Mudanças tecnológicas e crise ameaçam o DVD musical

Matéria de O Globo

Será que neste Natal o DVD, produto tradicional de fim de ano, será deixado de lado? Gravadoras estão cada vez menos investindo no formato e a crise financeira das grandes livrarias estão contribuindo para que as vendas diminuam.

O portal O Globo publicou uma matéria sobre o consumo do DVD. Gravadoras estão deixando de lado o formato e cada vez mais investindo em novidades para o Youtube. Enquanto na Netflix, a aposta vai para os documentários musicais como os da banda Rolling Stones e da cantora Lady Gaga.

De acordo com Jorge Lopes, diretor da Biscoito Fino, houve uma grande mudança no mercado e a crise financeira das grandes livrarias só prejudicam as vendas de DVDs: “Não é o mesmo mercado de dez anos atrás, quando você prensava 50 mil cópias de um DVD histórico”, afirmou o diretor.

“Mas com os problemas financeiros de grandes lojas como as livrarias Cultura e Saraiva (ambas estão em processo de recuperação judicial ), nem as cinco ou dez mil pessoas que gostariam de ter esse DVD estão com acesso fácil a ele. A saída é vendermos pela internet, em lojas virtuais, e montar aquela banquinha nos shows, com o CD e o DVD para quem quiser”, continuou Lopes para O Globo

Para Paulo Junqueiro, presidente da Sony Music Brasil, se o foco do lançamento for a promoção em outros canais o formato ainda pode ser válido: “Se você lançar um DVD apenas para a venda do produto físico, sua existência não se justifica”, disse Junqueiro.

“Se formos pensar em outras janelas, como a comercialização dentro e fora do Brasil (que justificaria uma prensagem maior), a exibição em canais pagos de TV e até a divulgação do próprio show, pode ser”, afirmou Junqueiro.

A gravadora Deck em 2018 filmou os shows de Humberto Gessinger, Blitz, Lô Borges e Toquinho, e no ano que vem esses lançamentos estarão presentes em mais lojas virtuais do que nas físicas.

“Produzindo um DVD ao vivo, você gera conteúdo, que é o mais importante hoje em dia”, contou Rafael Ramos, sócio da gravadora Deck.  “Um show inteiro filmado tem 16 ou 18 videoclipes das músicas, tocadas ao vivo, em versões diferentes das originais. Cada vídeo desses vai para o YouTube e rende um pouquinho a cada visualização. Assim, você vai engordando o porquinho, aos poucos”, explicou Ramos.

As opiniões sobre a perpetuidade do formato variam. Ramos acredita que o DVD físico pode não morrer tão cedo: “nem que seja apenas como cartão de visitas para o mundo digital”, afirmou.

Junqueiro afirmou  que é uma questão de tempo para que o DVD e o CD deixem de existir: “Acho que ambos estão naturalmente condenados”, disse ele. “Se bem que o formato físico já foi dado como morto outras vezes e apenas um produto foi substituído por outro. Quem sabe, daqui a pouco surge uma outra forma que desconhecemos?”, continuou Junqueiro.

Foto: Maria Bethânia e Zeca Pagodinho no DVD “De Santo Amaro a Xerém”  – Divulgação/Marcos Hermes

Leia na origem

Spotify planeja recomprar até US$1 bilhão de suas ações.

Matéria de TechCrunch

Para aumentar o preço de suas ações, o Spotify anunciou que fará uma recompra no valor de US$1,0 bilhão de suas ações – até 10 milhões em ações ordinárias. A decisão da recompra das ações aconteceu após o serviço de streaming não conseguir sustentar seu modelo de negócios para que se torne rentável a longo prazo, mesmo tendo registrado um crescimento modesto.

Segundo o portal TechCrunch, a recompra de suas próprias ações foi um movimento autorizado pela assembleia geral de acionistas da companhia e aprovado pelo Conselho de Administração.

A decisão da recompra das ações aconteceu após o serviço de streaming não conseguir sustentar seu modelo de negócios para que se torne rentável a longo prazo, mesmo tendo registrado um crescimento modesto.

Além disso, o Spotify sofreu o impacto pelos maiores declínios que afetam as ações de tecnologia, que em outubro tiveram seu pior mês desde a recessão de 2008.

Atualmente, a empresa enfrenta forte concorrência, principalmente nos EUA, da Apple Music e Amazon Music, que está alavancando a base de assinantes de seu plano Prime. Há ainda o acordo entre Sirius XM e Pandora, que deverá trazer ainda mais competitividade para o mercado.

“O programa de recompra será executado de forma consistente com a estratégia de alocação de capital da empresa de priorizar o investimento para o crescimento do negócio a longo prazo”, afirmou o comunicado o Spotify, onde a empresa ainda confirmou que o programa pode ser “suspenso ou descontinuado a qualquer momento, a critério da empresa”.

Leia na origem

Facebook lança recurso que leva músicas para Stories e outras partes da rede social

Matéria de Tudocelular.com

O Facebook anunciou que em breve várias funcionalidades relacionadas à música chegarão na plataforma para todos os usuários. Uma delas é a possibilidade de adicionar músicas no Facebook Stories.

Finalmente as novidades relacionadas à música estão chegando a maior rede social do mundo, o Facebook!

De acordo com o Facebook, várias funcionalidades relacionadas à música chegarão na plataforma e estarão disponíveis em breve para todos os usuários. Uma delas é a possibilidade de adicionar músicas no Facebook Stories.

Segundo o Tudo Celular, usuários do aplicativo no Android ou iOS poderão usar músicas em transmissões ao vivo, gravadas e no feed de notícias.

“Desta forma, as principais gravadoras começam a ganhar uma receita extra da rede social ao mesmo tempo em que combatem a pirataria”, informou o portal.

A ferramenta de dublagem de músicas (lip sync) ganhará uma atualização com mais opções de letras como as canções dos artistas Dua Lipa e Maroon 5.

A música chegará também ao perfil dos usuários através de uma nova aba que terá a função de armazenar canções favoritas do usuário.

Leia na origem

Facebook está oferecendo milhões à indústria musical para permitir que seus usuários façam upload de músicas em vídeos

Matéria de The Verge

Visando ser um grande concorrente com o YouTube, o Facebook está oferecendo aos editores de música, centenas de milhões de dólares para manter os direitos de música apresentados em vídeos enviados por usuários e proprietários de páginas.

O Facebook está se preparando para concorrer com o YouTube e se tornar o principal destino de conteúdos em vídeos musicais.

Segundo o portal The Verge, um relatório da Bloomberg afirma que o Facebook está oferecendo aos editores de música, centenas de milhões de dólares para manter os direitos de música apresentados em vídeos enviados por usuários e proprietários de páginas.

O Facebook pretende criar um sistema de identificação de vídeos protegidos por direitos autorais, semelhante ao sistema de identificação do Google. Este passo abrirá um caminho para que a rede social possa bater de frente com o YouTube, como serviço de vídeo de primeira linha da Internet e possivelmente, até mesmo um concorrente de streaming de música.

Embora apaziguar os detentores de direitos autorais com relação a vídeos gerados por usuários seja uma preocupação a curto prazo para o Facebook, a medida seria um passo para concretizar a visão mais grandiosa da empresa para vídeos on-line, algo que o CEO Mark Zuckerberg vem planejando há anos.

Se o Facebook começar a limpar o investimento com publicidade do YouTube, bem como proteger os direitos autorais de conteúdo de grandes editoras, a rede social poderá atrair ainda mais usuários, por períodos mais longos e competir como qualquer outra forma de mídia on-line na web.

A empresa já planeja produzir programas de televisão originais em parceria com empresas de mídia e organizações de notícias.

Parte desse processo pode envolver o novo acordo com a Vevo, detentora dos direitos autorais, para mais de 200.000 videoclipes de grandes artistas e gravadoras de todo o mundo. O acordo de exclusividade da Vevo com o YouTube termina este ano, dando ao Facebook a oportunidade de negociar seu próprio contrato com a empresa.

Leia na origem

MAKE ROYALTIES GREAT AGAIN: PRESIDENT DONALD TRUMP APROVA MUSIC MODERNIZATION ACT

O Presidente Donald Trump aprovou a Lei de Modernização Musical nos Estados Unidos. A lei beneficiará artistas e compositores nos serviços de streaming.

Após ser votada com unanimidade na Câmara dos Representantes dos EUA e do Senado, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aprovou a tão esperada Lei de Modernização Musical – Music Modernization Act-  nesta quinta-feira (11).

O Music Modernization Act é uma reforma nas normas de licenciamento e royalties concedidos a artistas, produtores e compositores do trabalho nos serviços de streaming.

Com a nova lei será criado o MLC (Mechanical Licensing Collective), uma licença oferecida aos serviços de streaming em troca de pagamentos mais valorizados para compositores e proprietários de direitos autorais.

Além disso, a lei garante que artistas legados anteriores a 1972 sejam pagos pelo seu trabalho quando reproduzidos em rádio digital e por satélite e codifica o processo pelo qual produtores e engenheiros são pagos.

John Josephson, presidente e CEO da SESAC, disse: “Hoje, o presidente Trump assinou o Bi-partidário Music Modernization Act que finalmente levará as leis de direitos autorais de música para a era digital. Aplaudimos o trabalho árduo de todos e os esforços incansáveis ​​nessa legislação, especialmente os senadores que trabalharam diligentemente para aprovar o projeto então aprovado pela Câmara”.

O diretor jurídico do Spotify e vice-presidente de Negócios e Assuntos Jurídicos, Horacio Gutierrez, disse: “Uma das nossas principais missões no Spotify é permitir que um milhão de artistas tenham uma boa vida com o que amam: criar e executar música. A Lei de Modernização Musical é um enorme passo para tornar isso realidade, modernizando o sistema de licenciamento antiquado para se adequar ao mundo digital em que vivemos. O MMA beneficiará a comunidade musical e criará uma abordagem mais transparente e simplificada para licenciamento de música e pagamento para artistas.”

Elizabeth Matthews, CEO da ASCAP, disse: “Graças aos esforços incansáveis ​​dos nossos criadores e membros de editores de música ASCAP, parceiros do setor e campeões no Congresso, um futuro mais sustentável para compositores está finalmente ao alcance. A passagem unânime do MMA em a Câmara e o Senado comprovam que o poder da música é um grande unificador. A ASCAP está satisfeita por ter ficado ao lado de criadores, editores de música e muito mais para tornar este sonho uma realidade.”

Leia na origem

Guerra de serviços de streaming esquenta no Brasil

Matéria de Estadão

Na semana passada, o setor de streaming de músicas ficou agitado no Brasil com o retorno do Tidal em parceria com a empresa de telefonia Vivo e o lançamento do YouTube Music. Mesmo com boa perspectiva, problemas econômicos e a pirataria são alguns dos desafios que esses serviços enfrentarão para provar sua sustentabilidade como negócio.

O mercado dos serviços de streaming está cada vez competitivo. Na semana passada, duas plataformas lançaram novidades no Brasil. Primeiro foi o Tidal e sua parceria com a empresa de telefonia Vivo, e em seguida o Google veio com o YouTube Music.  Enquanto isso, quem chamou a atenção lá fora, foi a aquisição do Pandora pela Sirius XM.

O Tidal chegou ao Brasil em 2015, porém não obteve sucesso. Agora, tudo indica que o serviço voltou com força pela parceria com a operadora de telefonia Vivo. “Não somos uma grande empresa de tecnologia. Precisamos de parceiros fortes”, afirmou Lior Tibor, diretor de operações do Tidal. Assim como o Tidal, a Deezer também possui uma parceria com uma operadora de telefonia, a TIM.

Lançado na semana passada, o YouTube Music, chegou com um catálogo das gravadoras e  acervo de vídeos de música já existentes na plataforma. Com versão gratuita e assinatura de R$17, o objetivo da plataforma é oferecer uma experiência completa: “Temos o cover, a coreografia, a versão ao vivo, o vídeo com as letras”, afirmou Sandra Jimenez, chefe de música do YouTube para a América Latina.

Mesmo com tanta agitação e otimismo, a sustentabilidade dos serviços de streaming ainda é questionada.  Segundo o portal Estadão, o líder Spotify, que possui 83 milhões de assinantes, opera com prejuízos de €394 milhões no segundo trimestre. A concorrência segue pelo mesmo caminho.

No Brasil, os serviços de streaming terão grandes desafios. De acordo com a análise do portal, ainda enfrentamos problemas econômicos e de infraestrutura de conexão com a internet. Além disso, muita gente não possui acesso ao cartão de credito, diferentemente dos Estados Unidos e Europa.

A preferência de conteúdos locais, como sertanejo, funk e gospel, dificulta a curadoria. A pirataria também é um grande desafio enfrentado pelos serviços de streaming.

Leia na origem

Até mesmo bandas de rock, como Led Zeppelin, querem ter seu próprio serviço de streaming

Matéria de N10 Entretenimento

Um streaming de músicas da banda Led Zeppelin será lançado para comemorar o 50º aniversário da banda Led Zeppelin.

De acordo com o canal The Verge, ainda neste ano será lançado o serviço de streaming da banda Led Zeppelin.

Chamado de “The Led Zeppelin Experience“, o serviço de streaming  terá músicas inéditas, pré-gravadas e experimentais que nunca foram lançadas em discos oficiais, além de shows gravados ao vivo ao longo da carreira da banda. O seu lançamento está previsto para a data em que o Led Zeppelin comemora seu 50º aniversário.

Ainda não foram divulgadas maiores informações sobre o modelo de negócios da plataforma. Resta saber se os fãs vão adotar a ideia, já que é possível encontrar grande parte da discografia da banda em vários serviços de streaming.

Leia na origem

REGULADORES DA UE DECIDEM ATÉ 26/10 SOBRE A OFERTA DE US$2,3BI DA SONY PELA EMI

Com oposição do Impala, a Sony anunciou que receberá em breve uma posição da Comissão Europeia sobre a proposta de aquisição da EMI.

A Comissão Europeia tem 25 dias para decidir se deve liberar a aquisição da EMI Music Publishing pela Sony. Se a venda ocorrer, a Sony passará a deter indiretamente cerca de 90% do capital da editora – com os 10% restantes pertencentes à Jackson Estate. Com o acordo, a EMI Music Publishing chegará a valer US$4,75 bilhões.

A proposta de aquisição da EMI tem gerado preocupações sobre seu impacto no mercado. A Sony já é proprietária da maior editora de música do mundo, a Sony/ATV, que controla mais de 2,3 milhões de direitos autorais. Enquanto isso, a EMI Music Publishing possui e administra mais de dois milhões de músicas.

Helen Smith, Presidente da diretoria do Conselho IMPALA, afirmou que a transação prejudicaria a concorrência e os consumidores em um mercado que já está excessivamente concentrado. Segundo Smith, a aquisição enfrentará forte oposição, principalmente da concorrência.

“O poder da Sony será uma preocupação especialmente nos países europeus, onde a UE já concluiu em 2012, que a Sony controlaria muito o repertório”, afirmou Smith.

De acordo com as declarações de Smith no portal Music Business Worldwide, a Comissão Europeia deve estar atenta com a concorrência e preços elevados, além das ações da Sony para aumentar a participação de mercado de distribuição digital.

“A única solução é bloquear o acordo agora”, declarou Smith explicando que a não autorização do acordo evitaria danos não só para os consumidores, mas para escritores, serviços de streaming, editores independentes, sociedades de gestão coletiva e empresas discográficas.

“Isso também vai contra os principais objetivos europeus em termos de diversidade cultural e de PMEs, além de reduzir a estratégia de mercado único digital da UE”, afirmou a Presidente.

Leia na origem

Spotify, Deezer e outras pedem ação mais forte da UE contra rivais dos EUA

Matéria de BR

Os serviços de streaming Spotify e Deezer se juntaram a empresas e órgãos industriais para pedir à união Europeia, medidas mais duras e conter possíveis práticas desleais de plataformas online como Google, Apple e Amazon.

Preocupada com a transparência e justiça na economia digital, a União Europeia deve decidir sobre uma proposta de lei de plataforma para empresa (P2B, na sigla em inglês). Entre os apoiadores da proposta estão os serviços de streaming Spotify e Deezer.

A União Europeia vem introduzindo regras mais rígidas para empresas como o Google, Apple e Amazon, visando maior proteção de dados e privacidade dos usuários.

Segundo a Reuters, a lei P2B exigiria de lojas de aplicativos, mecanismos de busca, ecommerces e sites de reservas de hotéis, maior transparência no que se refere as classificações de resultados de pesquisa e a possibilidade do usuário excluir alguns serviços. Além disso, empresas teriam o direito de se agruparem e processarem plataformas online.

Em carta conjunta, empresas e órgãos do setor disseram que a proposta do P2B não é abrangente o suficiente, pois as práticas comerciais são injustas e incluem grandes plataformas que favorecem seus próprios serviços. Entretanto para o grupo de lobby tecnológico CCIA, que representa Google, Amazon e eBay, “não há evidências de um problema sistêmico para justificar mais regulamentações”.

O assunto ainda deve ser muito discutido. Após a decisão dos governos da União Europeia, a lei deve ser negociada com a Comissão e então passa para o Parlamento Europeu, que terá a decisão final.

Leia na origem

YouTube lança rival para Spotify no Brasil

Nessa terça (25/09) o Google entra na disputa dos serviços de streaming de vídeo e música no Brasil, lançando o YouTube Music e o YouTube Premium.

O YouTube lançou duas novidades no Brasil para disputar com grandes nomes do streaming de vídeo e música, o Youtube Music e o YouTube Premium.

Para concorrer com os serviços de streaming de música como Spotify, Apple Music e Deezer, o YouTube Music chega ao Brasil com versão gratuita e assinatura mensal de 17 reais, disponível para celulares Android e iOS.

Além do aplicativo para celulares, uma versão específica para PCs, via navegadores, está disponível. Há ainda um plano família, no qual  é possível dividir uma assinatura em até seis contas, por R$26 ao mês.

No YouTube Music, o usuário pode assistir ao vídeo com a letra da música, versão ao vivo e até covers de fãs do mundo todo. Além do aplicativo para celulares, há uma versão específica para PCs.

De acordo com o portal Época Negócios, não será possível ouvir as músicas em segundo plano: “Será preciso deixar o aparelho com a tela ligada e dentro do app para o som continuar tocando. É um dos pontos fracos do serviço”, afirmou o portal.

No plano gratuito o acesso é limitado. Os usuários não podem baixar músicas para ouvir off-line e nem interromper os anúncios.

Vale lembrar que o YouTube Music foi lançado para substituir o Google Play Música, o atual streaming do Google no País. Haverá uma migração dos usuários para a nova plataforma.

O YouTube Premium também é um novo serviço do Google que chegou ao país hoje (25/09) para concorrer com a Netflix e Amazon – que em breve chegará ao país.

No YouTube Premium, além de ter acesso aos conteúdos originais do YouTube, o usuário pode baixar vídeos para assistir off-line e remover anúncios do site. Tudo isso por uma assinatura de R$21 por mês que também dá acesso ao YouTube Music. No plano família o valor é de R$36 ao mês.

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?