Björk cria música que se transforma conforme as mudanças climáticas

Matéria de HYPEBEAST

Björk mais uma vez inova ao usar tecnologia da Microsoft para criar música capaz de se transformar conforme as mudanças climáticas, em hotel de Nova York.

A artista islandesa Björk conseguiu criar uma música que se transforma conforme as mudanças climáticas. Usando a tecnologia de Inteligência Artificial da Microsoft, foi gerada uma partitura, chamada de “Kórsafn” (‘arquivo de coro’ em islandês). A partitura é uma união entre de arquivos musicais gravados ao longo de dezessete anos pela artista, e sons do coral de Hamrahlid.

De acordo com o HypeBeast, uma câmera instalada no topo do hotel Sister City, em Nova York, captura atividades no céu, como mudanças climáticas, pássaros e aviões, 24 horas por dia. A IA interpreta os movimentos em sons específicos criados por Björk.

A sequência que está em constante evolução, pode parecer aleatória para o ouvinte, mas os dados capturados pela câmera mapeiam cuidadosamente a ordem das notas.

Björk é conhecida por sua estreita relação com a tecnologia, era uma opção natural para a colaboração. O projeto está sendo reproduzido em todo o lobby do Sister City, e no restaurante do hotel Floret. Há ainda audições especiais todos os domingos, das 16h às 18h até 23 de fevereiro, em Nova York.

Foto: Sacks & Co

Leia na origem

CONHEÇA A FERRAMENTA CAPAZ DE SEPARAR MÚSICAS EM FAIXAS DE VOZ E INSTRUMENTOS

Matéria de G1

Um desenvolvedor brasileiro criou uma ferramenta gratuita que separa músicas em faixas de voz e instrumentos. A novidade tem sido procurada por DJ’s para facilitar a criação de samples.

Um brasileiro criou uma ferramenta com inteligência artificial capaz de separar voz e instrumentos de uma música para facilitar a criação de samples e versões de karaokês.

De acordo como G1, o “Moises” – referência ao personagem bíblico que dividiu o Mar Vermelho – consegue separar os instrumentos a partir das frequências identificadas por um algoritmo que usa inteligência artificial.

A ferramenta está disponível gratuitamente e para usar, basta se cadastrar com o e-mail. É possível enviar a música em MP3 ou ainda por um link do Youtube.

O criador do Moises, Geraldo Ramos, é desenvolvedor de software e revelou que o projeto foi feito em uma semana, em sua casa.

“Muitos usuários cadastrados são DJs, que fazem beats ou mashups utilizando o sistema, mas também tem muita gente usando para fazer versões karaokê que não existem oficialmente. A separação das pistas da música não é perfeita, mas o resultado varia de acordo com a qualidade do material enviado e o sistema usa o aprendizado de máquina para se aprimorar a cada faixa nova enviada”, explica Geraldo.

Segundo Geraldo, a ideia surgiu a partir de um algoritmo de código aberto desenvolvido por pesquisadores do serviço de streaming de áudio Deezer, chamado Spleeter, e que permite fazer a separação dos instrumentos de uma música.

“O único problema é que [a ferramenta] não foi feita para ser usada por pessoas que não sejam da área de tecnologia, já que para funcionar, o usuário precisa instalar várias bibliotecas da linguagem de programação Python e outros programas. Com isso em mente, eu tive a ideia de criar um serviço simples que faz esse trabalho de processar os dados do algoritmo do Deezer remotamente, por meio da nuvem. O resultado foi esse projeto, feito em um fim de semana”, explica o desenvolvedor.

Apesar da facilidade, Geraldo lembrou que apesar do serviço ser gratuito, para utilizar o sistema o usuário deve ter autorização prévia dos autores das músicas.

 

Foto: Reprodução/Moises

Leia na origem

DISNEY+ ALCANÇA 10 MILHÕES DE ASSINANTES EM SEU PRIMEIRO DIA

Matéria de CNBC

Disney+ bateu a marca de serviços como HBO Now e ESPN+ . Veja uma comparação entre os serviços que mais conseguiram assinantes em sua estreia.

Nesta terça-feira (12), a Disney lançou seu serviço de streaming  já superando as expectativas ao alcançar a marca de 10 milhões de assinantes.

De acordo com a CNBC, apesar do resultado impressionante, é importante salientar que boa parte desses assinantes encontram-se no período gratuito para testes, e nem todas as inscrições representam clientes que continuarão a pagar pelo serviço.

Além disso, a operadora de telemóveis Verizon, está oferecendo a seus clientes um ano gratuito do serviço, o que deve movimentar ainda mais o número de assinantes.

A CNBC publicou uma lista com os serviços de streaming que mais receberam assinantes em seu primeiro dia de lançamento:

– Netflix (lançado em 2007): 158 milhões de assinantes, 60,6 milhões de assinantes nos EUA (em outubro).

– Hulu (começou a transmitir em 2007): 28,5 milhões de assinantes nos EUA (a partir de novembro).

– HBO (fundada em 1972, começou a transmitir fora do pacote de TV paga em 2015): 34 milhões de assinantes nos EUA, 8 milhões de assinantes do HBO Now (em outubro).

– CBS All Access e Showtime (começou a transmitir em 2014): 8 milhões de assinantes (a partir de fevereiro);

– ESPN+ (começou a transmitir em 2018): 3,5 milhões de assinantes (a partir de novembro).

– A Amazon não divulga o número de usuários do Amazon Prime Video. Os Parceiros de Pesquisa de Inteligência do Consumidor estimaram que havia 100 milhões de assinantes Prime em janeiro.

Foi possível perceber que a Disney obteve mais assinantes que serviços como HBO Now, CBS All Access + Showtime e ESPN+ em seu primeiro dia de lançamento. A previsão é de que o Disney+ chegue a 90 milhões de assinantes até 2024. No Brasil, o serviço estará disponível apenas em 2020.

 

Foto: Divulgação

Leia na origem

PARA AUMENTAR LUCROS FENDER APOSTA EM APLICATIVO QUE ENSINA A TOCAR MÚSICAS

O Fender Songs é um aplicativo capaz de analisar e aprender canções ouvidas pela Apple Music, gerando diagramas de acordes para elas. O lançamento faz parte de uma estratégia para companhar o crescimento do mercado musical.

A Fender, fabricante de instrumentos musicais, lançou aplicativo que ensina o usuário a tocar suas canções favoritas a partir de cifras de acordes.

De acordo com O Globo, o Fender Songs usa uma tecnologia capaz de analisar e aprender canções ouvidas pela Apple Music, e então gera diagramas de acordes para elas.

Por uma assinatura de US$4,99 ao mês ou US$41,99 ao ano, o usuário terá acesso ao modo “toque junto”, no qual exibe os acordes e as letras na tela do celular à medida que a música toca.

A Fender informou que no processo de desenvolvimento do aplicativo, usou auditores humanos para conferir o trabalho dos computadores. Além disso, foram realizadas várias parcerias com gravadoras para garantir a precisão dos diagramas.

A questão da remuneração aos artistas foi enfatizada pelo presidente-executivo da Fender, Andy Mooney:

“Era essencial para nós que estivéssemos 100% legalizados quando o produto saísse – queremos garantir que os artistas sejam justamente compensados pelo trabalho”, disse Mooney.

Segundo a Reuters, foram quase dois anos para fossem firmados acordos com detentores de direitos de gravação como a Warner Music Group, e editoras musicais como a Sony/ATV Music Publishing, Warner Chappell Music, Kobalt e BMG. Devido a esses acordos, o app só estará disponível em dispositivos da Apple.

Segundo o portal, nos últimos dois anos foram lançados quatro aplicativos pela empresa. A estratégia da Fender é o crescimento digital baseado no crescimento do mercado musical. A previsão é de que a empresa encerre 2019 “saudavelmente acima” dos US$600 milhões de rendimento.

 

Foto: Mike Segar/Reuters

Leia na origem

Dia do Podcast: Consumo de podcast no Brasil cresce 67%

Matéria de tiltuol @UOL

Uma pesquisa feita pela Deezer revelou o crescimento do consumo de podcast no Brasil. Atualmente, 25% dos brasileiros consome mais de uma hora do formato. Veja detalhes da pesquisa.

No Brasil, nesta segunda-feira (21), é comemorado o Dia do Podcast. Para celebrar a data, o portal de tecnologia da Uol, Tilt, publicou uma pesquisa sobre o consumo de podcasts no país.

A pesquisa elaborada pela Deezer revelou que o consumo de podcasts no país cresceu 67%, em 2019. Além disso, 25% dos ouvintes no país, consome mais de uma hora de podcasts diariamente.

Houve aumento também no tempo de escuta na plataforma da Deezer. O índice em 2018, apresentava alta de 130%. De janeiro a setembro deste ano, este índice aumentou para mais 40% .

Segundo o portal, para mensurar todos os dados, foram avaliadas todas as plataformas de streaming de podcasts como Spotify, Apple e Gooogle.

O serviço de streaming notou ainda que a audiência de podcasts na plataforma aumentou em 117% nos últimos 12 meses.

“Existe uma gama imensa de criatividade e conteúdo feitos por produtores que vêm se profissionalizando, além de grandes veículos de comunicação estreando podcasts de peso em 2019”, disse Gabriel Lupi, chefe de conteúdo da Deezer Brasil.

De acordo com o portal, a tecnologia, como a popularização dos smartphones e o surgimento do 4G, contribuíram para o aumento no consumo de podcasts no país. Novas ferramentas e gadgets como o Echo, da Amazon, e o Nest Mini, do Google, estão criando bases para melhorar a experiência de consumo desse formato.

Vale lembrar que no início do mês rolou uma live super bacana com Pedro Bontorim da ClavMusic em nosso grupo do Facebook, ele nos explicou tudo sobre o mercado e as oportunidades dos Podcast. Confira AQUI!

Imagem: Getty Images/iStockphoto

 

O Episódio 12 do FF Podcast está no ar e o tema é: “E o vídeo na era do streaming?”. Com participação de Guilherme Figueiredo, Diretor de Marketing e Digital da gravadora Som Livre, e o diretor e editor de vídeos Pedro Magalhães. OUÇA AQUI!

Leia na origem

Music Innovation Challenge quer aproximar artistas de seus fãs no ambiente digital

A Universal Music e o Núcleo de Empreendedorismo da USP criaram um desafio para aproximar artistas de seus fãs através da tecnologia.

A Universal Music e o Núcleo de Empreendedorismo da USP estão organizando o Music Innovation Challenge, uma competição entre equipes para criar soluções que aproximem artistas de seus fãs no ambiente digital.

Podem participar equipes de 3 ou 4 estudantes de graduação ou recém formados (há menos de 2 anos), sendo que pelo menos um deles deve ser aluno de graduação da USP ou formado há menos de dois anos pela Universidade.

Além de mentoria durante o processo, a equipe vencedora terá apoio financeiro e jurídico para por em prática o seu projeto.

As inscrições estão abertas até o dia 14/09. Para todos os detalhes do desafio acesse: desafiouniversal.com

“A Universal Music, como líder global do mercado de música, tem a missão de incentivar um ambiente dinâmico e empreendedor na indústria. Temos em nosso DNA a motivação de inovar sempre e a USP é o celeiro propício onde certamente vamos encontrar inúmeros jovens talentosos”, afirmou o presidente da Universal Music Brasil, Paulo Lima.

Foto: Divulgação

Leia na origem

A lei que impede a vinda do maior streaming do mundo ao Brasil

Matéria de Gazeta do Povo

No Brasil, uma lei que proíbe as operadoras de Tv a cabo de serem donas de canais está impedindo a chegada do maior serviço de streaming audiovisual do mundo.

Parece que nem sempre os governos conseguem acompanhar a evolução tecnológica. No Brasil, a Lei de Serviço de Acesso Condicionado (SeAC) está impedindo que o maior serviço de streaming audiovisual no mundo de chegar ao país.

Aprovada pela presidente Dilma Rousseff em 2011, a SeAC tem o intuito de “proteger o mercado da formação de monopólios”, impedindo a “propriedade cruzada” entre as empresas de Tv a cabo. Com isso, as operadoras como a Sky e NET, não podem ter seus próprios canais.

A SeAC tem impactado o setor de várias formas, e agora a lei está bloqueando a chegada no Brasil do maior serviço de streaming audiovisual do mundo, o HBO MAX, da Warner Media.

Segundo o portal Gazeta do Povo, o vice-diretor da Warner Media, Jim Meza, disse que “diante da incerteza regulatória existente no país, o investimento direto não é atraente no momento”. Assim, o Brasil como um dos maiores mercados de streaming do mundo, ficará de fora da lista.

Não é de hoje que a lei tem impactado negativamente o consumo de conteúdo no país. Para se adequar a lei, o Grupo Globo vendeu suas participações da Net. A Fox chegou a ser impedida de transmitir seus canais pela Internet pela Anatel. No fim, a entidade admitiu que a “lei se tornou obsoleta e precisa ser mudada”.

A boa notícia é que já está em tramitação na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática, o projeto de lei para alterar a SeAC. De acordo com o portal, neste ano o senador Vanderlan Cardoso (PP/GO) apresentou o PL 3.832 para alterar a restrição quanto a propriedade cruzada. Para ele a lei “pode impedir maciços investimentos no mercado nacional, asfixiando ou até mesmo barrando negócios benéficos à concorrência e ao mercado de TV por assinatura”.

O Ministério da Economia se manifestou a favor da criação de mudanças na legislação de TV a cabo, a fim para aumentar a  concorrência para o setor. Além disso, o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, enviou uma carta ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), solicitando uma revisão sobre as limitações “do controle cruzado entre operadoras de TV paga e programadoras de conteúdo”.

 

Foto: Pixabay

Leia na origem

Facebook quer unificar Instagram, WhatsApp e Messenger

Matéria de Ubergizmo

Tudo junto e misturado? Mark Zuckerberg, CEO da Facebook está procurando unificar a rede social com o Instagram, o WhatsApp e o Facebook Messenger.

Segundo o portal Ubergizmo.com, o New York Times divulgou um relatório onde o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, afirmou que pretende unificar seus serviços, como o Instagram, WhatsApp e Facebook Messenger.

Não, isso não significa que os serviços do Facebook serão todos mesclados. Zuckerberg estava se referindo a infraestrutura dos aplicativos, principalmente com relação a segurança. Uma das coisas que o CEO  espera ver é a inclusão de criptografia de ponta a ponta nos serviços.

De acordo com o portal, especula-se que o objetivo das mudanças seria interligar os serviços do Facebook para que seja mais difícil para os usuários abandonarem a plataforma. Um bom exemplo seria o WhatsApp, que não exige do usuário se conectar ao Facebook para utilizá-lo.

O Facebook planeja concluir as mudanças até o final do ano ou início de 2020.

Leia na origem

©2020 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?