Tensions between Prince heirs continue, questions asked about Universal deals

Herdeiros de Prince questionam sobre acordos realizados entre a Universal Music e representantes do artista.

A Universal possui três grandes negócios realizados com os representantes de Prince,  L Londell McMillan e Charles Koppelman. Entre o acordo está a representação de músicas gravadas e não lançadas, todo o catálogo, sua marca e negócios de merchandise. Tudo foi avaliado em 60 milhões de dólares.

No entanto, os herdeiros de Prince estão alegando que os conselheiros poderiam ter realizado melhores acordos. Como uma oferta apresentada pela Sony Music.

Houveram várias tensões e desentendimentos entre os seis presumíveis herdeiros de Prince, alguns dos quais já criticaram o trabalho de McMillan e Koppelman para a propriedade.

Leia na origem

Australia’s Recorded Music Market Reports Growth in 2016, Streaming Revenue Soars

Matéria de Billboard

Segundo dados da ARIA o mercado de música gravada na Austrália continua em ascensão. Com o crescimento de música em streaming, o mercado obteve um crescimento de 5,5% em receita, A$ 352,2 milhões (US $ 269 milhões) em 2016. Veja análise sobre os números divulgados.

O Streaming foi novamente o herói. do mercado de música Australiano. A receita de produtos de streaming (que representa a soma da receita de serviços de assinatura, modelos “ad-supported” e streaming de vídeo) cresceu mais de 90%, um montante de A$ 135 milhões em 2016, ou seja, 38,5 % do valor total do mercado de música gravada.

Com streaming em ascensão, o mercado digital (incluindo downloads) atingiu A$ 244 milhões (US $ 186 milhões), um ganho de 17,6% no período de 12 meses anteriores. As vendas digitais representam agora cerca de 70% do mercado total.

A receita de CDs caiu em 21%, embora o formato ainda responda por cerca de 25% do mercado total. Enquanto isso, as vendas de vinil cresceram 70%, mais de US $ 15 milhões.

Leia na origem

NAPSTER FINANCIALS SHOW ITS NET LOSSES MORE THAN HALVED IN 2016

Matéria de Gizmodo

De Spotify a SoundClound, com a dificuldade de construir um negócio rentável de streaming de músicas, descubra quais os serviços apresentam maior rentabilidade e quais estão mais propensos a deixarem de existir.

Apesar de se tornarem o novo jeito de se ouvir música, os serviços de streaming não conseguem ser rentáveis e possuem muito problemas financeiros.

O modelo para assinantes faz com que seja ainda mais difícil para essas empresas ganharem dinheiro, pois ainda há vários custos como infraestrutura, folha de pagamento e marketing. As altas taxas de licenciamento de música pagas às gravadoras somadas às assinaturas tornam as margens de lucro muitas vezes negativas. Lucratividade, mesmo para os maiores players, ainda é em grande parte um sonho. Como resultado, é um jogo onde apenas os serviços com um monte de financiamento e muitos usuários (Spotify), ou um grande apoio por uma “empresa-mãe” e um monte de usuários (Apple Music), são relativamente seguros. Pelo menos por agora.

Nessa briga para alcançar o sucesso como uma plataforma de streaming de músicas, veja uma lista interessante sobre os desafios financeiros que cada serviço de streaming está enfrentando.

Leia na origem

Pandora is betting its future on a new on-demand music service called ‘Premium’ — here’s what it’s like to use

Uma avaliação sobre os principais recursos do serviço de streaming Pandora Premium e uma comparação entre o Spotify.

Com o lançamento do novo serviço Premium do Pandora, a rádio está apostando tudo e acredita que conseguirá 9 milhões de assinantes até o fim do ano.

O serviço além de ser bonito é intuitivo e prático, porém ainda falta melhorar seus recursos em listas de reprodução.

Leia na origem

This Brazilian Streaming Music Player Is Challenging Spotify, Using Chatbots

Matéria de Forbes

A Forbes entrevistou na SXSW o co-fundador e CEO Gustavo Goldschmidt do SuperPlayer. Ele conta como os chatbots estão ajudando a plataforma a conseguir ouvintes e se destacar no mercado brasileiro.

Os chatbots são essenciais para o serviço ao cliente, mas o SuperPlayer é o primeiro a integrar a música em chatbots, e de forma eficaz.

Gustavo Goldschmidt, Co-Fundador e CEO da plataforma fala que através do uso dos chatbots, artistas podem enviar sua programação de shows, vídeos e também listas de reprodução que levam os usuários ao serviço de streaming. Além de ser benéfico para os artistas, o SuperPlayer possui uma boa estratégia na qual ele se beneficia conseguindo novos usuários .

Leia na origem

Kobalt Music Recordings reveal the secrets of their most successful campaigns

Matéria de @MusicWeek

O presidente da Kobalt, Paul Hitchman comenta algumas campanhas criativas e inovadoras para promover seus artistas independentes.

Fundada em 2012, a Kobalt começou sua vida como um destino para artistas independentes que procuram uma alternativa ao tradicional modelo de gravadora. Os últimos 12 meses, em particular, foram extremamente bem sucedidos.

Aqui, Paul Hitchman, presidente da Kobalt Music Recordings, fala das principais campanhas para divulgar artistas como Nick Cave, David Gray, Pet Shop Boys e Frank Carter & The Rattlesnakes. Todas trouxeram inovação e criatividade para o mercado.

Leia na origem

KOBALT LAUNCHES AWAL APP TO ‘DEMYSTIFY’ STREAMING DATA FOR INDEPENDENT ARTISTS

Com o lançamento do app AWAL, a Kobalt promete ajudar artistas independentes a ter um maior controle de suas músicas.

O AWAL fornece aos artistas independentes informações sobre quais dados demográficos estão sendo transmitidos pela música e onde seus ouvintes estão localizados. Além disso, exibe dados de suas receitas de royalties.

Assim o app fornece uma riqueza de insights sobre o desempenho de um artista independente em toda a Apple Music e Spotify. Os usuários do AWAL serão alertados quando sua música for adicionada a uma lista de reprodução no Spotify ou Apple Music.

O objetivo do aplicativo, segundo o presidente da Kobalt Music Recordings, Paul Hitchman, é colocar “ferramentas de nível profissional nas mãos de artistas independentes”. Em outras palavras, ajudar esses artistas a tomarem decisões com base em recomendações e insights que poderiam anteriormente só obter através da assinatura de uma gravadora.

Haverá um acordo no qual o AWAL receberá 15% dos royalties destes artistas em troca de oferecer distribuição digital e outros serviços. A grande vantagem é os artistas terão 100% de seus direitos, e são apenas comprometidos com a AWAL.

O app estará disponível para iOS e Android, porém apenas alguns artistas selecionados terão acesso. A equipe de A&R da Kobalt prestará atenção em artistas independentes em ascensão no Spotify e na Apple Music e pretende incentivá-los com adiantamentos em dinheiro para acelerar sua carreira.

Leia na origem

BMG REVENUE TOPPED $450M IN 2016, WITH A 23% PROFIT MARGIN

Em 2016 a BMG aumentou sua receita anual em 12,2%, chegando a 416 milhões de euros (US $ 460 milhões). Confira a análise do site MBW sobre o desempenho da BMG em 2016

Além do aumento em receitas, a BMG gerou um EBITDA operacional (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização – Lajida) de € 95m ($ 105m) em 2016. O aumento foi de 13,1% em relação ao ano anterior (84 milhões de euros), um aumento que atribuiu particularmente ao desenvolvimento no Reino Unido e nos Estados Unidos.

O aumento das receitas foi impulsionado pelo negócio editorial no Reino Unido, Austrália e Europa continental. Houve um forte negócio de música gravada na Europa continental, nos Estados Unidos e no Reino Unido e também ao aumento mundial da receita de ofertas de streaming.

O MBW faz uma grande análise sobre as receitas anuais da BMG e compara seu desempenho às concorrentes, como Universal, Sony e Warner.

Leia na origem

Ending digital copyright act would fundamentally change Internet

Matéria de TheHill

A Indústria de Direitos Autorais está trabalhando para que o governo americano crie uma lei que obriga sites a bloquearem conteúdos ilegais através de uma filtragem de conteúdo. Se aprovada, a lei irá impactar a internet e a lei DMCA (Digital Millennium Copyright Act).

A DMCA garante que qualquer pessoa pode usar plataformas da Internet para criar conteúdo, publicar comentários e compartilhar ideias on-line, desde que as plataformas utilizadas sejam devidamente responsabilizadas. Sem a DMCA, as plataformas on-line poderiam ser processadas se um de seus usuários postasse algum conteúdo protegido por direitos autorais entre os milhões de vídeos e remixes.

Mas antes que os legisladores determinem a lei sobre filtragem de conteúdos em sites, é preciso haver uma discussão aprofundada sobre o tema com usuários da Internet, startups e criadores de conteúdo, analisando como essas tecnologias funcionam e o que elas são capazes de fazer.

Conforme é abordado o assunto na notícia, antes que antes de criada a lei é necessário que todos entendam as limitações inerentes às tecnologias de filtragem, pois reverter duas décadas de política sensata de direitos autorais para exigir que as plataformas implantem ferramentas que são onerosas, facilmente evitadas e de escopo limitado, prejudicaria profundamente as empresas iniciantes, os usuários e os criadores da mesma maneira.

Leia na origem

VPNs Won’t Save You from Congress’ Internet Privacy Giveaway

Matéria de WIRED

Com a aprovação das novas regras sobre segurança na internet, americanos precisam entender sobre as tecnologias que podem ser usadas para proteger a segurança de seus dados.

A Câmara dos Deputados americana aprovou as novas regras com relação à segurança de dados na internet. Se aprovada por Trump, provedores de serviços de internet poderão vender seus dados de navegação para empresas.

O site fala do impacto das novas regras para os usuários de internet e dá algumas dicas ao leitor de como se manterem protegidos. O VPN (Virtual Private Network), por exemplo, pode ser útil, mas é preciso olhar os contratos assinados com operadoras.

Leia na origem

©2021 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?