Tiago Iorc irá gravar o Acústico MTV

Matéria de @meioemensagem

Thiago Iorc foi o escolhido para marcar o retorno do Acústico MTV no Brasil.

A MTV anunciou que o cantor Tiago Iorc ganhará um Acústico. O cantor que havia anunciado uma pausa na carreira, deixou os fãs surpresos ao voltar com o novo álbum visual, “Reconstrução”.

De acordo com o Meio & Mensagem, o retorno do Acústico MTV foi viabilizado por uma parceria entre a Viacom, programadora da MTV, com a Universal Music, gravadora do cantor, e a F/Simas, do empresário Felipe Simas.

As gravações serão realizadas no fim deste mês com apresentação apenas para convidados, sem data ainda para o lançamento.

O Acústico MTV é inspirado na produção americana do canal, MTV Unplugged. Vários artistas passaram pelo palco do canal. O Acústico MTV mais famoso no Brasil rendeu 2 milhões de cópias físicas, com o Kid Abelha.

“O Acústico é um dos produtos mais emblemáticos da história da MTV e até hoje desperta desejo de artistas, marcas e também no público. Devemos voltar com esse projeto já no próximo ano, com cantores, cantoras e bandas bem atuais, que falem a língua do público jovem com quem a MTV se comunica”, afirmou Mauricio Kotait, gerente-geral de operações da Viacom no Brasil, para o Meio & Mensagem no ano passado.

 

Foto: Crédito: Divulgação/Rafael Trindade

 

Estamos no Instagram! Siga o nosso perfil @mct.mus.

Leia na origem

Artistas falsos: Para lucrar mais, gravadoras usam prática parecida de hackers

Matéria de Rolling Stone

Já ouviu falar nas playlists do tipo “4 horas de músicas para relaxar” ou ” músicas pra dormir”? Aquelas playlists com sons da natureza que podem acalmar ou manter o ouvinte focado podem ser bem lucrativas para as gravadoras.

Já falamos por aqui sobre a descoberta de artistas falsos no serviço de streaming de músicas Spotify. Na época, o portal Music Business Worldwide explicou como harckers estariam ganhando muito dinheiro com a prática de inserir em playlists, faixas de pequena duração criadas por robôs, ou os “fake artists”. Agora a Rolling Stone mostrou como algumas gravadoras estão adotando prática parecida para ganhar ainda mais.

O especialista em playlists, Kieron Donoghue, identificou que a Sony Music lançou uma lista no Spotify e na Apple Music intitulada “Sleep & Mindfulness Thunderstorms”, através da marca Filtr da empresa. No Spotify essa playlists são temáticas, com músicas para relaxar, e contém mais de 990 faixas. São mais de 18 horas de músicas, com duração de um minutos cada para fazer o ouvinte ficar mais calmo, dormir ou ficar mais focado, ao som de quedas d’água, chuva e natureza.

Quase todas as faixas da playlist são creditadas a um artista chamado “Sleepy John”, que na verdade é David Tarrodi, um compositor contratado pela produtora Epidemic Sound. Uma olhada no perfil de John no Spotify mostra que suas dez maiores “faixas” (todas as gravações ou interpretações do som da chuva caindo) acumularam mais de quatro milhões de reproduções no serviço até o momento.

Quem descobriu a identidade do compositor foi o fundador de uma agência de marketing, Darren Hemmings. Para ele a Sony Music consegue faturar com essa prática, do mesmo jeito que os hackers faturam com suas faixas de artistas falsos. Isso porque os serviços de streaming costumam efetuar um pagamento para qualquer faixa, independentemente de sua duração, desde que o ouvinte a ouça por mais de 30 segundos. Assim, quanto mais tempo o ouvinte levar para atingir seu estado de humor (dormir, por exemplo), mais tempo passará ouvindo a playlist de músicas de um minuto, ou seja, maior lucro para a gravadora.

De acordo com o revista, os 50 artistas falsos mais ouvidos arrecadaram 2,85 bilhões de reproduções na plataforma, nos últimos dois anos. Com o marketing certo e playlists certas para impulsionar esse tipo de música, uma gravadora poderia faturar muito mais. O Spotify, a Sony Music e a Epidemic Sound recusaram-se a comentar sobre esta história para a Rolling Stone.

Estamos no Instagram! @mct.mus

Foto: Hayoung Jeon/EPA-EFE/REX/Shutterstock

Leia na origem

Spotify agora tem seu próprio Stories

Matéria de EXAME

Spotify lançou seu próprio Stories para ajudar artistas a promoverem ainda mais suas músicas na plataforma.

O Spotify agora tem seu próprio recurso de Stories, similar ao Instagram. De acordo com a Exame, a nova função será destinada aos artistas que desejam divulgar seu próprio conteúdo, sobre a música que está sendo tocada.

O Storyline é disponibilizado pela Genius Bar, que já informa a letra da música e outras informações gerais. A diferença é que o artista poderá inserir conteúdo personalizado como o Stories do instagram.

O serviço ainda não informou quando a ferramenta estará disponível globalmente, ou se haverá outras novidades de interação com os artistas. Entretanto, já é possível verificar que a cantora Billie Eilish e o trio Jonas Brothers já estão utilizando a ferramenta para promover suas novas músicas.

 

Estamos no instagram! @mct.mus

 

Foto: (Christian Hartmann/Reuters)

Leia na origem

“Evolua”: Gabriel O Pensador recria seu hit “lôraburra” em campanha para mulheres

Matéria de B9

O rapper Gabriel O Pensador foi chamado para recriar sua música “Lôraburra” pensando no poder das mulheres.

O portal B9 publicou uma notícia sobre uma colaboração muito bacana entre marcas e músicos. O rapper Gabriel O Pensador foi chamado para recriar sua música “Lôraburra” pensando no poder das mulheres.

De acordo com o portal, nos anos noventa o hit “Lôraburra” foi um sucesso, mas sempre era vista como uma ofensa as mulheres loiras. Por isso, a rede de franquias de cosméticos, O Boticário, resolveu chamar o Gabriel Pensador  para recriar sua música de uma forma mais empoderada, com a ajuda da cantora Jade Baraldo.

A nova canção foi intitulada como “Evolução”. A campanha para a nova linha de produtos para cabelo ganhou um comercial produzido por equipes maioritamente femininas e um casting bem representativo, com diferentes tipos de cabelo.

Veja como ficou o resultado AQUI.

Estamos no Intagram! @mct.mus

Foto: Youtube

Leia na origem

Tiago Iorc e a tendência dos álbuns visuais

O cantor Tiago Iorc voltou, e assim como quem não quer nada, conseguiu que todas as faixas de seu album visual aparecessem no top 50 do Spotify, em menos de 24 horas.

Tiago Iorc foi um dos assuntos mais comentados da semana. Isso porque reapareceu de surpresa com um novo album visual, após quase um ano longe das mídias. A estratégia deu tanto certo que o cantor quebrou o recorde, com todas as faixas do álbum no Top 50 do Spotify, em menos de 24 horas.

De acordo com o Istoé Gente, apesar de Tiago não ter dado nenhum entrevista sobre o novo trabalho, é possível explicar porque todos os olhos se voltaram para “Reconstrução”, um disco visual.

Nos discos visuais, para cada música um clipe é lançado, como se fossem curtas-metragens que formam um longa quando reunidos. A prática não é novidade, artistas como Anitta (Kisses/2019) e Beyoncé (Lemonade/2016) já apostaram e conseguiram sucesso em seus trabalhos.

“Acho bem-vinda essa ação, não se opõe ao (lançamento em) single. Acho que é uma coisa que caminha em paralelo à outra. E é algo que demanda um esforço maior. Um artista que já está estabilizado como o Tiago tem condições de propor isso”, disse o produtor João Marcello Bôscoli para o portal acrescentando que tudo não passa de estratégia: “Se o marketing é o da surpresa, que legal, poucas coisas surpreendem hoje, e foi arriscado, podia não ter dado certo. Quando você lança tudo de uma vez e tem nome, isso ajuda”.

O produtor Pena Schmidt também considerou o modelo de lançamento válido: “Mas lançar em singles tem a vantagem de se espalhar pelo tempo, proporciona visibilidade mais persistente, Anitta que o diga”, disse ele. “Mas é válido fechar o ciclo de gravar e pôr tudo na rua com ímpeto, partir para o show.” Nesta questão, o portal afirma que Tiago não possui datas confirmadas na agenda de shows.

Estamos no Instagram! @mct.mus

 

Foto: Reprodução/Instagram

Leia na origem

Rolling Stone terá sua própria parada de sucessos para competir com a Billboard

Matéria de Variety

Com foco no streaming de músicas, a revista Rolling Stone lançará na próxima semana sua parada de sucessos para competir com a Billboard.

A Rolling Stone anunciou que terá suas próprias paradas musicais para competir com a Billboard.

Segundo a Variety, a partir da próxima segunda-feira veremos quais hits estarão no “Rolling Stone Charts”. Farão parte da parada de hits da revista os 100 melhores singles e os 200 principais álbuns nos EUA. Além disso, o gráfico de singles será atualizado diariamente, em vez de semanalmente, destacando também informações sobre os dados de streaming para oferecer maior transparência sobre como os rankings são derivados.

O objetivo da parada de hits é conquistar maior espaço em um território que a Billboard dominou por décadas.

“O que é imperativo e empolgante em nossos novos gráficos da Rolling Stone é que ele apresentará uma quantificação transparente, granular e em tempo real para refletir com precisão os interesses em evolução dos ouvintes e fornecer informações sobre as tendências mundiais.”, afirmou Jay Penske, CEO da PMC, proprietária da revista.

Está previsto ainda, na semana que vem, o lançamento de outros três gráficos semanais: o “Rolling Stone Artist 500”, que será o ranking dos artistas com maior reprodução nas plataformas de streaming; o “Rolling Stone Trending 25”, uma lista das músicas baseada em várias métricas; e o “Rolling Stone Breakthrough 25”, com artistas que entraram no gráfico pela primeira vez.

Estamos no intagram! @mct.mus

Assine nossa  newsletter mensal com as notícias mais lidas do blog!

 

Foto: Variety

Leia na origem

[Artigo Exclusivo] Cultura – crise e oportunidade

Dentre as inúmeras definições que o dicionário de língua portuguesa nos dá sobre o substantivo feminino “CULTURA” estão: 1) Conjunto dos hábitos sociais e religiosos, das manifestações intelectuais e artísticas, que caracteriza uma sociedade. 2) Conjunto dos conhecimentos adquiridos. O próprio significado do termo revela a complexidade e amplitude...

Continue lendo

Youtube deleta 10 milhões de visualizações do clipe de “ME!” da Taylor Swift

Matéria de POPline

Ao identificar o uso de robôs para inflar os números do clipe, o Youtube deletou 10 milhões de visualizações.

O Youtube deletou 10 milhões de visualizações da contagem total do novo clipe da cantora Taylor Swift, “ME!. De acordo com o Portal Pop Line, a plataforma identificou o uso de robôs para crescimento falso de streams.

Essa prática tem sido adotada principalmente pelos próprios fãs, de vários fandoms, com o objetivo de inflar os números de seus ídolos e ganhar destaque nas posições nas paradas. De 34 milhões de visualizações, “ME!” conseguiu 24 milhões de acessos. Mesmo com a polêmica, “ME!”, já é um grande hit em todas as plataformas.

 

Foto: divulgação

Leia na origem

Cobrança de direitos autorais no audiovisual é removida

Matéria de Folha de S.Paulo

Entidades que representam autores, diretores e atores não poderão mais recolher taxa sobre direitos autorais.

A Secretaria Especial de Cultura, subpasta do Ministério da Cidadania, suspendeu o recolhimento de três taxas referentes a direitos autorais no audiovisual.

Com a decisão, as entidades Gedar (Gestão de Direitos de Autores Roteiristas), DBCA (Diretores Brasileiros de Cinema e do Audiovisual) e InterArtis (intérpretes), não poderão cobrar valores por uma exibição de obra audiovisual em TV e cinema.

De acordo com a Folha de São Paulo, os maiores beneficiados pela decisão serão as entidades que representam as salas de cinema e canais de TV, que anteriormente, já havia entrado com recurso para reverter a autorização concedida pelo extinto Ministério da Cultura. A decisão também entrará em recurso pelas entidades que representam autores, diretores e atores, que podem à Justiça caso não sejam atendidas.

 

Foto: Glória Pires, atriz e presidente da associação de atores InterArtis – Divulgação

Leia na origem

Durante o Rio2C, Flora Gil alertou sobre a importância de proteger a propriedade intelectual

Matéria de @meioemensagem

Em painel da Rio 2C, empresária que cuida da carreira de Gilberto Gil, destacou a importância de se proteger a propriedade intelectual.

Durante o painel “360o sobre o negócio da música”, no Rio2C, a empresária e esposa de Gilberto Gil, Flora Gil, destacou a importância de se proteger a propriedade intelectual.

Durante a conferência, Flora Gil contou sobre sua experiência na gestão da carreira de Gilberto Gil e como obteve sucesso ao resgatar os direitos sobre sua obra que estava sob o domínio de grandes gravadoras.

Segundo o Meio & Mensagem, a empresária defendeu a necessidade de mudanças no modelo de negócios do mercado da música e alertou os profissionais do audiovisual, afirmando que os criadores, principalmente os iniciantes, precisam entender a necessidade de terem a propriedade intelectual sobre suas produções. Para ela, o criador nunca deve entregar seu material, mesmo que a oferta seja valiosa.

“Não assinem nada que depois de 10, 20 anos, seus filhos pensem: minha mãe fez isso, mas eu não recebo nada”, aconselhou a empresária.

“Você faz uma série e quer entrar na Globo, Multishow, Netflix, Amazon, são muitas as possibilidades hoje em dia. Mas o pensamento que tem que ir junto é de que a propriedade tem que ser, no mínimo, dividida, nunca entregue”, alertou Flora.

Para ela, assim como a tecnologia tem se tornado cada vez mais avançada, algumas indústrias precisam acompanhar e atualizar seus modelos de negócios.

“Quero direito de ter isso com o Gil, mas multiplicamos esta ideia em outros escritórios e artistas. Fui do grupo Procure Saber, criado para discutir o direito do criador. Envolvia Caetano, Marisa, Roberto, Djavan, seus empresários, discutindo o modelo de negócio”, relembrou.

Flora Gil, também compartilhou o case sobre o recente lançamento do album de Gilberto Gil, OK OK OK. A empresária contou como a agregadora Alta Fonte auxiliou no desenvolvimento do trabalho:

“Eles nos deram tudo que combinaram previamente. É uma gravadora física e digital. Através deles tivemos contato com a Apple e eles se juntaram, colocaram um dinheiro grande para fazer a divulgação de um artista grande. Entenderam que poderiam fazer toda a movimentação do disco do Gil sem tocar na propriedade”, disse Flora. A parte do produto físico ficou direcionada pela Biscoito Fino, já que a Alta Fonte trabalha apenas com o formato digital no Brasil.

Estamos no Instagram!@mct.mus

Foto: divulgação

Leia na origem

©2019 MCT - Música, Copyright e Tecnologia.

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?