Spotify passa a permitir adicionar podcasts em playlists

Matéria de Business Insider

A novidade poderá ajuda o serviço de streaming a ganhar maior força no mundo dos podcasts

Nesta semana, o spotify anunciou que os usuários já podem adicionar podcasts à playlists na plataforma.

Segundo o Business Insider, há três tipos de opções para usar o recurso: uma lista apenas de música, uma lista com curadoria de podcasts ou uma mistura de podcasts e músicas.

Em uma declaração, o Spotify enfatizou sua história com playlists como um recurso definidor do serviço:

“Se você não ouviu, as playlists são uma coisa do Spotify – é como construímos nossa plataforma personalizada em 2006 e como continuamos a ajudar os ouvintes a descobrir novos conteúdos hoje. Não poderíamos estar mais animados em trazer essa experiência para o mundo dos podcasts”.

Vale lembrar que em fevereiro, o Spotify adquiriu a empresa de produção de podcasts Gimlet, que está por trás de programas populares nos EUA, e continua expandindo negócios voltados para produção de conteúdo original.

 

Foto: Michael Loccisano/Getty Images for Spotify

Leia na origem

UM TERÇO DOS JOVENS USAM PROGRAMAS PARA COPIAR MÚSICAS ILEGALMENTE, APONTA ESTUDO DA IFPI

Matéria de Variety

Novo estudo da Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, sigla em ingês) mostra que pirataria no mercado da música continua. Entretanto, aumento do consumo dos serviços de streaming aumentou. O vinil é o preferido entre adultos de 25 a 35 anos. Confira análise.

Nesta terça-feira (24), a Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, sigla em inglês) – organização que representa a indústria da música em todo o mundo – divulgou seu estudo anual sobre o consumo de música global.

De acordo com o estudo, 27% dos entrevistados afirmaram que utilizam métodos para ouvir músicas não licenciadas na internet. Enquanto isso, 34% dos entrevistados, com faixa etária entre 16 a 24 anos, admitiram usar aplicativos ou serviços que copiam músicas ilegalmente (stream rippers). Entretanto, se forem considerados todos os entrevistados, com faixa etária de 16 a 64 anos, esse índice cai para 23%.

Enquanto os índices de pirataria de músicas na internet continua sendo considerável, o consumo dos serviços de streaming continua em crescimento, principalmente para pessoas com faixa etária entre 35 a 64 anos. Atualmente, 54% dos usuários nessa faixa etária usam algum tipo de serviço de streaming, um aumento de 8% em relação a 2018.

O aumento do consumo de vinil foi outro dado importante constatado pela IFPI. Apesar de não ser grande surpresa que pessoas entre 45 a 54 anos continuam comprando CDs, são os mais jovens, de 25 a 34 anos, que apresentaram índices mais altos para o consumo de vinil, a mesma faixa etária também continua comprando downloads digitais.

O rádio continua sendo o favorito dos consumidores de música, com 29% do tempo de audição gasto lá, seguido pelo uso de smartphones, 27%. Computadores e laptops representam 19% do consumo de música. Os estéreos domésticos tradicionais ficam para trás em 8% (mas ainda cinco pontos percentuais à frente dos alto-falantes inteligentes, 3%).

Segundo o Variety.com, a pesquisa da IFPI contou dados de 34.000 usuários da Internet em 21 países, representando mais de 90% do consumo global de música. A pesquisa passou por vários países entre eles EUA, Reino Unido, Canadá, França e Espanha. A margem de erro foi relatada em 3%.

Foto: SHUTTERSTOCK / MONTHIRA

Leia na origem

Spotify for Artists mostrará o número de ouvintes de artistas em tempo real

Matéria de The Verge

Além de ter informações valiosas sobre sua audiência no Spotify, os artistas poderão visualizar o número de pessoas que estão ouvindo em tempo real suas músicas.

O Spotify anunciou que a nova atualização do Spotify for Artists possibilitará a visualização do número de ouvintes que estão dando o play em suas músicas em tempo real.

Segundo o The Verge, a nova versão do aplicativo, voltado para os artistas que possuem músicas no catálogo do serviço de streaming, será lançada nesta semana com versões para iOS e Android.

Nesta versão, além do contador de plays em tempo real, os artistas poderão ter acesso a outras informações valiosas sobre sua audiência e insights de como conquistar novos seguidores e ser adicionados em várias playlists, aumentando alcance dos plays.

Há ainda um guia com informações sobre como aproveitar ao máximo o lançamento de músicas no serviço, incluindo o Co.Lab do Spotify, uma ferramenta com workshops e mentoria para artistas musicais.

O portal lembrou que há pouco tempo a Apple Music disponibilizou a plataforma Apple Music for Artists, após o lançamento da versão beta no início de 2018. Fornecendo dados de audiência  dos ouvintes baseados como localização geográfica, o serviço está integrado ao  Shazam, mais uma maneira em que os artistas podem rastrear quando as pessoas estão usando o serviço para identificar suas músicas.

Os dados fornecidos por essas plataformas como o Spotify for Artists, são de extrema relevância para que os artistas entendam cada vez mais sobre o seu público, e devem influenciar não apenas na produção de músicas, mas também nos planejamentos e estratégias de divulgação de seus trabalhos.

Foto: Spotify

Já está em dia com o FF Podcast? No episódio 8 o tema é “POP vs Indie”, com participação de Pedro Seiler, um dos fundadores do Queremos OUÇA AQUI!

Leia na origem

RIAA 2019: Música gravada nos EUA cresce 18% e fatura US$5,4 bilhões

A RIAA publicou seu relatório sobre faturamento da industria de música gravada nos EUA para o primeiro semestre de 2019. Os negócios da música continuam seguindo tendência de crescimento desde 2016 impulsionados pelo crescimento de assinaturas pagas dos serviços de streaming. Confira análise completa realizada pela Billboard.

A Associação Americana da Indústria de Gravação (RIAA, sigla em inglês) publicou nesta quinta-feira (5) o relatório sobre os negócios da música gravada nos EUA para o primeiro semestre de 2019. Até agora, a indústria de música gravada faturou US$5,4 bilhões, um aumento de 18% em relação ao período anterior.

Segundo a publicação da Billboard, o crescimento no faturamento é uma tendência de mercado que se iniciou em 2016 e está relacionada ao aumento das assinaturas dos serviços de streaming.

Com 61,1 milhões de assinaturas pagas e uma média de 1 milhão de novas assinaturas a cada mês, as receitas de streaming foram de US$4,3 bilhões (+26%).

Contrariando as tendências, houve uma alta de 5% na receita líquida de produtos físicos, um total de US$485 milhões – representando 9% do total da indústria no período.

As vendas de álbuns de vinil continuam melhorando. Um aumento de 13% para US$224 milhões, representando 46% da receita física total, mas apenas 4% da receita total no primeiro semestre de 2019.

Enquanto isso, as vendas digitais continuaram em declínio, uma queda de 18% para US$462 milhões, representando apenas 8,6% da receita total da indústria. As receitas de vendas de faixas individuais diminuíram 16% em relação ao ano anterior e as receitas de álbuns digitais caíram 23%.

Detalhando as receitas de streaming

As assinaturas pagas em serviços como Spotify e Apple Music cresceram 31% a.a., um total de US$3,3 bilhões – 77% da receita total de streaming e 62% da receita geral do setor.

Nesse total, estão incluídas assinaturas pagas de “camada limitada” de serviços como Amazon Prime e Pandora Plus, que faturaram juntas 482 milhões de dólares.

As receitas de streaming sob demanda suportadas por publicidade também cresceram 25% ano a ano, um alcance de US$427 milhões. Entretanto, o relatório mencionou que essa receita vinda dos serviços como YouTube, Vevo e o plano gratuito do Spotify representou apenas 10% da receita geral de streaming, mesmo sendo ouvidos centenas de bilhões de streams de músicas neste período.

As receitas de rádio digital e personalizada de serviços como SiriusXM e estações de rádio na Internet, bem como pagamentos pagos diretamente por outros serviços suportados por anúncios, foram de US $ 552 milhões nesse período – um aumento de 5% em relação ao mesmo período do ano passado.

Foto: Guetty Images

 

Leia na origem

JOVEM PAN LANÇARÁ SUA PRÓPRIA PLATAFORMA DE CONTEÚDO

Matéria de ISTOÉ DINHEIRO

A rádio Jovem Pan lançará o Pan Flix, sua plataforma de conteúdo original conectada ao Youtube. Com investimentos de R$30 milhões em novos estúdios, a rádio terá novos programas e reformulações para atrair o público. Saiba quais serão as novidades.

A rádio paulistana, Jovem Pan, lançará em Outubro sua própria plataforma de conteúdo, o Pan Flix. Com produções originais a rádio espera crescer ainda mais.

Segundo a matéria da IstoÉ Dinheiro, a Jovem Pan já possui um canal gigante no Youtube. Para se ter uma ideia, os 24 programas disponibilizados na plataforma somaram um total de 42 milhões de visitantes (unique visitors) nos últimos 90 dias. Com a novidade, a rádio espera crescer ainda mais, já que sua plataforma será conectada ao Youtube.

Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, ou Tutinha, presidente do grupo contou que o sucesso na audiência da rádio está ligado à opinião: “O segredo da Jovem Pan foi colocar opinião no ar, já que jornalismo é commodity”.

Para fazer a plataforma acontecer, foram investidos R$30 milhões em novos estúdios, o que deixará a Pan Flix com a “cara de uma emissora de TV”.

Serão lançados novos programas, incluindo uma série de conferências no estilo TED Talks e uma retrospectiva com material histórico que a rádio guarda desde os anos 50, como gols do Pelé e os ataques de 11 de setembro.

Inicialmente, o Pan Flix será gratuito. Entretanto, deve haver uma versão paga, sem anúncios. Haverá ainda um app para smartphones e em Tv’s da Samsung.

“Nós não temos medo de errar”, diz Roberto Alves de Araújo, CEO da Jovem Pan. “É melhor errar do que ter medo de fazer”.

 

Foto: Programa Pânico/Divulgação

Está no ar mais um episódio do FF Podcast. Desta vez o tema é: #6 – POP LACRAÇÃO com a participação de Pablo Bispo. OUÇA AQUI!

Leia na origem

A ERA DOS ARTISTAS INDEPENDENTES

Matéria de Terra

Com promessa de crescimento em 2019, esta é a melhor época para artistas independentes.

O portal Terra publicou uma notícia sobre o impulsionamento dos artistas independentes no mercado fonográfico.

De acordo com a organização americana de mídia NPR, para que um artista seja classificado como independente, basta que ele não seja ligado as “Big 3” – Sony, Warner e Universal. Segundo o Terra.com, essa categoria corresponde a cerca de 40% do mercado global, o maior índice desde 1990.

Em 2018, o relatório da Midia Research realizado em parceria com a Amuse, distribuidora de música digital, afirmou que os artistas independentes geraram mais de 643 milhões de dólares, um aumento de 35% em relação ao ano anterior.

Vale lembrar que Will.I.Am, do grupo pop The Black Eyed Peas, é sócio da Amuse. Atualmente, a empresa oferece um app  que permite aos músicos publicarem seus trabalhos nas plataformas de streaming, acompanhar sua performance e coleta de royalties, tudo isso de forma gratuita.

Para o portal,  os serviços de streaming e os distribuidores digitais como Tunecore e CD Baby, oferecem serviços que facilitam a entrada de novos nomes no mundo inteiro contribuindo para o crescimento dos artistas independentes no mercado. Por outro lado, nunca foi tão fácil para o público ter acesso a trabalhos dos novos artistas.

O artista Bruno Zonzini, contou como está seguindo sua carreira de forma independente. Um grupo de investidores financiou seu primeiro EP, que será lançado em breve.  Ele disse que conseguiu recursos ainda para produção de músicas, videoclipes e publicidade .

Antes do lançamento, Bruno se apresentou no Brazilian Day em Orlando, maior evento da comunidade brasileira na Flórida. “Como artista independente, sou capaz de criar oportunidades que uma gravadora só daria para um artista já consolidado”, afirmou o cantor.

“Nunca houve época melhor para um artista independente e 2019 promete ser um ano de mais crescimento, tanto para artistas quanto para modelos alternativos de negócios no setor”, disse Mark Mulligan, da Midia Research.

Foto: Arquivo Pessoal / DINO

Está no ar mais um episódio do FF Podcast. Desta vez o tema é: #5 – A Direção Artística na Era do Streaming. Com participação do Produtor e Diretor Artístico Rafael Ramos. OUÇA AQUI!

Leia na origem

Qual o melhor? Apple Music for Artists vs. Spotify for Artists

Matéria de hypebot

A Apple Music for Artists chegou para concorrer com a plataforma do Spotify, Spotify for Artists. Mas será que consegue atender as expectativas? Veja uma comparação entre as duas plataformas que dão aos artistas dados valiosos sobre seus ouvintes.

No início do mês, saiu da versão beta a Apple Music For Artists, a plataforma de gerenciamento da Apple Music voltada para artistas. A Apple Music for Artists chegou para concorrer com a plataforma de seu rival Spotify, Spotify for Artists.

As duas plataformas oferecem aos artistas, acesso a dados estatísticos sobre os ouvintes (idade, sexo, localização), possibilitando um maior controle sobre o desempenho de seu trabalho.

O portal Hypebot, convidou o veterano no mercado Jay Gilbert, co-fundador da Label Logic, para fazer uma comparação entre as duas plataformas. A seguir, os principais pontos detalhados por Gilbert:

– Tanto o Spotify For Artists, quanto o Apple Music For Artists podem ser gerenciados pelos próprios artistas e suas equipes, não apenas pelos selos.

– Apenas selos e seus associados podem ter acesso ao Spotify Analytics.

– Enquanto o Spotify For Artists possui métricas “mais individuais”, o Apple Music For Artists tem o maior flexibilidade para gerar relatórios e comparações por usuários.

– O Spotify For Artists suporta maior personalização da página do artista.

– O Spotify envia notificações regulares sobre as listas de reprodução e audiência.

Para conferir a comparação de todos os recursos das plataformas CLIQUE AQUI.

 

Corra lá para o nosso Instagram @mct.mus e comente em nosso post qual a sua plataforma de gestão de audiência preferida. 

Foto: Hypebot

Leia na origem

A lei que impede a vinda do maior streaming do mundo ao Brasil

Matéria de Gazeta do Povo

No Brasil, uma lei que proíbe as operadoras de Tv a cabo de serem donas de canais está impedindo a chegada do maior serviço de streaming audiovisual do mundo.

Parece que nem sempre os governos conseguem acompanhar a evolução tecnológica. No Brasil, a Lei de Serviço de Acesso Condicionado (SeAC) está impedindo que o maior serviço de streaming audiovisual no mundo de chegar ao país.

Aprovada pela presidente Dilma Rousseff em 2011, a SeAC tem o intuito de “proteger o mercado da formação de monopólios”, impedindo a “propriedade cruzada” entre as empresas de Tv a cabo. Com isso, as operadoras como a Sky e NET, não podem ter seus próprios canais.

A SeAC tem impactado o setor de várias formas, e agora a lei está bloqueando a chegada no Brasil do maior serviço de streaming audiovisual do mundo, o HBO MAX, da Warner Media.

Segundo o portal Gazeta do Povo, o vice-diretor da Warner Media, Jim Meza, disse que “diante da incerteza regulatória existente no país, o investimento direto não é atraente no momento”. Assim, o Brasil como um dos maiores mercados de streaming do mundo, ficará de fora da lista.

Não é de hoje que a lei tem impactado negativamente o consumo de conteúdo no país. Para se adequar a lei, o Grupo Globo vendeu suas participações da Net. A Fox chegou a ser impedida de transmitir seus canais pela Internet pela Anatel. No fim, a entidade admitiu que a “lei se tornou obsoleta e precisa ser mudada”.

A boa notícia é que já está em tramitação na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática, o projeto de lei para alterar a SeAC. De acordo com o portal, neste ano o senador Vanderlan Cardoso (PP/GO) apresentou o PL 3.832 para alterar a restrição quanto a propriedade cruzada. Para ele a lei “pode impedir maciços investimentos no mercado nacional, asfixiando ou até mesmo barrando negócios benéficos à concorrência e ao mercado de TV por assinatura”.

O Ministério da Economia se manifestou a favor da criação de mudanças na legislação de TV a cabo, a fim para aumentar a  concorrência para o setor. Além disso, o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, enviou uma carta ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), solicitando uma revisão sobre as limitações “do controle cruzado entre operadoras de TV paga e programadoras de conteúdo”.

 

Foto: Pixabay

Leia na origem

BIG 3: AS MAIORES GRAVADORAS GANHAM QUASE US$1 MILHÃO POR HORA COM STREAMING

Agora que as Big 3 (Universal Music, Sony Music e Warner Music) publicaram seus resultados financeiros do último trimestre, é possível analisar e apontar as principais tendências para o mercado da música no mundo.

Estamos em agosto, e as Big 3  – Universal Music, Sony Music e Warner Music – já publicaram seus resultados financeiros dos últimos três meses (Q2). O portal Music Business Worldwide analisou os principais resultados e indicou tendências para o mercado da música.

De acordo com o portal, as receitas de streaming geraram para as Big 3 US$2,08 bilhões do consumo de streaming de música. Ou seja, foram US$23,13 milhões por dia e quase um milhão de dólares por hora durante o Q2.

Apesar dos números gigantes, as receitas acumuladas de streaming no Q2 sofreram uma queda considerável de 19,1%. De US$877 milhões em 2018 para US$709 milhões em 2019.

A que conclusões podemos chegar após o Q2?

Segundo o MBW, apesar do declínio “relativamente suave” no crescimento das receitas de streaming ano após ano, não há razões para se desesperar, uma vez que as Big 3 ganham juntas US$23,13 milhões por dia com o streaming de música.

Além disso, os executivos já estavam prevendo, inclusive publicamente, uma desaceleração no crescimento da receita global de música gravada, à medida que o crescimento do streaming está sendo acalmado.

É possível prever também  que em breve veremos problemas em determinados serviços globais de streaming – incluindo o Spotify, Apple Music, a Amazon Music. “A desaceleração do crescimento de 2019 não se torna um problema perene”, afirmou o MBW.

No primeiro semestre deste ano, as receitas do Spotify ficaram em US$3,59 bilhões, com alta de US$890 milhões.  Enquanto as receitas do serviço de streaming estão crescendo, as das grandes gravadoras está começando a desacelerar.

Neste momento, pode ser que a Warner Music Group e a Universal Music Group, estejam mais flexíveis com relação aos novos contratos globais de licenciamento que podem ser concluídos nas próximas semanas.

Foto: Music Business Worldwide

Guta Braga do MCT, Fábio Silveira, Agência Milk e U.Got se juntaram para criar o Forward Podcast! A cada semana um novo episódio sobre os principais temas do mercado da música! OUÇA AQUI!

Leia na origem

©2020 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?