Organização canadense de música propõe um imposto sobre direitos autorais para qualquer pessoa que usa mais de 15GB/mês de banda larga.

Um grupo de compositores de músicas para programas de TV, no Canadá, propôs um novo tipo de imposto sobre direito autoral que deve incidir pelo consumo de banda larga. O imposto compensaria o trabalho de compositores pelos danos causados pelas plataformas de streaming.

Uma audiência do Comitê Permanente sobre Patrimônio, chamou atenção no Canadá. Isso porque o SCGC (Screen Composers Guild of Canada), um grupo de compositores que escrevem músicas para programas de TV, propôs uma cobrança interessante – se não “draconiana” sobre direitos autorais.

Na audiência, o Screen Composers Guild do Canadá propôs um novo imposto obrigatório sobre direitos autorais em todos os dados de banda larga no país para todos os usuários, até mesmo para famílias de baixa renda.

O novo imposto seria um “serviço ISP com acesso à Internet”, o SCGC permitiria 15GB de dados não cobrados por mês e cobrança extra quando os usuários ultrapassarem. Os 15GB permitiriam “amplo espaço para e-mail, comércio e download”.

O grupo alegou que o imposto compensaria o trabalho de compositores pelos danos causados pelas plataformas de streaming.

“Uma taxa estável derivada do consumo em provedores de alto nível poderia conter o declínio do desempenho e os royalties de reprodução para oferecer esperança de um futuro para jovens compositores de tela”, afirmou um membro do grupo na audiência.

De acordo com o portal Digital Music News, o SCGC ignorou vários fatos sobre a tecnologia moderna.

Primeiro, se o usuário baixar um jogo, que pode pesar mais de 50 gigabytes, a quantia seria além do seu serviço de internet existente e da assinatura de jogos online.

Em segundo lugar, os serviços de streaming de música e vídeo ajudam a evitar o download ilegal. E, à medida que os serviços se tornam mais populares e amplamente adotados, a transmissão de músicas e vídeos pode levar os usuários a passar esse limite arbitrário de 15GB.

Terceiro, a imposição forçada de direitos autorais taxaria os usuários que não – ou que provavelmente nem – ouviram os trabalhos dos membros da SCGC.

Em suma, como o SCGC claramente não conseguiu atualizar seu modelo de negócios na era moderna, então o grupo acha que todo usuário da Internet canadense deve pagar o preço – “literalmente”.

Leia na origem

SOCAN royalties up 7% to hit record high of $249 million in 2016

Matéria de @MusicWeek

A SOCAN (Sociedade de Compositores, Autores e Editores de Música do Canadá) divulgou que bateu o recorde em arrecadação de US$249,3 milhões (£ 196 milhões) em 2016.

Foi um aumento de 7% em relação ao ano anterior, totalizando mais de US $ 289 milhões em royalties nacionais e internacionais distribuídos para 150.000 membros da SOCAN.

A SOCAN também viu um aumento de 31% nos royalties estrangeiros. As receitas vindas do streaming apresentaram crescimento de 118% em relação a 2015, trazendo um total de US$33,8 milhões (£ 20 milhões). Para a SOCAN, o crescimento de licenciados e novos fornecedores de serviços entrando no Canadá favoreceu o aumento das receitas no setor.

O presidente da SOCAN, Eric Baptiste, disse em comunicado que esses resultados aumentam ainda mais a posição da organização. Eles demonstram seu poder e inovação dos negócios para transformar os direitos musicais em todo o mundo.

Leia na origem

©2018 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?