Soundclound se renova em 2017 e arrecada US$102 milhões.

Parece que o Soundcloud ressurgiu das cinzas. A plataforma passou por uma rodada de financiamentos, teve que reduzir sua mão de obra em 40%, e finalmente conseguiu dobrar em quase 90% seus assinantes pagos. O resultado? Receitas de US$102 milhões, um aumento de 80%. Confira a análise completa realizada pelo portal Music Business Worlwide

As receitas globais do SoundCloud, em 2017, atingiram 90,7 milhões de euros (US$102 milhões), aumentando 80% em relação aos 50,3 milhões de euros em 2016. Dentro desse valor, as receitas de assinaturas quase dobraram para €72,6m, um amento de 89% com relação a 2016, €38,4m em 2016.

O Soundcloud conseguiu reduzir o prejuízo em suas contas em 27%, um total de €51,4 milhões (US$58 milhões). No mesmo período, em 2016, o tamanho do prejuízo chegou a €70,5 milhões.

Segundo o MBW, esses números refletem um ano de transformação na empresa. No verão de 2017, o SoundCloud recebeu US$170 milhões em uma rodada de financiamento por duas empresas, a Temasek, de Cingapura, e a The Raine Group, dos EUA.

2017 também foi o ano em que Kerry trainor, ex-executivo do Vimeo foi escolhido como novo CEO da plataforma. A empresa teve que fechar escritórios em Londres e São Francisco e eliminar 40% de sua mão de obra.

“Desde o financiamento de agosto de 2017 e ao longo de 2018, o SoundCloud tomou medidas significativas para melhorar sua saúde financeira, incluindo a retirada de todas as dívidas pendentes, reduzindo certas despesas operacionais fixas e fluxo de caixa, melhorando seus processos de recebimento e renegociação, contratos de titulares de direitos”, informou o relatório.

Essas mudanças melhoram a situação financeira da empresa que agora possui novas estratégias como continuar crescendo, criando novas ferramentas para que os criadores possam compartilhar e promover seu conteúdo e criar melhores experiências para os usuários.

A SoundCloud terminou o ano de 2017 com 214 funcionários e já informou que bateu a meta de seu plano de crescimento em 2018. Além disso, já foram divulgadas parcerias importantes com o Pandora nos EUA e a Global Radio/DAX, no Reino Unido.  

Leia na origem

O preço, custo e valor da música digital

Matéria de DownBeat Magazine

Diante de um modelo de streaming pouco sustentável, artistas tem ganhado liberdade com a ajuda de sites como Bandcamp e planos de assinatura fazendo de seus fãs grandes parceiros.

O portal Downbeat trouxe algumas histórias de artistas que perceberam esse novo modelo de distribuição de música pouco sustentável, e descobriram outros meios para divulgar sua música, como o modelo de planos de assinaturas e o site Bandcamp – plataforma para artistas independentes conseguirem divulgar e vender a sua música autonomamente.

William Brittelle viu nesses sites de compartilhamento e planos de assinatura um meio de ajudar outros artistas a serem ouvidos. Brittelle é co-fundador e também um artista da New Amsterdam Records, uma gravadora sem fins lucrativos especializada em trabalhos de compositores e artistas com gêneros musicais diversificados.

“Precisamos tentar ajudar nosso público a entender que o principal ciclo de geração de receita de um projeto precisa ser no período que antecede o lançamento, e não após o lançamento”, disse Brittelle.

Gravadoras independentes como a New Amsterdam estão experimentando algo como um “modelo de clientelismo”, através de serviços de assinatura: US$75 para downloads digitais de novos lançamentos do selo, lançamentos do catálogo anterior, além de gravações exclusivas para assinantes, durante um ano.

“Os custos que nossos artistas incorrem – o custo de produção, o custo de comissão – tudo é adiantado. É aí que eles precisam de ajuda, e não há renda suficiente orientada pelo mestre do outro lado para compensar isso. É aí que entra o patrocínio”, explicou Britelle.

New Amsterdam, como outras marcas iniciantes e muitos músicos criativos, está apostando em um público diferenciado. O trompetista e compositor Dave Douglas também adotou o modelo de assinatura, assim como a plataforma Bandcamp. Douglas fundou a Greenleaf em 2006, após concluir seu contrato com a RCA, durante um período perigoso para a indústria da música.

“Todo mundo dizia: ‘Ah, a indústria está morrendo agora e você acabou de começar sua gravadora'”, lembrou Douglas. “Para mim, parecia mais um momento de oportunidade para artistas.”

Com a Greenleaf lançou, Douglas ajudou outros artistas e também conquistou a liberdade para si. Em dezembro de 2006, a independência (e distribuição online) lhe ofereceu a chance de disponibilizar todos os sets que seu quinteto de longa data tocou durante uma semana no Jazz Standard, mais de 12 horas de música.

“Meu quinteto estava tocando 50 músicas que eu escrevi ao longo dos anos; a maioria tocou apenas uma vez no decorrer da semana. Depois da primeira noite, eu cheguei em casa e fiquei tipo: ‘Eu não acho que posso fazer isso, é uma péssima idéia’, mas eu levantei no dia seguinte e as pessoas ao redor do mundo já começaram a baixá-lo.”, contou Douglas.

São 100 dólares para fazer o streaming ou o download de todas as 79 faixas de Douglas, via Bandcamp. Porém, com o plano de assinaturas de 75 dólares, o fã poderá  fazer o mesmo download, além de mais de 60 lançamentos. Assim, com seu modelo de assinatura, Douglas conquistou mais que fãs: parceiros.

 

Foto: Ingrid Laubrock, instrumentista, aproveitando a liberdade que conquistou com o apoio de seus fãs em seu site.

Leia na origem

Artistas desconhecidos surgem misteriosamente em playlists no Spotify

Matéria de O Globo

É bom ficar atento em suas playlists no Spotify. Após o vazamento de dados no Facebook, hackers estão conseguindo inserir artistas falsos na plataforma para ganhar dinheiro com streaming de música. Saiba como identificar a fraude.

Nesta sexta-feira, 25, o portal O Globo publicou um a notícia chamando a atenção para uma fraude que está acontecendo dentro da plataforma de streaming Spotify: Artistas desconhecidos ganhando vários streamings.

Segundo O Globo, a fraude de artistas desconhecidos começou a ser percebida pelos próprios usuários do Spotify na comunidade de música Last.fm. Em fóruns, os usuários discutiram sobre esse tipo de ‘spam’ em suas playlists:

“Na última semana eu não usei o Spotify e quando vi minha conta no Last.fm percebi que a minha conta estava tocando algo chamado Bergenulo Five. Ao ouvir, parecem apenas sons gerados por um bot ou algo assim”, afirmou um usuário no Reddit. “De qualquer forma, eu mudei os detalhes da minha conta e quando abri o Spotify no meu telefone, o aplicativo disse que estava tocando em outro dispositivo chamado ‘iPhone’”, continuou o usuário.

No Last.fm, foi detectado que esse grupo estranho, Bergenulo Five, tinha sido ouvido por 366 usuários 57,2 mil vezes. Tudo indica que não se trata de uma banda indie, mas sim, uma fraude criada com a ajuda de bots e hackers.

Mark Mulligan, especialista da Midia Research, contou à BBC que provavelmente esse grupo deve ter recebido valores em torno de US$500 e US$600 pelos streaming no Spotify. Outros especialistas afirmaram que os hackers se aproveitaram de uma falha de segurança no Facebook que ocorreu em setembro do ano passado, onde tokens – dispositivos que geram senhas – de segurança de 50 milhões de usuários foram afetados.

Apesar de o Facebook afirmar que todos os tokens afetados fora cancelados e que não há evidências que eles tenham sido usados para acessar o Spotify, vale lembrar que esses artistas desconhecidos começaram a surgir logo em outubro do ano passado, logo após os vazamentos de dados.

“Nós levamos a manipulação artificial das atividades de streaming no nosso serviço extremamente a sério”, informou o Spotify sobre o caso em um comunicado. “O Spotify tem múltiplas medidas de detecção monitorando o consumo no serviço para detectar, investigar e resolver tais atividades. Esses artistas foram removidos porque detectamos atividade de streaming anormal em relação ao seu conteúdo”.

 

Foto: REUTERS/Dado Ruvic

Leia na origem

Polêmica: Kanye West processa EMI Music e Roc-A-Fella Records.

Matéria de Rap 24 Horas

O famoso rapper americano Kanye West entrou em mais uma polêmica nesta sexta-feira (25) por abrir um processo contra a EMI Music e outro contra a Roc-A-Fella Records por direitos autorais.

Na ação divulgada pelo portal de celebridades TMZ, Kanye West exige da EMI, o repasse dos direitos de mais de 200 músicas criadas até o final de 2011. Com relação a ação contra a Roc-A-Fella Records, o rapper afirma ter assinado um contato de exclusividade e agora precisa de  uma declaração dos seus direitos por conta de uma outra disputa judicial que está em andamento.

Segundo o portal Rap24Horas, Kanye está confiante que ganhará as causas, tanto que contratou um dos escritórios de advogados mais poderosos dos EUA, o Quinn Emanuel Urquhart & Sullivan.

O portal também lembrou que apesar do rapper Jay-Z ser conhecido por ser amigo de West e também sócio da Roc-A-Fella, em 2004, ele vendeu suas ações e atualmente não tem qualquer relação com o rapper de Nova York.

Leia na origem

UE trava negociação para mudanças na lei de direito autorais

Matéria de Estadão

Parece que ainda vai demorar um pouco para que as Novas Diretrizes de Direitos Autorais sejam aprovadas pela União Europeia. Nesta segunda-feira, 21, uma reunião entre legisladores e autoridades foi cancelada.

De acordo com o Estadão, uma reunião sobre a aprovação para as Novas Diretrizes de Direitos Autorais foi cancelada e adiada, pois os países que pertencem ao bloco estão tendo dificuldades em chegarem a um consenso.

As Novas Diretrizes de Direitos Autorais estão em debate há dois anos pela Comissão Europeia, que afirma que a reforma é necessária para a proteção da herança cultural da Europa, além de nivelar a disputa firmada entre grandes empresas de tecnologias, editores, emissoras e artistas.

Vale lembrar que dois artigos na Nova Diretiva estão criando impasses para a aprovação. Um deles é o 11º artigo, onde prevê o pagamento de direitos por exibição de trechos de notícias em sites. Já o artigo 13 exige que plataformas como o Youtube e Instagram criem filtros para identificar conteúdos protegidos por direitos autorais.

“Ambos os artigos são condenados pelas empresas de tecnologia que alegam inviabilidade e censura”, informou o Estadão.

Leia na origem

Conheça o novo recurso que bloqueia artistas inconvenientes do Spotify

R. Kelly, Chris Brown e até o Nego do Borel: agora é a sua vez de decidir se deve ou não remover certos artistas envolvidos em escândalos no Spotify. Remova artistas inconvenientes com o novo recurso que permite ao usuário bloquear artistas e bandas que você não gosta de sua lista de reprodução.

O Spotify lançou um novo recurso permite bloquear todo o conteúdo de um artista na plataforma de streaming. Assim, todas as músicas não serão exibidas  na biblioteca, playlists, gráficos ou estações de rádio da plataforma.

O bloqueio não é válido para playlists em que o artista está em destaque. Por exemplo, uma playlist do Chris Brown impediria “Look At Me Now” de tocar, mas não “Freaky”, do Lil Dicky que tem a participação de Brown.

De acordo com o Digital Music News, não é de hoje que o Spotify tem pensado em como bloquear artistas, mas com os recentes escândalos, principalmente envolvendo o rapper R. Kelly a medida foi tomada antes.

O rapper R. Kelly está envolvido em um grande escândalo sexual, o que causou uma série de boicotes e protestos como o #MuteRKelly no Twitter, fazendo com que a RCA Records – que pertence à Sony – retirasse o rapper de sua lista.

Em 2018, o Spotify chegou a adotar uma “política de Conduta”, muito discutida,  removendo  músicas de rappers como XXXTentacion e Kelly. O serviço de streaming teve que reverter a situação após a comunidade do hip hop alegar que a prática era uma censura e falta de transparência.

Com este novo recurso de bloqueio, o Spotify está passando a bola para o próprio usuário decidir se deve ou não remover esses artistas. Por exemplo, aqui no Brasil você pode fazer bloquear o Nego do Borel, que ultimamente ganhou grande repercussão por suas “brincadeiras” homofóbicas. Para o Digital Music News, esta é uma forma de evitar questões de policiamento e censura moral para a plataforma.

No momento, o recurso de bloqueio está disponível apenas para usuários do iOS e não há informações sobre quando será lançado para os usuários de Android, que vêm pedindo há algum tempo por este recurso.

Leia na origem

Rádio Cidade voltará ao Rio de Janeiro

Após dois anos a Rádio Cidade vai voltar para os ouvintes cariocas! Com nova estratégia e foco no público jovem/adulto que curte baladas de flash/soft rock, a rádio espera conseguir maior audiência e visibilidade das marcas.

O portal Tudoradio.com, confirmou o retorno da Rádio Cidade no Rio de Janeiro, após dois anos operando apenas online. A partir do dia 4 de fevereiro, os ouvintes cariocas poderão sintonizar na 102.9, e ouvir novamente a Rádio Cidade, que ficará no lugar da RIO FM.

De acordo com o tudoradio.com, a emissora voltará com novas estratégias, focando um público mais adulto, na faixa de 25 a 49 anos, classe AB. Na programação da rádio terá hits do gênero flashrock/soft rock (como as clássicas do Chicago e Foreigner).

“[A Cidade FM] virá para preencher um nicho musical ‘faltante’ no mercado de rádio carioca. Um verdadeiro oceano azul disponível no segmento de FM no Rio de Janeiro, sendo um projeto mais adulto do que jovem”, informou um representando da rádio ao portal.

Atualmente, a Rádio Cidade tem alcançado bons resultados de audiência na transmissão digital e espera conseguir o mesmo no Rio, uma vez que as rádios de rock no mundo tem ganhado mais espaço na participação de mercado (em São Paulo são duas FMs e estão entre as 15 maiores audiências no Brasil).

Foto: Foreigner – YouTube/Atlantic

Leia na origem

Você disse Vitrola com Bluetooth?

Matéria de Hypeness

Será que vale a pena? O novo toca-discos da Sony chamou a atenção no nosso grupo no Facebook durante o fim de semana. O motivo: Além da aparência de uma vitrola vintage, o toca-discos possui conexão bluetooth e saída USB!

Estamos presenciando a volta do Vinil. Além das versões atualizadas do formato, novos tipos de toca-discos estão entrando no mercado. O novo modelo da Sony, LX310BT, promete qualidade de audio e muito mais.

Pode ser um pouco contraditório querer uma qualidade de áudio e ao mesmo tempo ouvir música através de Bluetooth. Entretanto o modelo da de toca-discos da Sony promete  uma maior clareza de som e potência.

De acordo com o Hypeness, o modelo contém braço de alumínio automático, pré-amplificador integrado e uma bandeja de alumínio. Isso tudo com um design elegante e discreto.

“Trata-se portanto de uma vitrola wireless, capaz de se conectar via bluetooth com qualquer equipamento de áudio, como falantes, fones e afins”, explicou o Hypeness.

Você pode encontrar o toca-discos LX310BT da Sony a partir de março, por 200 dólares, cerca de 745 reais.

E o que você achou da novidade? Conta pra gente lá nas nossas redes sociais.

Ainda não faz parte da nossa comunidade no Facebook? Então seja bem-vindo!

Leia na origem

Streaming de Jay-Z é investigado por fraudar números de audiência

Suspeita: Autoridades vão investigar se realmente houve manipulação da audiência de artistas como, Beyoncé e Kanye West, no serviço de streaming Tidal.

No ano passado o serviço de streaming Tidal foi acusado por um jornal de manipular os números da audiência de alguns artistas como Beyoncé e Kanye West. Nesta segunda-feira, o caso ganhou mais uma atualização com uma investigação oficial de autoridades na Noruega.

De acordo com a notícia do Época Negócios, as autoridades abriram uma investigação para “confirmar ou rejeitar a suspeita de manipulação”, ou seja, saber se realmente houve fraude nos números. Caso seja comprovado, a situação pode ficar bem feia para o serviço de streaming do rapper Jay-Z.

Além da denúncia feita pelo jornal norueguês Dagens Naeringsliv (DN), várias gravadoras e artistas também denunciaram a plataforma alegando que foram prejudicadas por não receberem parcelas justas de receitas por assinaturas.

Em defesa, a plataforma afirmou que entrou em contato com a polícia e “não está sob suspeita neste caso”.

Leia na origem

#VemNovidade! Deezer lança o Radio By Deezer, novo app para quem ama rádio.

Matéria de @MusicWeek

A Deezer lançou um aplicativo super bacana para quem adora rádio. O novo app Radio By Deezer permite o acesso a 30.000 estações de rádio em todo o mundo de forma gratuita, e ainda tem um bônus: a sincronização com a plataforma de streaming da Deezer.

A Deezer lançou no Reino Unido o Radio By Deezer, um novo aplicativo que conecta a 30.000 estações de rádio, incluindo a Absolute Radio, talkSport, BBC Radio, Classic FM e Kiss Network.

Segundo o portal MusicWeek, no Radio By Deezer, os ouvintes podem se conectar a várias estações de rádio, não só no Reino Unido, mas conforme a sua localização atual.

O mais legal é que o aplicativo também sincroniza com a plataforma de streaming da Deezer, permitindo que os usuários “curtam” qualquer música ouvida na rádio. Assim, o aplicativo adiciona automaticamente as músicas curtidas na biblioteca do usuário no serviço de streaming.

Por enquanto, o Radio By Deezer é gratuito, sem anúncios, e está disponível gratuitamente na loja do Android. Uma versão para iOS será lançada em breve. Não foram anunciadas informações sobre a expansão do aplicativo para outros países como o Brasil.

Olivier Miljeu, gerente de produto da Radio By Deezer, disse: “Os fãs de rádio merecem uma experiência adaptada às suas necessidades exatas. Nosso aplicativo fácil de usar oferece acesso rápido às suas estações favoritas, todas com uma experiência de audição sem perturbações e sem anúncios”.

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?