Matéria de Época

Conheça a Rocinante, uma nova gravadora brasileira que deseja fabricar seus próprios discos e oferecer espaço a novos artistas.

O portal da revista Época falou sobre a Rocinante, uma nova gravadora do mercado musical que visa investir em fabricação de discos e oferecer espaço a novos artistas.

A Rocinante foi lançada no ano passado pelo músico e poeta, Sylvio Fraga, e seu sócio Pepê Monnerat. Desde então, seu catálogo vem sido construído com artistas como a Orkestra Rumpilezz e Thiago Amud, “compositor louvado por nomes como Caetano Veloso”.

A gravadora pretende iniciar no fim deste ano a fabricação de vinis. De acordo com o portal, a capacidade de produção será de 1.600 discos por dia. Vale lembrar que atualmente no Brasil, há apenas a Polysom e a Vinil em operação.

O objetivo da gravadora é ser um empreendimento autossustentável, com poucos lançamentos por ano, apenas nos formatos digital e vinil: “Nossa ideia é gravar só o que queremos, sem pensar em mercado. São discos que queremos que existam”, disse Fraga, diretor artístico da gravadora.

“O que financia o negócio é nosso estúdio (em Araras, Petrópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro ) e a fábrica (a ser instalada num galpão em Petrópolis ). Não é sonho de doidão apaixonado. Eu e Pepê somos economistas, fizemos contas. Tenho certeza de que existe uma demanda, por isso investimos. Nossas prensas, produzidas na Alemanha, estão entre o que há de melhor no mercado mundial hoje. A Rocinante é nosso projeto de vida, portanto acreditamos na capacidade de gerar lucro. Não teríamos como manter por anos algo sangrando dinheiro.”, continuou o diretor.

“Queremos dar atenção total ao disco, desde o microfone usado em cada gravação até o fim da masterização. Com a Oskestra Rumpilezz, tínhamos 21 músicos tocando juntos. Nós nos equipamos para que não houvesse uma única coisa que não fosse maravilhosa. Incluindo pegar microfones emprestados de amigos que têm estúdio, para garantir que todos os instrumentos tivessem a captação perfeita.”, explicou Fraga.

Fraga defendeu que a proposta é trabalhar com artistas que não são o óbvio do mercado e destacar a arte brasileira. Uma atitude mais que necessária perante o fim do Ministério da Cultura, ataques à classe artística e ao financiamento cultural, como a Lei Rouanet: “Eles conseguem atrapalhar a produção de cultura no Brasil, mas não vão vencer”.

Foto:  Leo Martins / Agência O Globo

Tags:

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?