O Facebook tem tudo para ser o futuro da música social

Mark Mulligan, da Midia Research trouxe uma análise sobre o Facebook e sua relação com a música. Para ele, a rede social de Mark Zuckerberg tem tudo para ser o futuro da música social.

Nós sempre acompanhamos o blog “Music Industry” de Mark Mulligan, fundador da MIDiA Research, um serviço de pesquisa e análises focado na interseção de mídia e tecnologia. Desta vez, Mulligan trouxe uma análise sobre o Facebook e sua relação com a música. A rede social de Mark Zunckerberg tem tudo para ser o futuro da música social.

De acordo com o blog, o Facebook já deu o primeiro passo ao realizar acordos de licenciamento de música na Índia. Mulligan afirmou que a rede social tem tudo para ser uma gigante na música, pois pode dar funcionalidades de interação que faltam nos aplicativos de streaming de música.

Por enquanto, a rede social não quer se tornar um serviço de streaming, até porque há pouco espaço para um novo player em escala global, fora as pequenas margens operacionais do negócio. Mulligan explicou que a rede social está mais focada na criação de experiências sociais centradas em conexões e expressão pessoal.

Mulligan falou em seu blog que as plataformas de streaming ainda não conseguiram de fato criar um sentimento de “autoexpressão” nos usuários, aquele sentimento de orgulho e paixão dos colecionadores de albuns:

“Na era analógica, os fãs de música podiam imediatamente transmitir quem eles eram com prateleiras de vinil ou CDs.[…] Dizer “eu tenho esse álbum” significava que você se importava o suficiente com esse artista para dividir o dinheiro. Na era do streaming, no entanto, essas prateleiras foram substituídas por listas de arquivos armazenados na nuvem, e “eu escutei essa música” tem pouco peso inerente”, disse Mulligan.

Algumas plataformas como o Youtube, Soundcloud e TikTok conseguem atender esse quesito com recursos de comentários e curtidas. Agora só falta o Facebook entrar no jogo com seu portfólio de aplicativos sociais.

Apesar de já haver alguns recursos voltados para a música no Facebook , Mulligan disse que a rede social precisa ir além e tem tudo para isso.

“O Facebook tem potencial para entregar, mas precisa inovar fora de sua zona de conforto para fazê-lo”, afirmou. O mercado precisa de algo novo, pois o crescimento da transmissão diminuirá e a inovação da experiência do usuário ficará limitada.

“Os formatos sociais podem ser a próxima injeção de crescimento muito necessária. Se o fluxo monetizar o consumo, o social pode monetizar o fandom. A questão é se o Facebook pode aproveitar o manto”, contou Mulligan.

 

Leia na origem

MySpace perdeu mais de 10 anos de dados, incluindo música de seus usuários

Matéria de G1

O MySpace voltou para avisar que conseguiu perder 12 anos de dados de seus usuários.

A rede social MySpace anunciou que perdeu o equivalente a 12 anos de dados de seus usuários, incluindo contas e músicas.

“Como resultado de um projeto de migração de servidores, quaisquer fotos, vídeos e arquivos de áudio enviados há mais de três anos podem não estar mais disponíveis no MySpace. Pedimos desculpas pelo inconveniente”, afirmou a companhia em um comunicado divulgado.

De acordo com o G1, foram perdidos os dados  de 2003, quando a empresa foi fundada, a 2015, algo em torno de aproximadamente 50 milhões de músicas de 14 milhões de contas.

O MySpace tem grande importância no mundo da música por ter lançado vários artistas. Em 2006, era site mais popular dos Estados Unidos. Com a chegada das novas redes sociais como o Facebook, o portal ficou para trás, até que foi vendido para a Specific Media por apenas US$35 milhões.

 

Foto: BBC

Leia na origem

Facebook quer unificar Instagram, WhatsApp e Messenger

Matéria de Ubergizmo

Tudo junto e misturado? Mark Zuckerberg, CEO da Facebook está procurando unificar a rede social com o Instagram, o WhatsApp e o Facebook Messenger.

Segundo o portal Ubergizmo.com, o New York Times divulgou um relatório onde o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, afirmou que pretende unificar seus serviços, como o Instagram, WhatsApp e Facebook Messenger.

Não, isso não significa que os serviços do Facebook serão todos mesclados. Zuckerberg estava se referindo a infraestrutura dos aplicativos, principalmente com relação a segurança. Uma das coisas que o CEO  espera ver é a inclusão de criptografia de ponta a ponta nos serviços.

De acordo com o portal, especula-se que o objetivo das mudanças seria interligar os serviços do Facebook para que seja mais difícil para os usuários abandonarem a plataforma. Um bom exemplo seria o WhatsApp, que não exige do usuário se conectar ao Facebook para utilizá-lo.

O Facebook planeja concluir as mudanças até o final do ano ou início de 2020.

Leia na origem

©2020 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?