ENTENDA O QUE LEVOU A CAPITOL RECORDS A DESISTIR DE CONTRATO COM RAPPER VIRTUAL FN MEKA

Matéria de XXL Mag

Gravadora pediu desculpas à comunidade negra por assinar com artista virtual que reforçava estereótipos.

Nesta semana, a gravadora Capitol Records decidiu encerrar o contrato que tinha acabado de fazer com o rapper virtual “FN Meka”, um artista criado por Inteligência Artificial, mas que foi cancelado por copiar e reforçar estereótipos negros de maneira superficial.

A ideia de misturar música e tecnologia tem movimentado o mercado musical, e por isto, a criação de um artista virtual criado por Inteligência Artificial pela Factory New parecia ser inovadora. E deu certo, já que rapper chamou a atenção, e rapidamente alcançou a marca de 10 milhões de seguidores no TikTok.

Com a repercussão do rapper de IA pela internet, a Capitol Records firmou um contrato com o artista. Para comemorar a conquista, Meka lançou seu primeiro single chamado “Florida Water”, com Gunna e o Fortnite streamer Clix, e produção de Turbo e DJ Holiday.

Conforme relatou Ryan Ruden, vice-presidente executivo de marketing de experiência e desenvolvimento de negócios do Capitol Music Group, ao Music Business Worldwide, Meka “se encontra na interseção de música, tecnologia e cultura de jogos” e “é apenas uma prévia do que está por vir”.

O cofundador Anthony Martini, Factory New, a gravadora virtual com a qual Meka foi o primeiro “contratado” explicou um pouco sobre o processo de criação do artista e do novo single:

“[a empresa] desenvolveu uma tecnologia proprietária de IA que analisa certas músicas populares de um gênero específico e gera recomendações para os vários elementos da construção da música: conteúdo lírico, acordes, melodia, ritmo, sons etc”. Então, “combinaria esses elementos para criar a música”.

As recriações de músicas populares do Hip Hop e Rap acabaram desagradando ativistas. Afinal, a música continha diversos elementos que reforçavam estereótipos negros, e o uso repetido da palavra ‘n*gga’ em suas rimas de forma superficial. Fora que na verdade, a equipe por trás do projeto não era negra.

A organização ativista sem fins lucrativos, Industry Blackout, que busca a igualdade no mercado musical, se posicionou em suas redes sociais afirmando que o acordo entre gravadora e rapper seria um “insulto direto à comunidade negra e à nossa cultura”.

Em resposta, a Capitol Records emitiu um comunicado para anunciar o encerramento do acordo com Meka, e pedir desculpas a toda a comunidade negra:

“Oferecemos nossas mais profundas desculpas à comunidade negra por nossa insensibilidade em assinar este projeto sem fazer perguntas suficientes sobre equidade e o processo criativo por trás dele. Agradecemos àqueles que nos procuraram com feedback construtivo nos últimos dois dias – sua contribuição foi inestimável quando tomamos a decisão de encerrar nossa associação com o projeto”.

 

Foto: divulgação

Leia na origem

Spotify está desenvolvendo recursos com IA para que usuários criem suas próprias músicas

Matéria de Forbes

Em um futuro bem próximo qualquer pessoa, mesmo que não entenda sobre notas ou arranjos musicais, poderá criar sua própria música com a ajuda do Spotify.

O Spotify está desenvolvendo em sua sede, em Paris, uma ferramenta com Inteligência Artificial para possibilitar que seus usuários ajustem o ritmo ou a melodia de uma música.

Parece estranho, mas é isso o que contou a Forbes em um artigo recente sobre música e Direito Autoral. De acordo com o artigo, a ideia é que no futuro os usuários do serviço de streaming possam, por exemplo, pegar a harmonia de uma música do Justin Bieber ou Drake e combiná-la com a melodia e o ritmo de Schubert ou Bach:

“Você poderá experimentar todos os tipos de combinações”, disse François Pachet, diretor de pesquisa e desenvolvimento de IA do Spotify.

Apesar do recurso não ter sido anunciado oficialmente, a Forbes informou que a ferramenta está sendo chamada de ‘Flow Machine’, e seu desenvolvimento tem parceria do compositor e produtor Benoit Carre.

O Spotify espera que com a ajuda do ‘Flow Machine’, os usuários possam se envolver mais com a plataforma e criar música de uma forma bem prática:

“É como a história da mistura de bolo instantânea”, disse Pachet referindo-se a uma empresa de alimentos na década de 1950 que viu suas vendas aumentarem, após remover o ovo seco de sua mistura para bolo.  Os clientes – geralmente donas de casa na época – teriam que adicionar um ovo fresco, e “foi [por conta] desse pouco de esforço”, explicou Pachet, que finalmente todas as donas de casa puderam dizer que fizeram seus próprios bolos, “e isso fez toda a diferença”.

Assim como hoje alguém que não sabe cozinhar pode fazer um bolo perfeito usando uma mistura de massa pronta, logo um usuário do Spotify que não sabe onde fica um “dó” em um teclado, poderá fazer uma música perfeita, com a ajuda de IA.

Resta saber como a questão das licenças serão resolvidas, bem como os Direitos Autorais dessas misturas musicais criadas com a ajuda de IA.

 

Foto:GETTY IMAGES

 

 

Leia na origem

Primeira patente do mundo para invenção gerada por IA pode ter repercussões nas leis de propriedade intelectual

Matéria de News-Medical.net

Uma invenção criada por Inteligência Artificial foi patenteada na África do Sul, o que pode gerar discussões e mudanças nas leis de propriedade intelectual.

Recentemente, uma patente foi concedida, na África do Sul, para uma invenção criada por uma Inteligência Artificial. Conforme o news-medical.net, um recipiente de comida baseado na “geometria fractal” foi criado por uma IA chamada ‘DABUS’ (“dispositivo para inicialização autônoma da consciência unificada”).

A patente foi registrada por uma equipe internacional de advogados e pesquisadores liderados pelo professor de Direito e Ciências da Saúde da Universidade de Surrey, Ryan Abbott.

A notícia pode ter repercussões significativas na lei de propriedade intelectual. Isso porque historicamente, um “inventor” de uma patente precisa ser um humano, embora a propriedade dessa patente seja comumente atribuída à empresa que emprega o inventor.

No início deste ano, o presidente do Instituto Europeu de Patentes, António Campinos interveio no caso europeu alegando que este assunto era “de grande importância e de interesse geral”.

O professor Adrian Hilton, diretor do Institute for People-Centered AI da University of Surrey, também apontou a relevância da discussão e possíveis mudanças nas leis de propriedade intelectual: “Este é um caso histórico que reconhece a necessidade de mudar a forma como atribuímos a invenção. Estamos passando de uma era em que a invenção era privilégio das pessoas, para uma era em que as máquinas são capazes de realizar o passo inventivo, liberando o potencial das invenções geradas pela IA para o benefício da sociedade.”

A necessidade de mudanças se mostra iminente, já que a IA desempenha um papel cada vez maior no design de ideias, tanto que casos semelhantes ao DABUS  já estão acontecendo no Reino Unido, Europa, EUA e outros sistemas judiciais.

Foto: Pixabay

Leia na origem

Bytedance anuncia que está comercializando algoritmo de recomendação do TikTok

Matéria de @meioemensagem

A Bytedance anunciou que está vendendo a inteligência artificial base do algoritmo do TikTok e outros recursos famosos de seu aplicativo. Empresas do mundo todo poderão usá-las para alavancar seus negócios.

Recentemente, a Bytedance anunciou que está comercializando a inteligência artificial base do algoritmo do TikTok junto com ferramentas de análise de dados. Além disso, a empresa está lucrando com a venda de outros de seus recursos como efeitos de vídeo e tradução automática de texto e fala.

Com a venda dessas tecnologias, empresas do mundo todo poderão usá-las para alavancar seus negócios. É o que explicou Tiago Gamaliel, gerente da Tato, ao Meio & Mensagem:

“Vai muito além do tipo de produto que o Tiktok oferece para os usuários. Essa venda significa um salto para as empresas que usam tecnologias de recomendação para o usuário. Vejo muito mais como uma ampliação do alcance da inteligência da ByteDance”, opinou o executivo.

Para Gamaliel, a comercialização da tecnologia do TikTok não deve impactar de forma negativa futuramente para a empresa, já que o aplicativo está mais que consolidado e com uma base de criadores e audiências.

Clarissa Millford, a fundadora da Academia de Tiktokers – comunidade online de ensino sobre o TikTok no Brasil – também falou ao portal. Ela vê a venda como natural, já que muitas empresas de tecnologia já fazem este movimento:

“A venda de serviços de inteligência é uma prática que já vem sendo realizada pelas também chinesas Tencent, Alibaba e Baidu. Isso amplia as perspectivas de negócios e investimentos tendo em vista que a Bytedance hoje tem o foco voltado para produtos para o consumidor e agora passa a ter serviços e produtos para novas áreas como o mercado corporativo”, disse Millford.

Conforme explicou o portal, o algoritmo do TikTok, assim como as demais plataformas, leva em consideração vários fatores como interação, tempo em que o usuário assiste a um vídeo, curtidas, comentários, compartilhamentos, hashtags, entre outros. Desta forma, ele consegue recomendar o conteúdo relevante de acordo com os hábitos dos usuários.

“O número de seguidores de um perfil não faz com o que as suas postagens apareçam com maior ou menor frequência. Isso significa que o conteúdo de um perfil grande, de um major influencer por exemplo, recebe o mesmo tratamento de um vídeo de um criador iniciante. Os vídeos são avaliados e recomendados em seus próprios méritos e não nos méritos dos seus criadores”, falou Millford destacando sobre o maior diferencial do aplicativo.

Vale lembrar que nesta segunda-feira (12), o The Wall Street Journal publicou que o fundador da ByteDance, Zhang Yiming, decidiu adiar  os planos de IPO do TikTok em março, após uma reunião com reguladores que sugeriram que a empresa deveria se concentrar em questões de segurança de dados.

 

(Foto: Yakubov Alim/iStock/Divulgação/Paris Filmes)

Leia na origem

Shutterstok adquire empresa especializada em criação de músicas por Inteligência Artificial

A Shutterstock acabou de adquirir a Amper Music, empresa especializada em oferecer a seus usuários personalização e criação de músicas inéditas através de IA.

A Shutterstock, aquele site americano que é um grande banco de dados de imagens, ilustrações e vídeos, anunciou que adquiriu uma empresa especializada em criação de músicas através da Inteligência Artificial, a Amper Music.

Segundo o Music Business Wordwide, a Amper Music possui uma tecnologia capaz de permitir que seus usuários criem e personalizem músicas, a partir de mais de 1 milhão de amostras individuais de áudio gravadas por músicos em milhares de instrumentos. A empresa garante que possui o maior banco de algoritmos de composição musical do mundo.

Com a aquisição, a Shutterstock vai ampliar suas ferramentas de edição e facilitar a busca de conteúdo e descoberta de faixas compostas pelos seus usuários.

Oferecer músicas, livres de direitos autorais, tem se tornado uma grande tendência para plataformas como a Shutterstock. No início deste ano, a rival Adobe fechou um acordo com a Epidemic Sound e Jamendo, especializadas em músicas livres de direitos autorais.

A Guetty Images também hospeda músicas e efeitos de sons, que muitas vezes são livres de licenças, graças a um acordo que realizou também com a Epidemic Sound.

Vale notar que a Shutterstock é um dos fornecedores mais importantes do mundo de fotografias, vetores, ilustrações, vídeos e música licenciadas para empresas, agências de marketing e organizações de mídia.

Atualmente, a Shutterstock possui uma biblioteca com 314 milhões de imagens, além de 17 milhões de videoclipes.  No ano passou chegou a faturar US$650,5 milhões.

 

Foto: Reprodução

Leia na origem

Usuários podem buscar músicas no Google apenas com um murmúrio

Matéria de B9

Nova atualização do Google permite que você apenas murmure uma melodia para encontrar aquela canção que não sai da cabeça! E não precisa nem estar afinado!

Procurar músicas no Google ficou ainda mais fácil. Isto porque, com a nova atualização da plataforma, basta murmurar um trechinho para encontrar aquela música que está na sua cabeça o tempo todo, mas você não sabe o nome!

Segundo o B9, o novo recurso batizado de “Hum to search” é capaz de identificar qualquer música, mesmo que a pessoa seja desafinada. É só clicar em “procure uma canção” ou pedir ao app “Qual é a canção?” e murmurar o trecho da música.

Para fazer o recurso funcionar, uma série de músicas foram digitalizadas em diversas faixas de instrumentos e vozes. Assim, para encontrar as músicas, foi usada uma espécie de machine learning capaz de “transformar o áudio em uma sequência numérica que represente a melodia da canção”. Além disso, diversas fontes como as gravações oficiais, canto, assobio e até murmúrio humano foram usados para criar uma base de dados eficiente para o usuário.

O recurso está disponível no Google Assistente e no aplicativo do Google para iOS e Android.

Foto:reprodução

Leia na origem

Universal Music anuncia inauguração de sua própria rede de hotéis

A Universal Music anunciou que está planejando inaugurar pelo menos três hotéis nos EUA. Com o uso de tecnologia avançada, nova rede de hotéis quer ir além de ser penas mais um destino turístico, mas sim, se tornar uma incubadora para startups digitais e novos negócios da indústria da música e entretenimento.

Na última semana, a Universal Music anunciou que está construindo a sua própria rede de hotéis luxuosos. O novo projeto está sendo realizado graças a uma parceria com a Dakia U-Ventures, um grupo de investimentos voltado para o entretenimento.

De acordo com o Music Business Worldwide, já foram confirmados a inauguração de pelo menos 3 hotéis da Universal Music nos EUA: Atlanta, Geórgia; Biloxi, Mississippi; e Orlando, Flórida.

Segundo a rede de notícias WLOX do Mississippi, o hotel Biloxi UMUSIC dará lugar ao antigo  Broadwater Resort da cidade, um destino avaliado em US$1,2 bilhão, com previsão de inauguração para 2023.

Em um comunicado, a Universal Music explicou que cada hotel será único, com inspirações na cultura local e servirão como espaços criativos, a fim de promover por meio da música, educação, inovação e mudanças sociais. [Veja o projeto do hotel aqui]

“Os hóspedes descobrirão a alma de cada cidade por meio de sua rica herança musical local. Os hotéis UMUSIC estão empenhados em ajudar suas comunidades a prosperar – criando empregos para residentes, apoiando empresas, fornecedores, e dando oportunidades para artistas locais”, afirmou a empresa em um comunicado.

Robert Lavia, presidente da Dakia U-Ventures, revelou nesta semana mais detalhes sobre os hotéis, que irão oferecer aos hóspedes entretenimento envolvendo realidade virtual, realidade aumentada, inteligência artificial e hologramas.

Lavia acrescentou que o novo complexo hoteleiro será mais que um destino turístico, mas um produtor de novos talentos. Seu principal objetivo é impulsionar carreiras de novos artistas e abrigar projetos de incubadoras para apoiar engenheiros, startups digitais, e empreendedores que desejam seguir carreira no mercado musical.

Leia na origem

Startup está criando um chip capaz de reproduzir músicas no cérebro

No Twitter, Elon Musk – CEO da Tesla/Space X – confirmou que sua startup, Neuralink, está desenvolvendo um chip capaz de fazer streaming de músicas no cérebro.

O visionário Elon Musk confirmou em seu Twitter que sua empresa, Neuralink, está trabalhando em um chip capaz de realizar uma série de atividades, inclusive, reproduzir músicas diretamente no cérebro do usuário.

Segundo o Olhar Digital, o CEO da SpaceX e Tesla aos poucos está revelando detalhes sobre o chip, que será testado ainda neste ano por humanos. Além de ser capaz de reproduzir músicas, ao ser implantado no cérebro de humanos, o chip será capaz de estimular o nível de hormônios para aliviar o stress, ansiedade e melhorar o raciocínio.

A Neuralink é uma startup criada em 2016, com o intuito de desenvolver uma interface cérebro-máquina para estabelecer uma interação entre humanos e computadores. A empresa pretende ajudar principalmente pacientes com síndromes neurológicas como a Doença de Parkinson.

A startup está desenvolvendo um robô capaz de instalar “fios” munidos de eletrodos no tecido cerebral. Segundo o portal, Musk divulgou que a máquina é capaz de instalar até seis fios por minuto, com incisões de 2 milímetros de comprimento.

O procedimento para a instalação dos fios é comparado pelo visionário, ao procedimento de de cirurgias oculares refrativas (LASIK), no qual os médicos usam raios laser para remodelar a córnea do paciente e a capacidade de focalização do olho.

Leia na origem

Björk cria música que se transforma conforme as mudanças climáticas

Matéria de HYPEBEAST

Björk mais uma vez inova ao usar tecnologia da Microsoft para criar música capaz de se transformar conforme as mudanças climáticas, em hotel de Nova York.

A artista islandesa Björk conseguiu criar uma música que se transforma conforme as mudanças climáticas. Usando a tecnologia de Inteligência Artificial da Microsoft, foi gerada uma partitura, chamada de “Kórsafn” (‘arquivo de coro’ em islandês). A partitura é uma união entre de arquivos musicais gravados ao longo de dezessete anos pela artista, e sons do coral de Hamrahlid.

De acordo com o HypeBeast, uma câmera instalada no topo do hotel Sister City, em Nova York, captura atividades no céu, como mudanças climáticas, pássaros e aviões, 24 horas por dia. A IA interpreta os movimentos em sons específicos criados por Björk.

A sequência que está em constante evolução, pode parecer aleatória para o ouvinte, mas os dados capturados pela câmera mapeiam cuidadosamente a ordem das notas.

Björk é conhecida por sua estreita relação com a tecnologia, era uma opção natural para a colaboração. O projeto está sendo reproduzido em todo o lobby do Sister City, e no restaurante do hotel Floret. Há ainda audições especiais todos os domingos, das 16h às 18h até 23 de fevereiro, em Nova York.

Foto: Sacks & Co

Leia na origem

iHeartmedia substitui centenas de trabalhadores por Inteligência Artificial

“É o preço que pagamos para modernizar a empresa”, afirmou Presidente do iHeartMedia em um memorando interno para explicar sobre as demissões em massa.

Na semana passada, o iHeartMedia chocou o mercado musical ao fazer uma série de demissões para substituir força de trabalho humano por tecnologia e inteligência artificial.

Uma fonte da Rolling Stone revelou ao Digital Music News que o número de demissões teria chegado perto de 850. Outra fonte, da Billboard, chamou o movimento de ‘banho de sangue’.

Após a demissão em massa, um memorando interno foi enviado aos funcionários com a nova estrutura organizacional da empresa:

“Haverá algum deslocamento de funcionários – alguns por área geográfica e outros por função – que é o preço que pagamos para modernizar a empresa”, afirmou o memorando assinado pelo CEO e Presidente, Bob Pittman, e pelo Presidente, COO e CFO Rich Bressler.

“A empresa fez investimentos significativos em tecnologia para mudar tudo, de como vende publicidade a como utiliza dados e constrói novos negócios como sua plataforma digital, plataforma de podcast e plataforma de dados – os quais lhe deram uma posição de liderança incontestável no áudio mundial”.

No comunicado, Pittman reiterou a adoção da tecnologia pela empresa, bem como seu benefício para os funcionários: “Agora estamos usando nossos investimentos consideráveis ​​em tecnologia para modernizar nossas operações e infraestrutura, diferenciando-nos ainda mais das empresas de mídia tradicionais; melhorar nossos serviços para nossos consumidores e parceiros de publicidade; e melhorar o ambiente de trabalho para nossos funcionários”.

Foto: Jeffrey Beall CC by 4.0/Reprodução

Leia na origem

©2023 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?