Após repercussão causada por fake News, a Sony Music negou que usou vocais de um imitador no álbum póstumo de Michael. Saiba os detalhes das acusações.

A Sony Music está sendo acusada por lançar um álbum com vocais de um imitador no álbum póstumo de Michael Jackson. Após uma audiência, saíram várias notícias pelo mundo dizendo que a gravadora admitiu o erro, porém eram fake news e tudo foi negado.

Em 2014, Vera Serova, fã de Michael Jackson, entrou com uma ação coletiva para denunciar que três músicas de Michael – “Breaking News”, “Keep Your Head Up”, e “Monster”, com 50 Cent – não eram cantadas por ele.

Durante o processo Serova apresentou uma pesquisa realizada por um fonoaudiólogo forense, Dr. George Papcun, para confirmar suas reivindicações. A pesquisa de 41 páginas tentou provar que os vocais nas faixas não poderiam ter sido gravados pelo rei do pop, entretanto não foi o bastante para o encerramento do caso.

Em resposta, a Sony Music, responsável por lançar o álbum em 2010, argumentou que não sabe realmente se as gravações foram feitas por um imitador, pois foram realizadas pela Angelikson Productions LLC, produtora de um amigo de longa data de Jackson, Eddie Cascio, incluso na ação de Serova.

Na semana passada, uma audiência foi realizada na Califórnia. Não para saber sobre a veracidade dos vocais, mas sim para determinar se haverá danos aos fãs que compraram o álbum e possíveis penalidades. O advogado da gravadora e dos representantes do artista argumentou sobre onde e como as repercussões legais devem acontecer sob a hipótese da comprovação das gravações.

Isso foi o bastante para gerar várias interpretações sobre o caso. Manchetes dos jornais The Sun, Spin, Fortune, Vulture e Fox News, afirmaram que a Sony ‘confessou’ ter lançado o álbum com os vocais falsos de Jackson.

A Sony Music emitiu uma declaração em seu nome e em nome dos representantes do artista negando a história: “Ninguém admitiu nada. A audiência de terça-feira foi sobre se a Primeira Emenda protege a Sony Music e o Estado (representantes de Michael) e não houve nenhuma decisão sobre a questão de cuja voz está nas gravações”, afirmou a gravadora.

Essa é uma acusação muito grave para a gravadora, mas independente das gravações serem falsas ou não, é importante mencionar o poder das fake news. Rapidamente a notícia se espalhou pelo mundo apenas pelos rumores criados através da audiência. Infelizmente, como diz o velho ditado: “Uma mentira chega ao outro lado do mundo antes que a verdade esteja pronta”.

Atualização: a Sony Music foi inocentada pelo tribunal por não saber se as gravações foram falsas. Agora quem responderá pelo processo serão os produtores das músicas.

Tags:

Leia na origem

©2018 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?