Berklee e Women in Music realizam estudo sobre mulheres na indústria musical dos EUA

A Faculdade Berklee de Música realizou uma pesquisa em parceria com o Woman in Music para explorar o cenário socioeconômico das mulheres na indústria da música americana: A maioria das mulheres (78%) afirmaram ter sido tratadas de forma diferente dentro da indústria da música, enquanto mais da metade atestaram que seu gênero havia afetado seu emprego (52%). Confira.

A pesquisa “Mulheres na Indústria Musical dos EUA: Obstáculos e Oportunidades”, da Faculdade Berklee de Música em parceria com o WIN, pretendeu  fornecer uma visão mais clara da situação socioeconômica das mulheres no setor, visando identificar também as oportunidades e os desafios atuais enfrentados pelas mulheres.

Segundo o portal da Berklee, foram entrevistadas cerca de 2.000 mulheres,  de diversas idades, raças, etnias e empregos dentro da indústria nos EUA, explorando a demografia, emprego e os desafios e oportunidades para mulheres no local de trabalho, entre outros tópicos .

Os resultados da pesquisa apresentaram dados sobre os desafios e oportunidades que as mulheres experimentam na indústria da música, ao mesmo tempo em que reafirmam a paixão por trabalhar nesse campo.

Quando perguntadas sobre preconceito de gênero, as mulheres responderam, compartilhando exemplos de comportamento no local de trabalho e histórias pessoais. Quase metade das entrevistadas afirmaram que deveriam estar mais adiantadas em suas carreiras,  41% delas estavam no nível executivo.

Enquanto as mulheres brancas e as mulheres de cor compartilhavam esse sentimento, 55% das mulheres de cor sentiam-se atrasadas em suas carreiras, em comparação com 44% das mulheres brancas.

A maioria das mulheres (78%) afirmaram ter sido tratadas de forma diferente dentro da indústria da música, enquanto mais da metade atestaram que seu gênero havia afetado seu emprego (52%).

As entrevistadas afirmaram que seus mentores contribuíram para suas carreiras (92%). Segundo a pesquisa, mulheres com mentores eram mais propensas a ganhar mais de US$40.000 por ano e se sentiam mais satisfeitas em seu crescimento profissional, em comparação com mulheres sem mentores. No geral, 72% das mulheres que trabalham na indústria da música consideram estar extremamente ou um pouco satisfeitas com seu trabalho principal.

O estudo descobriu ainda que 61% das mulheres foram influenciadas pela carreira ao decidirem ter filhos, alegando preocupações com o equilíbrio entre trabalho, vida pessoal e restrições financeiras. Quase um quarto dos comentários observou que a escolha de ter menos filhos ou nenhum, foi influenciada pelas preocupações relacionadas à carreira.

“O Women in Music tem trabalhado para educar, capacitar e promover as carreiras das mulheres na indústria desde que foi fundada em 1985”, disse a presidente da Women in Music, Nicole Barsalona. “Agora, graças aos resultados deste importante estudo realizado com nossos parceiros na Berklee, temos dados críticos para ajudar a orientar os próximos passos para apoiar as mulheres na música. É nossa esperança que os dados impulsionem a ação em toda a indústria, ajudem-nos a superar as desigualdades e trabalhem para criar uma comunidade empresarial de música mais inclusiva.”

 

 

Imagem:  Erin Barra, professora associada da Berklee e diretora do conselho do Women in Music/ Women In Music via Medium

Leia na origem

A Diretiva de Direitos Autorais foi aprovada pelo Parlamento Europeu

Matéria de The Verge

A Diretiva deve atualizar as leis de direitos autorais na Europa para a internet, trazendo grande impacto no mundo.

O Parlamento Europeu deu a aprovação final para Diretiva de Direitos Autorais, que tem o intuito de atualizar as leis de direitos autorais na Europa para a era da internet.

De acordo com o The Verge, agora os estados membros da União Europeia terão cerca de um ano para oficializar a nova lei, que terá grande impacto sobre como a internet funciona na Europa e em outros lugares. A legislação de proteção de dados da UE, as leis européias podem ainda, influenciar a política dos EUA.

A Diretiva de Direitos Autorais vem sendo elaborada há mais de dois anos e tem sido muito discutida entre gigantes da tecnologia, detentores de direitos autorais e ativistas de direitos digitais. Isso porque nem todos são a favor das mudanças.

Os defensores da Diretiva de Direitos Autorais afirmam que a lei beneficia principalmente os  detentores de direitos autorais, dando maior controle sobre como as plataformas de internet distribuem seu conteúdo. Mas os críticos dizem que a lei é vaga e mal pensada, e acabará restringindo a maneira como o conteúdo é compartilhado on-line, sufocando a inovação e a liberdade de expressão.

Segundo o The Verge, apesar dos contratempos, as cláusulas mais controversas da Diretiva de Direitos Autorais, o Artigo 11 ou “imposto de link” e Artigo 13 ou “filtro de upload”, ficaram praticamente intactas.

O Artigo 11 define que editores cobrem direitos de plataformas que exibem trechos de notícias, como o Google. Enquanto o Artigo 13 (renomeado Artigo 17 na versão mais recente da legislação) dá à plataformas, como o YouTube, novas obrigações para impedir que usuários façam upload de conteúdo protegido por direitos autorais.

Em ambos os casos, os críticos afirmam que a lei criará problemas. No artigo 13, por exemplo, os “filtros de upload” podem excluir todo o conteúdo de um usuário incorretamente antes mesmo que ele seja enviado aos sites por causa da detecção de material protegido por direitos autorais. A lei não exige explicitamente esses filtros, mas os críticos dizem que isso será inevitável, já que os sites procuram evitar penalidades.

Defensores da diretriz dizem que as alegações de que o Artigo 13 vão “matar os memes” são exageradas e que a legislação inclui proteções para a paródia. Mas especialistas dizem que qualquer filtro introduzido será propenso a erros. Eles também observam que, dado o custo de implantação de tal tecnologia, a lei pode ter o efeito oposto à sua intenção e solidificar ainda mais o domínio das gigantes de tecnologia dos EUA sobre os espaços online.

Com relação aos possíveis efeitos do imposto de link do Artigo 11, o Google afirmou que, se houverem as cobranças de direitos pelos jornais, será forçado a retirar o conteúdo exibido na pesquisa e fechar o Google Notícias. O imposto de link já foi introduzido na Alemanha e na Espanha, nas duas vezes foi um fracasso.

Apesar das diversas reações, entidades da indústria do mundo da música e do cinema comemoraram a aprovação da lei.

“Este é um voto contra o roubo de conteúdo”, disse Xavier Bouckaert, presidente da Associação de Mídia de Revista Europeia em um comunicado de imprensa. “Editores de todos os portes e outros criadores agora terão o direito de definir os termos e condições para que os outros reutilizem seu conteúdo comercialmente, como é justo e apropriado”, afirmou o presidente.

Especialistas em leis de direitos autorais disseram que, apesar de reações jubilosas e infelizes, o verdadeiro teste ainda está por vir. “Esse resultado é impopular com os serviços digitais e, principalmente, com muitos eleitores europeus”, disse Raffaella De Santis, advogado de tecnologia e mídia da Harbottle & Lewis em um comunicado. “O foco principal agora será em como a diretiva é implementada em toda a UE nos próximos dois anos.”

Leia na origem

Um algoritmo de música é contratado por uma grande gravadora

Além de se tornar o primeiro algoritmo a assinar com uma grande gravadora, a Endel lançará 20 albuns até o fim do ano.

O serviço de música Endel, conhecido por usar um algoritmo para criar músicas usando características do ouvinte e do clima, anunciou que se tornou o primeiro algoritmo a assinar com uma grande gravadora, a Warner Music.

Com sede em Berlim, o aplicativo utiliza meteorologia, frequência cardíaca, hora do dia e ritmos circadianos do seu corpo para criar músicas que podem melhorar o humor, o foco e até estimular o relaxamento ou o sono.

A Endel afirmou que deve lançar 20 álbuns antes do final do ano, com cinco já disponíveis em serviços de streaming.

Empresas como Avex, do Japão, a Jillionaire, do Dj e produtor musical Major Lazer, e o The Alexa Fund são investidores da Endel.

Leia na origem

O Facebook tem tudo para ser o futuro da música social

Mark Mulligan, da Midia Research trouxe uma análise sobre o Facebook e sua relação com a música. Para ele, a rede social de Mark Zuckerberg tem tudo para ser o futuro da música social.

Nós sempre acompanhamos o blog “Music Industry” de Mark Mulligan, fundador da MIDiA Research, um serviço de pesquisa e análises focado na interseção de mídia e tecnologia. Desta vez, Mulligan trouxe uma análise sobre o Facebook e sua relação com a música. A rede social de Mark Zunckerberg tem tudo para ser o futuro da música social.

De acordo com o blog, o Facebook já deu o primeiro passo ao realizar acordos de licenciamento de música na Índia. Mulligan afirmou que a rede social tem tudo para ser uma gigante na música, pois pode dar funcionalidades de interação que faltam nos aplicativos de streaming de música.

Por enquanto, a rede social não quer se tornar um serviço de streaming, até porque há pouco espaço para um novo player em escala global, fora as pequenas margens operacionais do negócio. Mulligan explicou que a rede social está mais focada na criação de experiências sociais centradas em conexões e expressão pessoal.

Mulligan falou em seu blog que as plataformas de streaming ainda não conseguiram de fato criar um sentimento de “autoexpressão” nos usuários, aquele sentimento de orgulho e paixão dos colecionadores de albuns:

“Na era analógica, os fãs de música podiam imediatamente transmitir quem eles eram com prateleiras de vinil ou CDs.[…] Dizer “eu tenho esse álbum” significava que você se importava o suficiente com esse artista para dividir o dinheiro. Na era do streaming, no entanto, essas prateleiras foram substituídas por listas de arquivos armazenados na nuvem, e “eu escutei essa música” tem pouco peso inerente”, disse Mulligan.

Algumas plataformas como o Youtube, Soundcloud e TikTok conseguem atender esse quesito com recursos de comentários e curtidas. Agora só falta o Facebook entrar no jogo com seu portfólio de aplicativos sociais.

Apesar de já haver alguns recursos voltados para a música no Facebook , Mulligan disse que a rede social precisa ir além e tem tudo para isso.

“O Facebook tem potencial para entregar, mas precisa inovar fora de sua zona de conforto para fazê-lo”, afirmou. O mercado precisa de algo novo, pois o crescimento da transmissão diminuirá e a inovação da experiência do usuário ficará limitada.

“Os formatos sociais podem ser a próxima injeção de crescimento muito necessária. Se o fluxo monetizar o consumo, o social pode monetizar o fandom. A questão é se o Facebook pode aproveitar o manto”, contou Mulligan.

 

Leia na origem

Em liminar, Warner Music perde os direitos de exploração de músicas de Gilberto Gil

Matéria de Ancelmo - O Globo

A Warner Music não terá mais os direitos de exploração do catálogo de Gil.

Ao ganhar liminar concedida pela 4ª Vara Cível do Rio, Gilberto Gil ganhou o direito de fazer a gestão de toda sua obra. Assim, a Warner Music não terá mais os direitos de exploração do catálogo de Gil.

De acordo com a coluna de Ancelmo Gois, a advogada de Gilberto Gil, Leticia Provedel, afirmou que a Warner será obrigada a apresentar todos os contratos firmados com as plataformas digitais como Spotify e Deezer, sob pena de multa diária de R$20 mil.

 

Foto: Gilberto Gil (Divulgação)

Leia na origem

Listas das Listas descobre quais albuns brasileiros foram mais recomendados em 2018

O produtor Pena Chimidt lançou sua “Lista das Listas” de 2018 para mostrar quais foram os albuns brasileiros mais recomendados das listas de melhores do ano.

Para chegar ao Top 51 da Listas das Listas, Pena desenvolveu um método para contar cada vez que um artista foi mencionado na internet em alguma lista de melhores do ano em 2018.

Segundo o produtor, foram avaliadas 183 listas de melhores do ano publicadas  entre dezembro de 2018 a janeiro de 2019. Ao todo foram 2.911 indicações para 702 discos indicados como melhores. Sendo que 405 tiveram apenas um voto e 297 albuns tiveram entre 2 e 12 votos. No topo da lista,  51 discos tiveram entre 13 e 89 indicações.

“Caçamos listas de melhores do ano por toda a internet, em sites, portais, aplicativos, onde estivessem, são todas listas públicas e todas falam da mesma coisa: recomendações de melhores discos do ano, aqueles que são sugeridos para ouvir”, informou o Pena em seu blog.

Quem espera encontrar nomes como Marília Mendonça, Anitta e outros top Sertanejos pode ficar surpreendido, afinal não necessariamente os mais ouvidos são os mais indicados como melhores.

Em 2018, as mulheres saíram entre as mais indicadas e conquistaram 8 das dez primeiras posições. Entre elas Elza Soares e Duda Beat no Top 5.

“Este conjunto do Top 51 é sempre surpreendente, não poderia ser obtido por outros critérios, não são os campeões de  vendas ou execuções em radio. Estes são artistas que gozam de uma excelente reputação por diferentes motivos, mas especialmente porque seus albuns tiveram impacto em seus ouvintes, impacto duradouro e memorável”, disse Pena.

Confira a Lista das Listas completa AQUI!

 

 

Foto: Duda Beat – Sinto Muito (Reprodução)

Leia na origem

Women’s Music Event quer ser um festival de música com line up 100% feminino

Matéria de @meioemensagem

A partir de hoje começa o Women’s Music Event, uma conferência dedicada a mostrar o papel das mulheres dentro da indústria musical. As organizadoras Claudia Assef e Monique Dardenne contaram quais as novidades deste ano e falaram sobre a possibilidade de haver um festival com line up 100% feminino.

De 22 a 23 de março acontece em São Paulo o Women’s Music Event, uma conferência dedicada a mostrar o papel das mulheres dentro da indústria musical. Segundo o portal Meio & Mensagem, nesse ano o evento traz 17 shows, 15 painéis, oito workshops, shows nas ruas e vários projetos.

Um deles é o Pitch dos Estados, no qual  produtoras culturais de seis estados brasileiros realizam uma imersão pela cena musical de suas regiões. Além disso, haverá o painel Discografia WME. Com o apoio do Spotify, as artistas Karol Conka, Julia Branco, Luiza Lian e Maria Rita Stumpf contarão como foram os processos de produção, parcerias e ações de marketing de seus recentes álbuns.

Duranteo , há também a premiação Women’s Music Event Awards para homenagear as mulheres da indústria.

A jornalista Claudia Assef e a produtora Monique Dardenne, fundadoras do Women’s Music Event, contaram ao portal que estão planejando a realização de um festival com line up formado 100% por mulheres. Por enquanto, a dupla está em fase de busca por parceiros comerciais. O festival está previsto para 2020.

“Ainda estamos no planejamento. É nossa ambição e maior desafio. Ainda não existe um festival no mundo com grande relevância com esse recorte”, contou Monique.

Em 2018, haverá uma grande novidade para as profissionais da indústria. Um novo aplicativo será lançado para que mulheres possam cadastrar seus currículos, facilitando o contato com empresas.

“O WME é nosso sonho de mudança e estamos sentindo essas mudanças. Mas o projeto não é uma coisa só minha e da Cláudia. Há um interesse maior das mulheres de se profissionalizar e se sentir à vontade nos ambientes. Temos feito campanhas para festivais colocarem mulheres na parte técnica. A conferência já está sendo considerada um evento de negócios. Você não vai para lá só para falar com a mulher do lado, mas para se profissionalizar”, contou Monique em entrevista para o Meio & Mensagem.

 

 

Foto: Claudia Assef e Monique Dardenne (Crédito: Divulgação/WME)

Leia na origem

MySpace perdeu mais de 10 anos de dados, incluindo música de seus usuários

Matéria de G1

O MySpace voltou para avisar que conseguiu perder 12 anos de dados de seus usuários.

A rede social MySpace anunciou que perdeu o equivalente a 12 anos de dados de seus usuários, incluindo contas e músicas.

“Como resultado de um projeto de migração de servidores, quaisquer fotos, vídeos e arquivos de áudio enviados há mais de três anos podem não estar mais disponíveis no MySpace. Pedimos desculpas pelo inconveniente”, afirmou a companhia em um comunicado divulgado.

De acordo com o G1, foram perdidos os dados  de 2003, quando a empresa foi fundada, a 2015, algo em torno de aproximadamente 50 milhões de músicas de 14 milhões de contas.

O MySpace tem grande importância no mundo da música por ter lançado vários artistas. Em 2006, era site mais popular dos Estados Unidos. Com a chegada das novas redes sociais como o Facebook, o portal ficou para trás, até que foi vendido para a Specific Media por apenas US$35 milhões.

 

Foto: BBC

Leia na origem

Representatividade feminina na música brasileira: Apenas nove mulheres estão na lista dos cem maiores arrecadadores de direitos autorais

Matéria de O Globo

O número da representatividade feminina no mundo da música continua baixo. Em novo relatório, UBC afirma que do total arrecadado em direitos autorais, 91% são destinados a homens.

A UBC publicou o segundo relatório do projeto “Por elas que fazem a música”, sobre a representatividade feminina na música, fazendo um mapeamento das diferenças entre os gêneros na indústria.

O número da representatividade feminina na música brasileira continua baixo. Segundo  o relatório, em 2018, entre os 100 maiores arrecadadores da associação, apenas 9 são mulheres. Do total arrecadado em direitos autorais, 91% são destinados a homens.

Com relação ao número de associados da UBC, apenas 14%  são mulheres. Se forem avaliados os membros ativos nos últimos três anos, esse número cai para 13%. Mesmo assim, o número  de associadas cresceu de 13% para 15%, em 2018.

No quesito rendimentos como intérpretes o número de mulheres representa 25,1%, enquanto homens 13,5%. Como compositores, ambos os sexos faturam mais: 76,5% para homens e 65,3% para mulheres.

Elisa Eisenlohr , coordenadora de comunicação da UBC, disse ao Globo que os dados revelados são um reflexo de um contexto social ainda maior. Ela afirmou que a pesquisa deve continuar sendo realizada anualmente.

“Estamos fazendo nossa parte ao incitar esta discussão, embora não possamos escolher o que toca nas rádios”, disse a coordenadora.

O Globo destacou que a representatividade feminina na música tem sido bastante discutida do mundo inteiro. Tanto que durante a ultima cerimônia  do Grammy foi marcada por protestos contra o “abuso, o assédio e a subestimação da capacidade das mulheres”.

“Se você tem uma filha mulher, não force balé, nem nada supostamente mais feminino. Aprender um instrumento é algo maravilhoso, mesmo que você queira ser advogada no futuro. Música é pra todxs, e isso é fundamental. Tive aula de música no colégio e isso mudou tudo. Depois estudei piano, e mais tarde violão. Houve estímulos dos meus pais para isso, e sou muito grata. Vejo uma nova cena de compositoras e instrumentistas, e fico muito feliz”, contou a cantora e compositora Letrux ao portal, afirmando que o percentual de arrecadação das mulheres pode aumentar.

 

Foto: Arte da Lari Arantes/O Globo

Leia na origem

Estudo no Brasil explica os efeitos da música no cérebro

Matéria de Nexo Jornal

No Brasil, projeto estuda os efeitos da música no cérebro para ajudar no tratamento de limitações cognitivas, motoras e sociais em pessoas com dislexia ou autismo. O estudo também revelou porque ficamos tristes ou alegres ao ouvir uma canção.

O portal Nexo entrevistou a pesquisadora Patrícia Vanzella­­­. Ela é coordenadora de um projeto que estuda os efeitos da música no cérebro.

Apesar de já existirem estudos relacionados aos efeitos da música no cérebro no exterior, aqui no Brasil é a primeira vez que há um aprofundamento na área.

“É um pouco como estudar como o ser humano evoluiu e como ele funciona”, disse Vanzella ao portal.  A pesquisadora que  coordena o projeto Neurociência e Música da UFABC (Universidade Federal do ABC), explica que a música é uma base para a pesquisa de processos neurológicos, afinal “ela envolve uma série de funções mentais que a gente usa em outros domínios, como memória, atenção, planejamento motor e sincronização”, explica.

Segundo Vanzella, o projeto fundando em 2015, faz parte do Núcleo Interdisciplinar de Neurociência Aplicada da UFABC. É o único do gênero no país, e desenvolve também várias atividades de ensino, pesquisa e extensão.

“A música  é uma coisa que a gente costuma pensar do ponto de vista das ciências humanas, como produto cultural. Mas o impulso de fazer música é universal, caracteriza o ser humano assim como a linguagem, o falar.”, cita a coordenadora do projeto.

Segundo o Nexo, o estudo os efeitos da música no cérebro tem sido usado para fins terapêuticos, reabilitação neurológica de certos casos de demência e doença de Parkinson. Além de auxiliar no tratamento de limitações cognitivas, motoras e sociais em crianças com dislexia ou autismo.

“A música facilita a comunicação em pacientes com transtorno do espectro autista, a música também diminui ansiedade, pois diminui o nível de cortisol [hormônio do stress], pode ajudar na recuperação de funções cognitivas e motoras em pacientes que tenham tido AVC. Tem terapias baseadas na estimulação musical, como uma chamada melodic intonation therapy. Quando há uma área danificada no cérebro, por um processo de neuroplasticidade outra área pode eventualmente assumir a função que foi prejudicada pelo AVC, por exemplo”, explicou Vanzella.

Além de descobrir como a música pode auxiliar em tratamentos terapêuticos, o estudo também revelou porque ficamos felizes ou tristes ao ouvir uma canção:

“Alguns aspectos acústicos parecem ser universais. Outros são nitidamente culturais, de acordo com a música que você escuta. Por exemplo, algo que você ouve desde pequeno você vai associar com uma determinada emoção. Entre os aspectos acústicos comuns estão o andamento da música: mais rápido, em geral, passa uma sensação de música alegre, ou mais triste quando o andamento é mais lento. Intensidade é outro aspecto: quando a música é mais forte, mais agitada, ela é percebida como alegre. Entre diferentes aspectos culturais, por exemplo, há os modos maior e menor [sistema de classificação de escalas musicais]. A gente associa normalmente o modo maior com música alegre e o menor com música triste”, revelou a pesquisadora.

 

Foto: MARKO JURICA/REUTERS

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?