GANHADORA DE RuPaul’s Drag Race All Stars 4 PEDE MAIS APOIO E CITA PABLLO VITTAR COMO SUCESSO NA MÚSICA

Matéria de POPline

Ao falar para a Billboard sobre como é ser uma cantora drag queen na indústria fonográfica, uma das ganhadoras do programa americano, RuPaul’s Drag Race All Stars 4, citou Pabllo Vittar como inspiração: “É assim que eu quero que as pessoas olhem para mim aqui na América”, disse Monét X Change.

Na semana passada, ao final da quarta temporada do programa americano RuPaul’s Drag Race All Stars, a Billboard entrevistou uma das ganhadoras, que citou Vittar como exemplo de drag queen de sucesso na indústria da música .

“Você tem performers como Pabllo Vittar no Brasil – ele é reconhecido como artista e um lindo músico. É assim que eu quero que as pessoas olhem para mim aqui na América. Eu acho que eu tenho o talento para isso. Me leve para o Grammys, garota!”, disse Monét X Change, drag queen ganhadora do programa.

Segundo o portal Popline, Monét X Change também falou sobre como é ser uma cantora drag queen na indústria fonográfica e seu desejo de que mais drag queens sejam levadas a sério.

“Eu acho que as pessoas têm que parar de olhar pra gente apenas como performers. Apenas olhe pra gente como artistas. Você gosta da música? Se a resposta for sim, então nos apoie!”.

Monét X Change lançou o seu primeiro EP visual, “Unapologetically”, disponível no YouTube.

Vale lembrar que na semana passada, uma rádio do interior na Bahia foi acusada de boicotar Vittar. Os ouvintes pediam as músicas da cantora pelo grupo de Whatsapp da rádio, entretanto, eram bloqueados pelos locutores. Um dos locutores chegou a enviar áudios ofensivos via DM no Instagram para um fã da cantora .

Leia na origem

NO BRASIL, ARTISTAS RECEBEM QUASE R$1 BILHÃO EM DIREITOS AUTORAIS

Matéria de AMAZONAS ATUAL

Foram divulgados os valores de distribuição de direitos autorais no Brasil. Em 2018, R$971 milhões foram distribuídos para autores, artistas e associações. A cantora e compositora Marília Mendonça liderou a lista dos compositores de maior rendimento, principalmente nas plataformas de streaming de música.

O portal Amazonas Atual publicou uma notícia revelando os últimos números da distribuição de direitos autorais na música. Cinema e Streaming são os segmentos de maior crescimento no país.

De acordo com o portal, R$971 milhões foram distribuídos em direitos autorais para autores, artistas e associações.

Houve uma aumento de 25% da quantidade de beneficiados, ou seja, em 2018 foram 326 mil compositores, intérpretes, músicos, editoras e gravadoras remunerados. Além disso, 66% do valor total foi repassado ao repertório nacional, o que, segundo o portal, contribuiu para o fortalecimento da indústria musical brasileira.

Após acordos com grupos como a Abraplex, representante das redes UCI, Cinépolis e Cinesystem, o Cinema foi o segmento líder na distribuição de direitos autorais, um crescimento de 400%.

Os acordos entre o Ecad e associações de música com as plataformas de streaming, como a Netflix e o Youtube, fizeram com que a distribuição de direitos aumentasse em 72% no segmento.

Com relação aos direitos conexos foram repassados 23,6% do montante e 76,4% foram repassados aos titulares de direitos de autor.

Vale destacar a cantora e compositora Marília Mendonça (“Infiel”), que lidera a lista dos compositores de maior rendimento, principalmente nas plataformas de streaming de música.

Leia na origem

Do vinil ao streaming: 40 anos da indústria da música

O portal World Economic Forum fez um resumão sobre as mudanças nas vendas da indústria fonográfica ao longo de 40 anos. Se você gosta de acompanhar a história da indústria da música não pode perder este artigo.

Hoje em dia, com acesso a informações mais precisas, é possível visualizar de forma mais ampla as mudanças na indústria da música. O portal World Economic Forum publicou um artigo analisando os gráficos das vendas da indústria da música.

O vinil deu lugar a 8 faixas, as fitas cassetes desapareceram quando os discos compactos tomaram o mundo, fazendo a receita da indústria da música crescer…até que tudo foi interrompido com o surgimento do formato digital.

Destacando os gráficos do portal, podemos ver quatro décadas de vendas da indústria da música. O artigo registrou não só a ascensão e queda dos lucros das gravadoras, mas mudanças sísmicas na tecnologia e no comportamento do consumidor.

O nascimento do Napster e o declínio do vinil: Segundo o Weforum, com o surgimento do Napster, o efeito da pirataria na indústria foi imediato e gritante. As vendas da indústria da música, que vinham apresentando crescimento ano a ano, declinaram por 15 anos.

A era dos Ringtones:  Muito antes dos smartphones se tornarem populares, haviam os ringtones. A distribuição era controlada por operadoras de celular. Foi uma porta de entrada para a arrecadação com receita digital na indústria da música . Em 2008, foram investidos mais de um bilhão de dólares em um setor que estava se acostumando a previsões sombrias. “Apesar de ser apenas um pequeno período, a era dos ringtones foi a porta de entrada para a assinatura de música digital paga”.

Streaming de Música: Pela primeira vez neste milênio, a indústria fonográfica registrou um aumento na receita por dois anos consecutivos. Demorou um pouco para os consumidores aderirem a planos de assinatura de música premium, mas hoje o mercado de plataformas de streaming de música está mais otimista. A RIAA – The Recording Industry Association of America-  afirmou que o streaming de música é o formato mais comum nos EUA e agora compõe quase metade do mercado.

O fim do formato físico? Já se foi o tempo em que pessoas iam em lojas por causa de um lançamento. As vendas de CDs caíram 80% na última década. Hoje, as vendas em formato físico representam apenas 17% da receita do setor. Há, no entanto, um ponto que desperta a atenção: as vendas do vinil. Em 2017, as vendas atingiram alta, após 25 anos.

 

 

Foto: RIAA

Leia na origem

Brasil é um dos três países que mais consomem música por streaming no mundo.

Segundo o novo relatório sobre o consumo de música da IFPI – Federação Internacional da Indústria Fonográfica – o Brasil é o segundo país que mais ouve música pelo smartphone e o terceiro que mais paga por um serviço de streaming. Entretanto, 89% dos brasileiros ainda ouvem música pelas rádios.

O novo relatório publicado nesta semana pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, na sigla em inglês) trouxe mais detalhes sobre o consumo de música no mundo, inclusive no Brasil.

Com 92% dos consumidores de música, somos o segundo país do mundo que mais ouve música pelo smartphone.

O Brasil é também é terceiro país que mais paga por um serviço de streaming, um total de 77% dos consumidores. Entretanto, 89% dos brasileiros ainda ouvem música pelas rádios.

De acordo com o portal Canal Digital, o estudo foi realizado em 20 países correspondendo a 91,3% de toda a receita da indústria musical global em 2017.

Com relação ao consumo de músico no mundo, atualmente, 86% dos consumidores ouvem música por streaming, sendo que 75% através do smartphopne. Sendo que 50% os jovens de 16 a 24 anos só ouvem música online através do streaming. Entretanto, a pirataria ainda é um problema. Segundo a IFPI, 38% dos entrevistados “obtém seus conteúdos usando métodos que violam direitos autorais”.

Leia na origem

Novas regras de contratação de músicos desagradam produtores

Matéria de O Globo

Retrocesso? A mudança nas regras de contratação de músicos e outros profissionais do setor artístico tem gerado críticas de profissionais do setor. Para eles a mudança deve causar burocracia e maiores custos para produtores culturais e artistas.

Desde o dia 23 de agosto entrou em vigor a mudança nas regras de contratação de músicos e outros profissionais do setor artístico. A mudança tem gerado críticas por vários profissionais da área que acreditam que a proposta do Ministério do Trabalho seja “um retrocesso”.

De acordo com o portal Globo.com, a mudança nas regras de contratação de músicos e artistas deve gerar um impacto na indústria, principalmente por aumentar a participação de sindicatos. Para críticos, as novas regras podem burocratizar a contratação de artistas brasileiros e estrangeiros, por motivos diversos.

O portal falou com alguns especialistas sobe o assunto como a advogada Mara Natacci — representante de algumas das maiores produtoras de entretenimento no Brasil, como T4F, Live Nation, Rock In Rio. Ela afirmou que a aprovação prévia por entidades da classe nas negociações de contratos de músicos estrangeiros deve complicar ainda mais o processo:

“Isso dá forças aos sindicatos para a arrecadação de taxas de cerca de 10% do cachê do artista estrangeiro, ignorando inclusive as diversas liminares concedidas em todo o país que dispensam as produtoras contratantes deste recolhimento. Ou seja, podemos dizer que a portaria contraria ordens judiciais já proferidas em segunda instância”, afirmou Natacci.

Os organizadores do Rock In Rio enviaram uma nota ao GLOBO: “entendemos que qualquer processo que gere ainda mais burocracia, entraves e custos para produtores culturais e artistas, só servirá como mais um inibidor nas já compelidas atividades culturais”.

José Fortes, presidente da comissão trabalhista do Procure Saber, também comentou sobre o assunto para o portal:

“É sim um retrocesso total” — afirmou. “A nota contratual de que a portaria fala está no cotidiano do músico desde 1960, quando foi criada. Ela nada mais é que um tipo de contrato. O problema é que, pela legislação anterior, um músico podia fazer até 10 shows, numa sequência de intervalos pequenos entre eles. Depois, tinha que parar por uma semana para não configurar vínculo empregatício. Com a mudança, você tem que ficar 60 dias sem prestar serviço ao mesmo contratante”, disse Fortes.

O Ministério do Trabalho respondeu sobre essa questão e afirmou que a portaria prevê um tipo de contratação por temporada, “não havendo impedimento para apresentações semanais em um estabelecimento”.

“A portaria visa impedir que um mesmo artista se apresente por mais de sete dias consecutivos, sem o descanso previsto em lei”, disse o Ministério do Trabalho que também afirmou que antes de aprovar a mudança ouviu vários profissionais da área e recebeu apoio de músicos como João Carlos Martins, Carlinhos Brown e Peninha.

Leia na origem

Como os músicos vivem de música (ou não) – em 2018!

Matéria de Rolling Stone

Nunca se falou tanto sobre o tema Direito Autoral como agora, afinal vemos todos os dias notícias da Indústria da Música que está agitada graças aos serviços de streaming, fora os escândalos de plágio entre grandes compositores. Este guia é ideal para quem deseja tirar dúvidas sobre o tema e saber como músicos, compositores e produtores estão ganhando dinheiro na era digital.

O portal da revista Rolling Stone americana publicou um guia para esclarecer mais sobre os direitos autorais e ter uma compreensão básica do sistema financeiro da música americana. Veja como músicos, compositores e produtores na era digital realmente ganham dinheiro.

Conceitos Importantes…

Para começar a entender como é possível ganhar dinheiro fazendo música é preciso compreender sobre o que é Direito Autoral e “Royalties”. Segundo o portal da Rolling Stone (RS), Direito Autoral está relacionado à propriedade de músicas e álbuns como trabalhos criativos – “é um nó desordenado de regras e processos na indústria da música, com os jogadores muito mais numerosos e emaranhados do que os fãs comuns podem pensar”, definiu a revista. Este tema antes era pouco falado, mas atualmente, está sendo bastante discutido por causa de grandes batalhas de plágio entre compositores renomados e o sucesso dos serviços de streaming como o Spotify e Apple Music.

A RS também define “Royalties” como quantias pagas aos detentores dos direitos quando suas criações são vendidas, distribuídas, incorporadas em outras mídias ou monetizadas de qualquer outra forma.

Para os ouvintes de música, uma música é apenas música, mas para o negócio da música, cada música é dividida em dois direitos autorais separados: composição (letras, melodia) e gravação de som (literalmente, a gravação de áudio da música).

Não iremos aprofundar tanto quanto a RS em sua matéria, mas é possível acessar a todos os conceitos citados na notícia original em “leia na origem”.

Viver de música…

Quando alguém compra música pelo iTunes, Google Play ou qualquer outra loja digital, o dinheiro dessa venda é repassado aos criadores por meio de direitos autorais – composição e gravação de som – com as taxas que dependem do tamanho da gravadora, distribuidora e negociações específicas entre os dois, bem como quaisquer outras partes intermediárias envolvidas.

O mesmo pagamento por direitos autorais vale para o streaming “on demand” e também para quando uma música é reproduzida em empresas como mercearias, hospitais ou até em segundo plano de um site. Os pagamentos dependem do tipo de serviço e do poder de negociação de todos os nomes envolvidos.

Cinema e televisão:

Através da “sincronização” é possível colocar música no cinema, televisão e em comerciais. Esta é uma licença negociada entre produtores de conteúdo e editores/compositores. Uma taxa é paga antecipadamente, e os royalties também são pagos uma vez que o filme ou programa de televisão em particular tenha sido distribuído e transmitido. As licenças de sincronização podem ser lucrativas porque a maioria dos cineastas geralmente escolhe músicas com base em “seus próprios caprichos”, e não no que está no topo das paradas. Além de ser mais uma forma do público descobrir novas músicas.

Rádios:

Com relação a serviços de rádio, o processo é ainda mais diferente. Há as transmissões AM/FM e rádios da Internet (Pandora, SiriusXM, outras estações de rádio por satélite e webcasters). As emissoras de rádio terrestres não precisam pagar aos proprietários de direitos autorais de gravação de som, enquanto o segundo grupo faz. Essa diferença – que a indústria da música considera em grande parte uma brecha injusta – significa que sempre que uma música é tocada pelas ondas do rádio, o dinheiro é repassado apenas para seus escritores, não para artistas.

Música ao vivo:

Para músicos, realizar shows na era digital é a opção mais lucrativa por boas razões: à medida que os ouvintes possuem fácil acesso à música fornecida pelos serviços de streaming, os fãs dedicados anseiam por experiências mais íntimas. É por isso que as turnês estão ficando maiores e os festivais de música estão atraindo grandes multidões. Enquanto as vendas de álbuns diminuem e as transmissões pagam apenas frações de centavos, shows ao vivo agora possuem os preços de ingressos mais elevados de todos os tempos.

Publicidade:

No auge do pop e do rock, os músicos raramente queriam estar associados a marcas corporativas, mas isso está mudando com a ascensão do rap como o gênero mais popular da América, pois artistas estão lucrando muito trabalhando com parceria de marcas. Além disso, há a monetização do YouTube, no qual a plataforma repassa os lucros dos anúncios nos vídeos. Por exemplo, o videoclipe do Psy, “Gangnam Style”, faturou US$2 milhões com 2 bilhões de visualizações. Segundo o chefe de música do YouTube, Lyor Cohen, no ano passado a taxa de pagamento do YouTube foi de US$3,00 por 1.000 transmissões.

Moda, Merchandising e outras vendas diretas:

A venda de produtos licenciados como perfumes e roupas é uma estratégia que artistas fazem há décadas, mas na era digital, os músicos podem usar a criatividade e ir além usando ferramentas, como por exemplo, o crowdfunding e as plataformas de mídias sociais. Para termos noção, uma estrela do “The Voice”, Angie Johnson, levantou cerca de US$36.000 no Kickstarter para gravar seu novo álbum. Há muitas bandas criando aplicativos e pacotes de assinatura para suas músicas ou vendendo produtos on-demand, como festivais com curadoria de artistas, newsletters e lançamentos limitados de música. Até o Pitbull tem seu próprio cruzeiro!

Acima foram citadas apenas algumas maneiras pelas quais os artistas modernos tentam viver de música. As oportunidades para os músicos são maiores que no passado, porém ainda não são suficientes. É possível observar isso pelas pesquisas recentes onde os músicos americanos só arrecadaram um décimo das receitas da indústria nacional. Uma razão para uma porcentagem tão escassa é que os serviços de streaming ao mesmo tempo que revigoram a indústria da música, não trazem retorno para os artistas, principalmente os que estão no início de carreira.

De acordo com o Spotify, os pagamentos por fluxos estão entre US$0,006 e US$0,0084. Isso cria uma situação de “o vencedor leva tudo”: os grandes artistas ganham milhões e os pequenos não ganham um salário digno.

Além disso, para que o dinheiro chegue aos artistas há ainda muitos intermediadores no processo, sem contar “a caixa preta de royalties” na era do streaming, uma cova de dinheiro não repassado por causa de metadados defeituosos ou má comunicação entre os vários serviços. O valor é estimado em bilhões.

Boas notícias: a indústria da música aceitou o streaming e está preparada para se adaptar as mudanças de mercado. Estamos vendo novas negociações de royalties, fusões e aquisições serem realizadas, tornando o mercado mais enxuto e mais lucrativo para os músicos, mas ninguém sabe de fato quando a conta fechará.

Leia na origem

COMO O STREAMING MUDARÁ A INDÚSTRIA DA MÚSICA

Para o consultor Dennis Simms, a próxima revolução na indústria da música será financeira, multifacetada, com grandes implicações, e já começou!

Além de trabalhar com gestão de artistas e análise de mercado, o consultor Dennis Simms é experiente analisar as tendências da música digital e tecnologia.

Atualmente ele está completando o mestrado em negócios da música na Tileyard Education, em Londres. Nessa semana, Simms colaborou no blog do site MBW e falou sobre as mudanças que o streaming vem trazendo para a indústria da música.

No blog, Simms comenta sobre o impacto das novas tecnologias na indústria. Há mais de uma década a indústria da música vem sofrendo com a pirataria, até que finalmente retornou ao crescimento. Vimos muitas mudanças de formatos. Primeiro veio o vinil, depois os cassetes, passando pelos CD’s, downloads digitais e o atual streaming. Qual será a próxima novidade? As apostas estão nas tecnologias como AI, AR/VR, chatbots, speakers inteligentes e casas conectadas.

Todas essas tecnologias provavelmente terão algum impacto, em graus variados. No entanto, o consultor afirma que é uma fantasia acreditar que essas tecnologias possam revolucionar os negócios.

Para ele a próxima revolução na indústria musical não será um novo formato voltado para o consumidor ou um produto visionário. A próxima revolução é financeira e multifacetada, com grandes implicações, e já começou.

Leia na origem

Como a tecnologia salvou a indústria da música

Matéria de Jornal Expresso

Artigo publicado em site português nos ajuda a compreender como a tecnologia ajudou a indústria da música a se recuperar.

“Empresas como a Apple, a Google, a Microsoft e a Spotify as responsáveis por perceber como tornar a Internet numa loja de discos legal – daquelas em que adoramos passar os dias a degustar música à espera de descobrir o achado que nos vai encher as medidas e que vamos poder partilhar com os amigos: “Já ouviste isto? Tens de ouvir!””.

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?