O SEGREDO DE UM HIT ESTÁ NA COMBINAÇÃO DE CERTEZA E SURPRESA DE ACORDES, DIZ ESTUDO

Cientistas do campo de musicologia computacional, resolveram investigar o que torna um hit agradável para as pessoas. Estudo pode ajudar compositores a criarem hits de sucesso como “Ob-La-Di, Ob-La-Da”, dos Beatles.

Um novo estudo realizado pelo Instituto Max Planck de Cognição Humana e Ciência Cerebral, descobriu o que torna as músicas agradáveis. Para os cientistas, o segredo de um hit está em uma combinação de incerteza e surpresa de acordes.

De acordo com a IstoÉ, 80 indivíduos ouviram vários acordes em hits clássicos da Billboard dos EUA incluindo “Ob-La-Di, Ob-La-Da”, dos Beatles, “Red red wine”, da UB40, e “Knowing me, knowing you”, do ABBA.

A partir de um modelo de aprendizado de máquina capaz de quantificar matematicamente o nível de incerteza e surpresa, conectados a scanners cerebrais de ressonância magnética funcional (fMRI), os cientistas chegaram a conclusão de que os voluntários gostaram mais de músicas que têm progressões de acorde inesperadas do que aquelas que são previsíveis.

Os maiores beneficiados pelo estudo são os compositores em suas criações. Apesar de saberem de forma intuitiva que a expectativa é importante para que uma música seja mais agradável, agora temos a confirmação de que o prazer musical tem associação com a amígdala, hipocampo e córtex auditivo do cérebro – “regiões associadas ao processamento de emoções, aprendizado e memória, e processamento de sons, respectivamente”, informou a IstoÉ.

Segundo o portal, o estudo está ligado à musicologia computacional, um novo campo que estuda a ciência e a arte. Vicent Cheung, coordenador do estudo disse que quer ir além e investigar melodias.

Resta saber se os novos dados poderiam ajudar na fórmula mágica para a criação de músicas perfeitas: “É uma característica importante que pode ser explorada, mas não seria a única coisa que pode ser usada para criar uma música pop”, disse Vicent Cheung.

O top três das progressões de acordes mais bem avaliadas pelos participantes são “Invisible Touch”, da banda inglesa Genesis , o hit “Hooked On A Feeling”, de BJ Thomas, e o clássico dos Beatles “Ob-La-Di, Ob-La-Da “.

 

Foto: Canva

Leia na origem

Arrecadação de Direitos Autorais chega a €9,65 bilhões no mundo

Matéria de CISAC

Em novo relatório da CISAC, nos últimos cinco anos a arrecadação de direitos autorais relativos a música, audiovisual, artes visuais, teatro e literatura cresceu 25,4%. Brasil foi o país em que as receitas digitais cresceram mais rápido em todo o mundo, um total de 1800%.

O novo relatório da CISAC – Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores indicou um recorde de €9,65 bilhões na arrecadação de direitos autorais com música, audiovisual, artes visuais, teatro e literatura, em 2018.

Este é o quinto ano consecutivo de crescimento, uma alta de 25,4% desde o levantamento de 2014.

A arrecadação de royalties provenientes de fontes digitais chegou a marca de €1,64 bilhões, um acrescimento de 29%. Para a entidade, a rápida expansão global da música digital e dos serviços de vídeo sob demanda (SVOD) contribuíram para o crescimento. Nos últimos cinco anos, a renda digital dos criadores quase triplicou, representando agora 17% da arrecadação, contra 7,5% em 2014.

Segundo o relatório, os novos acordos de licenciamento entre sociedades e plataformas digitais no mundo, como Spotify e Netflix, ajudaram a impulsionar a arrecadação de royalties no mundo, principalmente em países como Estados Unidos, França e Japão.

No relatório, a a CISAC destacou a necessidade de uma ação legislativa que traga remuneração justa aos criadores, e pediu aos governos para seguirem o exemplo da Diretiva de Direitos Autorais da UE, adotada em abril de 2019.

Em termos de arrecadação de direitos autorais relativos a música, o Brasil está em 10° lugar, com uma receita de 194 milhões de euros. Nos últimos cinco anos, o Brasil foi o país em que as receitas digitais cresceram mais rápido em todo o mundo, um total de 1800%.

“O Brasil ficou em primeiro lugar em termos de crescimento na arrecadação do digital se compararmos os anos de 2013 a 2018, mas este resultado reflete acordos fechados nos últimos anos com grandes players do digital como YouTube , Spotify , Netflix e outros. Ou seja, saímos praticamente do zero, ainda há um grande caminho a percorrer”, disse ao Globo, Marcelo Castello Branco , diretor-executivo da União Brasileira de Compositores (UBC) e, desde junho, também presidente do Conselho de Administração da Cisac.

Foto: Reprodução

Leia na origem

Estudo descobre que o cérebro leva 0,1 segundo para reconhecer uma música

Matéria de Superinteressante

Uma pesquisa que conseguimos reconhecer uma música em apenas 0,1 segundo.

Uma pesquisa realizada por Cientistas da University College, em Londres, descobriu que conseguimos reconhecer uma música em apenas 0,1 segundo.

De acordo com o portal da Super Interessante, aos 100 milissegundos (0,1 segundo) a pupila começa a se dilatar, mas só aos 300 milissegundos é ativada a área responsável pela memorização no cérebro, e então conseguimos identificar  exatamente qual música está tocando.

O experimento foi realizado com dez pessoas, cinco homens e cinco mulheres. Cada um citou  à equipe suas cinco músicas conhecidas. A partir disso, os pesquisadores pediram para os participantes indicarem as partes que mais gostavam, evocavam sentimentos ou que traziam memórias positivas. Esse processo teve como intuito entender se critérios emocionais estavam envolvidos na rapidez da identificação da música.

Com as músicas indicadas, os pesquisadores separaram os trechos e mesclaram com pedaços de outras músicas desconhecidas pelos participantes. Pelos resultados dos monitoramentos das atividades registradas pelo eletro-encefalografia (EEG), e a pupilometria, percebeu-se que quando a parte da música preferida tocava, a pupila dilatava e então a área de memória do cérebro era acionada.

Segundo o portal, além de poder entender como o nosso cérebro reconhece músicas familiares, o estudo é um caminho para ajudar pacientes com problemas de memória através de terapias com música.

 

Foto: master1305/Getty Images

Leia na origem

FAST FORWARD PODCAST É INDICADO AO PRÊMIO SIM

Fast Forward Podcast é indicado ao Projeto do Ano no Prêmio SIM

Nesta segunda-feira (4) o Prêmio SIM, da Sim São Paulo, anunciou os indicados na categoria Projeto do Ano e ficamos muito felizes em saber que o Fast Forward Podcast tenha sido um dos indicados.

A categoria reconhece as iniciativas do mercado musical que mais se destacaram ao longo do ano.

O Fast Forward, ou FF, é um podcast semanal de temas que evidenciam o mercado da música, sempre com convidados. O podcast é uma parceria entre Milk, Música Copyright e Tecnologia, U.Got Studios e Tenho Mais Discos que Amigos. Ouça Aqui!

A votação para o Prêmio SIM está aberta para quem é credenciado para a SIM 2019.

Foto: Divulgação

Leia na origem

ISABEL AMORIM É NOVA SUPERINTENDENTE DO ECAD

O Ecad, anunciou Isabel Amorim como sua nova Superintendente.

O Ecad, Escritório Central de Arrecadação e Distribuição, anunciou nesta segunda-feira (4) Isabel Amorim  como sua nova Superintendente.

Segundo o portal da entidade, a atual Superintendente, Glória Braga, ficará no cargo até o dia 14/11, e então, deixará o escritório para trabalhar como consultora.

O portal informou que para a escolha de sua nova representante houve um processo seletivo rigoroso. Isabel terá como principal missão  tornar o Ecad cada vez mias digital e tecnológico, além de dar continuidade ao trabalho de Glória, trabalhando para o desenvolvimento da cadeia produtiva da música através da valorização dos direitos autorais.

“Estou muito feliz com o desafio e tenho certeza que, com o apoio de toda a equipe do Ecad e das associações, seguiremos inovando e acompanhando as mudanças do mundo digital para que a música esteja sempre viva, gerando cada vez mais renda e contribuindo para a indústria criativa do país”, disse a nova superintendente ao portal.

Foto: Reprodução

Leia na origem

AUTOR VAI AO CARTÓRIO PARA REGISTRAR DIREITOS AUTORAIS DE “CANETA AZUL”

Manoel Gomes, autor do hit chiclete “Caneta Azul” vai ao cartório para iniciar o processo dos direitos autorais de sua música.

Nessa semana, o vídeo do maranhense Manoel Gomes, cantando sua composição “Caneta Azul” viralizou no Youtube, alcançando a marca de 10 milhões de visualizações. Muito esperto, o compositor registrou sua música em cartório.

Segundo o Correio24horas.com, se dirigiu nesta segunda-feira (28), ao cartório da cidade de Balsas (MA), onde mora, para iniciar o processo de registro dos direitos autorais de sua música.

Acompanhado de seu advogado, Monoel também aproveitou para registrar outra canção de sua autoria: “Vou Deixar de Ser Besta”.

A voz inconfundível de Manoel Gomes somada à letra icônica caíram na boca do povo e agora ninguém consegue tirar o hit da cabeça!

(Foto: Reprodução)

Leia na origem

OPERAÇÃO ANTI-PIRATARIA EM STREAMING BLOQUEIA 200 SITES EM 12 ESTADOS DO PAÍS

Matéria de G1

Além de suspender mais de 200 sites, a operação deseja bloquear dos mecanismos de buscas, perfis e páginas que promovem a distribuição de filmes, séries e TV’s de forma ilegal. Atualmente, o prejuízo estimado é de mais de R$9 bilhões ao ano.

Na sexta-feira (1º) a Polícia Federal realizou uma operação anti-pirataria digital em 12 estados no país, para bloquear e suspender cerca de 200 sites e 100 aplicativos de streaming de filmes, séries e TV’s que distribuíam conteúdo de forma ilegal.

De acordo com o G1, a Operação 404, referência a mensagem de erro quando um site está fora do ar, também deseja remover dos mecanismos de buscas, perfis e páginas que promovem a distribuição de conteúdos piratas. Para isso, a Polícia Federal informou que construiu um banco de dados com usuários proprietários dos serviços piratas.

A Operação que prendeu em flagrante três pessoas, teve apoio da Ancine, do Conselho Nacional de Combate à Pirataria e Delitos contra a Propriedade Intelectual (CNCP), das associações proteção à propriedade intelectual no Brasil, Embaixada dos Estados Unidos no Brasil (Adidância da Polícia de Imigração e Alfândega em Brasília – US Immigration and Customs Enforcement-ICE) e do Departamento de Justiça dos Estados Unidos da América.

O portal informou atualmente, há cerca de 4,2 milhões de sinais piratas de TV no Brasil, gerando um prejuízo de R$9 bilhões ao ano.

Para se ter uma ideia, os dez maiores site sites piratas no Brasil receberam  1,3 bilhão de visitas em 2018. Entre agosto de 2015 a agosto de 2016, esses sites faturaram R$17 milhões em receitas publicitárias.

 

Imagem: G1/Globo News

Leia na origem

Podcasts geraram US$15,9 milhões para o Spotify no Q3

Matéria de MIDiA Research

Na semana do Spotify for Podcasters no Brasil, o Spotify lançou os resultados financeiros para o terceiro período de 2019 + Entenda porque o formato está movimentando tantos investimentos pelo serviço de streaming + Veja análise dos números dos Podcasts para o Spotify + Link para audios do Spotify for Podcasters Summit.

Ao publicar seus balanços financeiros para o terceiro trimestre de 2019, o Spotify informou que alcançou a marca de 113 milhões de assinantes pagos em seu serviço. Entretanto, todos os olhos estão voltados para a grande aposta do ano: o Podcast!

Em seu blog da Midia Research, Mark Mulligan realizou uma análise detalhada sobre os números dos podcasts para o Spotify no Q3.

5 motivos que levaram o Spotify a investir em Podcasts

Antes de entender os números é preciso entender um pouco sobre as razões que levaram o Spotify a inserir podcasts como uma estratégia de crescimento. Para o Mulligan, há cinco motivos:

1- Criação de conteúdo original em grande escala a médio prazo;

2- Criação de receitas para além da música a longo prazo;

3- Podcasts permitirão ao Spotify cumprir sua ambição: permitir que um milhão de criadores ganhem a vida de sua arte;

4- Diversificação de oferta de conteúdo;

5 – Oportunidade de crescimento de margens.

Além desses motivos, Mulligan apontou o rádio como um novo mercado a ser explorado pelo serviço: “O mercado de rádio comercial é um lago maior para se pescar do que o mercado de música gravada e representa uma oportunidade para impulsionar o crescimento contínuo dos investidores, de modo que anseiam que o crescimento de assinantes diminua”, analisou o executivo.

Analisando os números

Segundo os números do Spotify para o terceiro trimestre de 2019, 33,7 milhões de usuários geraram uma receita de US$15,9 milhões para o serviço. Durante o período, 14% dos usuários médios mensais (MAUs, sigla em inglês) transmitiram podcasts na plataforma.

Apesar do serviço de streaming ter conseguido se estabelecer como um player significativo no mercado global de podcasts, ainda está longe de se tornar o principal. Isso porque, segundo Mulligan, o Spotify terá apenas 5,5% da participação no mercado global de podcasts ao fim de 2019. Todavia, os movimentos da plataforma fazem parte de uma “estratégia defensiva” para despertar o interesse dos usuários.

Ainda há um longo caminho a ser explorado no mundo dos podcasts, e nós do MCT, temos certeza que muitas novidades surgirão. O Blog da MIDia Research informou que em breve será lançado um novo relatório ainda mais específico sobre o assunto.

Vale lembrar que nesta semana, o Spotify está realizando o Spotify for Podcasters Summit no Brasil, um evento com workshops e painéis para criadores de podcasts. Fábio Silveira, esteve presente e representou o Fast Forward Podcast no painel Música e Podcasts – SALA PRINCIPAL. E para quem não conseguiu comparecer, todos os painéis estão disponíveis no podcast do evento. Para conferir clique aqui.

Imagem: Canva

Leia na origem

PARA AUMENTAR LUCROS FENDER APOSTA EM APLICATIVO QUE ENSINA A TOCAR MÚSICAS

O Fender Songs é um aplicativo capaz de analisar e aprender canções ouvidas pela Apple Music, gerando diagramas de acordes para elas. O lançamento faz parte de uma estratégia para companhar o crescimento do mercado musical.

A Fender, fabricante de instrumentos musicais, lançou aplicativo que ensina o usuário a tocar suas canções favoritas a partir de cifras de acordes.

De acordo com O Globo, o Fender Songs usa uma tecnologia capaz de analisar e aprender canções ouvidas pela Apple Music, e então gera diagramas de acordes para elas.

Por uma assinatura de US$4,99 ao mês ou US$41,99 ao ano, o usuário terá acesso ao modo “toque junto”, no qual exibe os acordes e as letras na tela do celular à medida que a música toca.

A Fender informou que no processo de desenvolvimento do aplicativo, usou auditores humanos para conferir o trabalho dos computadores. Além disso, foram realizadas várias parcerias com gravadoras para garantir a precisão dos diagramas.

A questão da remuneração aos artistas foi enfatizada pelo presidente-executivo da Fender, Andy Mooney:

“Era essencial para nós que estivéssemos 100% legalizados quando o produto saísse – queremos garantir que os artistas sejam justamente compensados pelo trabalho”, disse Mooney.

Segundo a Reuters, foram quase dois anos para fossem firmados acordos com detentores de direitos de gravação como a Warner Music Group, e editoras musicais como a Sony/ATV Music Publishing, Warner Chappell Music, Kobalt e BMG. Devido a esses acordos, o app só estará disponível em dispositivos da Apple.

Segundo o portal, nos últimos dois anos foram lançados quatro aplicativos pela empresa. A estratégia da Fender é o crescimento digital baseado no crescimento do mercado musical. A previsão é de que a empresa encerre 2019 “saudavelmente acima” dos US$600 milhões de rendimento.

 

Foto: Mike Segar/Reuters

Leia na origem

USUÁRIOS CRIAM PODCASTS DE MÚSICAS NÃO AUTORIZADAS E ENTRAM NAS PARADAS DO SPOTIFY

Matéria de G1

DJ’s e fãs encontraram uma brecha nos podcasts para liberar versões de músicas que não foram lançadas oficialmente por artistas. Há podcasts muito populares com músicas em versões de brega-funk de Billie Eilish, Lana Del Rey, Ariana Grande e até Pabllo Vittar.

O G1 publicou uma denúncia sobre uma nova prática de violação de direitos autorais que está acontecendo no Spotify. DJ’s e fãs têm usado Podcasts para liberar versões de músicas que não foram lançadas oficialmente por grandes artistas como Lana Del Rey, Ariana Grande e Pabllo Vittar.

Quem segue nosso blog, com certeza percebeu o quanto falamos sobre Podcasts, e como esse novo formato tem sido uma grande aposta para tornar os serviços de streaming de música mais rentáveis.

Os podcasts funcionam como programas em que as pessoas podem falar sobre vários assuntos. Entretanto, alguns usuários descobriram uma brecha para inserir músicas raras e em versões que não foram lançadas oficialmente por artistas nas plataformas.

Parece que a coisa está fora de controle. Tanto que há podcasts com músicas em versões de brega-funk de músicas de Billie Eilish, Pabllo Vittar, Selena Gomes, Ariana Grande. Todas entraram no top 200 do Brasil. Os fãs fazem até montagens de capas, com as cantoras usando óculos “Juliet”, muito popular nos bailes.

De acordo com o portal, a “desculpa” para a prática está apenas na intenção de compartilhar as músicas com outros fãs. Só para se ter uma ideia, existe um podcast em que o conteúdo é apenas uma música, “Chapadinha”, versão criada pela cantora brasileira Duda Beat, de uma música da Lana Del Rey. A mesma não foi lançada, pois não foi autorizada por Lana, mas nesta quarta-feira (24) alcançou a posição 122º entre os podcasts mais ouvidos no país.

Não são só os fãs que andam espalhando músicas ilegalmente em podcasts. A prática também é feita por muitos Dj’s que usam o formato para divulgar seu trabalho. Este é o caso do DJ paulista Léo Alves. Ele contou ao G1 que usa seu podcast, “Só toca Funk”, para inserir músicas de funk-rave – uma mistura de batidas e vocais de funk com bases eletrônicas de Alok e Liu.

Apesar de saber que seu Podcast pode ser removido pelo Spotify, ele afirma que não se importa: “Estou divulgando as músicas, e nem fui eu que fiz. No YouTube você acha cada faixa dessa em uns 50 canais.” Nesta semana, o  “Só toca funk” chegou a 6a posição no Spotify Brasil.

Nessa história, os prejudicados são o compositores e artistas, que criam as músicas, mas não recebem os royalties.

A pedido do portal, o Spotify emitiu um comunicado explicando que tomará medidas para remover o conteúdo ilegal de sua plataforma: “O Spotify tem uma política de tolerância zero para conteúdo que viola direitos autorais em podcasts e, a partir do momento que tomamos conhecimento de um conteúdo potencialmente infrator, removemos do serviço. Isso inclui qualquer uso não autorizado de músicas protegidas por direitos autorais em podcasts.”

Foto: Divulgação/Billie Eilish

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?