AFTER 15 YEARS OF DECLINE, FRANCE’S RECORDED MUSIC MARKET RETURNS TO GROWTH

Após queda das receitas do setor musical, o mercado francês registrou um crescimento financeiro significativo pela primeira vez em 15 anos, em 2016.

De acordo com o SNEP (Syndicat National de l’édition Phonographique), a assinatura de streaming de áudio é a principal aliada ao crescimento, com 55% a mais no ano anterior.

Para a presidente da SNEP, Stéphane Le Tavernier, o mercado francês está recuperando suas cores e encontrando meios para construir seu futuro. Para ela, este forte crescimento é a recompensa justa de uma década de trabalho e investimento de produtores, artistas e seus parceiros na indústria da música para se adaptar à nova realidade digital,

Artistas franceses, somaram 18 dos 20 melhores álbuns mais vendidos de 2016 , mas a faixa mais transmitida foi da Sia, Cheap Thrills.

De acordo com a IFPI, a França foi o quinto maior mercado de música gravada do mundo em termos de atacado em 2015.

Leia na origem

SONY MUSIC EARNED $1.2BN FROM STREAMING PLATFORMS IN 2016

No Balanço Patrimonial referente a 2016 da Sony Music, a empresa demonstra estar faturando bilhões em streaming.

A Sony Music Entertainment gerou 134,83 ​​bilhões de ienes – moeda usada no Japão – (US $ 1,24 bilhões) em streaming de música no calendário de 2016 – e 40,65 bilhões de ienes (US $ 372 milhões) nos três meses até o final de dezembro.

Isso significa que a divisão de música gravada da Sony agora está ganhando aproximadamente US $ 124 milhões por mês, US $ 31 milhões por semana, US $ 4 milhões por dia e US $ 167 mil a cada hora pelos gostos do Spotify e Apple Music.

A venda física continuou a ser a principal fonte rentável para os selos da Sony Music em 2016. CD e vinil geraram 137,23 bilhões de ienes (US $ 1,26 bilhões) no ano – 1,8% (cerca de US $ 21 milhões), mais do que streaming.

Também foi divulgada as faixas mais vendidas:

  1. Pentatonix – A Pentatonix Christmas
  2. Leonard Cohen – You Want It Darker
  3. Nogizaka46 – Sayonara no Imi
  4. The Chainsmokers – Collection of Tracks
  5. Sia – This Is Acting
  6. Robbie Williams – The Heavy Entertainment Show
  7. Elvis Presley – The Wonder of You
  8. Little Mix – Glory Days
  9. Various – TROLLS (Original Motion Picture Soundtrack)
  10. Keyakizaka46 – Futari Saison

Análise completa na notícia.

Leia na origem

Insights Blog: Five bits of newsworthy copyright jargon

Com tanta complexidade, fica difícil entender o significado de certas palavras quando se fala em Direito Autoral. Conheça os cinco jargões mais usados pelos profissionais no ano passado.

O mundo da música pode ser muito complexo, principalmente quando se fala em Direitos Autorais.

Com tantas normas. Pode ser complicado entender tudo. Por isso o texto explica os cinco jargões mais usados pelos profissionais da área.

Leia na origem

Proper’s Drew Hill on why physical albums remain vital for the health of the music biz

Matéria de @MusicWeek

Mesmo com o crescimento do streaming de música, os CD’s continuam permanecendo no mercado contribuindo para a história da música.

Mesmo com o streaming fazendo com que as vendas de CD’s diminuíssem, 47,3 milhões de exemplares foram vendidos para os britânicos em 2016. O que prova claramente que o formato continua resistente.

Tanto que artistas como Michael Ball e Alfie Boe (Juntos), Rolling Stones (Blue & Lonesome) e Michael Bublé (Nobody But Me), venderam muito e com relativamente pouca contribuição do streaming. Além disso, cada vez mais consumidores procuram produtos exclusivos como vinil colorido e pacotes de edição limitada.

Esses fatores contribuem para a permanência dos CD’s no mercado, não devendo ser ignorado, pois eles fazem parte da história da indústria de música.

Leia na origem

Spotify, Playlists and Profitability: On Playing The Long Game

Matéria de hypebot

Lucas Gonze responde à análise de Mark Mulligan sobre Netflix e Spotify. Para ele a chave de sucesso para o Spotify seria focar em estratégias voltadas às Playlists.

A análise de Mark Mulligan – “How Netflix Can Turn A Profit While Spotify Has Not (Yet)” – sobre o relatório da “Midia”, concluiu que a força do “Netlix” se dá através de conteúdo. Algo difícil a ser feito pelo “Spotify”, que para sua rentabilidade teria que se tornar uma gravadora.

Agora, Lucas Gonze escreve uma resposta a Mulligan, comentando sobre uma outra saída para o “Spotify” conseguir sua permanência na indústria: redefinir o foco em “Playlists”.

Leia na origem

SOCAN, CD BABY, SONGTRUST AND FUGA BACK DOTBLOCKCHAIN

Acordo de empresas da Indústria Musical contribuirá para start up construir um software mais justo e eficiente no auxílio sobre questões de Direitos Autorais.

A dotBlockchain Music Project (dotBC), é uma start up que busca resolver problemas de dados, direitos, propriedade e pagamento na indústria musical. Agora a empresa de tecnologia, contará com o apoio das empresas SOCAN, MediaNet, Songtrust, CDBaby e FUGA.

As parcerias contribuirão com recursos técnicos e financeiros para o projeto, o que permitirá à “dotBC” a acelerar seus esforços de desenvolvimento de produtos. Seu fundador afirma que o apoio dessas empresas contribuirá com um catálogo de mais de 65 milhões de gravações independentes, ajudando a construir uma arquitetura do projeto mais justa, equitativa e eficiente. Assim a Indústria Musical terá maior facilidade para trabalhar com Direitos Autorais com a ajuda do software.

Parceiros e empresa comentam o sucesso do acordo.

Leia na origem

WHY DID SPRINT PAY $200M FOR TIDAL?

O CEO da Sprint comenta sobre a aquisição do Tidal com investidores. Ele acredita que a compra é uma maneira econômica de se investir em testes de conteúdo para se diferenciar de seus concorrentes.

O CEO da Sprint Corporation, Raul Marcelo Claure, comentou sobre o que levou a empresa a comprar a plataforma de streaming de músicas Tidal.

Uma das estratégias seria se diferenciar da principal concorrente, AT&T, focando em conteúdo exclusivo para seus consumidores. Para Claure, há uma hipótese na indústria de que o conteúdo é um grande diferencial na tecnologia wireless e  a aquisição do Tidal permitirá à Sprint testar os efeitos de conteúdo exclusivo sobre a aquisição e retenção de clientes de maneira econômica.

Leia na origem

HOW FACEBOOK CAN GO FROM VILLAIN TO HERO: PINCH VEVO FROM YOUTUBE

O Facebook pode ter escolhido Tamara Hrivnak para ajudar com questões de licenciamento de músicas, porém tudo indica que a rede social pretende muito mais com isso, como uma possível parceria com a Vevo.

A contratação de Tamara Hrivnak pelo Facebook indica muito mais do que apenas preocupação sobre licenciamento de músicas. A rede social, além de começar a enfrentar problemas de licenciamento, aparenta possuir grandes estratégias ligadas à música e conteúdos de vídeo, como uma possível parceria com a Vevo:

Segundo fontes do site “MBW” a parceria exclusiva da Vevo no YouTube expira no final deste ano e a lealdade com o Google já foi comentada pelo CEO da empresa, Erik Huggers. Ele disse que o YouTube é, no mundo de hoje, um parceiro muito importante e a Vevo sempre procura olhar por oportunidades que melhoram o negócio e a economia de todos os envolvidos. Indicando que poderia haver uma mudança de parcerias conforme as oportunidades.

Leia na origem

MPB FM sai do ar no primeiro minuto desta quarta-feira.

Matéria de O Globo

A MPB FM anunciou que encerrará suas atividades nesta quarta-feira, uma triste notícia para a música brasileira.

A MPB FM encerrará suas atividades nesta quarta-feira. “Todos os seus funcionários foram demitidos, de surpresa, na tarde de terça, e a programação passou a ser feita de forma automática, só com música, sem locução.” Agora a frequência será ocupada pela Band News.

“Vários outros artistas manifestaram pesar pelo fim do espaço dedicado à MPB. Muitos, como os Paralamas do Sucesso, Ana Carolina e Jota Quest, reproduziram a imagem de “luto pela MPB FM””.

Leia na origem

La venta de música en España sube por tercer año consecutivo, esta vez un 1,7%

Matéria de Industria Musical

A indústria fonográfica espanhola se manteve em crescimento em 2016. O mercado digital está cada vez mais contribuindo para o crescimento do setor e a venda de Vinil é um grande fator impactante para a persistência no mercado físico.

As vendas de música alcançaram 163,7 milhões de euros, uma quantia que excede timidamente os 161,1 milhões registrados no ano anterior.

Esse novo dado comprova que o setor está em clara recuperação, após vários anos de pirataria e downloads ilegais, o mercado digital está se fortalecendo em um futuro otimista.

Esta perspectiva esperançosa no universo on-line é o efeito da consolidação do streaming. Ao longo de 2016, milhões de pessoas se tornaram assinantes pagantes dos serviços na Espanha.

Outro fator que contribuiu para as vendas físicas no mercado espanhol são as vendas de CD’s e Vinil, onde em 2016, foram vendidos mais de 8 milhões de álbuns, a maioria deles em formato CD. As vendas de vinil somam 433 mil.

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?