Artistas falsos: gravadoras usam prática para ganhar mais

Matéria de Rolling Stone

Já ouviu falar nas playlists do tipo “4 horas de músicas para relaxar” ou ” músicas pra dormir”? Aquelas playlists com sons da natureza que podem acalmar ou manter o ouvinte focado podem ser bem lucrativas para as gravadoras.

Já falamos por aqui sobre a descoberta de artistas falsos no serviço de streaming de músicas Spotify. Na época, o portal Music Business Worldwide explicou como ‘artistas falsos’ estariam sendo inseridos em playlists no Spotify. Na época, foram identificadas faixas de pequena duração criadas por robôs, ou os “fake artists” resultando em uma certa economia para o serviço de streaming.  Agora a Rolling Stone mostrou como algumas gravadoras estão adotando prática parecida para ganhar ainda mais.

O especialista em playlists, Kieron Donoghue, identificou que a Sony Music lançou uma lista no Spotify e na Apple Music intitulada “Sleep & Mindfulness Thunderstorms”, através da marca Filtr da empresa. No Spotify essa playlists são temáticas, com músicas para relaxar, e contém mais de 990 faixas. São mais de 18 horas de músicas, com duração de um minutos cada para fazer o ouvinte ficar mais calmo, dormir ou ficar mais focado, ao som de quedas d’água, chuva e natureza.

Quase todas as faixas da playlist são creditadas a um artista chamado “Sleepy John”, que na verdade é David Tarrodi, um compositor contratado pela produtora Epidemic Sound. Uma olhada no perfil de John no Spotify mostra que suas dez maiores “faixas” (todas as gravações ou interpretações do som da chuva caindo) acumularam mais de quatro milhões de reproduções no serviço até o momento.

Quem descobriu a identidade do compositor foi o fundador de uma agência de marketing, Darren Hemmings. Para ele a Sony Music consegue faturar com essa prática porque os serviços de streaming costumam efetuar um pagamento para qualquer faixa, independentemente de sua duração, desde que o ouvinte a ouça por mais de 30 segundos. Assim, quanto mais tempo o ouvinte levar para atingir seu estado de humor (dormir, por exemplo), mais tempo passará ouvindo a playlist de músicas de um minuto, ou seja, maior lucro para a gravadora.

De acordo com o revista, os 50 artistas falsos mais ouvidos arrecadaram 2,85 bilhões de reproduções na plataforma, nos últimos dois anos. Com o marketing certo e playlists certas para impulsionar esse tipo de música, uma gravadora poderia faturar muito mais. O Spotify, a Sony Music e a Epidemic Sound recusaram-se a comentar sobre esta história para a Rolling Stone.

Estamos no Instagram! @mct.mus

Foto: Hayoung Jeon/EPA-EFE/REX/Shutterstock

Leia na origem

Cobrança de direitos autorais no audiovisual é removida

Matéria de Folha de S.Paulo

Entidades que representam autores, diretores e atores não poderão mais recolher taxa sobre direitos autorais.

A Secretaria Especial de Cultura, subpasta do Ministério da Cidadania, suspendeu o recolhimento de três taxas referentes a direitos autorais no audiovisual.

Com a decisão, as entidades Gedar (Gestão de Direitos de Autores Roteiristas), DBCA (Diretores Brasileiros de Cinema e do Audiovisual) e InterArtis (intérpretes), não poderão cobrar valores por uma exibição de obra audiovisual em TV e cinema.

De acordo com a Folha de São Paulo, os maiores beneficiados pela decisão serão as entidades que representam as salas de cinema e canais de TV, que anteriormente, já haviam entrado com recurso para reverter a autorização concedida pelo extinto Ministério da Cultura. A decisão também entrará em recurso pelas entidades que representam autores, diretores e atores, que podem à Justiça caso não sejam atendidas.

Acompanhe o nosso blog também pelo Instagram! Siga nossa página @mct.mus

Foto: Glória Pires, atriz e presidente da associação de atores InterArtis – Divulgação

Leia na origem

10 tendências que irão remodelar a indústria da música

O Streaming vai “engolir” o rádio? Busca por outro formato? Ajustes nos valores de assinatura? Veja dez tendências do Music Business a partir do “Global Music Report 2019” da IFPI.

O Music Industry Blog, de Mark Mulligan, trouxe uma análise revelando dez tendências do Music Business a partir do “Global Music Report 2019” – relatório sobre o mercado da música no ano passado, elaborado pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, sigla em ingles).

  1. O Streaming vai “engolir” o rádio: para Mullingan, o público mais jovem está deixando de ouvir rádio e migrando para o streaming: “Apenas 39% das pessoas de 16 a 19 anos ouvem rádio de música, enquanto 56% usam o YouTube para música”, informou o blog. Os podcasts também estão cada vez se tornando mais populares e são uma grande aposta entre as tendências.
  2. Ajustes nos valores de assinatura: Assim como a Netflix conseguiu ajustar os valores de seus planos de assinaturas conforme a inflação oferecendo conteúdos exclusivos, os serviços de streaming devem descobrir uma maneira que agrade os usuários e estabeleça um equilíbrio com a inflação.
  3. Pressão de catálogo: Mulligan contou que está havendo uma mudança nos valores de catálogo. Uma vez que “na era do streaming, as Spice Girls valem mais do que os Beatles“, uma nova abordagem de longo prazo é necessária para a avaliação de catálogos.
  4. Labels as a service (LAAS): Com a ajuda de serviços como Amuse, Splice, Instrumental e CDBaby, artistas estão se tornando cada vez mais independentes criando uma demanda de novos serviços. “Um próximo passo é um terceiro parceiro agregar uma seleção desses serviços em uma única plataforma (uma abertura para o Spotify?)”. O selos precisam estar à frente dessa tendência, comunicando melhor as habilidades técnicas com os recursos que eles trazem para a equação, por exemplo, pessoal dedicado, mentoring e suporte de artista e repertório (A+R).
  5. Interrupção da cadeia de valor: o LAAS é apenas uma das tendências de interrupção da cadeia de valor. Com várias partes tentando expandir suas funções, desde serviços de streaming assinando artistas até selos lançando serviços de streaming, “as coisas só vão ficar mais confusas, com praticamente todo mundo se tornando um inimigo do outro”, afirmou o blog.
  6. Música como agrupamento tecnológico: a música vai se tornar apenas uma parte das ofertas de conteúdo das grandes empresas de tecnologia, como Apple e Amazon, tendo que lutar por sua supremacia, especialmente no mundo ultra-competitivo da economia da atenção.
  7. Cultura global: A música latina está sendo impulsionada com a ajuda de serviços de streaming como o Youtube. O que pode parecer uma tendência global, pode ser na verdade o reflexo do tamanho de uma base de fãs regional. “A velha indústria da música de artistas que falavam inglês como superstars globais”, afirmou Mulligan. Por exemplo: a ascensão de rappers indígenas na Alemanha, França e Holanda ilustra que o streaming permite que movimentos culturais locais roubem o sucesso de artistas globais.
  8. Criatividade pós-álbum: Há meia década, a maioria dos novos artistas ainda queriam fazer álbuns. Entretanto, agora o interesse está voltado no lançamento constante de músicas com o intuito de manter suas bases de fãs engajadas. O álbum ainda é importante para artistas consagrados, mas diminuirá com as próximas geração de músicos.
  9. Economia pós-álbum: as gravadoras deverão descobrir uma nova maneira de como gerar margem com uma receita mais fragmentada, apesar de ter que investir quantias semelhantes em marketing e construir perfis de artistas.
  10. A busca por outro formato: em 1999, o negócio da música gravada estava em expansão, com um formato de sucesso estabelecido sem um sucessor. Agora, parece que o streaming está na mesma posição. Apesar da China, não há muitas mudanças em termos de experiência com a música digital na última década: “Uma direção potencial é a música social”, já que o “streaming monetizou o consumo, agora precisamos monetizar o fandom”, afirmou o Music Industry Blog.

Foto: Midia Research

Não deixe de seguir o nosso Instagram: @mct.mus.

Leia na origem

Xvideos está sendo usado para filmes derrubados do Youtube

Matéria de Hypeness

Parece que não há limites que impeçam o compartilhamento de conteúdo ilegal na internet. Usuários estão compartilhando filmes como Bohemian Rhapsody, Liga da Justiça e animes em famoso site de filmes e vídeos pornô.

Segundo o portal Hypeness, vários usuários tem compartilhado filmes de maneira ilegal no portal de conteúdo adulto Xvideos.

Por lá está cada vez mais fácil encontrar filmes como Bohemian Rhapsody, Liga da Justiça, Doutor Estranho e Extinção, entre outros. Tudo na íntegra e de alta qualidade. Mas não somente filmes, séries e animes também estão sendo compartilhadas no site.

“Pra quem acha que a pornografia está dominando o mundo, eis uma notícia surpreendente: é o cinema dito “sério” que agora parece estar invadindo o universo da pornografia”, informou o Hypeness.

 

Apoie nosso blog também pelo Instagram! Siga nossa página @mct.mus.

Não esqueça de assinar nossa newsletter com as mais lidas do mês!

Leia na origem

Em 2018, Spotify conquista maior market share dos serviços de streaming

Matéria de MIDiA Research

Novo relatório da Midia Research mostra o market share dos serviços de streaming de música no primeiro semestre de 2018.

Nesta quinta-feira, Mark Mulligan, um dos maiores analistas sobre a indústria da música, publicou em seu blog o novo relatório da Midia Research, sobre o market share dos serviços de streaming durante o primeiro semestre de 2018.

No que diz respeito ao número de assinantes nos serviços de streaming, houve um crescimento de 16% ( 229,5 milhões). Em comparação com o ano anterior, a base global de assinantes aumentou 38% (62,8 milhões de usuários). “Isso representa um crescimento forte e sustentado, em vez de fortemente acelerado”, afirmou Mulligan.

O número de assinantes no mundo deve permanecer no ponto médio de crescimento até 2019, onde serão explorados mercados desenvolvidos. Posteriormente, o crescimento será impulsionado por mercados de streaming de médio porte, como Japão, Alemanha, Brasil, México e Rússia.

De acordo com Mulligan, esses mercados têm o potencial de gerar um forte crescimento no número de assinantes, mas no caso dos três últimos, deve haver uma busca agressiva por produtos de nível intermediário, como pacotes de preços reduzidos. Caso contrário, o mercado será restringido às elites urbanas que possuem acesso a cartões de crédito e por consequência a Receita média por usuário (ARPU) será menor.

A receita deve crescer de forma mais lenta que a quantidade de assinantes em meados de 2019. A seguir, os serviços de streaming com maior participação de mercado no início de 2018.

Os serviços de streaming com maior market share no mercado:

Spotify: o serviço manteve uma participação de mercado global de 36%, o mesmo que no quarto trimestre de 2017, com 83 milhões de assinantes. Além disso, conquistou mais assinantes do que qualquer outro serviço no primeiro semestre de 2018.

Apple Music: A Apple adicionou dois pontos de participação de mercado, 19%, e aumentou três pontos ano a ano, com 43,5 milhões de assinantes. A Apple Music acrescentou o segundo maior número de assinantes – 9,2 milhões, sendo os EUA o principal mercado em crescimento.

Amazon: A Amazon adicionou pouco menos de meio ponto de participação de mercado, estável em 12%, devido ao seu plano Unlimited. Foram 3,3 milhões de usuários novos pagantes, atingindo 9,5 milhões no segundo semestre de 2018. No total, a Amazon tinha 27,9 milhões de assinantes no final do período.

Enquanto isso, no Japão, o Line Music atingiu mais de um milhão de assinantes. Na Coréia do Sul, o MelOn teve uma queda no primeiro trimestre, mas se recuperou no segundo trimestre. Em outros lugares, o Pandora teve um sólido período de seis meses, adicionando 0,5 milhão de assinantes, enquanto o Google se destacou globalmente.

Gostou da dica? Não deixe de acompanhar o nosso blog também pelo Instagram. Siga a nossa página @mct.mus 

Leia na origem

Como maior acordo artístico do século, gravadoras brigam por Taylor Swift

Matéria de Axios

Taylor Swift vende muito e é por isso que as grandes gravadoras estão torcendo para que a cantora não renove seu contrato com a sua atual gravadora independente, Big Machine Records. A escolha de Swift garantirá o maior acordo artístico do século.

O contrato de Taylor Swift com sua gravadora independente, Big Machine Records, está acabando e as grandes gravadoras estão dispostas a pagar milhões por ela.

Seu último álbum “Reputation”, de 2017, vendeu 1.216 milhões de cópias logo na primeira semana, mesmo sendo retirado dos serviços de streaming. Já o álbum “21” conquistou a marca de 1 milhão de cópias em sua primeira semana. Todos os seus álbuns venderam pelo menos 2 milhões de cópias.

Além do número imenso de vendas de álbuns, Taylor Swift se dá bem em suas turnês. Segundo a Billboard, as primeiras cinco cidades que a turnê “Reputation” passou, arrecadaram US$54 milhões. O valor total do faturamento bruto da turnê pode chegar a US$400 milhões.

Entretanto, pode haver um impasse nas negociações, a cantora deseja possuir todos os direitos de seus álbuns que hoje é mantido por sua gravadora. De acordo com a revista Variety, cada um dos álbuns anteriores de Taylor Swift poderia valer 20 milhões de dólares.

A revista Variety e especialistas da indústria musical analisaram quatro cenários que devem ocorrer após o término do contrato entre a cantora e sua gravadora:

“Ficar com a Big Machine”: Swift quer seus direitos e a Big Machine não quer desistir deles.

“Não à Big Machine, sim à Universal”: A Universal já distribui e promove a música da Swift para a Big Machine – por isso, é de seu melhor interesse financeiro manter Swift por perto. E ela provavelmente está muito feliz com o trabalho feito até agora.

“Não-Universal”: Swift poderia ir para outro selo, mas eles provavelmente gostariam de ter seus mentores no negócio também.

“Sozinha”: Swift já cuida de seu trabalho promocional com uma equipe interna, então agora que ela chegou ao apogeu da indústria fonográfica, ela é indiscutivelmente pós-gravadora e poderia montar seus próprios acordos de distribuição.

“A linha inferior”: De qualquer forma, quando se trata do próximo contrato de Swift, ela terá todo o poder para preencher o “espaço em branco” em seus contracheques nos próximos anos.

Atualização: Leia – Taylor Swift assina novo contrato com a Universal Music.

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?