Livro mapeia sistemas de som brasileiros inspirados na Jamaica

Matéria de @rapresentando

É a primeira vez em que há um levantamento relacionado às festas de sound system no Brasil.

Será lançado, em Julho, o “Mapa Sound System Brasil”, um livro que mapeia sistemas de som brasileiros, responsáveis por disseminar o reggae no Brasil.

Segundo o portal rapresentando.com, é a primeira vez em que há um levantamento relacionado às festas de sound system no país. Para criar o “Mapa Sound System Brasil”, os pesquisadores e seletores (DJs) Daniella Pimenta e Natan Nascimento, catalogaram mais de 120 sistemas de som brasileiros inspirados na Jamaica.

O livro foi inspirado no blog Groovin Mood. Além de mostrar depoimentos de artistas locais, há opiniões de nomes como o jamaicano Walshy Fire (Major Lazer) e o produtor caribenho Mad Professor.

“O catálogo não tem a pretensão de ser um guia definitivo do sound system nacional”, contou Daniella ao portal. “O nosso objetivo é levar para o leitor – brasileiro e de fora do país – um panorama visual mais geral da movimentação da cultura de sistemas de som de reggae em moldes jamaicanos no Brasil. Queremos trazer uma amostragem – a mais acurada possível – do que vem acontecendo por aqui”.

O lançamento do livro está previsto para o dia 29/6 as 16h, com entrada gratuita na Casa Brasilis – Pompeia – SP/SP

*Foto: Miguel de Castro

Estamos no Instagram! Siga nosso perfil mct.mus

Leia na origem

Pesquisa aponta que a sofrência leva a descoberta de novas músicas

Matéria de Folha de S.Paulo

Uma pesquisa descobriu que 70% dos brasileiros descobrem novas músicas após um término de relacionamento.

A Folha de São Paulo falou sobre uma pesquisa que descobriu que a maioria das pessoas descobrem novas músicas após o término de um relacionamento.

O levantamento foi realizado pelo instituto britânico 3GEM, a pedido da Deezer. Foram ouvidos 10 mil entrevistados no mundo todo, sendo que 2.000 deles brasileiros. A conclusão foi de que 66% dos ouvintes descobrem novas músicas após um término de relacionamento. O índice aumenta com relação aos brasileiros: 70%.

Segundo a pesquisa, são vários os motivos que levam os brasileiros de coração partido a conhecerem novas músicas. Entre os entrevistados, 25% “ouvem música para se sentir melhor”, 10% para “redescobrir a própria identidade” e 10% “para conhecer novas pessoas”.

A pesquisa identificou outros hábitos musicais dos brasileiros. Para agradar e não passar vergonha no primeiro encontro, 25% dos entrevistados afirmaram fingir gostar de uma música. Entretanto, o índice cai com relação a países como a França. Apenas 18% dos franceses disseram fingir que curtem determinada música nesses momentos.

E não é só nos encontros que os brasileiros tendem a fingir que gostam de uma indicação de música, mas na amizade também. A pesquisa descobriu que 56% das pessoas dizem gostar de uma canção só para ser educado com um amigo ou uma pessoa querida.

“A música tem um efeito de mudança no humor. De alguma maneira, isso também mostra a personalidade do brasileiro. A pesquisa revela que em países considerados menos quentes, caso da Alemanha, por exemplo, as pessoas valorizam menos as questões sentimentais na hora de ouvir músicas, sejam elas novas ou não”, contou a gerente de comunicação do Deezer Brasil para a Folha.

Outros números interessantes:

“82% ouvem músicas quando estão em situações de desconforto”;

“29% fingem gostar de música em um primeiro encontro”;

“5% ouvem faixas para ficarem confiantes com novas pessoas”;

“3% têm contato com canções para se atualizar com a cultura”;

“35% ouvem para se recuperar de doença ou momento triste”.

 

Foto: Jairo Malta/Folha de São Paulo

 

Leia na origem

#RespeitoAoCompositor contra o projeto de lei que isenta hotéis e pousadas de pagar direitos autorais

Projeto de lei que isenta hotéis e pousadas de pagar direitos autorais de execução pública pode provocar impacto negativo na arrecadação de direitos autorais.

A UBC (União Brasileira de Compositores) informou que está havendo uma análise pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado de um projeto de lei que isenta  hotéis, pousadas e estabelecimentos congêneres de pagar direitos autorais de execução pública por músicas tocadas em quartos. Apesar de estimular o turismo no país, o projeto pode provocar um grande impacto negativo na arrecadação de direitos autorais.

De acordo com a entidade, os artigos 3º e 4º PL 1.829/2019 “penalizam os compositores musicais”. O projeto é parecido com o PLS 206/2012, outro que há dois anos não conseguiu sequer ser votado perante a grande mobilização contrária pela classe artística.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), relator do PL 1.829, emitiu um parecer recomendando a remoção da isenção e manteve outras medidas de estímulo ao turismo.

A notícia sobre o projeto ganhou repercussão no país mobilizando autores e titulares de direitos autorais. Entidades como a Associação Brasileira da Música Independente (ABMI) e a Organização Latino-Americana de Direito Autoral (LatinAutor) também se manifestaram e enviaram uma carta para presidente do senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), mencionando os artigos.

A Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI) enviou uma carta para Randolfe Rodrigues pedindo a remoção da isenção a quartos de hotéis do projeto de lei:

“Queremos ratificar ao honorável senador que, em toda a América Latina, na Europa, nos Estados Unidos e em numerosos países da Ásia, os proprietários de hotéis obtêm licença e pagam direitos pelo uso de música em aparelhos de rádio e televisão colocados nos quartos, nas áreas comuns e em salões de festa”, afirmou em carta a IFPI. “No mundo atual, não se concebe um hotel, resort ou empresa de turismo que não incluam a música como parte da sua oferta aos consumidores, visitantes e turistas. A música é um elemento essencial da experiência humana em hotéis, e, por isso, seus criadores, produtores e artistas merecem uma remuneração justa e proporcional.”

Pela internet, uma campanha com a hashtag #RespeitoAoCompositor pode ser usada por todos que desejam defender a remoção dos artigos. Outra iniciativa que chamará a atenção para o sucesso da campanha é o envio de e-mails e mensagens diretamente aos senadores participarão da decisão. A relação de e-mails pode ser encontrada AQUI, ao final da página.

 

Foto: UBC

Leia na origem

Midstream: Um novo conceito para artistas que estão entre o indie e o popular

Midstream
Matéria de Metrópoles

Artistas como Duda Beat e Silva estão deixando de ser indies para ser midstream, um novo conceito para aqueles que estão ficando mais conhecidos, principalmente nas redes sociais.

O portal Metrópolis falou sobre o Midstream, um novo conceito para artistas que são indie, mas cada vez mais conquistam fãs, principalmente pelas redes sociais.

Segundo o portal, artistas Midstream são aqueles ainda não são tão populares (mainstream), mas também já conseguiram sair do underground. Artistas como Silva, Francisco El Hombre, Duda Beat e Rincon Sapiência estão “entre os dois extremos”.

“Esse mercado que era indie virou o Midstream. Afinal, há nomes muito consolidados, que já são mainstream, abandonando as gravadoras e se tornando independentes. O Midstream é uma consequência da mudança da indústria fonográfica, da democratização do acesso, da consolidação das redes sociais”, informou Diego Marx, curador do Festival CoMA ao portal.

A cantora, Duda Beat, “rainha da sofrência indie”, apesar de possuir 137 mil seguidores no Instagram, possui 2,8 milhões de reproduções no Youtube pelo seu clipe “Bixinho”. Sua apresentação no Lolapalooza Brasil deste ano foi muito esperada pelos fãs, que sempre cantam suas músicas em coro durante todos os seus shows.

“Nessa faixa da indústria fonográfica, os artistas têm maior liberdade, pois não precisam se sujeitar às regras das gravadoras”, comentou Diego Marx.

Leia na origem

Novo recurso do Spotify permitirá ouvir música junto com amigxs

Matéria de B9

Spotify tenta atualizar aquele antigo jeito de compartilhar o fone de ouvido entre amigos com novo recurso em fase de testes.

O Spotify está testando um novo recurso que permitirá vários usuários ouvirem a mesma música juntos, mas em dispositivos diferentes.

O Social Listening está em fase de testes, mas promete inovar aquele antigo jeito de compartilhar o fone de ouvido com outra pessoa, já que para ouvir a mesma música simultaneamente, basta enviar um convite através de um QR Code.

De acordo com o portal B9, o Spotify espera que os convites para a audição simultânea atraiam novos usuários para a plataforma.

Além do Social Listening, o serviço de streaming também anunciou que os usuários do Spotify Stations poderão ouvir músicas personalizadas na rádio deixando a execução mais compatível ao gosto musical de cada usuário. Será uma versão parecida com a proposta do Pandora, outro serviço de streaming.

Lançado em 2018, o Spotify Stations é uma versão mais simples do Spotify, que funciona quase como uma rádio. A rádio vai melhorando conforme o gosto do usuário. Com esta atualização, os usuários não precisarão seguir a ordem imposta pelo aplicativo.

Apesar da possibilidade de ouvir músicas de forma gratuita, o Spotify Stations ainda não é muito popular ao redor do mundo.

 

Leia na origem

Kondzilla perde a liderança do funk no YouTube

Matéria de G1

O maior canal do Youtube no Brasil, vem perdendo audiência e deixando a concorrência dominar o funk. Saiba os motivos que estão levando a queda do canal.

O canal Kondzilla, maior canal do Youtube no Brasil, vem perdendo audiência e deixando a concorrência  dominar o funk. É o que disse a matéria do G1 que apontou vários fatores que levaram a queda do canal.

De acordo com o G1, além da audiência do canal ter caído pela metade, o número de hits no Top 100 semanal da plataforma é de apenas três, contra nove da concorrência (GR6).

Após conversar com o diretor-executivo da Kondzilla, Fabio Trevisan e outros produtores, o G1 constatou cinco fatores que puderam ter levado o canal a perda de audiência:

  1. “Funkeiros mais conhecidos, como Kevinho, Jerry Smith, Lexa e Pocahontas, hoje preferem postar em seus canais individuais”
  2. “Após anos de domínio paulista, o funk cresce em Belo Horizonte, Recife e especialmente no Rio, onde Kondzilla é menos presente”
  3. “Mesmo em SP, a concorrência aumentou quando a GR6, maior agência de MCs da cidade, passou a priorizar seu próprio canal”
  4. “Competidores avaliam que o canal está perdendo a “conexão com as ruas”, com linguagem “limpinha” em momento em que o funk é marcado pela “ousadia””
  5. “Excesso de clipes de aspirantes a celebridades de qualidade duvidosa, que pagam pela “vitrine” da Kondzilla. A produtora lucra, mas o canal perde interesse de fãs”

Fábio explicou que uma das principais causas da perda de audiência foi uma “filtragem” de conteúdo. O canal deixou de promover clipes com palavrões, sexo e violência para alcançar certos públicos e marcas.

Enquanto o Kondzilla sofre com essas questões, uma concorrente assumiu a liderança no funk: a GR6, maior escritório de agenciamento de artistas de funk de SP.

Segundo o portal, a empresa virou concorrência para o Kondzilla a partir do momento em que o canal começou a focar em seus “planos grandiosos”, em 2017. Nessa época, todos os clipes de seus MCs eram lançados pelo canal da Konzilla:

“Eles abriram um escritório e viraram concorrência. A gente viu que tinha que ter uma coisa independente, trabalhar nossa plataforma. Pelos clipes, todo mundo achava que nossos artistas eram da Kondzilla. A gente ficava escondido”, afirmou Rodrigo Oliveira (33), dono da GR6.

Com produção e veiculação próprias, no canal GR6 Explode, a empresa conta com 10 diretores e R$2 milhões em equipamento de vídeo. A sede, situada em uma casa na Zona Norte de São Paulo, está começando a crescer: “Agora a gente está construindo outra casa na frente que é duas vezes maior. Lá vai ficar nossa parte de filmes. Estamos gravando uns 90 clipes por mês.”, informou Rodrigo. O resultado está nas paradas do Youtube.

Apesar da briga pela liderança no funk, Rodrigo contou que mantém boas relações com a concorrência: “Tenho um grande respeito pelo Kondzilla, por tudo que ele construiu”, disse.

O G1 detalhou todos os fatores que estão influenciando a disputa pelo primeiro lugar no funk. Apesar de tudo a favela continua vencendo.

 

Foto:Reprodução/Facebook/Kondzilla

Estamos no Instagram! Siga nossa página @mct.mus

Leia na origem

A CISAC anunciou Castello Branco como novo Chairman

Matéria de Portal SUCESSO!

A Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores (CISAC) elegeu Castello Branco como o novo Chairman. O executivo se tornou o primeiro brasileiro a assumir o cargo.

Castello Branco é o novo Chairman da Confederação Internacional de Sociedades de Autores e Compositores (CISAC).

De acordo com o portal Sucesso, a CISAC anunciou a escolha após as eleições durante sua  Assembléia Geral, organizada pela Sociedade Japonesa de Direitos dos Autores, Compositores e Editores (JASRAC), em Tóquio.

Com a decisão, Branco se tornou o primeiro brasileiro e o primeiro executivo latino a assumir o posto da entidade, desde sua fundação em 1926.

Além de ser um executivo com vasta experiência na indústria fonográfica, Marcello Castello Branco é diretor geral da União Brasileira de Compositores (UBC).

Atualmente, a CISAC protege os direitos de mais de quatro milhões de criadores e está presente em 120 países. A entidade é composta pelas seguintes sociedades de autores: APRA (Australásia), ARTISJUS (Hungria), ASCAP (EUA), Bildupphovsrätt (Suécia), BMI (EUA), GEMA (Alemanha), JASRAC (Japão), KOMCA (República da Coreia), LIRA (Países Baixos), ONDA (Argélia), PRS para Música (UK), SACD (França), SACEM (França), SACM (México), SADAIC ( Argentina), SAMRO (África do Sul), SIAE (Itália), SOCAN (Canadá), VEGAP (Espanha) e UBC (Brasil).

Foto: Marcello Castello Branco

Leia na origem

Emicida cria música para nova série da Amazon Prime Video

Matéria de Rolling Stone

A pedido da Amazon Prime Vide, o rapper brasileiro Emicida criou uma música para promover a nova série Good Omens.

A nova música do Emicida “Final dos Tempos”, foi lançada com exclusividade pela revista Rolling Stone Brasil e faz homenagem à série Good Omens, baseada no livro de Terry Pratchett e Neil Gaiman.

O rapper contou à revista que além de ser fã Neil Gaiman realizou seu sonho de nerd: “Conheci o trabalho dele através de Sandman, depois vi muitas outras coisas. Tem um discurso lindo dele sobre fazer boa arte que até virou livro. Isso sem falar em American Gods, que é um romance incrível”.

O clipe da música possui o mesmo contexto apocalíptico bíblico da série, que teve estréia no dia 31 de maio, na Amazon Prime Video.  Emicida interpreta um anjo e um demônio que jogam uma partida de xadrez e discutem sobre o fim dos tempos.

“Com o rapper, tudo ganha uma perspectiva mais real. Os tempos, de fato, parecem estar no fim”, contou a revista que também informou que em breve haverá o lançamento de um novo álbum do Emicida, principal artista da gravadora independente Laboratório Fantasma.

 

Foto: Reprodução

Leia na origem

Rádio Globo reformula sua programação e foca na música popular

Matéria de @meioemensagem

Para reverter queda de faturamento, a Rádio Globo reformula sua programação e encerra programas como o de Otaviano Costa e Adriane Galisteu. Entenda.

A Rádio Globo anunciou que fará uma reformulação de sua programação para focar em música popular.

Segundo o Meio & Mensagem, a mudança de programação da Rádio Globo deve encerrar vários programas como os de Otaviano Costa e Adriane Galisteu, a partir de julho.

Em comunicado, o Sistema Globo de Rádio afirmou que “vai iniciar um novo projeto de programação. A partir de 15 de julho, a emissora passa a concentrar seu conteúdo em música popular. As transmissões de jogos de futebol continuam na grade, bem como o programa Globo Esportivo.”

De acordo com portal, desde 2017, a Rádio Globo tem buscado mudanças para reverter as  “tendências negativas de faturamento e uma operação deficitária”. Parece que o projeto da nova Rádio Globo não resolveu as questões. No entanto, o Sistema Globo de Rádio negou o encerramento do projeto.

 

Foto: Divulgação

Leia na origem

O impacto de Bohemian Rhapsody nas vendas do Queen

Matéria de Rolling Stone

Desde o lançamento do filme Bohemian Rhapsody, a banda Queen já arrecadou um lucro de €16 milhões. Veja outros números surpreendentes.

A Rolling Stone Brasil publicou uma notícia sobre como o filme Bohemian Rhapsody teve um efeito positivo para a banda Queen. Os números são surpreendentes.

A Billboard fez o levantamento de todos os dados. Desde a estréia de Bohemian Rhapsody, em novembro do ano passado, houve um aumento nas vendas digitais de 527 mil para 1,9 milhões. Com relação ao formato físico as vendas foram de 184 mil para 1,1 milhões no mesmo período.

Para o Queen, todas as vendas representaram um lucro de aproximadamente €16 milhões. Sendo que, seis meses antes da estreia do filme, a banda já havia lucrado de €4 milhões com as vendas e com os streamings.

De acordo com o portal, o guitarrista Brian May afirmou que não houve nenhum recebimento pela banda através do filme.

Vale lembrar que Rocketman – A trajetória de Elton Jhon – já está em cartaz nos cinemas. Resta saber, se o filme seguirá a mesma tendência de resultados que Bohemian Rhapsody trouxe para o Queen.

 

(Foto: Divulgação/ Fox FIlmes)

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?