Global Royalties for Creators Reach Record High of €8.6 Billion

Matéria de

“A Confederação Internacional das sociedades de autores e compositores (CISAC) lançou seu relatório “2016 Global Collections” fornecendo insights sobre a remuneração dos criadores no ano 2015. Esta publicação exclusiva agrega dados financeiros de 239 sociedades, membros da organização, que representam mais 4 milhões de criadores de música, obras audiovisuais, teatro, literatura e artes visuais em 123 países. Pela primeira vez, […]

“A Confederação Internacional das sociedades de autores e compositores (CISAC) lançou seu relatório “2016 Global Collections” fornecendo insights sobre a remuneração dos criadores no ano 2015. Esta publicação exclusiva agrega dados financeiros de 239 sociedades, membros da organização, que representam mais 4 milhões de criadores de música, obras audiovisuais, teatro, literatura e artes visuais em 123 países. Pela primeira vez, o relatório também consolida figuras de editoras de música no negócio da música digital em mercados-chave.”

“O relatório mostra que o totais royalties têm crescido pelo terceiro ano consecutivo a € 8,6 bilhões, 8,9% a partir de 2014 e quebrando a marca de € 8 bilhões pela primeira vez. Coleções de música foram responsáveis por quase 90% deste valor (€ 7,5 bilhões) e aumentaram 8,5% ano a ano. Outros repertórios também experimentaram forte crescimento com royalties audiovisuais 15,1% e royalties para artes visuais, aumento de 27,4%.”

A principais tendências apontam que “por região, a Europa continua a liderar o mundo em coleções de realeza com 58,4% do total (€ 5 bilhões), experimentando um crescimento ano-a-ano de 3,6%. Pelo repertório, música representa a grande maioria das coleções (86,8% do total). Audiovisual (+15.1%) e artes visuais (+27.4%). Além disso, coleções de serviços digitais saltaram 21,4%, mas conta apenas 7,2% do totais royalties recolhidos em todo o mundo.”

Clique em “Leia na origem” para ver o relatório completo inserido na notícia!

Leia na origem

O gosto na era do algoritmo

Matéria de

O sistema de recomendação de música para usuários de música e vídeos “se baseia em um algoritmo cuja evolução e usos aplicados ao consumo cultural são infinitos. […] O algoritmo constrói assim um universo cultural adequado e complacente com o gosto do consumidor, que pode avançar até chegar sempre a lugares reconhecíveis. Mas o que aconteceria se a vida nos […]

O sistema de recomendação de música para usuários de música e vídeos “se baseia em um algoritmo cuja evolução e usos aplicados ao consumo cultural são infinitos. […] O algoritmo constrói assim um universo cultural adequado e complacente com o gosto do consumidor, que pode avançar até chegar sempre a lugares reconhecíveis. Mas o que aconteceria se a vida nos desse sempre o que gostamos e nos rodeasse apenas das pessoas que nos fazem sentir bem?”

“O algoritmo, sustentam seus críticos, nos torna chatos, previsíveis, e empobrece nossa curiosidade cultural”. Leia a matéria completa, que nos mostra uma reflexão de como os sistemas de algoritmos podem influenciar nossas vidas nos tempos de Spotify e Netflix.

 

Leia na origem

Why the music industry can’t escape the choke-hold web streaming services have it in

Matéria de

O Streaming de músicas e vídeos está aí e tem mudado a relação da música para artistas e fãs, porém há grande insatisfação de autores quanto aos Royalties, que são muito baixos. Tanto que artistas como Taylor Swift, Adele e Paul McCartney já protestaram com petições e retiradas de suas músicas no Spotify. Nessa briga alguns até chegaram a se beneficiar, […]

O Streaming de músicas e vídeos está aí e tem mudado a relação da música para artistas e fãs, porém há grande insatisfação de autores quanto aos Royalties, que são muito baixos. Tanto que artistas como Taylor Swift, Adele e Paul McCartney já protestaram com petições e retiradas de suas músicas no Spotify.

Nessa briga alguns até chegaram a se beneficiar, como o caso do rapper Drake, que ganhou destaque ao lançar seu vídeo no Youtube e alcançar 4,7 bilhões de visualizações, a própria Taylor Swift está voltando com seu material no Spotify. Isso seria um reflexo de como as negociações tem melhorado e o mercado vem crescendo. Porém ainda há muito o que ser evoluído e pensado. “O negócio da música se assemelha a um suflê elaborado, onde uma crosta rica esconde interior oco.” Vá em “Leia na Origem” para ler a matéria completa sobre a reação dos artistas a essa nova relação com a música.

Leia na origem

As Paid Music Streaming Escalates Paying Downloaders Can’t Be Left Behind

Matéria de

Sabe-se que as assinaturas pagas em streaming continuam a crescer em um ritmo constante, porém quando se fala em downloads pagos, está ocorrendo um declínio de receitas, juntamente com as vendas de CD. “Na conferência “MusicBiz” em maio deste ano foi apresentada uma previsão um pouco extrema para receitas de download digital dos Estados Unidos, sugerindo que mais da metade dos […]

Sabe-se que as assinaturas pagas em streaming continuam a crescer em um ritmo constante, porém quando se fala em downloads pagos, está ocorrendo um declínio de receitas, juntamente com as vendas de CD.

“Na conferência “MusicBiz” em maio deste ano foi apresentada uma previsão um pouco extrema para receitas de download digital dos Estados Unidos, sugerindo que mais da metade dos compradores evaporaria até 2020. Já em outra ocasião, “há uma semana a Billboard informou a contagem mais baixa das vendas de download de uma música número 1 nas paradas em dez anos. “Closer” por The Chainsmokers, com 84.000 downloads na semana que terminou em 27 de outubro. Esta foi a quarta ocasião este ano que um top #1 vendeu menos de 100.000 downloads em uma semana.

Mesmo com tantas mudanças ainda há uma parcela de pessoas que prefere ouvir música através de CD’s ou fazer downloads para ouvir em outros formatos. Entenda nessa matéria da Hypebot o que o futuro reserva para a venda de músicas por downloads e porque deve-se dar valor a esses consumidores tão importantes para manter o mercado ativo.

Leia na origem

Spotify CEO says it could have ‘died’ in 2013 and he had to ‘bet the entire company’ to survive

Matéria de

Hoje o Spotify está avaliado em US $ 8,5 bilhões, mas seu fundador e executivo-chefe diz que a empresa poderia ter ‘morrido’ há alguns anos. Antes de 2013, o Spotify tinha um produto móvel que só poderia ser usado através de assinatura paga. “Por um longo período de tempo, isso foi ótimo porque sempre que as pessoas queriam usá-lo em um […]

Hoje o Spotify está avaliado em US $ 8,5 bilhões, mas seu fundador e executivo-chefe diz que a empresa poderia ter ‘morrido’ há alguns anos.

Antes de 2013, o Spotify tinha um produto móvel que só poderia ser usado através de assinatura paga. “Por um longo período de tempo, isso foi ótimo porque sempre que as pessoas queriam usá-lo em um dispositivo móvel, eles tinham que pagar o produto,” disse Daniel Ek, CEO do Spotify. Esse modelo não estava mais dando certo para a empresa que teve que lançar o aplicativo para dispositivos móveis gratuitamente. Ek conta que foi um período decisivo para o Spotify que teria chances de sobreviver pelo menos mais seis meses, e ainda completou depois da experiência: “Toda grande empresa tem pelo menos três experiências de quase-morte”.

Spotify – que foi fundada em 2006 na Suécia – agora tem 40 milhões assinantes, de acordo com a empresa. A start-up de streaming de música declaradamente está planejando um IPO (Oferta Pública Inicial) no próximo ano.

Leia na origem

Estee Lauder offers mascara in 60 minutes with Facebook Messenger bots

Matéria de

Os Bots estão mesmo ganhando espaço para promover marcas. A Estée Lauder Companies, empresa de cosméticos dos EUA, será a primeira grande varejista a lançar um serviço móvel de mensagens do Facebook no Reino Unido. Visando a nova geração Y, além de ter a celebridade influente Kendall Jenner como sua embaixadora, a marca está lançando um serviço móvel de Bot […]

Os Bots estão mesmo ganhando espaço para promover marcas. A Estée Lauder Companies, empresa de cosméticos dos EUA, será a primeira grande varejista a lançar um serviço móvel de mensagens do Facebook no Reino Unido.

Visando a nova geração Y, além de ter a celebridade influente Kendall Jenner como sua embaixadora, a marca está lançando um serviço móvel de Bot Mensagens (que usa inteligência artificial para se comunicar com clientes). Com este serviço, seus clientes poderão realizar suas compras de Natal através de uma mensagem instantânea no Facebook com prazo de entrega de 60 minutos em toda Londres. O objetivo da campanha será atender aos novos comportamentos do consumidor que não possuem muita disponibilidade de tempo. “Nós estamos constantemente olhando novas maneiras de fornecer maior escolha e flexibilidade, novos recursos de experimentação como mensagens de chat ao vivo e outras ofertas digitais existentes.” disse Chris Good, presidente da Estée Lauder.

A empresa está tão focada sobre o futuro e tecnologia, que para integrar diferentes gerações dentro da empresa, criou um programa chamado de “Conselho Consultivo” onde jovens empregados ensinam gerentes seniores a usar mídia social, incluindo Snapchat. O Reino Unido é o segundo maior mercado da empresa.

Leia na origem

Músico processa a Som Livre e pede indenização milionária, diz jornal

Matéria de

O compositor Ricardo Landum entrará na Justiça do Brasil com ações contra artistas nacionais que vêm utilizando uma versão não autorizada da canção Que Mal te Fiz Eu, composta por ele e gravada em Portugal, em 2008. Artistas como Gusttavo Lima, Wesley Safadão, Léo Magalhães, Aviões do Forró e Calcinha Preta possuem vídeos no Youtube com suas versões da música, todos […]

O compositor Ricardo Landum entrará na Justiça do Brasil com ações contra artistas nacionais que vêm utilizando uma versão não autorizada da canção Que Mal te Fiz Eu, composta por ele e gravada em Portugal, em 2008. Artistas como Gusttavo Lima, Wesley Safadão, Léo Magalhães, Aviões do Forró e Calcinha Preta possuem vídeos no Youtube com suas versões da música, todos são artistas da Som Livre.

Apenas Gusttavo Lima teria autorização para gravar a música, mas na sua integralidade, o que não ocorreu, pois a letra foi alterada. A estimativa é que as indenizações cheguem a 5 milhões de euros por violação de direitos autorais e patrimoniais.

A assessoria da gravadora, emitiu a seguinte nota:

“A Som Livre esclarece que o lançamento da faixa Que Mal Te Fiz Eu (Diz-Me), do cantor Gusttavo Lima, foi realizado mediante autorização da editora que representa o compositor da obra no Brasil. Quanto aos demais artistas citados que possuem contrato com a Som Livre Aviões do Forró, Wesley Safadão e Léo Magalhães -, a empresa informa que desconhece qualquer gravação ou lançamento de produto que contenha a música”.”

Leia na origem

Em sua maior campanha global, Spotify agradece 2016 e diz ‘foi esquisito’

Matéria de

“O Spotify começou hoje a sua maior campanha global até então. Com o mote de “Valeu 2016, foi bem esquisito”, a marca fez uma compilação de dados curiosos dos seus usuários para poder estampar outdoors e painéis espalhados no mundo.” “A criação da campanha foi do próprio Spotify, baseado em dados reais dos seus usuários coletados ao longo do ano, […]

“O Spotify começou hoje a sua maior campanha global até então. Com o mote de “Valeu 2016, foi bem esquisito”, a marca fez uma compilação de dados curiosos dos seus usuários para poder estampar outdoors e painéis espalhados no mundo.”

“A criação da campanha foi do próprio Spotify, baseado em dados reais dos seus usuários coletados ao longo do ano, de acordo com a empresa.”

“Segundo Carol Baracat, Diretora de Marketing do Spotify para a América Latina, “O final do ano é sempre um tempo para refletir e agradecer. Com essa campanha, queremos olhar para 2016 pelos olhos (e ouvidos) dos milhões de fãs de música que usam o Spotify todos os dias”.”

Leia na origem

IFPI Investing In Music report reveals labels invest $4.5b annually in A&R and marketing

Matéria de

O novo relatório “Investir na música” realizado pela IFPI (The International Federation of the Phonographic Industry) informou que as gravadoras permanecem como os maiores investidores em música, são mais de US$ 4,5 bilhões investidos em A&R e marketing em 2015. A pesquisa teve associação da WIN, Worldwide Independent Network, e destaca o trabalho realizado por equipes de profissionais em gravadoras. “Em […]

O novo relatório “Investir na música” realizado pela IFPI (The International Federation of the Phonographic Industry) informou que as gravadoras permanecem como os maiores investidores em música, são mais de US$ 4,5 bilhões investidos em A&R e marketing em 2015. A pesquisa teve associação da WIN, Worldwide Independent Network, e destaca o trabalho realizado por equipes de profissionais em gravadoras.

“Em conjunto, apresentando o relatório, Frances Moore, diretor executivo da IFPI e Alison Wenham, CEO de Win, disse: “[…] No mundo digital, a natureza do trabalho das gravadoras tem evoluído, mas sua missão essencial permanece o mesmo: descobrir novos artistas, construindo suas carreiras e trazendo a melhor para os fãs. Estas são as qualidades definidoras do investimento das gravadoras na música.” Leia a matéria completa em “Leia na Origem”.

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?