Tatuadores e empresas vão à Justiça para saber quem é o dono das tatuagens nos games

Matéria de O Globo

“O copyright não é do tatuado, mas sim de quem criou: o tatuador “. O portal O Globo publicou uma notícia sobre direitos autorais em video games. Empresas desenvolvedora de games estão sendo processadas por não pagar direitos autorais à tatuadores.

No mundo dos games, cada vez mais os desenvolvedores tentam trazer a realidade para o jogador. É comum que figuras do mundo real, como celebridades e jogadores apareçam nos games, e lá todo detalhe é reproduzido, até as tatuagens. Porém, nesta característica, é preciso lembrar que há direito autoral para o tatuador, o que muitas vezes não é respeitado.

Segundo o portal  O Globo, na lei americana, “qualquer ilustração ‘fixada em meio tangível’ é passível de direitos autorais”, incluindo tinta e pele. E é por isso que muitos tatuadores tem buscado a Justiça para terem seus direitos. O copyright não é do tatuado, mas sim de quem criou: o tatuador.

A empresa desenvolvedora de jogos americana, Electronic Arts, foi processada pelo autor dos desenhos que apareciam na capa do jogo “NFL Street”. A EA já recriou mais de 100 tatoos em seus jogos de futebol e luta, como a do jogador Lionel Messi.

Empresários já estão orientando seus atletas para assegurar licenças sobre suas tatuagens antes mesmo de fazê-las e há tatuadores que não se importam s, já que sua arte será vista em vários lugares.

— Realmente, não me importei — disse Gotti Flores, que se surpreendeu ao saber que deveria dar permissão à EA para que sua tatuagem no braço de Mike Evans fosse usada em um jogo. “Foi um barato ter minhas tattoos no videogame”, afirmou Flores.

Uma saída que poderia reduzir os custos com direitos autorais no desenvolvimento dos jogos seria a remoção das tatoos, ou a substituição por outro desenho que esteja em domínio publico, porém a busca pela reprodução da realidade seria afetada.

“Minhas tatuagens fazem parte da minha personalidade e identidade”, escreveu LeBron James, jogador de basquete que está no jogo Fifa2K18 com suas tatoos. “Se eu não for mostrado com minhas tatuagens, não seria realmente uma representação minha.”, afirmou o jogador.

 

Foto: Messi/Reprodução

Leia na origem

Venda de álbuns está despencando tão rápido quanto serviços de streaming estão crescendo

Matéria de Rolling Stone

Enquanto nenhuma música conseguiu bater a marca de 1 milhão de vendas, as plataformas de streaming bateram todos os recordes em 2018. Confira novo relatório da BuzzAngle publicado pela Rolling Stone.

O portal da Rolling Stone publicou um novo relatório sobre as vendas de música no mundo. De acordo com o relatório elaborado pela BuzzAngle , a venda de discos caiu 18.2% no ano passado e houve crescimento nos serviços de streaming de música e vídeo.

Nenhum música conseguiu bater a marca de 1 milhão de vendas. Em 2017, apenas 14 faixas atingiram a meta.

Em 2018, os serviços de streaming de música e vídeo cresceram 35.4%. As plataformas digitais de música bateram todos os recordes. Foram mais de 534 bilhões de reproduções, 42% a mais que em 2017.

Segundo o relatório, 77% das músicas ouvidas nos Estados Unidos em 2018 foram em plataformas de streaming , 17,3% dos consumidores compraram álbuns (físico  ou digital) e 5.7% compraram  singles digitais.

“As estatísticas e a queda nas vendas podem assustar, mas não devem ser interpretadas como algo necessariamente ruim. Esse resultado nada mais é que a evolução da indústria fonográfica agindo, e isso pode ser concluído a partir do dado também divulgado de que o consumo de música cresceu na casa de dois dígitos pelo segundo ano consecutivo”, analisou o portal.

 

Foto: Drake (Reprodução)

Leia na origem

Trilhas sonoras impulsionam o crescimento no consumo de música no Reino Unido.

Matéria de @MusicWeek

Primeira notícia de 2019! Pelo quarto ano consecutivo, o consumo de música cresceu no Reino Unido. Em 2018, as vendas foram impulsionadas pelas trilhas sonoras de filmes como “The Greatest Showman”, “Mamma Mia: Here We Go Again””, “A Star Is Born” e “Bohemian Rhapsody”.

A BPI – “British Phonographic Industry”,  associação de negócios da indústria fonográfica britânica – com base nos dados da Official Charts Company, divulgou um novo relatório sobre o consumo de música no Reino Unido. Em 2018, impulsionada pelo consumo de trilhas sonoras, o consumo de música  aumentou 5,7% (135,1 milhões), um valor de varejo estimado de £1,33 bilhões.

De acordo com o portal Music Week, em 2017, grandes artistas como Adele e Ad Sheeran desempenharam papéis importantes no consumo de música no Reino Unido. No entanto, em 2018, as vendas foram impulsionadas pelas trilhas sonoras de filmes.

A trilha sonora do filme “The Greatest Showman” foi o título mais vendido do ano, batendo o recorde da cantora Adele por semanas.  Fizeram parte dos mais vendidos a banda Abba na trilha sonora de “Mamma Mia:Here We Go Again” (No.4), Lady Gaga e Bradley Cooper com músicas do filme “A Star Is Born” (No.7) e a banda Queen, com a trilha sonora do biográfico “Bohemian Rhapsody”.

Os artistas britânicos também se destacaram na indústria da música, eles foram responsáveis ​​por metade dos 20 álbuns mais vendidos no mundo em 2018. Em primeiro lugar ficou o cantor George Ezra com seu álbum “Staying At Tamara’s. Artistas e bandas como Ed Sheeran (÷), Dua Lipa (Dua Lipa) e Arctic Monkeys (Tranquilidade Base Hotel + Casino) ocuparam as primeiras posições de vendas de álbuns.

Segundo o relatório, o streaming de música representou quase dois terços do consumo de música no Reino Unido (63,6%) e em dezembro de 2018, o mercado testemunhou um novo marco de 2,0 bilhões de streaming de música em uma única semana.

Outro ponto-chave do relatório indicou o aumento de 1,6% nas vendas de vinil, com os 4,2 milhões de LPs comprados. As vendas de LP estiveram no nível mais alto desde o início dos anos 90. Atualmente, o vinil é responsável por cerca de 3% da música consumida no Reino Unido.

Tranquility Base Hotel + Casino  da banda Arctic Monkeys foi o álbum mais adquirido em vinil em 2018 e também foi o LP mais vendido em 25 anos desde que os discos começaram em 1994.

“O crescimento do consumo de música e a força dos artistas britânicos no cenário mundial estão energizando histórias de sucesso para os selos. Embora ainda seja difícil para os artistas menores romperem a vasta quantidade de música disponível, 2018 provou ser um ano estimulante em que a indústria da música se uniu para exigir um pagamento justo dos grandes gigantes da tecnologia, através do Artigo 13”, analisou Vanessa Higgins, diretora executiva da Regent Street Records e membro independente do conselho da BPI.

Leia na origem

Ator de Carlton, de Um Maluco no Pedaço, processa Epic Games por ‘dança roubada’ em Fortnite

Matéria de ESPN.com

“É possível ter direito autoral sobre um passo de dança?”. O ator Alfonso Ribeiro, que interpretou o personagem Carlton Banks, em Um Maluco no Pedaço, está em um processo judicial contra a Epic Games. O ator alega que sua dancinha do programa foi copiada no jogo Fortnite.

O ator Alfonso Ribeiro, famoso por interpretar o mauricinho Carlton Banks, no seriado Um Maluco no Pedaço, está em um processo judicial contra a Epic Games.

De acordo com o portal da ESPN, nos documentos divulgados pelo TMZ, Alfonso alegou que a Epic Games usou sua dança nomeada de “Fresh” no jogo Fortnite. “Segundo o processo, o ator está atualmente tentando adquirir os direitos autorais da dança”, afirmou a ESPN.

“É amplamente reconhecido que a imagem e propriedade intelectual de Ribeiro foram apropriadas pela Epic Games no videogame mais popular no mundo atualmente, Fortnite. A Epic ganhou lucros recorde com conteúdo que se compra no jogo, incluindo danças como ‘Fresh’, afirmou David Hecht, advogado de Alfonso ao TMZ.

A advogada Shanti Sadtler, consultada pelo Insider, explicou que nos EUA, passos de dança não são considerados como aquisição de direito autoral.

A Epic Games não se manifestou sobre o assunto e se recusou a responder sites como o Insider e o TMZ.

Foto: Reprodução

Leia na origem

Mudanças tecnológicas e crise ameaçam o DVD musical

Matéria de O Globo

Será que neste Natal o DVD, produto tradicional de fim de ano, será deixado de lado? Gravadoras estão cada vez menos investindo no formato e a crise financeira das grandes livrarias estão contribuindo para que as vendas diminuam.

O portal O Globo publicou uma matéria sobre o consumo do DVD. Gravadoras estão deixando de lado o formato e cada vez mais investindo em novidades para o Youtube. Enquanto na Netflix, a aposta vai para os documentários musicais como os da banda Rolling Stones e da cantora Lady Gaga.

De acordo com Jorge Lopes, diretor da Biscoito Fino, houve uma grande mudança no mercado e a crise financeira das grandes livrarias só prejudicam as vendas de DVDs: “Não é o mesmo mercado de dez anos atrás, quando você prensava 50 mil cópias de um DVD histórico”, afirmou o diretor.

“Mas com os problemas financeiros de grandes lojas como as livrarias Cultura e Saraiva (ambas estão em processo de recuperação judicial ), nem as cinco ou dez mil pessoas que gostariam de ter esse DVD estão com acesso fácil a ele. A saída é vendermos pela internet, em lojas virtuais, e montar aquela banquinha nos shows, com o CD e o DVD para quem quiser”, continuou Lopes para O Globo

Para Paulo Junqueiro, presidente da Sony Music Brasil, se o foco do lançamento for a promoção em outros canais o formato ainda pode ser válido: “Se você lançar um DVD apenas para a venda do produto físico, sua existência não se justifica”, disse Junqueiro.

“Se formos pensar em outras janelas, como a comercialização dentro e fora do Brasil (que justificaria uma prensagem maior), a exibição em canais pagos de TV e até a divulgação do próprio show, pode ser”, afirmou Junqueiro.

A gravadora Deck em 2018 filmou os shows de Humberto Gessinger, Blitz, Lô Borges e Toquinho, e no ano que vem esses lançamentos estarão presentes em mais lojas virtuais do que nas físicas.

“Produzindo um DVD ao vivo, você gera conteúdo, que é o mais importante hoje em dia”, contou Rafael Ramos, sócio da gravadora Deck.  “Um show inteiro filmado tem 16 ou 18 videoclipes das músicas, tocadas ao vivo, em versões diferentes das originais. Cada vídeo desses vai para o YouTube e rende um pouquinho a cada visualização. Assim, você vai engordando o porquinho, aos poucos”, explicou Ramos.

As opiniões sobre a perpetuidade do formato variam. Ramos acredita que o DVD físico pode não morrer tão cedo: “nem que seja apenas como cartão de visitas para o mundo digital”, afirmou.

Junqueiro afirmou  que é uma questão de tempo para que o DVD e o CD deixem de existir: “Acho que ambos estão naturalmente condenados”, disse ele. “Se bem que o formato físico já foi dado como morto outras vezes e apenas um produto foi substituído por outro. Quem sabe, daqui a pouco surge uma outra forma que desconhecemos?”, continuou Junqueiro.

Foto: Maria Bethânia e Zeca Pagodinho no DVD “De Santo Amaro a Xerém”  – Divulgação/Marcos Hermes

Leia na origem

Estudo diz que streaming vai arrecadar mais do que bilheterias de cinema em 2019

Matéria de UOLEntrete @UOL

Pesquisa confirma que as plataformas de streaming como Netflix e Amazon irão bater a arrecadação das bilheterias de cinema. O motivo: ingressos de cinema com valores mais altos que as plataformas de streaming.

O portal UOL publicou uma pesquisa realizada pela Ampere Analysis sobre o mercado de streaming  e cinema no mundo. A pesquisa confirmou que as pessoas estão preferindo plataformas como Netflix e Amazon do que ir aos cinemas.

A previsão é que plataformas de streaming baterão a arrecadação dos cinemas, com US$46 bilhões. Os cinemas deverão faturar US$ 40 bilhões em 2019.

Segundo a Ampere, a perda de interesse pelo cinema é devido aos preços dos ingressos. Muitas vezes, para o consumidor, é muito mais válido pagar por um serviço de streaming do que ir ao cinema.

A pesquisa indicou que em países como o México, onde o valor do ingresso fica em torno de US$2,50 (R$9,70), as pessoas costumam ir ao cinema 3 vezes ao ano. Na região escandinava da Europa, onde o ingresso chega a US$13 (mais de R$50), a média cai para 1 visita ao cinema por ano.

Nove entre quinze países como EUA, Reino Unido e Alemanha, possuem ingressos de cinema com valores mais altos que a assinatura de um serviço de streaming.

O país que possui menor freqüência de público nos cinemas é o Japão. O ingresso custa mais que o dobro das plataformas.

 

Foto: Getty Images

Leia na origem

Indústria da música: os números de 2018 e as previsões da Midia Research.

Matéria de MIDiA Research

2018 está chegando ao fim e já estamos atrás das previsões da indústria da música para o ano que vem . De acordo com a pesquisa da MIDiA Research, a receita de música gravada global gerou US$18,9 bilhões este ano, o que representa um aumento de 8,2% em relação a 2017. Confira a análise de Mark Mulligan sobre os números da indústria da música em 2018 e as principais previsões para o mercado em 2019.

Mark Mulligan publicou em seu blog com a Midia Research, uma análise sobre os números da indústria da música em 2018 e as previsões mais importantes do mercado para o próximo ano.

A pesquisa foi realizada com base nos três primeiros trimestres do ano e os primeiros indicadores para o quarto trimestre. Para criar a estimativa de receita de fim de ano da indústria da música, foram coletados dados de gravadoras, associações comerciais e também dados confidenciais das principais plataformas de Artist Direct/DIY. Foram comparados os números com relação a 2017.

De acordo com a pesquisa, a receita de música gerou US$18,9 bilhões este ano, o que representou um aumento de 8,2% em relação a 2017, uma taxa de crescimento menor do que os dois últimos anos. No entanto, a nova receita líquida (US$1,4 bilhão) – é quase a mesma, o que confirma que o crescimento do mercado de música gravada continua estável e em crescimento.

Com relação ao streaming, as receitas podem chegar a US$9,6 bilhões, com taxa de crescimento de 29%. Houve crescimento em mercados de streaming maduros – especialmente nos EUA – com aumento no faturamento de US$0,8 bilhão.

O MIDiA Research foi o pioneiro a contabilizar  a receita através dos Artistas Diretos (Artists Direct) , que são os artistas independentes e plataformas/DIY ( Faça você mesmo). O blog informou que o crescimento deste tipo de segmento foi “espetacular”. A receita total de Artist Direct foi de US$643 milhões, um aumento de 35% em relação a 2017, ou seja, três vezes maior que o mercado. Além disso, a participação de mercado chegou a 3,4% em 2018.

Vale ressaltar que apenas uma parte da receita de Artists Direct é medida pela IFPI (Federação Internacional da Indústria Fonográfica). Categorias como as vendas de CDs em shows não são medidas nem pelas gravadoras nem pelas associações comerciais. Portanto, é esperado que o total de música gravada no mundo seja de US$18,6 bilhões.

O que esperar da indústria da música em 2019? A previsão do MIDiA Research é de que as  receitas globais cresçam novamente em 2019 atingindo a marca de US$25 bilhões (onde o mercado estava em 2000, antes do declínio).

Pode haver uma desaceleração no crescimento de streaming em mercados maduros (EUA, Reino Unido), mas o impacto será compensado pelo crescimento em mercados como o Japão, a Alemanha, o Brasil e o México. O crescimento geral do mercado, embora ainda forte, será mais lento.

2019 será um ano de crescimento para os Artistas Diretos e outros modelos alternativos que se estabeleceram nos últimos anos. “Nunca foi uma época melhor para ser um artista, contanto que você e/ou sua gerência tenham clareza suficiente para saber o que pedir”, concluiu Mulligan.

Foto: MIDiA Research

Leia na origem

Direito autoral é essencial para a produção dentro da economia criativa

Matéria de EXAME

Durante evento sobre cultura e economia criativa, Glória Braga, superintendente executiva do Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição); Carolina Panzolini, diretora do departamento de política regulatória do Ministério da Cultura; e Victor Drummond, advogado especialista em propriedade intelectual conversaram sobre o reconhecimento do direito autoral dentro da economia criativa.

Na sexta-feira passada (14) aconteceu o primeiro Fórum Cultura e Economia Criativa do portal exame. Durante o evento, profissionais da indústria da música discutiram sobre o reconhecimento do direito autoral dentro da economia criativa.

Participaram do debate Glória Braga, superintendente executiva do Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição); Carolina Panzolini, diretora do departamento de política regulatória do Ministério da Cultura; e Victor Drummond, advogado especialista em propriedade intelectual.

Para Glória Braga, não há conteúdo sem remuneração aos criadores: “A remuneração dos criadores é a mola mestra da economia criativa. Se os criadores não forem pagos adequadamente, como continuarão criando? É preciso conteúdo para que toda essa cadeia produtiva continue existindo”.

“Ele está presente na nossa vida cotidiana, todo mundo é afetado por ele, consome algo onde ele está presente. Artistas são como insumos. Claro que produzir cultura não [é] igual a produzir arroz, mas a cultura gera valores para economia do mesmo modo”, afirmou Victor Drummond.

Carolina Panzolini, do Ministério da Cultura, falou sobre a presença do direito autoral na vida das pessoas: “O direito autoral perpassa a vida de todo mundo. Achamos que isso está longe de nós, mas está no nosso dia a dia, ainda mais nós, que somos os consumidores”, afirmou.

Os profissionais também falaram sobre a pirataria na internet. Segundo o portal, mesmo com o entendimento por parte dos consumidores de que é válido pagar pelo consumo de conteúdo, a presença de conteúdo ilegal ainda existe.

“Ainda há pirataria na internet e até pirataria física, mas ficou para trás. As pessoas estão assinando os streamings. Não são caros, são fáceis de usar, disponibilizam uma infinidade de conteúdo”, contou Glória.

“Ninguém imaginava na época que surgiu o Napster que um dia a gente ia voltar a comprar música. Foi surpreendente. O direito autoral não vai desaparecer com a tecnologia”, afirmou Drummond.

Leia na origem

Lei Rouanet traz retorno 59% maior que valor financiado, mostra FGV

Matéria de EXAME

Nesta sexta-feira o portal EXAME publicou um estudo sobre o impacto econômico da Lei Rouanet desde sua implementação. O estudo realizado pela Fundação Getúlio Vagas (FGV) descobriu que a Lei Rouanet traz um retorno 59% maior que o valor financiado.

De acordo com o novo estudo realizado pela Fundação Getúlio Vagas (FGV) sobre o impacto econômico da Lei Rouanet, a cada R$1 captado e através da Lei – R$1 de renúncia em imposto – é gerado em média R$1,59 na economia local. “Ou seja, a economia criativa incentivada pela lei gerou, na ponta final, recurso 59% maior em relação à ponta inicial. Em outras palavras, o incentivo à cultura gerou riquezas à sociedade, não custos”, informou o Exame.

Foram gerados pela lei R$31,22 bilhões em renúncia fiscal desde 1993 até este ano, resultando em um impacto econômico de R$49,78 bilhões.

Segundo o estudo, 90% dos recursos da lei, das renúncias fiscais, foi para projetos pequenos, que não chegaram a 100 mil reais. Destes, 66,3% possuíram gastos menores que 25 mil reais. “Contrariando o senso comum de que apenas grandes empresas ou artistas famosos estariam “tirando proveito” da Rouanet”, analisou o portal informando que a lei também beneficia o aquecimento de micro e pequenas empresas dentro da economia criativa, incentivando a inovação e o empreendedorismo.

“Esses dados rebatem muitas das críticas que a lei sofre. A agenda da cultura é uma agenda econômica e é fundamental para o Brasil de hoje”, concluiu o coordenador da FGV, Luiz Gustavo Barbosa.

 

Foto: Pilar Olivares/Reuters

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?