdade na indústria da música no Brasil

Um estudo sobre a situação de desigualdade racial e de gênero da indústria da música descobriu alguns dados que precisam de atenção do mercado musical. O levantamento feito pelo jornalista e produtor cultural Leo Feijó, e publicado no livro recém-lançado “Diversidade na Indústria da Música no Brasil – um Olhar sobre a Diversidade Étnica e de Gênero nas Empresas da […]

Um estudo sobre a situação de desigualdade racial e de gênero da indústria da música descobriu alguns dados que precisam de atenção do mercado musical.

O levantamento feito pelo jornalista e produtor cultural Leo Feijó, e publicado no livro recém-lançado “Diversidade na Indústria da Música no Brasil – um Olhar sobre a Diversidade Étnica e de Gênero nas Empresas da Música” (Dialética Editora), identificou que 21,4% das organizações presentes no ecossistema da indústria fonográfica não têm negro em seus quadros profissionais.

Além disso, apenas em 16,1% das organizações, as pessoas negras representam mais da metade da força de trabalho.

A presença feminina em gravadoras, editoras, distribuidoras, agências e outras empresas voltadas para a música também se mostrou desigual, já que em quase 20% delas, não há ou possuem no máximo 15% de seu quadro funcional ocupado por pessoas do sexo feminino.

No livro, Feijó também apresenta discussões, análises e pesquisas realizadas em outros países.

Leia na origem

CERCA DE 20% DOS USUÁRIOS GLOBAIS DO SPOTIFY OUVEM ED SHEERAN

Ed Sheeran é o artista mais ouvido no Spotify no mundo, mesmo sem lançar um álbum de estúdio nos últimos meses.

Um site especializado no mercado musical começou a levantar alguns dados interessantes sobre a audiência no Spotify. O levantamento feito pelo MusicBusinessWorldwide.com descobriu que atualmente Ed Sheeran e Justin Bieber sãos os mais ouvidos na plataforma atualmente.

Com pouco mais de 84 milhões de ouvintes mensais, Ed Sheeran está a frente do ranking de artistas mais ouvidos no mundo. Enquanto Justin Bieber ocupa a segunda posição com 79,66 milhões de ouvintes.

Para se ter uma ideia, o Spotify anunciou no final de março de 2022 que possui 422 milhões de usuários ativos mensais em todo o mundo, então isso significa que cerca de 20% de seus usuários escutam Ed Sheeran mensalmente. Vale notar ainda que o último álbum de estúdio do artista foi lançado em outubro de 2021, o que mostra a potência de Sheeran no mercado.

Completando o ranking dos artistas mais ouvidos na plataforma, The Weeknd aparece na terceira posição com 76,59 milhões de ouvintes mensais. Um fato interessante é que quatro dos principais artistas mais ouvidos no Spotify globalmente (Sheeran, Dua Lipa, Harry Styles e Coldplay) são britânicos; os outros dois (Justin Bieber e The Weeknd) são canadenses.

 

Foto: Warner Music – divulgação

 

 

Leia na origem

Afroreggae, Universal Music Publishing Brasil, Virgin Music Brasil e UBC lançam o selo Crespo Music

Matéria de BandNews FM

Crespo Music é lançado no mercado musical para desenvolver novos talentos artísticos que surgem das favelas do Rio de Janeiro.

Recebemos a notícia de que a Universal Music Publishing Brasil, Virgin Music Brasil, UBC e Afroreggae se uniram para lançar o selo Crespo Music.

A ideia do selo é revelar e desenvolver novos talentos artísticos que surgem das favelas do Rio de Janeiro. As informações são da bandfmnews.com.br.

“A gente vai gravar, vai editar, vai lançar, dar suporte para o artista na parte empresarial e de planejamento. Esses talentos não vão ser simplesmente jogados no mercado. Queremos caminhar junto com os que se destacarem mais, fazer um desenvolvimento de carreira”, contou o diretor da Crespo Music, Ricardo Chantilly, que atua a mais de três décadas como empresário artístico de nomes como O Rappa, Jota Quest e Armandinho.

Apesar de novo no mercado, o Crespo Music revelou que já possui um vasto catálogo de fonogramas originais, que foram compostos para serem trilhas de seriados produzidos pelo AfroReggae Audiovisual, o braço criador de conteúdo da organização cultural AfroReggae.

A Universal Music Publishing será responsável por administrar os direitos autorais de todas as composições do catálogo do selo. Enquanto a Virgin Music Brasil, ficará por conta de distribuir o que será produzido. Já a UBC (União Brasileira dos Compositores) irá se empenhar em dar apoio aos criadores para garantir que eles sejam bem remunerados por suas obras.

Foto: Paulo Vitor / Ag.FPontes / Divulgação

Leia na origem

NFT DE MILTON NASCIMENTO GARANTE EXPERIÊNCIAS EXCLUSIVAS DE SUA ÚLTIMA TURNÊ

Matéria de Época Negócios

Com NFT de arte de Milton Nascimento, fãs poderão curtir a turnê ‘A Última Sessão de Música’, e ter acesso a experiências exclusivas.

Em sua despedida dos palcos, o cantor Milton Nascimento está lançando uma arte em NFT de um desenho que fez a mão em sua infância.

O token não-fungível, uma espécie de ativo digital que garante o certificado de autenticidade da arte,  garantirá ao comprador uma série de experiências únicas durante a turnê ‘A Última Sessão de Música’.

O primeiro show de Milton Nascimento acontecerá no dia 11 de junho, na Cidade das Artes, Rio de Janeiro, e será exclusivo para seus amigos, artistas e aqueles que adquirirem o NFT Ticket Pass. Não haverá vendas de ingressos normais para este evento, sendo disponibilizados apenas 400 NFTs.

Além disso, quem adquirir o NFT Ticket Pass terá dois passes para a turnê do artista, um pôster autografado e numerado da turnê.

Para conferir e adquirir o NFT, acesse nft.miltonnascimento.com.br e acompanhe o artista em suas redes oficiais.

 

Foto: LivePict.com, CC BY-SA 3.0 via Wikimedia Commons

Leia na origem

EM EVENTO GRATUITO BNDES QUER ESTREITAR LAÇOS COM O MERCADO DA MÚSICA

Pela primeira vez, o mercado da música terá a oportunidade de ter acesso a direção do BNDES para estreitamento de laços e criação de novas oportunidades.

No dia 25 de maio, ás 13h:30,  a Associação Nacional da indústria da Música (Anafima) irá promover um evento online junto ao BNDES a fim de estreitar laços com os principais agentes da cadeia produtiva da música no Brasil.

O evento será online e presencial no Hotel Grand Mercure Ibirapuera, Av. Sena Madureira 1355, em São Paulo, Capital.

Esta será a primeira vez em que o mercado da música terá a oportunidade de ter acesso a direção do BNDES para estreitamento de laços. Podem participar artistas, produtores de eventos, comerciantes de equipamentos musicais, estúdios e todos que fazem parte da cadeia produtiva da música.

PARA SE INSCREVER E PARTICIPAR  DA REUNIÃO CLIQUE AQUI!

Foto: ANDRE TELLES – divulgação

Leia na origem

DURANTE RIO2C FIÓTI FALA UNIÃO ENTRE MÚSICA E GAMES

Matéria de Agência UVA

Fióti falou relação da música e os games em painel da Rio2C, e enalteceu presença de Emicida no Fortnite.

METAVERSO+MÚSICA. Evandro Oliveira, rapper e CEO do Laboratório Fantasma, mais conhecido como Fióti, esteve na Rio2C, o maior evento de criatividade da América Latina para falar sobre “Música no metaverso”. As informações são da agenciauva.net.

Durante a mesa de discussão, o rapper levantou questões relevantes a cerca do assunto, como a demora dos artistas brasileiros a se relacionar com os games, bem como o impacto da tecnologia na sociedade, e a falta de segurança dos dados dos usuários:

“Este ambiente digital precisa ser melhor regulado e isso é fato. Uma outra questão que nos incomoda é que este mercado [de games] ainda não está promovendo alguma alteração social e isso é urgente”, disse Fióti.

Além disso, o rapper comentou sobre a recente participação de seu irmão, Emicida, no Fortnite:

“O Fortnite conta com cerca de 80 milhões de usuários em todo o planeta, então, é a primeira vez que um artista brasileiro canta para essa multidão de gente. É um tiro de canhão, e ter um representante do rap vindo da periferia, como o Emicida, começando a entrar neste universo, é a realização de um sonho”, contou ele.

Deixamos abaixo uma playlist com alguns conteúdos relacionados à música na Rio2C deste ano. Pega o caderninho, aperte o play e aprenda muito!

 

 

 

Foto: o rapper Fióti – Divulgação

Leia na origem

CANÇÕES DE TOQUINHO ENTRAM NOVAMENTE EM FUNDO DE INVESTIMENTO COM RENTABILIDADE AINDA MAIOR

Obras de Toquinho serão novamente inclusas em fundo de investimento. Investidores poderão receber quase 17% do retorno sobre os royalties de mais de 400 canções do cantor.

No ano passado publicamos uma notícia a respeito de uma empresa que criou um fundo de investimentos a partir do direito das obras de alguns artistas brasileiros como Paulo Ricardo, Toquinho e Luiz Avellar.

A ideia de investimento sobre os royalties de obras deu tão certo que cerca de 50 investidores entraram no fundo, com retorno de 12% ao ano. Agora, esta mesma empresa, a Hurst Capital, está lançando uma segunda operação, para permitir que investidores recebam juros sobre mais de 400 obras do cantor e compositor Toquinho. As informações são do OGlobo.com.

Desta vez, a operação terá o prazo de 48 meses, com rentabilidade maior, 16,92% ao ano, no cenário base, equivalente ao IPCA+12,46%. O aporte mínimo é de R$ 10 mil.

Vale notar que em 2021 a Hurst captou R$ 200 milhões para adquirir catálogos musicais.

Leia na origem

ENTENDA O PLANO DOS FÃS DE JULIETTE PARA COLOCÁ-LA EM PRIMEIRO LUGAR NO ITUNES

Matéria de G1

Quem tem fã tem tudo? Saiba como fãs da cantora Juliette conseguiram colocá-la no primeiro lugar em vários países no iTunes.

Recentemente, o G1 publicou uma matéria sobre como os fãs da cantora Juliette conseguiram criar um plano para colocá-la em primeiro lugar no iTunes em vários países. O plano deu tão certo, que as canções de Juliette chegaram a ficar em primeiro lugar em mais 60 países!

O portal conversou com fãs, que explicaram detalhes do plano. Veja a imagem abaixo para entender:

 

 

Para os fãs o plano é válido, já que neste caso, são eles mesmos que se organizaram para ajudar a cantora. Além disso, não há uso de robôs que simulam as compras. Eles fizeram compras reais da faixa. Portanto, a prática não pode ser considerada como fraude.

Outro destaque vai para a grande conexão e união existente entre fãs da Juliette e os de outros artistas BTS, BlackPink, Katy Perry e Lady Gaga.

Vale notar, que ainda neste ano fãs da Anitta também conseguiram se unir para que ela fosse a mais ouvida no Spotify.

O iTunes não se posicionou sobre o assunto até o momento.

 

Foto: Juliette, cantora e vencedora do BBB21 –  Divulgação

Leia na origem

AUTOR DE LIVRO SOBRE O TIKTOK AFIRMA QUE APP NÃO É “UM CAVALO DE TRÓIA CHINÊS”

Matéria de Capital - O Globo

Jornalista autor de livro sobre história do Tiktok falou que nunca encontrou provas de que o app entregou dados dos usuários para a China.

O jornalista britânico Chris Stokel-Walker está lançando o livro “TikTok Boom” (Editora intrínseca) para contar a trajetória do aplicativo de vídeos da ByteDance. Desde o seu lançamento, até sua ascensão marcada por muitas polêmicas.

Durante entrevista ao OGlobo.com, o autor disse que não considera o TikTok como um grande espião –  fama que ganhou após líderes ocidentais apontarem o app como uma ameaça por passar dados dos usuários à China, algo que o país e as companhias sempre negaram.

“Não encontrei provas de que o TikTok seja um Cavalo de Troia chinês. O problema é a forma como usamos redes sociais, não o TikTok em si”, disse Walker.

“Mas isso não quer dizer que não haja problemas. Eu mostro como ele enviou dados de candidatos a emprego para a China sem autorização, como tentaram minimizar a transmissão de outros dados de usuários para o país etc”, completou.

O autor também comentou outras questões apontadas no livro e como o app modificou a forma como nos comunicamos. Além de sua influencia na música global:

“Ele mudou a forma como nos comunicamos. O vídeo está se tornando o formato como as pessoas pensam. Ele mudou a forma como os criadores são pagos, com um fundo próprio para remunerá-los, não necessariamente publicidade. Está mudando a atitude. No YouTube ou no Twitch, os principais criadores investem em equipamentos caros. No TikTok, basta um celular. Os intermediários da cultura estão desaparecendo. E o app está mudando a própria cultura. Veja quantos músicos foram lançados através do TikTok ou mesmo quantos livros foram vendidos por causa dele…”.

 

Foto: Divulgação

Leia na origem

©2022 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?